Moda sustentável: uma análise sob a perspectiva do ensino de boas práticas de sustentabilidade e economia circular

Conteúdo do artigo principal

Leonice Troiani
https://orcid.org/0000-0003-4648-471X
Simone Sehnem
https://orcid.org/0000-0002-2416-4881
Luciano Carvalho
https://orcid.org/0000-0002-1740-6053

Resumo

As boas práticas de sustentabilidade e economia circular são assuntos abordados de forma recorrente na sociedade, uma vez que há uma transição de comportamento de consumo de uma parcela da população que almeja adquirir produtos eco-friendly. O objetivo deste estudo é analisar a forma pela qual os cursos de bacharelado presencial em design de moda ofertados em nível de graduação no Brasil estão inserindo premissas de sustentabilidade e economia circular na formação do aluno. O arcabouço teórico está pautado em moda sustentável e economia circular. O trabalho consiste num levantamento com abordagem qualitativa e quantitativa. Foram aplicados questionários a coordenadores, docentes e discentes dos cursos de design de moda. Os resultados evidenciaram que são ensinadas boas práticas de sustentabilidade e economia circular nesses cursos. Tal ensino dá ênfase ao incentivo aos discentes para adesão das boas práticas de sustentabilidade, biodegradabilidade e fabricação de roupas. Há evidências de que a forma de ensino adotada pela instituição contribui para a formação de pessoas qualificadas que atuam em mercados inovadores e com nichos diferenciados. Portanto, os cursos estão alinhados com o ensino de práticas e provisionam conhecimento, a fim de que os profissionais possam disseminar boas práticas da moda sustentável. O estudo contribui para que os coordenadores tenham subsídios na reestruturação dos projetos pedagógicos dos cursos e possam inserir disciplinas específicas que enfatizem práticas de sustentabilidade e economia circular contemporâneas e emergentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
Troiani, L., Sehnem, S., & Carvalho, L. (2022). Moda sustentável: uma análise sob a perspectiva do ensino de boas práticas de sustentabilidade e economia circular. Cadernos EBAPE.BR, 20(1), 62–76. https://doi.org/10.1590/1679-395120200214
Seção
Artigos

Referências

Amaral, W. A. N., Ometto, A. R., Iritani, D. R., Moreira, N., Gomes, G. M., & Iwasaka, F. I. (2019). Moda circular no Brasil. Piracicaba, SP: Esalq/USP.

Amritha, B., & Suresh, K. (2020). Sustainability is the new black: exploring website communication practices of Indian sustainable fashion brands. Fashion – Style and Popular Culture, 7(4), 539-558.

Anice, A., & Rüthschilling, E. A. (2013). Relações entre moda e sustentabilidade. In Anais do 9º Colóquio de moda, Fortaleza, CE. Recuperado de http://www.coloquiomoda.com.br/anais/

Araújo, M. B. M., Broega, A. C., & Ribeiro, S. M. (2014). Sustentabilidade na moda e o consumo consciente. In Anais do 19º Seminário acadêmico Apec, Barcelona, Espanha.

Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção. (2018). Perfil do setor: dados gerais do setor referentes a 2017. São Paulo, SP: Autor. Recuperado de http://www.abit.org.br/cont/perfil-do-setor

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo, SP: Edições 70.

Berlim, L. (2012). Moda e sustentabilidade: uma reflexão necessária. São Paulo, SP: Estação das Letras e Cores.

Borges, C. M. F. (2004). O professor da educação básica e seus saberes profissionais. São Paulo, SP: JM Editora.

Brunstein, J., Godoy, A. S., & Fischer, T. M. D. (2013) Introdução ao Fórum Temático Sustentabilidade nas escolas de administração: tensões e desafios. Revista de Administração Mackenzie, 14(3), 14-25.

Bürdek, B. E. (2006). História, Teoria e Prática do Design de Produtos. São Paulo, SP: Edgard Blücher.

Cardoso, M. T., & Dantas, E. B. (2019). Engajamento Ambiental Como Artifício de Branding de Moda. ModaPalavra, 12(24), 148-164. Recuperado de http://dx.doi.org/10.5965/1982615x1224201900148

Chiaretto, S. (2013). Práticas socioambientais no fomento da relação moda – consumo – sustentabilidade: estudo de casos múltiplos em empresas mineiras de moda (Dissertação Mestrado). Fundação Mineira de Educação e Cultura, Belo Horizonte, MG.

Chiaretto, S., Martins, H. C., & Muylder, C. F. (2014). Práticas socioambientais no fomento da relação moda – consumo – sustentabilidade: estudo de casos múltiplos em empresas mineiras de moda. RBMAD - Revista Brasileira de Meio Ambiente Digital e Sociedade da Informação, 1(2), 474-495.

Claxton, S., & Kent, A. (2020, setembro). The management of sustainable fashion design strategies: an analysis of the designer’s role. Journal of Cleaner Production, 268, 122112.

