Ênfase no ajuste pela receita é legítimo e viável, mas exige apuro técnico e força política

Autores

  • Luiz Guilherme Schymura

Resumo

O bom senso aponta que idealmente um ajuste fiscal deve cortar gastos ineficientes e aumentar receitas com baixo custo marginal. O governo optou por trabalhar principalmente essa segunda alternativa, como mostram os movimentos iniciais do ministro Haddad. É um caminho que exige bastante apuro técnico – tendo em vista inclusive o terreno comum com a reforma tributária – e habilidade e força política. Mas é uma escolha viável e que, se bem-sucedida, pode ajudar o Brasil a reencontrar a trajetória de crescimento sustentado.

Downloads

Publicado

2023-06-23

Edição

Seção

Carta do IBRE