A formação da previdência no contexto da seguridade social: uma análise da policy agenda-setting

Conteúdo do artigo principal

Raquel Andrade Silva de Oliveira
https://orcid.org/0000-0003-2611-7285
Bruno Tavares
https://orcid.org/0000-0002-5140-7359
Thiago de Melo Teixeira da Costa
https://orcid.org/0000-0002-0521-3799
Suely de Fátima Ramos Silveira
https://orcid.org/0000-0002-1303-7190

Resumo

Este trabalho está inserido no contexto da atual agenda de reformas que envolve a Previdência Social no Brasil. O objetivo geral visou compreender, por meio da Teoria dos Múltiplos Fluxos, de John Kingdon (1984, 2003), como a Previdência tornou-se um elemento da Seguridade no âmbito das políticas públicas na Constituição Federal de 1988 (CF/88). Em termos metodológicos, a pesquisa é predominantemente documental e bibliográfica, com abordagem qualitativa e utilização da técnica de análise de conteúdo categorial de grade fechada. A análise dos fluxos (problemas, soluções, política) com a inserção da influência internacional como um fluxo analítico indicou que a Previdência Social enquanto um problema público da década de 1980 estava atrelada a fatores econômicos e de gestão. Quando esse problema tocou a agenda pública, distintas alternativas foram formuladas, incluindo a ideia de expansão da cobertura social por meio da criação da Seguridade Social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
Oliveira, R. A. S. de, Tavares, B., Costa, T. de M. T. da, & Silveira, S. de F. R. (2021). A formação da previdência no contexto da seguridade social: uma análise da policy agenda-setting. Cadernos EBAPE.BR, 19(Especial), 705–722. https://doi.org/10.1590/1679-395120200163
Seção
Artigos

Referências

Assembleia Nacional Constituinte. (1987). Ata da reunião de instalação da Comissão de Sistematização. Brasília, DF: Congresso Nacional, Senado Federal. Recuperado de https://www.senado.leg.br/publicacoes/anais/constituinte/sistema.pdf

Backer, A. L., Azevedo, J. C., & Araújo, J. C. (2009). Audiências Públicas na Assembleia Nacional Constituinte: a sociedade na tribuna (Série coleções especiais. Obras comemorativas, n. 3). Brasília, DF: Câmara dos Deputados.

Baptista, T. W. F. (1998). Seguridade Social no Brasil. Revista de Serviço Público, 49(3), 99-119. Recuperado de https://doi.org/10.21874/rsp.v49i3.373

Bardin, L. (2009). Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70.

Baumgartner, F., & Jones, B. (1993). Agendas and instability in American Politics. Chicago, Illinois: University of Chicago Press.

Boschetti, I. (2009). Seguridade social no Brasil: conquistas e limites à sua efetivação. In Conselho Federal de Serviço Social (Org.), Serviço Social: direitos sociais e competências profissionais. Brasília, DF: Ed. UnB. Recuperado de http://www.sindifisconacional.org.br/images/justica_fiscal/RGPS/textos_artigos/seguridade-social-no-brasil.pdf

Bresser-Pereira, L. C. (2009). Construindo o Estado Republicano: Democracia e reforma da gestão pública. Rio de Janeiro, RJ: FGV.

Capella, A. C. N. (2007). Perspectivas teóricas sobre o processo de formulação de Políticas Públicas. In G. Hochman, M. Arretche, M., & Marques, E. (Org.), Políticas Públicas no Brasil. Rio de Janeiro, RJ: Editora Fiocruz.

Cobb, R. W., & Elder, C. D. (1972). Participation in American politics: the dynamics of agenda-building. Baltimore, Maryland: Johns Hopkins University Press.

Cohen, M., March, J., & Olsen, J. (1972). A Garbage Can Model of Organizational Choice. Administrative Science Quarterley, 17(1), 1-25. Recuperado de https://doi.org/10.2307/2392088

Constituição Federal de 1988. (1988). Brasília, DF: Senado Federal. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm

Costa, N. R. (2009). A proteção social no Brasil: universalismo e focalização nos governos FHC e Lula. Ciência e Saúde Coletiva, 14(3), 693-706. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S1413-81232009000300002

Cruz, S. A. M. (2015). A criação do Sistema Único de Saúde (SUS): o engendramento de uma policy network pelo movimento sanitário (Tese de Doutorado). Universidade Candido Mendes, Rio de Janeiro, RJ.

