Do negro-vida ao pretuguês: contribuições do pensamento social brasileiro negro para o Direito

Autores

Palavras-chave:

Pensamento social negro, pensamento social brasileiro, pesquisa empírica em Direito, Lélia Gonzalez, Guerreiro Ramos

Resumo

O presente artigo tem por objetivo apresentar as contribuições do pensamento social brasileiro negro para o campo jurídico brasileiro recente. Adotamos como método a revisão de literatura. Primeiro, apresentamos como o debate racial é abordado no pensamento social brasileiro clássico. A seguir, utilizamos as categorias centrais no pensamento de Lélia Gonzalez e Guerreiro Ramos, especificamente os conceitos de “amefricanidade”, “pretuguês” e “negro-vida”, destacando as suas contribuições fundamentais para o pensamento social negro. Em seguida, a partir de pesquisa em bases de dados de periódicos, demonstramos como as produções desses intérpretes são mobilizadas, atualmente, por pesquisadores no campo do Direito e das relações raciais. Concluímos que, nos últimos seis anos, o pensamento social brasileiro negro tem sido utilizado para atualizar as pesquisas acadêmicas no campo do Direito e das relações raciais, principalmente por meio de artigos científicos e dissertações de mestrado, sendo, assim, fundamental para a racialização do debate jurídico.

Biografia do Autor

Julia dos Santos Drummond, Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas, São Paulo, São Paulo, Brasil

Doutoranda em Direito e Desenvolvimento na Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV DIREITO SP). Pesquisadora do Núcleo de Justiça Racial e Direito da FGV DIREITO SP. Pesquisadora Visitante da Arizona State University (2022-2023).

Luciano Santana Pinheiro, Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas, São Paulo, São Paulo, Brasil

Mestre em Direito e Desenvolvimento na Escola de Direito de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV DIREITO SP). Pesquisador Visitante da University of Pennsylvania (2022-2023). Professor Substituto de Direito da Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Downloads

Publicado

2024-04-11

Edição

Seção

Artigos