De moeda social a criptomoeda: dilemas da emancipação tecnológica do E-Dinheiro

Conteúdo do artigo principal

Bruno Sanches
Luiz Faria
Pedro Gonçalves Neto
Marcos Ferreira

Resumo

E-Dinheiro é uma moeda social que se tornou digital. Nessa trajetória, a Rede Brasileira de Bancos Comunitários, a entidade comunitária gestora do e-Dinheiro, se tornou tecnologicamente dependente da empresa que forneceu e administrava seu software. Depois de muitos anos de luta, a entidade comunitária rompeu com as algemas tecnológicas que a deixaram subjugada à empresa de tecnologia e está diante de novas oportunidades. Uma delas, apresentada por um grupo de pesquisadores, é transformar o e-Dinheiro
em uma criptomoeda. Porém, essa oportunidade coloca a entidade diante de novos e antigos dilemas, sobre os quais ela precisa decidir.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Seção
Casos