PCC ou políticas públicas? Uma análise da redução dos homicídios em São Paulo

Conteúdo do artigo principal

Bruno Alvarenga
https://orcid.org/0000-0002-1529-7412

Resumo

Desde o início dos anos 2000, tem-se observado, no estado de São Paulo (SP), a redução das taxas de homicídios, contrastando com o cenário nacional. Com o escopo de entender o fenômeno, hipóteses passaram a ser apresentadas, e, entre estas, a de que a redução dos homicídios em SP teria ocorrido por conta da atuação da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). Apresenta-se revisão de estudos que abordam tal hipótese e busca-se avaliá-la por meio de análises comparativas da tendência dos homicídios com outros indicadores criminais e entre territórios em que a facção criminosa teria maior ou menor poder de influência. Propõem-se novos olhares para o fenômeno, apresentando um modelo multivariado, integrando indicadores socioeconômicos, demográficos e de distribuição do policiamento. Apresentam-se indícios que permitem contestar a hipótese PCC como fator determinante para a redução dos homicídios em SP.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
ALVARENGA, B. PCC ou políticas públicas? Uma análise da redução dos homicídios em São Paulo. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, São Paulo, v. 29, p. e90191 , 2024. DOI: 10.12660/cgpc.v29.90191. Disponível em: https://periodicos.fgv.br/cgpc/article/view/90191. Acesso em: 18 jul. 2024.
Seção
Artigos

Referências

Alvarenga, B. F. (2020a). As taxas de homicídios entre os anos de 1996 e 2016, políticas públicas e as mudanças implementadas na Polícia Militar do Estado de São Paulo (Dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo).

Alvarenga, B. F. (2020b). A relação entre a desigualdade em termos do IDH-M e as taxas de homicídios no município de São Paulo.

Argumentum, 12(3), 132-147. https://doi.org/10.47456/argumentum.v12i3.31351

Andrade, F. R. de, Menezes, F. dos S., Oliveira, M. M. de, Conceição, G. M. de S., Peres, M. F. T., & Latorre, M. do R. D. de O. (2022). Effects of age, period, and birth cohort on homicide mortality in the city of São Paulo, Brazil, from 1996 to 2015. Cadernos de Saúde Pública, 38(1), e00254220. https://doi.org/10.1590/0102-311X00254220

Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. (2013). Índice de desenvolvimento humano municipal: Unidades de desenvolvimento humano. PNUD, Ipea e FJP. http://www.atlasbrasil.org.br/acervo/biblioteca

Biderman, C., Mello, J. M. P. De, Lima, R. S. De, & Schneider, A. (2019). Pax monopolista and crime: The case of the emergence of the Primeiro Comando da Capital in São Paulo. Journal of Quantitative Criminology, 35, 573-605. https://doi.org/10.1007/s10940-018-9393-x

Braga, A. A., Turchan, B., Papachristos, A. V., & Hureau, D. M. (2019). Hot spots policing of small geographic areas effects on crime. Campbell Systematic Reviews. https://doi.org/10.1002/cl2.1046

Cabral, M. V. F. (2016). Avaliação do impacto do Infocrim sobre as taxas de homicídios dos municípios paulistas: Uma aplicação do método de diferenças em diferenças espacial (Tese de doutorado, Universidade Federal de Juiz de Fora).

Cerqueira, D. R. C., & Mello, J. M. P. (2012). Menos armas, menos crimes (Textos para discussão – IPEA. td1721). https://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/2927

Dias, C. C. N. (2011). Da pulverização ao monopólio da violência: Expansão e consolidação do Primeiro Comando da Capital (PCC) no sistema carcerário paulista (Tese de doutorado, Universidade de São Paulo).

Feltran, G. S. (2008). Fronteiras de tensão: Um estudo sobre politica e violência nas periferias de São Paulo (Tese de doutorado, Universidade Estadual de Campinas).

Freire, D. (2018). Evaluating the effect of homicide prevention strategies in São Paulo, Brazil: A synthetic control approach. Latin American Research Review, 53(2), 231-249. https://doi.org/10.25222/larr.334

Goertzel, T., & Kahn, T. (2009). The great Sao Paulo homicide drop. Homicide Studies, 13(4), 398-410. https://doi.org/10.1177/1088767909348711

Guimarães, T. (2016, fevereiro 12). Queda de homicídios em SP é obra do PCC, e não da polícia, diz pesquisador. BBC News Brasil. https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/02/160210_homicidios_pcc_tg

