Como permanecer relevante?

Conteúdo do artigo principal

Adriana Wilner
Aline Lilian dos Santos

Resumo

Nos anos 1950, a Fundação Getulio Vargas foi pioneira na criação de cursos de administração pública e de empresas no Brasil. Formou gerações que transformaram a gestão no país. Hoje, as escolas de administração, em conjunto, têm mais alunos do que qualquer outra faculdade. Luiz Artur Ledur Brito, diretor da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas (FGV EAESP), ao refletir sobre a trajetória da escola, levanta a seguinte questão: “Como podemos ambicionar um impacto para a comunidade que relembre a relevância histórica que tivemos?”.

Brito aponta, nesta entrevista à GV-executivo, dois caminhos para a FGV EAESP  ermanecer influenciando as organizações e, de forma mais ampla, a sociedade brasileira. O primeiro é formar alunos que tenham, além de habilidades técnicas, a capacidade de interpretar, de forma ampla e estratégica, um mundo que se transforma rapidamente. O outro é não só gerar conhecimento, mas transformar esse conhecimento em recomendações que possam ser aplicadas em organizações públicas e privadas.

 

 

 

 

Detalhes do artigo

Seção
Entrevista