A economia criativa enquanto prática de espaço no contexto das cidades criativas do sul global: o caso do Poço da Draga

Conteúdo do artigo principal

Vanessa Pereira Pinheiro
https://orcid.org/0000-0002-2057-1359
Ana Sílvia Rocha Ipiranga
https://orcid.org/0000-0001-8095-6800
Luma Louise Sousa Lopes
https://orcid.org/0000-0003-2961-4041

Resumo

Em 2019, Fortaleza, capital do Ceará, recebeu a chancela da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) de cidade criativa do design. Com isso, a prefeitura vem atuando na organização de um distrito criativo entre os espaços de dois bairros contíguos. Nas margens urbanas que circundam esses espaços está situada a comunidade Poço da Draga, que vem organizando um conjunto de ações em prol da economia criativa. Este estudo propõe uma discussão sobre a economia criativa como prática, lançando luzes sobre perspectivas críticas alternativas de análise de políticas públicas relacionadas à organização de distritos criativos em cidades do Sul global. Para isso, considerou-se o conceito de “prática do espaço” como retórica ambulante, um modo de ser e fazer de quem habita a cidade. O objetivo é discutir como a economia criativa pode atuar como prática de espaço. A metodologia de natureza qualitativa envolveu levantamentos bibliográficos e documentais, complementados por entrevistas e procedimentos de observação nos espaços sob estudo. A análise se baseou no exame temático das práticas de espaço identificadas à luz do objetivo da pesquisa. Os principais resultados evidenciam um conjunto de práticas de espaço, emancipatórias e de resistência perpassadas pela criatividade, colocadas em ato pelos habitantes da comunidade do Poço da Draga. Sugere-se que as políticas públicas para as cidades criativas do Sul global considerem os “fazeres” potenciais de seus habitantes, visando à organização das práticas de espaços urbanos marginalizados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
Pinheiro, V. P., Ipiranga, A. S. R., & Lopes, L. L. S. (2023). A economia criativa enquanto prática de espaço no contexto das cidades criativas do sul global: o caso do Poço da Draga. Revista De Administração Pública, 57(6), e2023–0416. https://doi.org/10.1590/0034-761220220416
Seção
Artigos

Referências

Almeida, A. S., Teixeira, R. M., & Luft, M. C. M. S. (2014). Mapeando a produção científica sobre economia criativa em periódicos nacionais e internacionais de 2000 a 2013. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 8(4), 23-47. Recuperado de https://periodicos.uff.br/pca/article/view/11190

Almeida, E. L., & Dias, P. K. (2021). Revisão bibliométrica sobre economia criativa em periódicos nacionais entre 2008 a 2018. Revista Ciências Administrativas, 27(3), 10412. Recuperado de https://doi.org/10.5020/2318-0722.2021.27.3.10412

Alsayel, A., Jong, M., & Fransen, J. (2022). Can creative cities be inclusive too? How do Dubai, Amsterdam and Toronto navigate the tensions between creativity and inclusiveness in their adoption of city brands and policy initiatives? Cities, 128, 103786. Recuperado de https://doi.org/10.1016/j.cities.2022.103786

Angrosino, M. (2009). Etnografia e observação participante. Porto Alegre, RS: Artmed.

Arantes, A. A. (2006). O patrimônio cultural e seus usos: a dimensão urbana. Revista Habitus, 4(1), 425-435. Recuperado de https://doi.org/10.18224/hab.v4.1.2006.425-435

Ashton, M. S. G., Haubert, B., Prodanov, L., Schreiber, D., & Nunes, M. F. (2016). Cidade criativa do design da Rede Unesco: evidências e percepções dos turistas em Montreal. Desenvolvimento em Questão, 14(36), 352-377. Recuperado de https://doi.org/10.21527/2237-6453.2016.36.352-377

Barbalho, A., & Barreto, M. (2020). Retratos do Ceará moderno: emergência de um padrão de modernização cultural nas margens. Fortaleza, CE: EdUECE.

