Relação entre trabalho precário e racismo para migrantes no Brasil

Conteúdo do artigo principal

Jandir Pauli
https://orcid.org/0000-0003-4618-6958
Lidiane Cássia Comin
https://orcid.org/0000-0003-1082-7864
Juliane Ruffatto
https://orcid.org/0000-0002-0406-9780
Andrea Poleto Oltramari
https://orcid.org/0000-0002-5897-2772

Resumo

Em meio ao crescente fluxo global de mercadorias, os trabalhadores que migram em busca de trabalho enfrentam um grande desafio de integração nos países de destino. As questões de racismo e discriminação emergem no contexto laboral, causando desigualdades de oportunidades. Este estudo tem como objetivo descrever a relação entre trabalho precário, discriminação no trabalho e percepção de racismo para trabalhadores migrantes. A análise preliminar da produção científica sobre o assunto no Brasil sugere que a estrutura social racista é condicionante para a inserção dos trabalhadores migrantes em condições precárias de trabalho, comprometendo sua inserção social. Para tanto foi realizado um estudo quantitativo de corte transversal por meio de uma survey com quatro grupos étnicos de diferentes regiões brasileiras. Os resultados confirmam a influência do trabalho precário na percepção de racismo, sendo a discriminação no trabalho uma variável moderadora nessa relação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
Pauli, J., Comin, L. C., Ruffatto, J., & Oltramari, A. P. (2021). Relação entre trabalho precário e racismo para migrantes no Brasil. Cadernos EBAPE.BR, 19(2), 234–251. https://doi.org/10.1590/1679-395120200019
Seção
Artigos

Referências

Alves, G. (2011). Trabalho flexível, vida reduzida e precarização do homem-que-trabalha: perspectivas do capitalismo global no século XXI. In G. Alves, A. L. Vizzaccaro-Amaral, & D. P. Mota (Orgs.), Trabalho e Saúde: A precarização do trabalho e a saúde do trabalhador no século XXI(pp. 39-55). São Paulo, SP: LTr.

Anderson, B. (2010). Migration, immigration controls and the fashioning of precarious workers.Work, Employment & Society, 24(2), 300-317.

Antunes, R. (2014). Desenhando a nova morfologia do trabalho no Brasil. Estudos Avançados, 28(81), 39-53.

Appadurai, A. (2009). Do genocídio ao ideocídio. In A. Appadurai (Ed.), O medo ao pequeno número: ensaio sobre a geografia da raiva São Paulo, SP: Iluminuras/Itaú Cultural.

Arnold, D., & Aung, S. L. (2011). Exclusion to visibility, vulnerability to voice: Informal economy workers in the Mekong countries (Discussion Paper Prep433ared for Oxfam-in Belgium). Brussels, Belgium: Oxfam.

Arnold, D., & Bongiovi, J. R. (2013). Precarious, informalizing, and flexible work: Transforming concepts and understandings.American Behavioral Scientist, 57(3), 289-308.

Bezerra, C. M. O. (2014). Tradução, adaptação para língua portuguesa e validação da Escala de Experiências Discriminatórias dos Negros-EEDN (Masther Thesis). Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE. Retrieved from https://ri.ufs.br/handle/riufs/5932

Biderman, C., & Guimarães, N. A. (2004). Na ante-sala da discriminação: o preço dos atributos de sexo e cor no Brasil (1989-1999).Revista Estudos Feministas, 12(2), 177-200.

Brasil, A., Jr. (2010). O imigrante e seus irmãos: as pesquisas empíricas de Florestan Fernandes e Gino Germani. Lua Nova, 81, 175-213.

Caldwell, L. D., & Bledsoe, K. L. (2019). Can Social Justice Live in a House of Structural Racism? A Question for the Field of Evaluation. American Journal of Evaluation, 40(1), 6-18.

Castel, R. (1998). As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário Petrópolis, RJ: Vozes.

