[1]
M. E. de Freitas, “Lições organizacionais vindas da Antártica”, Rev. Adm. Pública, vol. 46, nº 4, p. 915 a 937, dez. 2012.