As contribuições da interpretação de Clóvis Moura sobre a escravidão no Brasil e seus possíveis diálogos com os Estudos Organizacionais

Conteúdo do artigo principal

Ricardo Mello Duarte
https://orcid.org/0000-0003-4190-0323

Resumo

O objetivo deste texto é retomar pontos importantes da obra de Clóvis Moura e apontar possíveis diálogos dessas contribuições com a área de Estudos Organizacionais. A partir de uma perspectiva que põe a questão racial no centro de nossa formação social, é possível se distanciar de abordagens que relacionam o “atraso” na periferia do capitalismo a práticas administrativas defeituosas. Para isso, recorre-se à obra de Moura, da qual foram discutidos os seguintes elementos: a ênfase no papel do escravizado rebelde no desgaste do escravismo; a crítica às técnicas contemporâneas de seleção profissional, cultural e política; o papel da práxis social dinâmica; e a relação entre problemática racial e dependência econômica. Com base nessas ideias, foram apontadas pontes com o estudo das organizações, abrindo possibilidades para: i) questionar leituras contemporâneas que colocam o dominante como protagonista de eventuais transformações sociais, por intermédio do reconhecimento do potencial dos dominados de recobrar sua autonomia; ii) analisar como as organizações são espaços decisivos de reprodução das desigualdades, apontando a ideia de promoção da diversidade nas empresas como um componente do mito escamoteador da realidade social; iii) refletir sobre como os movimentos contemporâneos de resistência, inspirados na quilombagem, podem ser pensados com base em sua capacidade de desgastar o sistema vigente a partir de uma articulação de grupos marginalizados; iv) refletir como a superexploração do trabalho, aliada à austeridade econômica do Estado e à violência policial e paraestatal, demonstra que a herança da escravidão se metamorfoseia para continuar se reproduzindo e sustentando o capitalismo dependente diante dos novos artefatos e arranjos organizacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
Duarte, R. M. (2023). As contribuições da interpretação de Clóvis Moura sobre a escravidão no Brasil e seus possíveis diálogos com os Estudos Organizacionais. Cadernos EBAPE.BR, 21(3), e2022–0052. https://doi.org/10.1590/1679-395120220052
Seção
Artigos

Referências

Alcadipani, R., Khan, F. R., Gantman, E., & Nkomo, S. (2012). Southern voices in management and organization knowledge. Organization, 19(2), 131-143. Recuperado de https://doi.org/10.1177/1350508411431910

Antunes, R. (2014). Desenhando a nova morfologia do trabalho no Brasil. Estudos avançados, 28(81), 39-53. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0103-40142014000200004

Arciniega, L. (2021). Selling diversity to white men: how disentangling economics from morality is a racial and gendered performance. Organization, 28(2), 228-246. Recuperado de https://doi.org/10.1177/1350508420930341

Assunção, M. F. M. D., & Trapp, R. P. (2021). É possível indisciplinar o cânone da história da historiografia brasileira? Pensamento afrodiaspórico e (re) escrita da história em Beatriz Nascimento e Clóvis Moura. Revista Brasileira de História, 41(88), 229-252. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1806-93472021v41n88-12

Buonicore, A. (2020). O pensamento radical de Clóvis Moura. In C. Moura (Ed.), Dialética radical do Brasil negro. São Paulo, SP: Anita Garibaldi.

Carrieri, A. D. P., & Correia, G. F. A. (2020). Estudos organizacionais no Brasil: construindo acesso ou replicando exclusão? Revista de Administração de Empresas, 60(1), 59-63. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0034-759020200107

Costa, P. H. A. D., & Mendes, K. T. (2022). “Negro: de bom escravo a traficante”. Contribuições de Clóvis Moura à crítica da Guerra às Drogas no Brasil. Sociedade e Estado, 37(2), 511-530. Recuperado de https://doi.org/10.1590/s0102-6992-202237020006

Cunha, E. P., & Ferraz, D. L. S. (2015). Marxismo, Estudos Organizacionais e a luta contra o irracionalismo. Organizações & Sociedade, 22(73), 193-198. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1984-9230730

Faria, J. H. (2009). Teoria crítica em estudos organizacionais no Brasil: o estado da arte. Cadernos EBAPE.BR, 7(3), 509-515. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S1679-39512009000300009

Helal, D. H. (2015). Mérito, reprodução social e estratificação social: apontamentos e contribuições para os estudos organizacionais. Organizações & Sociedade, 22(73), 251-268. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1984-9230734

Ibarra-Colado, E. (2006). Organization studies and epistemic coloniality in Latin America: thinking otherness from the margins. Organization, 13(4), 463-488. Recuperado de https://doi.org/10.1177/1350508406065851

Köchling, A., Riazy, S., Wehner, M. C., & Simbeck, K. (2021). Highly accurate, but still discriminatory. Business & Information Systems Engineering, 63(1), 39-54. Recuperado de https://doi.org/10.1007/s12599-020-00673-w

Louredo, F., & Oliveira, T. (2022). Administração desnorteada? Uma revisão sistemática sobre a perspectiva decolonial e os estudos em organizações. Research, Society and Development, 11(2), e10411225378. Recuperado de https://doi.org/10.33448/rsd-v11i2.25378

Machado, C., Jr., Bazanini, R., & Mantovani, D. M. N. (2018). The myth of racial democracy in the labour market: a critical analysis of the participation of afro-descendants in brazilian companies. Organizações & Sociedade, 25(87), 632-655. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1984-9250875

Malatian, T. (2019). Um jornalista combatente: Clóvis Moura, Flama e a política cultural do PCB (1951-1952). História (São Paulo), 38, e2019008. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1980-4369e2019008

Marini, R. (2000). Dialética da dependência: uma antologia da obra de Ruy Mauro Marini: organização e apresentação de Emir Sader. Petrópolis, RJ: Vozes.

