Ranking de transparência ativa de municípios do Estado de Minas Gerais: avaliação à luz da Lei de Acesso à Informação

Conteúdo do artigo principal

Josias Fernandes Alves
https://orcid.org/0000-0003-1285-8461
Adílio Renê Almeida Miranda
https://orcid.org/0000-0002-4229-3337
Marco Antonio Carvalho Teixeira
https://orcid.org/0000-0003-3298-8183
Paulo Roberto Rodrigues de Souza
https://orcid.org/0000-0003-0643-6369

Resumo

Transparência ativa é uma dimensão da transparência pública, prevista na Lei de Acesso à Informação, que impõe aos órgãos públicos a obrigação de divulgar informações não confidenciais, independentemente de solicitação. O objetivo deste artigo é avaliar os portais eletrônicos de transparência por meio de uma amostra aleatória de 197 municípios das 13 regiões geográficas do Estado de Minas Gerais, com mais de 10 mil habitantes, utilizando o Índice Geral de Transparência Ativa, calculado com base na lei e nos princípios de dados abertos governamentais. A metodologia utilizada, com adaptações, foi a Avaliação de Transparência Ativa para Entes Públicos, desenvolvida pelo Programa de Transparência Pública da Fundação Getulio Vargas. O ranking mostra que, na escala máxima de 100, 72% dos portais estão classificados abaixo de 50. São observadas grande disparidade de pontuações e tendência a maior transparência nas cidades mais populosas, embora 22 municípios com menos de 50 mil habitantes (11% da amostra) tenham atingido índice igual ou superior a 60. Resultados confirmam estudos anteriores que indicam altos níveis de opacidade da gestão municipal, principalmente em municípios menores. Merece destaque a contribuição deste estudo para a literatura ainda relativamente escassa sobre transparência pública no âmbito municipal – à luz dos princípios de dados abertos governamentais – no estado brasileiro com o maior número de municípios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
Alves, J. F., Miranda, A. R. A., Teixeira, M. A. C., & Souza, P. R. R. de. (2021). Ranking de transparência ativa de municípios do Estado de Minas Gerais: avaliação à luz da Lei de Acesso à Informação. Cadernos EBAPE.BR, 19(3), 564–581. https://doi.org/10.1590/1679-395120200135
Seção
Artigos

Referências

Alcaide-Muñoz, L. A., Bolívar, M. P. R., & Hernández, A. M. L. (2016). Transparency in governments: a meta-analytic review of incentives for digital versus hard-copy public financial disclosures. The American Review of Public Administration, 47(5), 550-573.

Amaral, P. V., Lemos, M. B., & Chein, F. (2010). Disparidades regionais em Minas Gerais: uma aplicação regional de métodos de análise multivariada. Análise Econômica, 28(54), 313-344.

Baker, P. M. A. (1997). Local government internet sites as public policy innovations. Washington, DC: George Mason University.

Baldissera, J. F. (2018). Determinantes da transparência pública: um estudo em municípios brasileiros sob a ótica da teoria da escolha pública (Dissertação de Mestrado). Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, PR. Recuperado de http://tede.unioeste.br/ handle/tede/3805

Barros, M., & Rodrigues, K. F. (2017). Transparência em compras públicas no âmbito local no Brasil. In M. F. Mohallem & C. E. J. Ragazzo (Ed.), Diagnóstico institucional: primeiros passos para um plano nacional (pp. 95-124). Rio de Janeiro, RJ: FGV.

Batista, M. (2017). A difusão da Lei de Acesso à Informação nos municípios brasileiros: fatores internos e externos. Brasília, DF: Enap.

Bauhr, M., & Grimes, M. (2012). What is government transparency? New measures and relevance for quality of government (QoG Working Paper. Series 2012:16). Gothenburg, Sweden: University of Gothenburg.

Cepik, M. (2000). Direito à informação: situação legal e desafios. IP- Informática Pública, 2(2), 1-14.

Coelho, T. R., Silva, T. A. B., Cunha, M. A., & Teixeira, M. A. C. (2018). Transparência governamental nos estados e grandes municípios brasileiros: uma “dança dos sete véus” incompleta? Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 23(75), 235-260.

Comin, D., Ramos, F. M., Zucchi, C., Favretto, J., & Fachi, C. C. P. (2016). A transparência ativa nos municípios de Santa Catarina: avaliação do índice de atendimento à lei de acesso à informação e suas determinantes. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 15(46), 24-34.