Emenda Constitucional n° 20, de 15 de dezembro de 1998. (1998). Modifica o sistema de previdência social, estabelece normas de transição e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc20.htm

Emenda Constitucional n° 41, de 19 de dezembro de 2003. (2003). Modifica os arts. 37, 40, 42, 48, 96, 149 e 201 da Constituição Federal, revoga o inciso IX do § 3 do art. 142 da Constituição Federal e dispositivos da Emenda Constitucional nº 20, de 15 de dezembro de 1998, e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc41.htm

Emenda Constitucional n° 47, de 5 de julho de 2005. (2005). Altera os arts. 37, 40, 195 e 201 da Constituição Federal, para dispor sobre a previdência social, e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/Emendas/Emc/emc47.htm

Emenda Constitucional n ° 103, de 12 de novembro de 2019. (2019). Altera o sistema de previdência social e estabelece regras de transição e disposições transitórias. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/emendas/emc/emc103.htm

Grupo de Trabalho para Reestruturação da Previdência Social. (1986). Rumos da Nova Previdência: anais. Brasília, DF: Ministério Público de Assistência Social.

Jones, M. D., Peterson, H. L., Pierce, J. J., Herweg, N., Bernal, A., Raney, H, L. … Zahariadis, Nikolaos. (2016). A River Runs Throught it: a Multiple Streams Meta Review. The Policy Studies Journal, 44(1), 13-36. Recuperado de https://doi.org/10.1111/psj.12115

Kingdon, J. W. (1984). Agendas, Alternatives, and Public Policies. Boston, MA: Little Brown & Company.

Kingdon, J. W. (2003). Agendas, Alternatives, and Public Policies. New York, NY: Harper Collins.

Lanzara, A. P. (2016). Estado, trabalho e seguridade social no Brasil: legados, transformações e desafios. Revista do Serviço Público, 67(1), 31-54. Recuperado de https://doi.org/10.21874/rsp.v67i1

Laville, C., & Dionne, J. (1999). A construção do saber: manual da metodologia de pesquisa em ciências humanas. Belo Horizonte, MG: Editora UFMG.

Lei nº 12.618, de 30 de abril de 2012. (2012). Institui o regime de previdência complementar para os servidores públicos federais titulares de cargo efetivo, inclusive os membros dos órgãos que menciona; fixa o limite máximo para a concessão de aposentadorias e pensões pelo regime de previdência de que trata o art. 40 da Constituição Federal; autoriza a criação de 3 (três) entidades fechadas de previdência complementar, denominadas Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo (Funpresp-Exe), Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Legislativo (Funpresp-Leg) e Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Judiciário (Funpresp-Jud); altera dispositivos da Lei nº 10.887, de 18 de junho de 2004; e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12618.htm

Lei nº 13.183, de 4 de novembro de 2015. (2015). Altera as Leis nºs 8.212, de 24 de julho de 1991, e 8.213, de 24 de julho de 1991, para tratar da associação do segurado especial em cooperativa de crédito rural e, ainda essa última, para atualizar o rol de dependentes, estabelecer regra de não incidência do fator previdenciário, regras de pensão por morte e de empréstimo consignado, a Lei nº 10.779, de 25 de novembro de 2003, para assegurar pagamento do seguro-defeso para familiar que exerça atividade de apoio à pesca, a Lei nº 12.618, de 30 de abril de 2012, para estabelecer regra de inscrição no regime de previdência complementar dos servidores públicos federais titulares de cargo efetivo, a Lei nº 10.820, de 17 de dezembro de 2003, para dispor sobre o pagamento de empréstimos realizados por participantes e assistidos com entidades fechadas e abertas de previdência complementar e a Lei nº 7.998, de 11 de janeiro de 1990; e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13183.htm

Lobato, L. V. C. (2016). Políticas sociais e modelos de bem-estar social: fragilidades do caso brasileiro. Saúde e Debate, 40(esp.), 87-97. Recuperado de https://doi.org/10.1590/0103-11042016S08

Menezes, A. O. (2012). Mudanças institucionais da seguridade social no Brasil: uma análise comparada entre o Sistema Único de Saúde e o Sistema Único de Assistência Social (Dissertação de Mestrado). Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Oliveira, F. E. B., Beltrão, K. I., & Ferreira, M. G. (1997). Reforma da Previdência (Texto para discussão, 508). Rio de Janeiro: IPEA/INPES.

Oliveira, W. J. F. (2008). Agendas internacionais, mecanismos institucionais e referenciais ideológicos nas políticas públicas de gestão ambiental. Revista de Política Pública São Luís, 12(1), 107-116.