Mesquita, E. (2003). Clóvis Moura e a sociologia da práxis. Estudos afro-asiáticos, 25(3), 557-577. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0101-546X2003000300007

Mignolo, W. D. (2020). A geopolítica do conhecimento e a diferença colonial. Revista Lusófona de Educação, 48, 187-224. Recuperado de https://revistas.ulusofona.pt/index.php/rleducacao/article/view/7324

Misoczky, M. C., Abdala, P. R. Z., & Camara, G. D. (2015). Superexplotación del trabajo y dependencia: contribuciones de los aportes de Ruy Mauro Marini en la Administración y los Estudios Organizacionales. Administración y Organizaciones, 18(35), 39-60. Recuperado de https://rayo.xoc.uam.mx/index.php/Rayo/article/view/52

Moura, C. (1977). O negro: de bom escravo a mau cidadão? Rio de Janeiro, RJ: Tavares & Tristão.

Moura, C. (1983). Brasil: raízes do protesto negro (Vol. 28). São Paulo, SP: Global Editora.

Moura, C. (1988). Rebeliões da Senzala: quilombos, insurreições, guerrilhas. Porto Alegre, RS: Mercado Aberto.

Moura, C. (1992). História do Negro Brasileiro. São Paulo, SP: Editora Ática.

Moura, C. (2020). Dialética radical do Brasil negro. São Paulo, SP: Anita Garibaldi.

Oliveira, D. (2020). Uma análise marxista das relações raciais. In C. Moura (Ed.), Dialética radical do Brasil negro. São Paulo, SP: Anita Garibaldi.

Oliveira, F. N. (2011). Modernidade, política e práxis negra no pensamento de Clóvis Moura. Plural, 18(1), 45-64. Recuperado de https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2011.74521

O'neil, C. (2017). Weapons of math destruction: how big data increases inequality and threatens democracy. New York, NY: Crown Publishing Group.

Prasad, P. (2021). True colors of global economy: in the shadows of racialized capitalism. Organization. Recuperado de https://doi.org/10.1177/13505084211066803

Queiroz, M. (2021). Clóvis Moura e Florestan Fernandes: interpretações marxistas da escravidão, da abolição e da emergência do trabalho livre no Brasil. Revista Fim do Mundo, 2(4), 254-280. Recuperado de https://doi.org/10.36311/2675-3871.2021.v2n4.p254-280

Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar. (2022). Insegurança Alimentar e COVID-19 no Brasil (II VIGISAN: relatório final). São Paulo, SP: Fundação Friedrich Ebert.

Santos, M. (2000). Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro, RJ: Record.

Saraiva, L. A. S., & Irigaray, H. A. R. (2009). Políticas de diversidade nas organizações: uma questão de discurso? Revista de Administração de Empresas, 49(3), 337-348. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0034-75902009000300008

Silva, A. P. P. (2021). Resistências negras e amefricanidade: diálogos entre Clóvis Moura e Lélia Gonzalez para o debate antirracista das relações de classe na América Latina. Revista Fim do Mundo, 2(4), 42-59. Recuperado de https://doi.org/10.36311/2675-3871.2021.v2n4.p42-59

Thiollent, M. (2014). Estudos organizacionais: possível quadro referencial e interfaces. Revista Brasileira de Estudos Organizacionais, 1(1), 17-29. Recuperado de https://doi.org/10.21583/2447-4851.rbeo.2014.v1n1.28

Vidal, M., Adler, P., & Delbridge, R. (2015). When Organization Studies Turns to Societal Problems: The Contribution of Marxist Grand Theory. Organization Studies, 36(4), 405-422. Recuperado de https://doi.org/10.1177/0170840615575948

Wanderley, S. (2015). Estudos organizacionais,(des) colonialidade e estudos da dependência: as contribuições da Cepal. Cadernos EBAPE.BR, 13(2), 237-255. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1679-395115852

Wanderley, S., & Barros, A. (2019). Decoloniality, geopolitics of knowledge and historic turn: towards a Latin American agenda. Management & Organizational History, 14(1), 79-97. Recuperado de https://doi.org/10.1080/17449359.2018.1431551

Westwood, R., & Clegg, S. (2003). The discourse of organization studies: Dissensus, politics, and paradigms. In R. Westwood, & S. Clegg (Eds.), Debating organization: Point-counterpoint in organization studies (pp. 1-42). Oxford, UK: Blackwell Publishing.

Zanoni, P., Janssens, M., Benschop, Y., & Nkomo, S. (2010). Guest editorial: unpacking diversity, grasping inequality: rethinking difference through critical perspectives. Organization, 17(1), 9-29. Recuperado de https://doi.org/10.1177/1350508409350344