Gerenciando a coexistência: uma comparação entre mulheres e homens no trabalho de agentes prisionais

Autores

Palavras-chave:

Agentes penitenciários, análise comparativa, sexo, sistema prisional, relacionamento

Resumo

O objetivo deste artigo é compreender como as(os) agentes penitenciárias(os) percebem sua relação com as(os) presidiárias(os) e desvelar se o sexo influencia essa percepção. Para tanto, foram analisados 1.525 questionários on-line autoaplicáveis, respondidos entre 2014 e 2015, por uma amostra de agentes penitenciários de Minas Gerais (333 mulheres e 1.192 homens); e 23 entrevistas semiestruturadas com profissionais que atuavam na Região Metropolitana de Belo Horizonte (13 homens e 10 mulheres), realizadas entre os anos de 2016 e 2018. Os resultados indicam que o sexo não tem influência significativa na forma como as(os) agentes penitenciárias(os) percebem o seu trabalho e interagem com as(os) detentas(os), uma vez que há homogeneização das experiências no cotidiano profissional. Há uma ênfase exagerada na virilidade, característica que tende a ser assumida também pelas mulheres, dado o entendimento de que a profissão é eminentemente masculina, o que demandaria uso da força e rispidez para garantir a obediência das(os) internas(os). Como são valorizados atributos associados ao universo masculino em uma perspectiva tradicional dos papéis de gênero, homens e mulheres tendem a se comportar da mesma maneira.

Biografia do Autor

Isabela Cristina Alves de Araújo, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, São Paulo, Brasil

Pesquisadora do Grupo de Estudos sobre Violência e Gestão de Conflitos (GEVAC), da Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR), e do Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública (CRISP), da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFSCAR. Mestra pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFMG. Graduada em Sociologia pela UFMG.

Ludmila Ribeiro, Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Professora Adjunta do Departamento de Sociologia (DSO) e pesquisadora do Centro de Estudos em Criminalidade e Segurança Pública (CRISP), ambos da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Doutora em Sociologia pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (IUPERJ). Mestra e bacharela em Administração Pública pela Fundação João Pinheiro (FJP). Bacharela em Direito Pela UFMG.

Downloads

Publicado

2023-03-15

Edição

Seção

Artigos