A representação social de ONGs segundo formadores de opinião do município do Rio de Janeiro

Conteúdo do artigo principal

Sylvia Constant Vergara
Victor Cláudio Paradela Ferreira

Resumo

O conceito de organizações não-governamentais (ONGs) é polissêmico, não havendo ainda um marco teórico consolidado sobre o que pode ou não ser considerado uma ONG. Mais do que uma simples questão semântica, porém, o que o fato revela é a dificuldade que se tem encontrado em entender as diversas faces dessas organizações. O próprio conceito de terceiro setor, no qual são classificadas, é problemático. A dificuldade não tem representado, no entanto, um impeditivo ao seu crescimento; ao contrário, elas se expandiram de forma muito acentuada nas últi mas décadas. Para compreender o fenômeno, este artigo apoiou-se na teoria das representações sociais e procurou identificar qual a representação social de ONGs feita pelos formadores de opinião do município do Rio de Janeiro. Elegeu a técnica de evocação de palavras para a coleta de dados. À tal evocação seguiu-se a apresentação de afirmações, com as quais os respondentes deveriam concordar ou não. A pesquisa revela que a representação social de ONG comporta, significativamente, várias idéias de conotação positiva, demonstrando que a sociedade tem legitimado esse tipo de organização, dando respaldo, portanto, à sua expansão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Vergara, S. C., & Ferreira, V. C. P. (2005). A representação social de ONGs segundo formadores de opinião do município do Rio de Janeiro. Revista De Administração Pública, 39(5), 1137 a 1159. Recuperado de https://periodicos.fgv.br/rap/article/view/6582
Seção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>