Barcellos, E. E. I., Botura, G., Jr., & Ramirez, C. M. S. (2016). The creative economy on the environmental of the technological parks and incubators. International Journal of Innovation, 4(2), 140-154. Recuperado de https://doi.org/10.5585/iji.v4i2.52

Bardin, L. (2004). Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70.

Bauer, M. W., & Gaskell, G. (2002). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Petrópolis, RJ: Vozes.

Bendassolli, P. F., Wood, T., Jr., Kirschbaum, C., & Cunha, M. P. (2009). Indústrias criativas: definição, limites e possibilidades. Revista de Administração de Empresas, 49(1), 10-18. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0034-75902009000100003

Beyes, T., & Steyaert, C. (2012). Spacing organization: non-representational theory and performing organizational space. Organization, 19(1), 45-61. Recuperado de https://doi.org/10.1177/1350508411401946

Bezerra, R. G. (2008). O bairro Praia de Iracema entre o “adeus” e a “boemia”: usos, apropriações e representações de um espaço urbano (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE.

Boccella, N., & Salerno, I. (2016). Creative economy, cultural industries and local development. Procedia - Social and Behavioral Sciences, 223, 291-296. Recuperado de https://doi.org/10.1016/j.sbspro.2016.05.370

Brenner, N. (2016). Critique of urbanization: selected essays. Boston, MA: Birkhäuser.

Cerqueira, E. V. (2018). Faut-il renouveler le regard sur les franges peripheriques des villes du Sud? Le cas des peripheries bresiliennes. Confins, 36. Recuperado de https://doi.org/10.4000/confins.14043

Certeau, M. (1994). A invenção do cotidiano. Petrópolis, RJ: Vozes.

Closs, L., & Rocha-de-Oliveira, S. (2017). Economia criativa e territórios usados: um debate baseado nas contribuições de Milton Santos. Cadernos EBAPE.BR, 15(2), 349-363. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1679-395152437

Coelho, T. (1997). Dicionário crítico de política cultural. São Paulo, SP: Fapesp/Iluminuras.

Costa, S. S. F. (2005). Praia de Iracema e a revitalização de seu patrimônio histórico. Pós FAUUSP, 18, 48-59. Recuperado de https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v0i18p48-59

Czarniawska, B. (2008). A theory of organizing. London, UK: Edward Elgar Publishing Limited.

Das, V., & Poole, D. (2004). Anthropology in the margins of the State. Santa Fe, New Mexico: School of American Research Press.

Depiné, A., Medeiros, D., Bonetti, G., & Vanzin, T. (2018). Cidades criativas e o componente cultural no desenvolvimento urbano. In A. Depiné, & C. Teixeira (Org.), Habitats de inovação: conceito e prática (Vol. 1, pp. 67-86). São Paulo, SP: Perse.

Dosse, F. (2004). O espaço habitado segundo Michel de Certeau. ArtCultura, 6(9), 81-92. Recuperado de https://seer.ufu.br/index.php/artcultura/article/view/1373

Emmendoerfer, M. L., Fioravante, A. S. A., & Cezar, L. C. (2016). Planejamento governamental e comunicação organizacional para a política pública de economia criativa no Brasil. Revista Brasileira de Políticas Públicas e Internacionais, 1(1), 137-151. Recuperado de https://periodicos.ufpb.br/index.php/rppi/article/view/28261

Federação das Indústrias do Estado do Ceará. (2021). Estratégias para o desenvolvimento dos clusters do Ceará: distrito criativo. Recuperado de https://www.fortalezacriativa.com/dossie-arquivos

Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro. (2022). Mapeamento da indústria criativa no Brasil. Recuperado de https://www.firjan.com.br/economiacriativa/downloads/MapeamentoIndustriaCriativa2022.pdf

