Seu lar, meu refúgio: sobre o que ser um refugiado no Brasil

Conteúdo do artigo principal

Hélio Arthur Reis Irigaray
https://orcid.org/0000-0001-9580-7859
Renata Anderson
https://orcid.org/0000-0003-4853-133X
Flávio Vellasquez
https://orcid.org/0000-0003-3745-0104
Fernando Filardi
https://orcid.org/0000-0002-9333-0871

Resumo

O objetivo deste estudo foi revelar como os refugiados, residentes no Brasil, percebem a macrodinâmica da sociedade local e como suas respostas a eles variam de acordo com seus diferentes perfis psicodemográficos. Entrevistamos 24 refugiados de diferentes países, sexo, idade, raças e pele. As entrevistas foram gravadas, transcritas e submetidas à Análise Crítica do Discurso; resultando em três categorias a priori: práticas sociais, discursivas e textuais. Descobrimos que as práticas sociais diferem em termos de seus países de origem, sexo, raça e cor da pele. A análise de seus discursos revelou três lugares e papéis diferentes: herói, vítima ou falso. Por fim, a análise textual indicou a escolha de palavras que subverteram o discurso hegemônico dos refugiados, revelando resistência ao local em que os refugiados são relegados na sociedade brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
Irigaray, H. A. R., Anderson, R., Vellasquez, F., & Filardi, F. (2021). Seu lar, meu refúgio: sobre o que ser um refugiado no Brasil. Cadernos EBAPE.BR, 19(2), 222–233. https://doi.org/10.1590/1679-395120200040
Seção
Artigos

Referências

Alawa, J., Zarei, P., & Khoshnood, K. (2019). Evaluating the provision of health services and barriers to treatment for chronic diseases among Syrian refugees in Turkey: a review of literature and stakeholder interviews. International Journal of Environmental Research and Public Health, 16(15), 2660.

Alvesson, M., & Robertson, M. (2016). Organizational identity: a critique. In M. G., Pratt, M. Schultz, E. A. ,Blake, & D. ,Ravasi (Eds.), The Oxford handbook of organizational identity Oxford, UK: Oxford University Press.

Andrijasevic, R., Rhodes, C., & Yu, K.-H. (2019). Foreign workers: on the other side of gendered, racial, political and ethical borders. Organization, 26(3), 313-320.

Barretto, M. (2004). Relações entre visitantes e visitados: um retrospecto dos estudos socioantropológicos. Revista Turismo em análise, 15(2), 133-149.

Beauvoir, S. (1995). O Segundo Sexo Rio de Janeiro, RJ: Nova Fronteira.

Black, R. (2001). Fifty years of refugee studies: From theory to policy. International migration review, 35(1), 57-78.

Bourdieu, P. (1977). Sur le pouvoir symbolique. Annales Interscience, 32(3), 405-411.

Bourdieu, P. (2007). A dominação masculina Rio de Janeiro, RJ: Bertrand Brasil.

Camargo, L. O. L. (2003). Os domínios da hospitalidade Hospitalidade: cenários e oportunidades (pp. 61-71). São Paulo, SP: Pioneira Thomson Learning.

Camargo, L. O. L. (2006). Hospitalidade sem sacrifício? O caso do receptivo turístico. Revista hospitalidade, 3(2), 11-28.

Carrigan, T., Connell, B., & Lee, J. (1985). Toward a new sociology of masculinity. Theory and society, 14(5), 551-604.

Chauí, M. S. (2000). Brasil: mito fundador e sociedade autoritária São Paulo, SP: Editora Fundação Perseu Abramo.

Comitê Nacional para Refugiados. (2019). O que é refúgio Brasília, DF: Secretaria Nacional de Justiça. Retrieved from https://www.justica.gov.br/seus-direitos/refugio

D’Angelo, A., & Kofman, E. (2018). From mobile workers to fellow citizens and back again? The future status of EU citizens in the UK.Social Policy and Society, 17(2), 331-343.

Dotti, G. (2020). Racismo, xenofobia e migração na Itália, um país pós-católico. The Ecumenical Review, 72(1), 37-47.

Dykstra-DeVette, T. A., & Canary, H. E. (2019). Crystalline empowerment: negotiating tensions in refugee resettlement. Organization Studies, 40(3), 323-342.

Ernst, J., & Jensen, A. (2019, June). Organizational identity struggles and reconstruction during organizational change: narratives as symbolic, emotional and practical glue. Organization Studies, 017084061985448. Retrieved from https://doi.org/10.1177%2F0170840619854484

Fairclough, N. (1992). Discourse and social change Cambridge, UK: Polity press.

Fairclough, N. (1995). Critical Discourse Analysis London, UK: Longman.

Fairclough, N. (2008). Discurso e mudança social Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília.

Foucault, M. (1984). As palavras e as coisas: uma arqueologia as ciências humanas São Paulo, SP: Martins Fontes.

Franco, P. S., & Prado, J. (2011). A hospitalidade e a cordialidade: reflexões sobre o Brasil Retrieved from http://www.periodicodeturismo.com.br/site/artigo/pdf/A_hospitalidade_e_cordialidade2.pdf

Gabriel, Y. (2003). Your home, my exile: boundaries and otherness’ in antiquity and now. Organization Studies, 24(4), 619-63.

Giddens, A., & Sutton, P. W. (1989). Sociologia Cambridge, UK: Polity.

Granovetter, M. (1985). Ação econômica e estrutura social: o problema da imersão. American Journal of Sociology, 91(3), 481-510.

