Pra Frente Marias: convergências históricas, sociais e políticas identificadas entre o futebol e a palhaçaria protagonizados por mulheres.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12660/rm.v9n14.2018.74083

Palavras-chave:

futebol, mulher, palhaçaria, empoderamento, direitos.

Resumo

O futebol é um fenômeno sociocultural do século XX. A história da presença das mulheres nesse esporte possui convergência com sua inserção em outros domínios e o enfrentamento de resistências políticas, culturais, sociais e legais. O trabalho parte de um jogo de futebol feminino protagonizado por mulheres palhaças para discutir obstáculos encontrados por mulheres ao desempenhar funções profissionais em segmentos predominantemente masculinos. A reflexão abarca uma visão multidisciplinar e histórica considerando a trajetória das mulheres no futebol e na palhaçaria desde o século XIX e o papel libertador e empoderador que ambas atividades propiciaram a partir da consciência de si, do domínio do corpo, do direito à livre prática do esporte e ao riso.

Biografia do Autor

Ana Cristina Valente Borges, UNIRIO - Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Doutora em Engenharia da Produção (COPPE/UFRJ), Mestre em Administração Pública (FVG/EBAPE), especialista em Gestão de Projetos Internacionais com Ênfase no Terceiro Setor (PUC/MG), Bacharel em Comunicação Social/Relações Públicas (UERJ). Certificação Internacional em Gestão de Projetos (PMI) e especialista em avaliação e monitoramento de projetos em desenvolvimento (IPDET). Palhaça, Atriz e Contadora de Histórias. 

Karla Abranches Cordeiro, As Marias da Graça

Bacharel em Teatro pela Faculdade de Artes da Casa das Artes de Laranjeiras (CAL) / Rio de Janeiro. Atriz, palhaça, diretora de espetáculos. Fundadora do primeiro grupo de palhaçaria feminina no Brasil, As Marias da Graça. 

Referências

BITENCOURT, Naiara Andreolli. “Movimentos Feministas”. Revista InSURgência. Brasília. ano 1. V.1. n.1. jan/jun. 2015

BOLOGNESI, Mário Fernando. Palhaços. São Paulo: Editora Unesp, 2003.

BORGES, Ana Cristina Valente; CORDEIRO, Karla Abranches. “Palhaçaria Feminina: Trajetória de Investigação e Construção Dramatúrgica de Espetáculos Dirigidos por Karla Concá”. Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos), Florianópolis, 2017.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero, Feminismo e Subversão da Identidade. Rio de Janeiro. Civilização Brasileira. 2017.

CEZARD, Delphine. “La figure féminine du clown: enjeux et représentations sociales.” Les Cahiers de l’idiotie (revue en ligne), n°2, Clowns, Québec, Canada, 2009. Pag. 77-93.

DOBLE, Anna. The Secrety History of woman’s football. In: Newsbeat. 19-07-2017. http://www.bbc.co.uk/newsbeat/article/40654436/the-secret-history-of-womens-football. Acesso em 20/02/2018.

EMMERICK, Iara Viegas. Em busca de dignidade e reconhecimento. 2014. 32f. Trabalho de Conclusão de Disciplina. Centro de Ciências da Saúde. Escola de Educação Física e Desportos. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2014.

EMMERICK, Iara Viegas. As Diferentes Funções da Mulher no Futebol. 2017. 48f. Trabalho de Conclusão de Curso. Centro de Ciências da Saúde. Escola de Educação Física e Desportos. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2017.

FIFA. FIFA’s Women World Cup China PR 1991. Data não especificada. http://www.fifa.com/womensworldcup/archive/chinapr1991/index.html. Acesso em: 21-02-2018.

FRANZINI, Fabio. “Futebol é “coisa para macho”? Pequeno esboço para uma história das mulheres no país do futebol.” Revista Brasileira de História. Vol. 25. No. 50. São Paulo. Julho-Dez. 2005.

GABRIEL, Mariana e MINEHIRA, Ana. Minha Avó era Palhaço. Documentário. 50 minutos. Resultado de projeto apresentado e selecionado para o Prêmio Funarte Carequinha de Fomento ao Circo, categoria Pesquisa em 2014. São Paulo, 2016.

HAINES, Katherine. “The 1921 Peak and Turning Point in Women’s Football History: An Australasian, Cross-Code Perspective.” In: The International Journal of the History of Sport, VOL. 33, 2016. NO. 8, 828–846. Routledge.