Fischer, T. (1997). A cidade como teia organizacional: inovações, continuidades e ressonâncias culturais Salvador, BA, cidade puzzle. Revista de Administração Pública, 31(3), 74-88. Recuperado de https://periodicos.fgv.br/rap/article/view/7906

Fortaleza Criativa. (2020). Fortaleza Criativa. Recuperado de https://www.fortalezacriativa.com

Frúgoli, H., Jr. (2018). Ativismos em São Paulo. Cadernos CRH, 31(82), 75-86. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0103-49792018000100005

Furtado, C. (1984). Cultura e desenvolvimento em época de crise. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Gherardi, S. (2009). Practice? It’s a matter of taste. Management Learning, 40(5), 535-550. Recuperado de https://doi.org/10.1177/1350507609340812

Gondim, L. M. P. (2008). A favela depois do estatuto da cidade: novos e velhos dilemas à luz do caso do Poço da Draga. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, 10(2), 97-114. Recuperado de https://doi.org/10.22296/2317-1529.2008v10n2p97

Grodach, C. (2017). Urban cultural policy and creative city making, 68, 82-91. Recuperado de https://doi.org/10.1016/j.cities.2017.05.015

Haubrich, G. F., Bessi, V. G., Bohnenberger, M. C., & Freitas, E. C. (2020). Reflexões sobre o trabalho no contexto contemporâneo da economia criativa. Organizações & Sociedade, 27(93), 255-267. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1984-9270935

Honorato, B. E. F., & Saraiva, L. A. S. (2016). Cidade, população em situação de rua e estudos organizacionais. Desenvolvimento em Questão, 14(36), 158-186. Recuperado de https://doi.org/10.21527/2237-6453.2016.36.158-186

Hoston, J. (2008). Insurgent citizenship: disjunctions of democracy and modernity in Brazil. Princeton, NJ: Princeton University Press.

Ipiranga, A. S. R. (2010). A cultura da cidade e os seus espaços intermediários: os bares e os restaurantes. Revista de Administração Mackenzie, 11(1), 65-91. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S1678-69712010000100004

Instituto de Planejamento de Fortaleza. (2021). Poço da Draga: Pirfs prioritárias. Recuperado de https://zonasespeciais.fortaleza.ce.gov.br/zeisp/3

Kornberger, M., & Clegg, S. R. (2004). Bringing space back in organizing the generative building. Organization Studies, 25(7), 1095-1114. Recuperado de https://doi.org/10.1177/0170840604046312

Lacerda, C. C. O., Ipiranga, A. S. R., & Thoene, U. (2023). A critical organizational history of city margins in the Global South. Qualitative Research in Organizations and Management, 18(1), 22-45. Recuperado de https://doi.org/10.1108/QROM-05-2022-2335

Landry, C. (2013). Origens e futuros da cidade criativa. São Paulo, SP: Sesi.

Landry, C., & Bianchini, F. (1995). The creative city. London, UK: Demos.

Leitão, C. (2016). Ter ou não ter o direito à criatividade, eis a questão: sobre os desafios, os impasses e as perspectivas de um Brasil criativo. In C. Leitão, & A. F. Machado (Org.), Por um Brasil criativo: significados, desafios e perspectiva da economia criativa brasileira (pp. 309-380). Belo Horizonte, MG: Código.

Leitão, C. (2018, fevereiro 26). Fortaleza e o seu primeiro distrito criativo. O Povo. Recuperado de https://mais.opovo.com.br/jornal/opiniao/2018/02/fortaleza-e-o-seu-primeiro-distrito-criativo.html

Leite, R. P. (2002). Contrausos e espaço público: notas sobre a construção social dos lugares na Manguetown. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 17(49), 115-172. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0102-69092002000200008

Leite, R. P. (2008). Localizando o espaço público: gentrification e cultura urbana. Revista Crítica de Ciências Sociais, 83, 35-54. Recuperado de https://doi.org/10.4000/rccs.436