Organização Internacional do Trabalho. (1952). C102 - Normas Mínimas da Seguridade Social. Recuperado de https://www.ilo.org/brasilia/convencoes/WCMS_235192/lang--pt/index.htm

Paré, G., Trudel, M.C., Jaana, M., & Kitsiou, S. (2015, março). Synthesizing Information Systems Knowledge: A Typology of Literature Reviews. Information & Management, 52(2), 183-199. Recuperado de https://doi.org/10.1016/j.im.2014.08.008

Pelarez, V., Invernizzi, N., Fuck, M. P., Bagatolli, C., & Oliveira, M, R. (2017). A volatilidade da agenda de políticas de C&T no Brasil. Revista de Administração Pública, 51(5), 788-809. Recuperado de https://doi.org/10.1590/0034-7612162639

Projeto de Emenda à Constituição, n° 287 de 2016. (2016). Altera os arts. 37, 40, 109, 149, 167, 195, 201 e 203 da Constituição, para dispor sobre a seguridade social, estabelece regras de transição e dá outras providências. Recuperado de http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=0EF6691E6AA30A8F8446B7B47DA870E3.proposicoesWebExterno1?codteor=1514975&filename=PEC+287/2016

Rocha, A. S. (2013). Genealogia da Constituinte: do autoritarismo à democratização. Lua Nova, 88, 29-87. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0102-64452013000100004

Rua, M. D. G. (2009). Políticas Públicas. Florianópolis, SC: UFSC.

Sabatier, P. A. (1999). Theories of the Policy Process. Denver, Colorado: Westview Press.

Sabatier, P. A. (2007). Theories of the Policy Process (2a ed.). Denver, Colorado: Westview Press.

Sabatier, P. A., & Weible, C. M. (2014). Theories of the Policy Process (3a ed.). Denver, Colorado: Westview Press.

Sampaio, P. A. (2009). Para além da ambiguidade: uma reflexão histórica sobre a CF/88. In J. C. Cardoso Junior (Org.), A constituição brasileira de 1988 revisitada: recuperação histórica e desafios atuais das políticas públicas nas áreas econômica e social. Brasília, DF: Ipea.

Schwarcz, L., & Starling, H. M. (2015). Brasil: uma biografia. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Secchi, L. (2014). Políticas Públicas: conceitos, esquemas de análises, casos práticos (2a ed.). São Paulo, SP: Cengage Learning.

Silva, L. L. (2014). Formação do Sistema Previdenciário Brasileiro: fatores históricos e econômicos (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG.

Silva, R. A., Tavares, B., & Lopes, M. E. O. (2018, junho). As perspectivas acadêmicas da trajetória das Políticas Públicas de Previdência Social no Brasil. In Anais do 4° Encontro Brasileiro de Administração Pública (EBAP), Viçosa, MG. Recuperado de http://www.ebap.ufv.br/index.php/ebap/vebap/paper/viewFile/196/52

Silva, R. A., Teixeira, E. A., & Costa, T. M. T. (2019). As políticas de previdência social sob a ótica do modelo incremental. Nucleus, 16(2), 171-182. Recuperado de https://doi.org/10.3738/1982.2278.3592

Souza, C. (2006, dezembro). Políticas Públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, 8(16), 20-45. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S1517-45222006000200003

Vianna, M. L. T. W. (1998). A americanização (perversa) da seguridade social no Brasil: estratégias de bem-estar e políticas públicas. Rio de Janeiro, RJ: Revan.

Weick, K. E. (2001). Making Sense of the Organization. Malden, MA: Blackwell.

Wu, X., Ramesh, M., Howlett, M., & Fritzen, S. (2014). Guia de Políticas Públicas: gerenciando processos. Brasília, DF: ENAP.

Zahariadis, N. (1999). Ambiguity, Time, and Multiple Streams. In P. A. Sabatier (Ed.), Theories of the Policy Process. Denver, Colorado: Westview Press.

Zahariadis, N. (2007). The multiple streams framework: structure, limitations, prospects. In P. A. Sabatier (Ed.), Theories of policy process. Denver, Colorado: Westview Press.

Zahariadis, N. (2014). Ambiguity and Multiple Streams. In P. A. Sabatier, & C. M. Boulder (Eds.), Theories of the Policy Process. Denver, Colorado: Westview Press.

Zanirato, S. H. (2003). O descanso do guerreiro: um estudo sobre a instituição da previdência social no Brasil. Maringá, PR: Eduem.