Confederação Nacional da Indústria. (2018). Economia circular: oportunidades e desafios para a indústria brasileira. Brasília, DF: Autor.

Costa, A. V. O. (2012). Indicadores de sustentabilidade para instituições de ensino superior: contribuições para a Agenda Ambiental (Dissertação de Mestrado). Pontifica Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ.

Elkington, J. (2011). Canibais com Garfo e Faca. São Paulo, SP: Makron Books.

Ellen Macarthur Foundation. (2015). Circular Economy 100 Brasil (CE100 Brasil). Recuperado de https://www.ellenmacarthurfoundation.org/assets/downloads/ce100/FAQ-CE100-Brasil.pdf

Ellen Macarthur Foundation. (2017). Rumo a economia circular: o racional de negócio para acelerar a transição. Recuperado de https://www.ellenmacarthurfoundation.org/news/circular-economy-implementation-in-china

Ertekin, Z. O., & Atik, D. (2020). Institutional Constituents of Change for a Sustainable Fashion System. Journal of Macromarketing, 40(3), 362-379.

Fifita, M. E., Seo, Y., Ko, E., Conroy, D., & Hong, D. (2020, setembro). Fashioning organics: Wellbeing, sustainability, and status consumption practices. Journal of Business Research, 117, 664-671

Fletcher, K. (2007). Slow Fashion: An Invitation for Systems Change. Fashion Practice: The Journal of Design, Creative Process & the Fashion, 2(2), 259-266. Recuperado de https://doi.org/10.2752/175693810X12774625387594

Fletcher, K., & Grose, L. (2011). Moda e sustentabilidade: design para mudança. São Paulo, SP: Editora Senac.

Fung, Y. N., Choi, T. M., & Liu, R. (2020). Sustainable planning strategies in supply chain systems: proposal and applications with a real case study in fashion. Production Planning and Control, 31(11-12), 883-902.

Galleli, B., Sutter, M. B., & Lennan, M. L. F. M. (2015). Perspectivas para a sustentabilidade na oferta de moda brasileira no mercado internacional. Revista de Gestão Social e Ambiental, 9(3), 45-62.

Garcia, D. S. S., & Garcia, H. S. (2016). Objetivos de desenvolvimento do milênio e as novas perspectivas do desenvolvimento sustentável pela Organização das Nações Unidas. Revista da Faculdade de Direito da UFRGS, 35, 192-206.

Geissdoerfer, M., Savaget, P., Bocken, N. M. P., & Hultink, E. J. (2017, fevereiro). The circular economy: a new sustainability paradigm? Journal of Cleaner Production, 143, 757-768.

Gomes, A. M. M., González, F. A., & Bárcena, M. M. (2018). Parques ecoindustriais inteligentes: uma implementação de economia circular baseada no metabolismo industrial. Recursos, Conservação e Reciclagem, 135, 58-69.

Henninger, C. E., Alevizou, P. J., & Oates, C. J. (2016). What is sustainable fashion? Journal of Fashion Marketing and Management, 20(4), 400-416.

Janaudis, A. (2011, fevereiro 15). A moda poetiza o corpo, Marie Rucki. Fashion Bubbles. Recuperado de https://www.fashionbubbles.com/historia-da-moda/a-moda-poetiza-o-corpo-marie-rucki/

Jeanologia. (2019). Introduzindo a sustentabilidade à indústria têxtil. Recuperado de https://www.jeanologia.com/

Koszewska, M. (2018). Circular Economy — Challenges for the Textile and Clothing Industry. Autex Research Journal, 18(4), 337-347. Recuperado de https://doi.org/10.1515/aut-2018-0023

Lancaster, M. (2002). Principles of sustainable and green chemistry. In J. Clark, & D. Macquarrie (Eds.), Handbook of green chemistry and technology. Oxford, UK: Blackwell.

Lee, E. J., Choi, H., Han, J., Ko, E., & Kim, K. H. (2020). How to “nudge” your consumers toward sustainable fashion consumption: an fMRI investigation. Journal of Business Research, 117, 642-651.

Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. (1981). Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Brasília, DF. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6938.htm

Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. (1999). Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Brasília, DF. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm

Leitão, A. (2015). Economia circular: uma nova filosofia de gestão para o séc. XXI. Portuguese Journal of Finance, Management and Accounting, 1(2), 150-171.

Leite, A. A. V., & Sehnem, S. (2018). Proposição de um modelo de gestão sustentável e competitivo para o artesanato. Cadernos EBAPE.BR, 16(2), 264-285.

Lima, C. C., Silveira, I., & Beirão, J. A., Filho. (2018). Planejamento de carreira para alunos e egressos de graduações em design de moda: necessidade e relevância. Projética, 9(2), 83-98.

Lipovetsky, G. (1989). O império do efémero: a moda e seu destino nas sociedades modernas. Lisboa, Portugal: Alfragide.