Controladoria-Geral da União. (2020). Operações especiais. Estatísticas. Recuperado de https://www.gov.br/cgu/pt-br/assuntos/ operacoes-especiais

Controladoria-Geral da União. (2021). Escala Brasil Transparente 360º - 2ª edição. Recuperado de https://mbt.cgu.gov.br/publico/ avaliacao/escala_brasil_transparente/66

Cruz, C. F., Ferreira, A. C. S., Silva, L. M., & Macedo, M. A. S. (2012). Transparência da gestão pública municipal: um estudo a partir dos portais eletrônicos dos maiores municípios brasileiros. Revista de Administração Pública, 46(1), 153-176.

Cunha, M. A., Coelho, T., Silva, T., Cantoni, S., & Teixeira, M. A. (2016). Transparência governamental na federação brasileira: resultados heterogêneos motivados por diferentes capacidades de TI. In A. F. Barbosa. (Org.), TIC Governo Eletrônico 2015: Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação no setor público brasileiro (v. 1, pp. 75-85). São Paulo, SP: Comitê Gestor da Internet no Brasil.

Cunha, M. C., Filho. (2018). O que sabemos sobre transparência pública? Uma revisão bibliográfica das abordagens normativa, conceitualista e empírica. Revista da Controladoria-Geral da União, 10(16), 878-907.

Eaves, C. (2009). The three laws of Open Government Data. Recuperado de https://eaves.ca/2009/09/30/three-law-of-open-government-data/

Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro. (2018). Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal. Recuperado de https://www. firjan.com.br/ifdm/

Fiirst, C., Costa, J. S., Baldissera, J. F., & Asta, D. D. (2017). A influência de variáveis socioeconômicas e contábeis no índice de transparência eletrônica dos maiores municípios brasileiros, após a lei de acesso à informação. In Anais do 11º Congresso da Anpcont, Belo Horizonte, MG.

Fundação Estadual do Meio Ambiente. (2019). Regiões Geográficas Intermediárias de Minas Gerais (Núcleo de Geoprocessamento, Mapa não publicado) Belo Horizonte, MG: Autor.

Fundação Getulio Vargas. (2019). Programa de Transparência Pública. Metodologia de Transparência Ativa. Recuperado de https:// transparencia.ebape.fgv.br/sites/transparencia.ebape.fgv.br/files/ metodologia_ptp-fgv_ta_2019.pdf

García-Sánchez, I. M., Aceituno, J. V. F., & Domínguez, L. R. (2013). Determinants of corporate social disclosure in Spanish local governments. Journal of Cleaner Production, 39, 60-72.

Global Right to Information Rating. (2020). Global Right to Information Rating Map. Recuperado de https://www.rti-rating.org/

Grau, N. C. (2005). A democratização da administração pública: os mitos a serem vencidos. Cadernos FLEM, 8, 13-59

Guillamón, M. D., Bastida, F., & Benito, B. (2011). The determinants of local government’s financial transparency. Local Government Studies, 37(4), 391-406.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2018). Estimativas da população residente nos municípios e unidades da federação brasileiros com data de referência em 1º de julho de 2018. Brasília, DF. Recuperado de https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/9103- estimativas-de-populacao.html?edicao=22367&t=resultados

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2020). Produto Interno Bruto - PIB. Recuperado de www.ibge.gov.br/explica/pib.php

Jacques, F. V. S., Quintana, A. C., & Macagnan, C. B. (2013). Transparência em municípios da Região Sul do Brasil. In Anais do 37º Encontro da Anpad, Rio de Janeiro, RJ.

Jardim, J. M. (1995). A face oculta do Leviatã: gestão da informação e transparência administrativa. Revista do Serviço Público, 59(1), 81-92.

Keerasuntonpong, P., Dunstan, K., & Khanna, B. (2015). Factors influencing disclosures of statements of service performance of New Zealand local authorities. Pacific Accounting Review, 27(3), 304-328.

Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011. (2011). Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5º, no inciso II do § 3o do art. 37 e no § 2º do art. 216 da Constituição Federal; altera a Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990; revoga a Lei nº 11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos da Lei nº 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências. Brasília, DF. Recuperado de http:// www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12527.htm

Lowatcharin, G., & Menifield, C. E. (2015). Determinants of Internet-enabled transparency at the local level: a study of Midwestern county web sites. State and Local Government Review, 47(2), 102-115.

Machado, J. (2015). Quando surgiram os princípios dos dados abertos? São Paulo, SP: Colaboratório de Desenvolvimento e Participação. Recuperado de https://colab.each.usp.br/blog/2015/04/02/ quando-surgiram-os-8-principios-dos-dados-abertos/

Michener, R. G. (Org.). (2016). Transparência local no Brasil: avaliando a aplicação da Lei de Acesso nos estados e nas grandes cidades. Rio de Janeiro, RJ: FGV – Open Society Foundations. Recuperado de https://transparencia.ebape.fgv.br/sites/transparencia.ebape.fgv. br/files/fgv_relatorio_transparencia_cidades_v3.pdf

Michener, R. G., & Bersch, K. (2013). Identifying Transparency. Information Polity, 18(3), 233-242.