Cavalcanti, L. (2015). Imigração e mercado de trabalho no Brasil: características e tendências. In L. Cavalcanti, A. T. Oliveira, & T. Tonhati(Orgs.), A inserção dos imigrantes no mercado de trabalho brasileiro(pp. 11-22). Brasília, DF: Cadernos do Observatório das Migrações Internacionais.

Cavalcanti, L., Oliveira, T., & Macedo, M. (2016). A Inserção dos Imigrantes no Mercado de Trabalho Brasileiro Brasília, DF: Cadernos do Observatório das Migrações Internacionais.

Cavalcanti, L., Oliveira, T., & Macedo, M. (2019). Imigração e Refúgio no Brasil. InL. Cavalcanti , T. Oliveira, & M. Macedo(Org.), Imigração e Refúgio no Brasil Relatório Anual 2019 (Série Migrações). Brasília, DF: OBMigra.

Chan, C., Ramírez, C., & Stefoni, C. (2019). Negotiating precarious labour relations: dynamics of vulnerability and reciprocity between Chinese employers and their migrant workers in Santiago, Chile. Ethnic and Racial Studies, 42(9), 1456-1475.

Chang, D. (2009). Informalising labour in Asia’s global factory.Journal of Contemporary Asia, 39(2), 161-179.

Chiswick, B. R. (1977). Sons of Immigrants: Are They at an Earnings Disadvantage? The American Economic Review, 67(1), 375-380.

Chiswick, B. R. (1978). The Effect of Americanization on the Earnings of Foreign-born Men. Journal of Political Economy, 86(5), 897-921.

Chiswick, B. R., Lee, Y. L., & Miller, P. W. (2005). Immigrant earnings: a longitudinal analysis. Review of Income and Wealth, 51(4), 485-503.

Chiswick, B. R., & Miller, P. W. (2014).Handbook of the Economics of International Migration. The Impact . Amsterdam, The Netherlands: Elsevier.

Comin, L. C., & Pauli, J. (2018). The meaning of work, organizational socialization and work context: the perspective of migrant workers. RAM - Revista de Administração da Mackenzie, 19(esp), eRAMD180088.

Connell, J., & Burgess, J. (2009). Migrant workers, migrant work, public policy and human resource management.International Journal of Manpower, 30(5), 412-421.

Dias, J. J. L Jr. (2016). Adaptação e Tradução de Escalas de Mensuração para o Contexto Brasileiro: um Método Sistemático como Alternativa a Técnica Back-Translation. Métodos e Pesquisa em Administração, 1(2), 4-12.

Douglas, S. P., & Craig, C. S. (2007). Collaborative and iterative translation: An alternative approach to back translation. Journal of International Marketing, 15(1), 30-43.

Druck, G. (2011). Trabalho, precarização e resistências: novos e velhos desafios.Caderno CRH, 24(1), 37-57.

Dutra, C. F., & Gayer, S. M. (2015). A inclusão social dos imigrantes haitianos, senegaleses e ganeses no Brasil. In Anais do 12º Seminário Internacional de Demandas Sociais e Políticas Públicas na Sociedade Contemporânea, Rio Grande do Sul, RS.

Faist, T. (2008). Migrants as transnational development agents: an inquiry into the newest round of the migration-development nexus.Population, Space and Place, 14(1), 21-42.

Fuller, S., & Vosko, L. F. (2008). Temporary employment and social inequality in Canada: Exploring intersections of gender, race and immigration status.Social Indicators Research, 88(1), 31-50.

Grzybovski, D., & Pereira, A. S. (2013). Desenvolvimento Econômico na Região Colonial no Rio Grande do Sul: Uma análise das implicações da Constituição Econômica de 1891. Desenvolvimento em Questão, 11(24), 110-140.

Hair, J. F Jr., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2005). Análise multivariada de dados (5a ed.). Porto Alegre, RS: Bookman.

Hakak, L. T., & Al Ariss, A. (2013). Vulnerable work and international migrants: A relational human resource management perspective. The International Journal of Human Resource Management, 24(22), 4116-4131.