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010). Censo Demográfico 2010: Aglomerados subnormais – informações territoriais. https://www.ibge.gov.br/geociencias/organizacao-do-territorio/tipologias-do-territorio/15788-aglomerados-subnormais.html

Instituto de Ensino e Pesquisa. (2023). Relatório de pesquisa de vitimização em São Paulo. Centro de Políticas Públicas. https://www.insper.edu.br/wp-content/uploads/2023/09/relatorio-vitimizacao-em-sao-paulo-2023.pdf

Justus, M., Cerqueira, D., Kahn, T., & Moreira, G. (2018). The “São Paulo Mistery": The role of the criminal organization PCC in reducing the homicide in 2000s. EconomiA, 19(2), 201-218. https://doi.org/10.1016/j.econ.2018.02.003

Kopittke, A. L. W., & Ramos, M. P. (2021). O que funciona e o que não funciona para reduzir homicídios no Brasil: Uma revisão sistemática. Revista de Administração Pública, 55(2), 414-437. https://doi.org/10.1590/0034-761220190168

Lima, R. S. (2000). Conflitos sociais e criminalidade urbana: Uma análise dos homicídios cometidos no município de São Paulo. Universidade de São Paulo

Lima, R. S. (2014). Criminalité violente et homicides à São Paulo. L’Ordinaire des Amériques, 216. https://doi.org/10.4000/orda.1138

Manso, B. P. (2012). Crescimento e queda dos homicídios em SP entre 1960 e 2010: Uma análise dos mecanismos da escolha homicida e das carreiras no crime (Tese de doutorado, Universidade de São Paulo).

MANSO, B. P.,& DIAS, N. (2018) A Guerra: a ascensão do PCC e o mundo do crime no Brasil. São Paulo, Editora Todavia, 1ª Edição.

Mello, J. M. P., & Schneider, A. (2007). Mudança demográfica e a dinâmica dos homicídios no Estado de São Paulo. São Paulo em Perspectiva, 21(1), 19-30. http://produtos.seade.gov.br/produtos/spp/v21n01/v21n01_02.pdf

Ministério da Saúde. (2022). Sistema de informações de mortalidade. SVS, CGIAE, TabNet – DATASUS. http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sim/cnv/ext10uf.def

Miraglia, P. R. (2008). Cosmologias da violência: Entre a regra e a exceção – Uma etnografia da desigualdade em São Paulo (Tese de doutorado, Universidade de São Paulo).

Nadanovsky, P. (2009). O aumento no encarceramento e a redução nos homicídios em São Paulo, Brasil, entre 1996 e 2005. Cadernos de Saúde Pública, 25(8), 1859-1864. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2009000800022

Oliveira, R. T. (2016). Banalidades e brigas de bar: Estudo sobre conflitos interpessoais com desfechos fatais (São Paulo: 1991-1997) (Dissertação de mestrado, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo).

Peres, M. F. T., Almeida, J. F. de, Vicentin, D., Cerda, M., Cardia, N., & Adorno, S. (2011). Queda dos homicídios no município de São Paulo: Uma análise exploratória de possíveis condicionantes. Revista Brasileira de Epidemiologia, 14(4), 709-721. https://doi.org/10.1590/S1415-790X2011000400017

Polícia Militar do Estado de São Paulo. (2019, dezembro 6) Quadros Particulares de Organização (QPO). Consulta realizada na 3ª Seção do Estado-Maior.

Prefeitura de São Paulo. (2022a). Sistema de Informações sobre Mortalidade – SIM/PRO-AIM – CEInfo –SMS-SP. http://tabnet.saude.prefeitura.sp.gov.br/cgi/deftohtm3.exe?secretarias/saude/TABNET/SIM/obito.def

Prefeitura de São Paulo. (2023). População residente projetada em 01 de julho segundo ano, sexo, faixa etária e local de residência. Município de São Paulo. CEInfo –SMS-SP. http://tabnet.saude.prefeitura.sp.gov.br/cgi/deftohtm3.exe?secretarias/saude/TABNET/POP/pop.def

Secretaria da Segurança Pública de São Paulo. (2022). Dados estatísticos do Estado de São Paulo. http://www.ssp.sp.gov.br/Estatistica/Pesquisa.aspx

Spagnol, A. S. (2005). Jovens delinqüentes paulistanos. Tempo Social, 17(2), 275-299. https://doi.org/10.1590/S0103-20702005000200012

UNODC, United Nations Office on Drugs and Crime (2019). Global Study on Homicide: Homicide trends, patterns, and criminal justice response. United Nations. https://www.unodc.org/documents/data-and-analysis/gsh/Booklet2.pdf