Leite, R. P. (2010). A inversão do cotidiano: práticas sociais e rupturas na vida urbana contemporânea. Dados, 53(3), 737-756. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0011-52582010000300007

Leite, R. P. (2015). Cities and gentrification in contemporary Brazil. Current Urban Studies, 3(3), 175-186. Recuperado de http://dx.doi.org/10.4236/cus.2015.33015

Lima, J. G. B., Morais, I. A. L., & Souza, L. R. C. (2021). O impacto da pandemia covid-19 no turismo em três cidades criativas do Mercosul. Rosa dos Ventos, 13(4), 1-26. Recuperado de http://dx.doi.org/10.18226/21789061.v13i4p27

Mac-Allister, M. (2004). A cidade no campo dos estudos organizacionais. Organizações & Sociedade, 11(Especial), 171-181. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1984-9110012

Mendes, L. (2012). Nobilitação urbana marginal enquanto prática emancipatória: alternativa ao discurso hegemônico da cidade criativa? Revista Crítica de Ciências Sociais, 99, 51-72. Recuperado de https://doi.org/10.4000/rccs.5112

Menezes, R. A. G., & Ipiranga, A. S. R. (2022). An inclusive organizing through creative economy: the case of a creative city from Brazil. In Proceedings of the 39º European Group for Organizational Studies Colloquium, Vienna, Austria.

Miraftab, F., & Kudva, N. (2015). Cities of the Global South reader: urban reader series. London, UK: Routledge/Taylor & Francis Group.

Muzzio, H. (2019). Estética e arte urbana: flagrantes da construção de cidades criativas. Revista Interdisciplinar de Gestão Social, 8(2), 15-28. Recuperado de https://periodicos.ufba.br/index.php/rigs/article/view/29592

Muzzio, H., & Barbosa, F. C. (2018). No caminho para uma gestão criativa: a percepção dos gestores da economia criativa sobre suas experiências. Revista de Administração da Unimep, 16(3), 108-131. Recuperado de http://dx.doi.org/10.15600/rau.v16i3.1179

Nogueira, A. M. A. (2019). Possibilidades e desafios de práticas insurgentes: o caso da comunidade Poço da Draga (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE.

Oliveira, B. L. F. L. (2018). Histórias da terra e do mar: narrativas sobre resistência na comunidade Poço da Draga (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE.

Plano de Ação Territorial. (2018). Distritos e cidades criativas. Recuperado de https://mapacultural.secult.ce.gov.br

Reis, A. C. F. (2012). Cidades criativas: da teoria à prática. São Paulo, SP: Sesi.

Reis, A. C. F., & Kageyama, P. (2011). Cidades criativas: perspectivas. São Paulo, SP: Garimpo de Soluções.

Reis, J. M. D., & Zille, L. P. (2020). Empreendedorismo cultural e economia criativa: a companhia de teatro “Grupo Galpão”. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 9(2), 97-122. Recuperado de https://doi.org/10.14211/regepe.v9i2.1576

Ren, X. (2021). The peripheral turn in global urban studies: theory, evidence, sites. South Asia Multidisciplinary Academic Journal, 26, 1-8. Recuperado de https://doi.org/10.4000/samaj.7413

Richards, G. (2018). Tourism, an underestimated driving force for the creative economy. Revista Turismo em Análise, 29(3), 387-395. Recuperado de https://doi.org/10.11606/issn.1984-4867.v29i3p387-395

Robles, M., Rodrıguez, N., & Dattwyler, R. (2021). De la periferia y el periurbano al margen: comprendiendo el espacio de expansión de la ciudad latinoamericana. Atelier Geográfico, 15(2), 6-26. Recuperado de https://doi.org/10.5216/ag.v15i2.69949

Roy, A. (2015). What is urban about critical urban theory? Urban Geography, 37(6), 810-823. Recuperado de https://doi.org/10.1080/02723638.2015.1105485