Lipovetsky, G. (2015). A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade do hiperconsumo. Lisboa, Portugal: Edições 70.

Lopes, J. C., & Demajorovic, J. (2020). Responsabilidade Social Corporativa: uma visão crítica a partir do estudo de caso da tragédia socioambiental da Samarco. Cadernos EBAPE.BR, 18(2), 308-322.

Lopes, U. M., & Tenório, R. M. (2011). Educação como fundamento da sustentabilidade. Salvador, BA: Edufba.

Loureiro, S. M., Pereira, V. L. D. V., & Pacheco, W., Jr. (2016). A sustentabilidade e o desenvolvimento sustentável na educação em engenharia. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, 20(1), 306-324.

Manninen, K., Koskela, S., Antikainen, R., Bocken, N., Dahlbo, H., & Aminoff, A. (2018). Do circular economy business models capture intended environmental value propositions? Journal of Cleaner Production, 171(1), 413-422. Recuperado de https://doi.org/10.1016/j.jclepro.2017.10.003

McDowall, W., Geng, Y., Huang, B., Barteková, E., Bleischwitz, R., Türkeli, S. ... Doménech, T. (2017). Circular Economy Policies in China and Europe. Journal of Industrial Ecology, 21(3), 651-661. Recuperado de https://doi.org/10.1111/jiec.12597

McNeill, L., & Moore, R. (2015). Sustainable fashion consumption and the fast fashion conundrum: fashionable consumers and attitudes to sustainability in clothing choice. International Journal of Consumer Studies, 39(3), 212-222.

Moura, B. (2018, setembro 29). Por favor, me vê 1 litro de jeans. Recuperado de https://falauniversidades.com.br/desperdicio-litro-jeans-agua/

Nishimura, M. D. L., & Gontijo, L. A. (2017). Vestuário sustentável. Revista Pensamento & Realidade, 32(2), 110-121.

Pearce, D. W., & Turner, R.K. (1990). Economics of natural resources and environment. Londres, UK: Harvester Wheashealf.

Pena, R. A. (2019). Atividades que mais consomem água. Brasil Escola. Recuperado em https://brasilescola.uol.com.br/geografia/atividades-que-mais-consomem-agua.htm

Pereira, D., & Nogueira, M. (2013). Moda sob medida uma perspectiva do slow fashion. In Anais do 9º Colóquio de moda, Fortaleza, CE. Recuperado de http://www.coloquiomoda.com.br/anais/

Podlasek, C. L., Agudelo, L. P. P., Silva, R. R., Casagrande, E. F., Jr., Lima, E. G., & Chaves, L. I. (2018). Abordagem ambiental em cursos de graduação em design: as considerações do Ministério de Educação e Cultura e os métodos de quatro escolas do Sul do Brasil. Revista Educação & Tecnologia, 9, 1-18.

Prado, L. A. (2019). Indústria do vestuário e moda no Brasil do século XIX a 1960: da cópia e adaptação à autonomização subordinada (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

Rech, S. R. (2002). Moda: por um fio de qualidade. Florianópolis, SC: UDESC.

Refosco, E., Oenning, J., & Neves, M. (2011). Da Alta Costura ao Prêt-àporter, da Fast Fashion a Slow Fashion: um grande desafio para a Moda. Modapalavra, 4(8), 1-15.

Resolução nº 2, de 15 de junho de 2012. (2012). Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Brasília, DF. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rcp002_12.pdf

Resolução nº 5, de 08 de março de 2004. (2004). Aprova as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Design e dá outras providências. Brasília, DF. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rces05_04.pdf

Sena, A. M. C., Matos, F. R. N., Mesquita, R. F., & Machado, D. Q. (2017). Abordagem grassroots e resistência: atualizando a concepção de desenvolvimento sustentável. Cadernos EBAPE.BR, 15(3), 651-666.

Silva, M, A. R., & Alliprandini, P. M. Z. (2018). Aprendizagem autorreguladora por alunos do curso de design de moda: um estudo exploratório. Caderno da Educação, 60, 3-19.

Štefko, R., & Steffek, V. (2018). Key issues in slow fashion: current challenges and future perspectives. Sustainability, 10, 1-11. Recuperado de https://doi.org/10.3390/su10072270

Treptow, D. (2003). Inventando moda: planejamento de coleção. Brusque, SC: Autor.

Troiani, L. (2020). Moda Sustentável: uma análise sob a perspectiva do ensino de boas práticas de sustentabilidade e economia circular (Dissertação do Mestrado). Universidade do Oeste de Santa Catarina, Chapecó, SC.

Winans, K., Kendall, A., & Deng, H. (2017). The history and current applications of the circular economy concept. Renewable and Sustainable Energy Reviews, 68, 825-833.

Yin, R. K. (2010). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre, RS: Bookman.

Zhang, R. (2014). Sustainable apparel consumption: scale development and validation (Tese de Doutorado). Oregon State University, Corvallis, Oregon.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)