Michener, R. G., Contreras, E., & Niskier, I. (2018). Da opacidade à transparência? Avaliando a Lei de Acesso à Informação no Brasil cinco anos depois. Revista de Administração Pública, 52(4), 610-629.

Ministério Público Federal. (2015, 2016). Ranking Nacional da Transparência. Recuperado de http://combateacorrupcao.mpf. mp.br/Ranking

Moncau, L. F., Michener, R. G., Barros, M., & Velasco, R. B. (2015). Avaliação de transparência do Ministério Público. Rio de Janeiro, RJ: FGV.

Norris, P. (1999). Critical citizens: global support for democratic government. New York, NY: Oxford University Press.

Open Government Partnership. (2020). A guide to open government and the coronavirus: open response + open recovery, 2020. Recuperado de https://www.opengovpartnership.org/wp-content/uploads/2020/06/ OGP-Guide-to-Open-Gov-and-Coronavirus.pdf

Organização dos Estados Americanos. (2010). Model Inter-American Law on Access to Information: AG/ RES. 2607 (XL-O/10). Recuperado de http://bit.ly/1nrf2hU

Pinho, J. A. G. (2008). Investigando portais de governo eletrônico de estados no Brasil: muita tecnologia, pouca democracia. Revista de Administração Pública, 42(3), 471-493.

Possamai, A. J., & Souza, V. G. (2018). Lei de Acesso à Informação e dados abertos: possibilidades e desafios a partir da experiência federal. Carta de Conjuntura FEE, 27(2), 9-10.

Rosa, M. M., Bernardo, F. D., Vicente, E. F. R., & Petri, S. M. (2015). A Lei de Acesso à Informação como instrumento de controle social: diagnóstico dos municípios do sul do Brasil à luz do artigo 8º da lei 12.527/2011. Navus – Revista de Gestão e Tecnologia, 6(1), 72-87.

Santos, M., & Visentini, M. S. (2014). Elaboração de um ranking da transparência e compreensão das práticas de gestão de municípios integrantes do Corede Missões-RS. Administração Pública e Gestão Social, 6(3), 239-247.

Scheaffer, R. L., Mendenhall, W., & Ott, L. (1990). Elementary survey sampling (4a ed.). Boston, MA: PWS-Kent Publishing Co.

Sell, F. F., Sampaio, G. L., Zonatto, V. C. S., & Lavarda, C. E. F. (2018). Accountability: uma observação sobre o nível de transparência de municípios. Administração Pública e Gestão Social, 10(4), 248-259.

Serrano-Cinca, C., Rueda-Tomás, M., & Portillo-Tarragona, P. (2009). Factors influencing e-disclosure in local public administrations. Environment and Planning C: Government and Policy, 27(2), 355-78.

Silva, W., & Bruni, A. (2019). Variáveis socioeconômicas determinantes para a transparência pública passiva nos municípios brasileiros. Revista de Administração Pública, 53(2), 415-431.

Tauberer, J. (2014). Open Government Data: the book (2a ed.). Recuperado de https://opengovdata.io/

Tavares, A. F., & Cruz, N. F. (2020). Explaining the transparency of local government websites through a political market framework. Government Information Quarterly, 37(3), 101249.

Transparência Internacional Brasil. (2020). O que fazemos. Recuperado de https://www.transparenciainternacional.org.br/o-que-fazemos

Transparency International. (2015). Local governance integrity: principles and standards. Recuperado de https://www.transparency.org/en/ publications/local-governance-integrity-principles-and-standards

United Nations Development Program. (2019). Relatório de Desenvolvimento Humano. Recuperado de https:// www.br.undp. org/content/brazil/pt/home/library/relatorio-do-desenvolvimento-humano-2019.html

United Nations Development Program, Instituto de Pesquisas Aplicadas, & Fundação João Pinheiro. (2020). Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. Recuperado de http://www. atlasbrasil.org.br

World Bank. (2016). Making politics work for development: harnessing transparency and citizen engagement. Policy Research Report. Recuperado de https://www.worldbank.org/en/research/ publication/making-politics-work-for-development

Yazigi, A. F. (1999). Dinero, política y transparencia: El imperativo democrático de combatir la corrupción. In Proceedings of 9º International Anti-Corruption Conference (pp. 10-15), Durban, South Africa. Durban.

Zuccolotto, R., Teixeira, M., & Riccio, E. L. (2015). Transparência: reposicionando o debate. Revista Contemporânea de Contabilidade, 12(25), 137-158.