Santos, E. C. D., & Silva, C. M. (2020). Feiras colaborativas e economia criativa em Caruaru, Pernambuco. Desenvolvimento em Questão, 18(52), 286-307. Recuperado de https://doi.org/10.21527/2237-6453.2020.52.286-307

Saraiva, L. A. S., & Carrieri, A. P. (2012). Organização-cidade: proposta de avanço conceitual a partir da análise de um caso. Revista de Administração Pública, 46(2), 547-576. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0034-76122012000200010

Saraiva, L. A. S., & Ipiranga, A. S. R. (2020). História, práticas sociais e gestão das/nas cidades. Ituiutaba, MG: Barlavento.

Sassen, S. (2016). Expulsões: brutalidade e complexidade na economia global. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Scarpato, L. E. L., Ashton, M. S. G., & Schreiber, D. (2021). Elementos para uma cidade criativa: uma análise de Kortrijk, Bélgica. Rosa dos Ventos, 13(1), 109-122. Recuperado de http://dx.doi.org/10.18226/21789061.v13i1p109

Serra, N., & Fernandez, R. S. (2014). Economia criativa: da discussão do conceito à formulação de políticas públicas. Revista de Administração e Inovação, 11(4), 355-372. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/rai/article/view/110253

Silva, I. D., Dias, P. K., & Santos, E. C. D. (2021). Organizing e gestão ordinária na economia criativa local. Administração Pública e Gestão Social, 13(3), 1-22. Recuperado de https://doi.org/10.21118/apgs.v13i3.10159

Silveira, E. D. (2019). Dossiê Unesco Fortaleza cidade criativa: políticas públicas para cidades. Cadernos do Observatório, 7(7), 19-27. Recuperado de https://observatoriodefortaleza.fortaleza.ce.gov.br/revista/article/7/3

Stern, M. J., & Seifert, S. C. (2008). From creative economy to creative society. Philadelphia, PA: The Reinvestment Fund.

Teixeira, S. M. F., Subirats, J., Lacerda, D. S., & Blanco, I. (2018). Políticas públicas e a cidade: produzindo espaços urbanos inclusivos. Revista de Administração Pública, 52(6), 1007-1014. Recuperado de https://doi.org/10.1590/0034-761220180306

United Nations Conference on Trade and Development. (2018). Creative economy outlook: trends in international trade in creative industries (2002-2015). Recuperado de https://unctad.org/system/files/official-document/ditcted2018d3_en.pdf

United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization. (2020). Why creativity? Why cities? Recuperado de https://en.unesco.org/creative-cities/content/why-creativity-why-cities

Valiati, L., & Moller, G. (2016). Economia criativa, cultura e políticas públicas. Porto Alegre, RS: Ed. UFRGS.

Vasconcellos, S. L., Monticelli, J. M., Calixto, C. V., & Garrido, I. L. (2017). Prospecting theoretical approaches to understand internationalization of creative economy firms. Revista Eletrônica de Negócios Internacionais, 12(3), 77-92. Recuperado de https://doi.org/10.18568/1980-4865.12377-92

Velázquez, B. R. R. (2007). Del suburbio y la periferia al borde: el modelo de crecimiento de la Zona Metropolitana del Valle de México (ZMVM). L’Ordinaire des Ameriques, 207, 69-89. Recuperado de https://doi.org/10.4000/orda.3350

Ward, G. (2001). Michel de Certeau’s “spiritual spaces”. The South Atlantic Quarterly, 100(2), 501-517. Recuperado de https://doi.org/10.1215/00382876-100-2-501

Wittmann, T. (2019, abril). Cidades criativas: ativos intangíveis como recurso central de criação de valor. Via Revista, 4(6), 5-10. Recuperado de https://via.ufsc.br/wp-content/uploads/2019/04/revistaVIA-6-ed.pdf

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)