Um Cuauhtémoc carioca: comemorando o Centenário da Independência do Brasil e a raça cósmica

Autores

  • Maurício Tenório

Resumo

A Exposição Internacional do Centenário, ocorrida no Rio de Janeiro em 1922, é a grandiosa versão brasileira, anacrônica, das exposições internacionais do século XIX organizadas para celebrar o ideal nacional. O México enviou uma importante delegação, liderada por José Vasconcellos, o mais proeminente filósofo e intelectual mexicano da época, e preparou uma grande exposição, incluindo a construção de um pavilhão especial para alojar seus produtos. No final, o México deixou no Rio de Janeiro uma estátua de Cuauhtémoc, o último imperador asteca, e Vasconcellos levou com ele os mitos nacionais brasileiros que serviriam para sua idéia de uma raça ibérica superior. O artigo revela a história da presença mexicana na exposição de 1922 e também descreve um momento importante da construção global racial, cultural e política de identidades nacionais.

Downloads

Publicado

1994-12-01

Edição

Seção

Artigos