HYDE, Lewis. A Astúcia Cria o Mundo. Trickster: trapaça, mito e arte. Tradução Francisco R. S. Innocêncio. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

JUNQUEIRA, Mariana Rabelo. Da graça ao riso: contribuições de uma palhaça sobre a palhaçaria. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Rio de Janeiro, 2012.

KELNER, Martha. Football’s gender pay gap worse than in politics, medicine and space. In: The Guardian. 26-11-2017. https://www.theguardian.com/football/2017/nov/26/football-gender-pay-gap-worse-than-in-politics-medicine-and-space Acesso em: 21-02-2018.

LECOQ, Jaques. O Corpo Poético: uma pedagogia da criação teatral. São Paulo: Editora Sesc São Paulo: Edições Sesc SP, 2010.

LINDEN, Andrew D. “Revolution on the American Gridiron: Gender, Contested Space, and Womens’s Football in the 1970s.” The International Journal of the History of Sport. 2015. Vol. 32. No. 18, 2171-2189.

MAGNO, Felipe. A Copa do Mundo no Brasil: possíveis legados desse megaevento para a cidade de Porto Alegre. UFRGS. 2011.

NAUDIER, Delphine e ROLLET, Brigitte. Genre et légitimité culturelle. Quelle reconnaissance pour les femmes? L’Harmattan. Paris. 2007

OLIVEIRA, Sérgio. Futebol Feminino no Brasil - A História. 08-02-2011. https://www.ultimadivisao.com.br/futebol-feminino-no-brasil-a-historia/. Acesso em 20-02-2018

PARDO, Aristides Leo. “O Futebol Feminino no Brasil.” In: Leituras da História. 10-02-2017. http://leiturasdahistoria.uol.com.br/o-futebol-feminino-no-brasil/. Acesso em 20/02/2018.

REMY, Tristan. “Les Femmes-Clowns Et Les Femmes-Auguste.” In: Les Clowns. Paris: Bernard Grasset, 2002. Pag. 438-446

REMY, Tristan. Entradas clownescas: uma dramaturgia do clown. São Paulo: Editora Sesc São Paulo, 2016.

RESS, Rob. “Missing in Action? New Perspectives on the Origins and Diffusion of Women’s Football in Australia during the Great War”. In: The International Journal of the History of Sport, 2014. Vol. 31, No. 18, 2326–2344.

RIORDAN, Jim. “The Social Emancipation of Women Through Sport”. In: The British Journal of Sports History, 1985. Vol. 2, 53-61.

SANTOS, J. Peluso, M. et all. “Indústria Cultural: O profissional de educação física e o legado de megaeventos esportivos”. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 16, Nº 159, Agosto de 2011.

SANTOS, Sarah Monteath dos. Mulheres Palhaças: Percursos históricos da palhaçaria feminina no Brasil. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual Paulista (UNESP). São Paulo, 2014.

SCHLESINGER, Yvonne Weigelt; LINNE, Carina Sophia; HALLMANN, Sandra. “Die Geschichte des Frauenfußballs in Deutschland”. German Journal of Exercise and Sport Research. V. 41. P. 149-151. 2011.

SILVA, Ermínia; MELO FILHO, Celso Amâncio. Palhaços excêntricos musicais. Rio de Janeiro: Grupo Off-Sina, 2014.

SILVA, Kelen Katia Prates. “O Feminino nos Anos Iniciais do Futebol no Brasil: uma história não contada (1920-1941)”. Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos), Florianópolis, 2017.

SILVA, Michelle Silveira. “Entrevista com Gardi Hutter”. In: Revista de Palhaçaria Feminina, No 3. Pág. 77-84. Porto Alegre: Funarte, 2014.

VOTRE, Sebastião; MOURÃO, Ludmila. “Women’s Football in Brazil: Progress and Problems.” In: Soccer, Women, Sexual Liberation: Kicking off a New Era. Pg. 254-267. Fran Cass. London, 2004.

WILLIAMS, Jean. A Game for Rough Girls? A History of Women’s Football in Britain. Routledge. London, 2003.

WILLIAMS, Jean; HESS, Rob. “Women, Football and History: International Perspectives.” The International Journal of the History of Sport. Vol. 32. Iss. 18. 2015.

YIN, R. K. “Case study research: design and methods.” Thousand Oaks: SAGE Publications, 2002.

Downloads

Publicado

09.07.2018