Hasenbalg, C. (2005). Mobilidade social, desigualdade de oportunidades e raça. Discriminação e desigualdades raciais no Brasil Belo Horizonte, MG: Editora UFMG.

Hayes, A. F. (2013). Introduction to mediation, moderation, and conditional process analysis. New York, NY: The Guilford Press.

Hellgren, Z. (2018). Class, race - and place: immigrants’ self-perceptions on inclusion, belonging and opportunities in Stockholm and Barcelona. Ethnic and Racial Studies, 42(12), 2084-2102.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2018). Número de idosos cresce 18% em 5 anos e ultrapassa 30 milhões em 2017 Retrieved from https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/20980-numero-de-idosos-cresce-18-em-5-anos-e-ultrapassa-30-milhoes-em-2017.html

International Labour Organization. (2015). Global estimates of migrant workers and migrant domestic workers: results and methodology Geneva, Switzerland: International Labour Office. Retrieved from https://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---dgreports/---dcomm/documents/publication/wcms_436343.pdf

Jaccoud, L. (2008). Racismo e República: o debate sobre o branqueamento e a discriminação racial no Brasil. In M. Theodoro (Org.), As políticas públicas e as desigualdades raciais no Brasil 120 anos após a abolição (pp. 49-68). Brasília, DF: IPEA.

Kaestner, R., & Kaushal, N. (2005). Immigrant and native responses to welfare reform. Journal of Population Economics, 18(1), 69-92.

Kalleberg, A. L. (2009). Precarious Work, Insecure Workers: Employment Relations in Transition. American Sociological Review, 74(1), 1-22.

Kerr, S. P., & Kerr, W. R. (2010, February). Economic Impacts of Immigration: A Survey (Working Paper No. 09-013). Boston, MA: Harvard Business School. Retrieved from https://ssrn.com/abstract=1228902

Keum, B. T., Thai, C. J., Truong, N. N., Ahn, H. L., & Lu, Y. (2018). Factor structure and measurement invariance of the Perceived Ethnic Discrimination Questionnaire Community Version Brief. International Journal of Culture and Mental Health, 11(4), 498-512.

Lawrence, K., & Keleher, T. (2004). Chronic disparity: Strong and pervasive evidence of racial inequalities Retrieved fromhttps://www.racialequitytools.org/resourcefiles/Definitions-of%20Racism.pdf

Lencioni, S. (2010). Redes, coesão e fragmentação do território contemporâneo. Scripta Nova: Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales, 14(331), 69. Retrieved from http://www.ub.es/geocrit/sn/sn-331/sn-331-69.htm

Lewis, T. T., Cogburn, C. D., & Williams, D. R. (2015). Self-Reported Experiences of Discrimination and Health: Scientific Advances, Ongoing Controversies, and Emerging Issues. Annual Review of Clinical Psychology, 11(1), 407-440.

Mamed, L. H., & Lima, E. O. (2015). Trabalho, precarização e migração: o processo de recrutamento de haitianos na Amazônia acreana pela agroindústria brasileira.Novos Cadernos NAEA, 18(1), 33-64.

Moraes, J., Bucco, G., & Rocha-de-Oliveira, S. (2019). A inserção profissional dos egressos do curso de Administração no Brasil: análise do perfil, formação e trabalho e proposição de uma tipologia de inserção brasileira. In Anais do 43º Encontro da Associação de Pós-Graduação em Administração, São Paulo, SP.

Oliveira, A. T. R. (2015). Migrações internacionais e políticas migratórias no Brasil. Migração e mobilidade na América do Sul.Cadernos OBMigra-Revista Migrações Internacionais, 1(3), 252-277.

Oliveira, A. T. R. (2017). Nova lei brasileira de migração: avanços, desafios e ameaças. Revista Brasileira de Estudos de População, 34(1), 171-179.

Oltramari, A. (2019). Relações de Trabalho e carreira de imigrantes brasileiros e brasileiras em Portugal: classe, gênero e redes em evidência (Relatório de Pesquisa). Tertúlia, Portugal: Casa do Brasil de Lisboa.

