Um ensaio sobre a constituição e evolução da concepção do trabalho gerencial à luz de distintas linhagens teóricas

Conteúdo do artigo principal

Resumo

O presente ensaio propõe apresentar, de forma sintética, um panorama sobre a constituição e evolução da concepção do trabalho gerencial sob a ótica de duas diferentes linhagens teóricas. A primeira ampara-se nas referências da herança clássica, denominada Escola das Atividades Cotidianas, sob uma perspectiva epistemológica de caráter empiricista e racionalista, em que o trabalho gerencial, no nível intermediário, é determinado por sua posição na estrutura hierárquica e tem o papel de transmitir aos trabalhadores do chamado “âmbito operacional” os objetivos definidos pela direção. A segunda pauta-se no legado de tradição francófona, que congrega a articulação de conteúdos das ciências sociais com a Psicologia do Trabalho Ergonômica e a Ergonomia da Atividade, privilegiando as situações reais de trabalho. É um ensaio que tem como objetivo fornecer subsídios e pistas que fundamentem investigações envolvendo o trabalho gerencial, incluindo o gerenciamento do espaço produtivo e de serviços, assim como a gestão de equipes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
LEITE, R. Um ensaio sobre a constituição e evolução da concepção do trabalho gerencial à luz de distintas linhagens teóricas. Revista de Gestão dos Países de Língua Portuguesa, Rio de Janeiro, v. 21, n. 2, p. 90–106, 2022. DOI: 10.12660/rgplp.v21n2.2022.82169. Disponível em: https://periodicos.fgv.br/rgplp/article/view/82169. Acesso em: 19 jul. 2024.
Seção
Artigos

Referências

BENGUIGUI, G.; GRISET A.; MONJARDET, D. La fonction d’encadrement. Recherche sur les relations entre technique, organisation et division du travail chez les techniciens, agents de maîtrise et cadres de l’industrie. Paris: La Documentation française, 1977. Disponível em: <https://pmb.cereq.fr/doc_num.php?explnum_id=3995>. Acesso em: 03 jun. 2022.

BOLTANSKI, L. Les cadres: la formation d´um groupe social. Paris: Les Éditions de Minuit, 1982.

BOLTANSKI, L.; CHIAPELLO, E. O novo espírito do capitalismo. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

BOUFFARTIGUE, P.; BOUTEILLER, J. A l’épreuve du travail des cadres. À propos d’une expérience de recherche. In: CONGRÈS DE L’ASSOCIATION FRANÇAISE DE SOCIOLOGIE, 1. 2004. Proceedings... Villetaneuse: Université Paris 13, 2004.

BOUFFARTIGUE, P.; BOUTEILLER, J. Étudier le travail des cadres. In: LIVIAN, Y. (Org.) Être cadre, quel travail? Organization et technologie. Paris: Anact, 2006. p. 14-35.

BOUFFARTIGUE, P. La fonction d’encadrement: de l’importance du travail dans l’étude cadres. In: COLLOQUE AUTOUR DES TRAVAUX DE GEORGES BENGUIGUI: ENCADRER, SURVEILLER, INVENTER, 2001.

Proceedings... Nanterre: Université de Paris X Nanterre, 2001. Disponível em: <https://halshs.archivesouvertes.fr/halshs-00007509/document>. Acesso em: 03 jun. 2022.

CARBALLEDA, G. Les cadres: des travailleurs em dificulte. Dossier: Le travail des cadres. Performances Humaines & Techniques, Paris, n. 91, p. 11-15, 1997.

CHANDLER, A. D. Os primórdios da ‘grande empresa’ na indústria norte-americana. In: MCCRAW, T. K. (Org.). Alfred Chandler: ensaios para uma teoria histórica da grande empresa. Rio de Janeiro: FGV, 1998. p. 35-66.

DEJOURS, C.; JAYET, C. Psicopatologia do trabalho e organização real do trabalho em uma indústria de processo: metodologia aplicada a um caso. In: DEJOURS, C; ABOUCHELLI, E.; JAYET, C. Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. São Paulo: Atlas, 1994.

DETCHESSAHAR, M. et al. Quels modes d’intervention pour soutenir la discussion sur le travail dans les organisations? Réflexions méthodologiques à partir de l’intervention dans une clinique. @GRH, v. 16, n. 3, p. 63-89, 2015.

DRUCKER, P. Administrando para o futuro: os anos 90 e a virada do século. São Paulo: Pioneira, 1996.