Hamid, S. C. (2019). (Des)integrando refugiados: os processos do reassentamento de palestinos no Brasil Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília.

Hardy, C., & Phillips, N. (1999). No joking matter: discursive struggle in the Canadian refugee system. Organization Studies, 20(1), 1-24.

Hryniewicz, L. G. C., & Vianna, M. A. (2018, junho). Mulheres em posição de liderança: obstáculos e expectativas de gênero em cargos gerenciais. Cadernos EBAPE.BR, 16(3), 331-344.

Husted, B. W. (2007). Agency, information, and the structure of moral problems in business. Organization Studies, 28(2), 177-195.

Irigaray, L. (2001). Thinking the difference: For a peaceful revolution Londres, UK: A&C Black.

Kant, E. (1964). Anthropologie du point de vue pragmatique Paris, France: Vrin.

Kimmel, M. S. (1994). Homophobia, Masculinity. Fear, shame, and silence in the construction of gender identity. In H. Brod, & M. Kaufman(Eds.), Theorizing Masculinities(pp. 213-219). Chicago, IL: University of Chicago Press.

Lepoutre, M. (2017, October). Hate speech in public discourse: a pessimistic defense of counterspeech. Social Theory and Practice, 43(4), 851-883.

Medeiros-da-Silva, P., Auoar, W., Pereira-Da-Silva, A., & Modesto-de-Oliveira, W. (2020). Os desafios da integração de refugiados em suas experiências de trabalho nas organizações. In Anais do 44º Encontro de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho, Curitiba, PR.

Miltersteiner, R. K., Oliveira, F. B., Hryniewicz, L. G., Sant’Anna, A. de S., & Moura, L. C. (2020, abril). Liderança feminina: percepções, reflexões e desafios na administração pública. Cadernos EBAPE.BR, 18(2), 406-423.

Mountian, A. G., Gomes, G., & Carvalho, L. (2020). Discriminação contra refugiados no mercado de trabalho: falha de informação e o papel das políticas públicas. In Anais do 44o Encontro de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho, Curitiba, PR.

Nguyen, M. T. (2012). The gift of freedom: War, debt, and other refugee passages Durham, Carolina do Norte: Duke University Press.

Öztürk, C., & Pickel, G. (2019). Islamophobic right-wing populism? Empirical insights about citizen’s susceptibility to islamophobia and its impact on right-wing populists’ electoral success: Eastern Europe in a Comparative Perspective. Religion & Society in Central & Eastern Europe, 12(1) 39-62.

Pereira, F. O., & Oliveira, J. S. A. (2017). Intersecção entre raça, gênero e imigração no mercado de trabalho: um estudo com mulheres haitianas na cidade de Maringá, Paraná. In Anais do 6º Encontro de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho, Curitiba, PR.

Pereira, G. L., & Abreu, M. E. C. (2016). Transformando o “intruso” em “incluso”: xenofobia e discriminação na acolhida de imigrantes no Brasil. In Grupo de Assessoria a Imigrantes e a Refugiados (Org.), Múltiplos olhares: migração e refúgio a partir da extensão universitária Porto Alegre, RS: Faculdade de Direito da UFRGS.

Pringle, R. (1988). Secretaries talk: Sexuality, power and work. Crows Nest, Austrália: Allen & Unwin.

Ribeiro, D. (2010). O povo brasileiro São Paulo, SP: Companhia de Bolso.

Rizkalla, N., & Segal, S. P. (2019). War can harm intimacy: consequences for refugees who escaped Syria. Journal of Global Health, 9(2), 1-10. Retrieved from https://dx.doi.org/10.7189%2Fjogh.09.020407

Santos, C. M. M., Tanure, B., & Carvalho, A. M., Neto . (2014). Mulheres executivas brasileiras: O teto de vidro em questão. Revista Administração em Diálogo, 16(3), 56-75.

Sayad, A. (1998). O que é um imigrante. In A. Sayad .Imigração ou os paradoxos da alteridade (pp. 45-72). São Paulo, SP: EDUSP.

Silva, C. A. S. (2013). A política brasileira para refugiados (1998-2012) (Doctoral Dissertation). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.

Spiegel, P. B., Checchi, F., Colombo, S., & Paik, E. (2010). Necessidades de cuidados de saúde das pessoas afetadas por conflitos: tendências futuras e estruturas em mudança. The Lancet, 375(9711), 341-345.

Tedesco, J. C. (2010). O gênero na imigração: redefinições de papéis e dinâmicas étnicas. In Anais do 9º Fazendo Gênero - Diásporas, diversidades, deslocamentos Florianópolis, SC: UFSC.

Tsui-Auch, L. S. (2005). Unpacking regional ethnicity and the strength of ties in shaping ethnic entrepreneurship. Organization Studies, 26(8), 1189-1216.

Turner, R. (2019). Migrants and refugees: improving health and well-being in a world on the move. PLoS Med, 16(7), e1002876. Retrieved fromhttps://doi.org/10.1371/journal.pmed.1002876

Versiani, F., & Carvalho, A Neto . (2018). Trabalhadores imigrantes e trabalhadores brasileiros em São Paulo: a influência recíproca entre os “desviantes” e os “normais”. In Anais do 42º Encontro da ANPAD, Curitiba, PR.

Villen, P. (2015). Imigração na modernização dependente: “braços civilizatórios” e atual configuração polarizada (Doctoral Dissertation). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.

Wodak, R., & Chilton, P. (Ed.). (2004). Uma nova agenda na análise (crítica) do discurso: teoria, metodologia e interdisciplinaridade Thousand Oaks, CA: Sage.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 > >>