Pelbart, P. P. (2003). Choque de civilizações, satanização do outro. In P. Pelbart, Vida Capital: ensaios de biopolítica. São Paulo, SP: Iluminuras.

Pieterse, A. L., Nicolas, A. I., & Monachino, C. (2017). Examining the factor structure of the perceived ethnic discrimination questionnaire in a sample of Australian university students.International Journal of Culture and Mental Health, 10(1), 97-107.

Pochmann, M. (2006). Desempregados do Brasil. In R. Antunes(Org.), Riqueza e Miséria do Trabalho no Brasil São Paulo, SP: Boitempo.

Robinson, A. (2011, March 18). Precariatans of all countries, unite! Ceasefire Magazine. Retrieved from http://ceasefiremagazine.co.uk/new-in-ceasefire/in-theory-precarity

Santin, V. F. (2007). Migração e Discriminação de trabalhador.Argumenta Journal Law, 7(7), 131-140.

Santos, A. L. C. (2013). Controle Social das Migrações e Gestão da Diversidade: Reflexões para a Construção de um Novo Marco Normativo Migratório Brasileiro. Revista Novos Estudos Jurídicos, 19(3), 839-876.

Santos, G. A. (2007). Redes e territórios: reflexões sobre as migrações. In L. C. DIAS, & R. L. L. Silveira(Orgs.), Redes, sociedades e territórios(pp. 51-78). Santa Cruz do Sul, SC: Edunisc.

Sassen, S. (2011). The global street: Making the political.Globalizations, 8(5), 573-579.

Silverio, V. R. (2002). Ação afirmativa e o combate ao racismo institucional no Brasil.Cadernos de pesquisa, 117(2), 219-246.

Tedesco, J., & Grzybovski, D. (2013). Dinâmica migratória dos senegaleses no norte do Rio Grande do Sul.Revista Brasileira de Estudos de População, 30(1), 317-324.

Tedesco, J. C. (2018). Temores, ausências e redefinições: idiossincrasias da imigração senegalesa no Sul do Brasil. Século XXI: Revista de Ciências Sociais, 8(1), 15-46.

Tedesco, J. C. (2019). De Bangladesh ao Sul do Brasil: dimensões da imigração contemporânea no Brasil. Revista Latinoamericana de Población, 13(24), 163-185.

Teelucksingh, C., & Galabuzi, G. E. (2005). Working Precariously: The impact of race and immigrants status on employment opportunities and outcomes in Canada Toronto, Canada: Canadian Race Relations Foundation.

Utsey, S. O., & Ponterotto, J. G. (1996). Development and validation of the Index of Race-Related Stress (IRRS).Journal of Counseling Psychology, 43(4), 490-501.

Vainer, C. B. (1995). Estado e migração no Brasil: da imigração à emigração. Emigração e imigração internacionais no Brasil contemporâneo (pp. 39-52). São Paulo, SP: FNUAP.

Vilela, E., Collares, A. C., & Noronha, C. (2015). Migrações e Trabalho no Brasil: Fatores étnico-nacionais e raciais. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 30(87), 1-25.

Vilela, E. M., & Noronha, C. L. A. (2018). An analysis of the job mobility of international immigrants in the brazilian labor market. In Anais do 3º Seminário de Imigração e Emigração Internacional e Anais do 1º Seminário do Observatório de Migrações Internacionais do Estado de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG.

Vives, A., Amable, M., Ferrer, M., Moncada, S., Llorens, C., Muntaner, C. ... Benach, J. (2010). The Employment Precariousness Scale (EPRES): psychometric properties of a new tool for epidemiological studies among waged and salaried workers. Occupational and environmental medicine, 67(8), 548-555.

Vives, A., González, F., Moncada, S., Llorens, C., & Benach, J. (2015). Measuring precarious employment in times of crisis: the revised Employment Precariousness Scale (EPRES) in Spain. Gaceta Sanitaria, 29(5), 379-382.