FALCOZ, C. et al. Le métier de cadres: entre activité et carrière. In: LIVIAN, Y. (Org.) Être cadre, quel travail? Organization et technologie. Paris: Anact, 2006. p. 36-55.

FAVERGE, J. M. L´analyse du travail en terme de régulation. In: FAVERGE, J. M. et al. (Org.) L’ergonomie des processus industriels. Bruxelles: Université Libre de Bruxelles, 1966. p. 33-60.

FAYOL, H. Administração Industrial e Geral. 7. ed. São Paulo: Atlas, 1968.

GABARRO, J. H. The dynamics of taking charge. Cambridge: Harvard Business School Press, 1987.

GAULEJAC, V. Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. Aparecida, SP: Ideias e Letras, 2007.

GUÉRIN, F. et al. Compreender o trabalho para transformá-lo: a prática da Ergonomia. São Paulo: Edgard Blücher, 2001.

HILL, L. A. Become a new manager, mastery of a new identity. Cambridge: Harvard Business School Press, 1992.

HOBSBAWM, E. J. Mundos do trabalho: novos estudos sobre história operária. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.

KOTTER, J. P. What effective general managers really do. Harvard Business Review, v. 60, n. 6, p. 161-163, 1982.

LE GOFF, J. P. La barbárie douce: la modernisation aveugle des enterprises et de l´école. Paris: La Découvert, 2003.

MARX, K. O Capital: Crítica da Economia Política. São Paulo: Nova Cultural, 1988.

MASCIA, F. L. O trabalho da supervisão: o ponto de vista da ergonomia. In: FALZON, P. Ergonomia. São Paulo: Editora Blucher, 2007.

MAYO, E. Problemas sociales de una civilización industrial. Buenos Aires: Nueva Visión, 1977.

MINTZBERG, H. The nature of managerial work. Nova York: Harper and Row, 1973.

MINTZBERG, H. Trabalho do Executivo: o Folclore e o Fato. Coleção Harvard de Administração. São Paulo: Nova Cultural, 1986. Disponível em: <http://www.heliorocha.com.br/graduacao/adm/download/TGA2/TGA2_HenryMintzberg-OTrabalhodoExecutivo.pdf>. Acesso em: 30 jun. 2013.

MINTZBERG, H. Managing: desvendando o dia a dia da gestão. Porto Alegre: Bookman, 2010.

MISPELBLOM-BEYER, F. Encadrer, est-ce travailler? Les cachiers du GDR Cadres, n. 6, 2004.

MOISDON, J.C. Appareil gestionnaire et travail ou de la lacune comme opportunité. Sociologie du Travail, n. hors-série, p. 11-19, 1994.

MORIN, E. Ciência com Consciência. Rio de Janeiro: Bertrand, 2003.

OUVRIER-BONNAZ, R. Introdução ao texto Taylorismo, Racionalização, Selecção. Orientação de Henri Wallon. Laboreal, n. 6, p. 41-44, 2009.

QUÉRUEZ, N. Conditions de travail: les cadres déboussolés. Santé & Travail, n. 64, 2008.

RAUFFLET, E. Os gerentes e suas atividades cotidianas. In: DAVEL, E.; MELO, M. C. O. L. (Orgs.). Gerência em ação: singularidades e dilemas do trabalho gerencial. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

ROGARD, V. et al. L´ergonomie au risqué du travail des cadres. Dossier: Le travail des Cadres. Performances Humaines & Techniques, Paris, n. 91, p. 5-39, 1997.

SAYLES, L. Managerial Behaviour. New York: McGraw-Hill, 1964.

SIX, F. A construção: o canteiro de obras no centro do processo de concepção-realização. In: FALZON, P. (Org.) Ergonomia. São Paulo: Blucher, p. 545-555, 2007.

TAYLOR, F. W. Princípios de Administração Científica. São Paulo: Atlas, 1990.

VANNEREAU, J. Pour comprendre la contradiction entre les discours et les pratiques de management. Carriérologie, v. 9, n 3-4, p. 579-594, 2004.

VANNEREAU, J. Accompagnement profissionel et analyse des pratiquemanagériales. In: DI FABIO, A.; LEMOINE, C.; BERNAUD, J. L. (Orgs.). Acompagnamento Profissionale e Counseling Degli Adulti. Milano: Hoepli, 2008. p. 33-34.

VIZEU, F. (Re)contando a velha história: reflexões sobre a gênese do management. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 14, n. 5, p. 780-797, 2010.