Limites ao crescimento econômico e à eficiência técnica em organizações alternativas: suficiência e convivencialidade

Conteúdo do artigo principal

Laira Gonçalves Adversi
https://orcid.org/0000-0002-7130-9086
Rene Eugenio Seifert
https://orcid.org/0000-0002-4474-9131

Resumo

Esta pesquisa investiga uma associação comunitária cujo modo de organizar evidenciou um desalinhamento com o modelo organizacional dominante. Os resultados apontam o termo “limites” como elo para estabelecer um modo de organização orientado para a “suficiência” e a “convivencialidade”, como alternativa ao crescimento econômico e à eficiência técnica, características da lógica organizacional dominante. A suficiência se caracterizou pela vivência qualitativa do momento presente, com valorização da simplicidade e do bem viver, elaborado com base na renúncia do trabalho direcionado ao acúmulo de bens materiais. A convivencialidade foi demonstrada por meio da valorização das relações afetivas em detrimento único dos resultados baseados em desempenho, da condução da organização por meio de procedimentos intuitivos e contingenciais em detrimento dos planejamentos formais, do desenvolvimento de habilidades emancipatórias para alcance de autonomia frente ao sistema industrial e, por último, da aprendizagem por meio de experimentações livres. A noção de “limites” na organização estudada também se alinha a uma narrativa de renúncia ao modelo dominante e de sacralização humana e da natureza. Nas discussões, o estudo observa que a busca por emancipação à dominação técnica pode suscitar outras formas de dominação. Além disso, chama à discussão a necessidade de definições mais precisas quanto à diferenciação entre organizações convencionais e alternativas, visto que algumas características que a literatura atribui às organizações alternativas são apropriadas pelo modelo dominante. Por último, aponta que “eficiência técnica” e “modos capitalistas de organização” não necessariamente são categorias interdependentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
Adversi, L. G., & Seifert, R. E. (2022). Limites ao crescimento econômico e à eficiência técnica em organizações alternativas: suficiência e convivencialidade. Cadernos EBAPE.BR, 20(1), 77–88. https://doi.org/10.1590/1679-395120200215
Seção
Artigos

Referências

Alcadipani, R. S., & Medeiros, C. R. O. (2017). Organizações que matam: uma reflexão a respeito de crimes corporativos. Organizações & Sociedade, 24(80), 39-52.

Antunes, R. (2018). O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviço na era digital. São Paulo, SP: Boitempo.

Barcellos, R. M. R., & Dellagnelo, E. H. L. (2013). Novas formas organizacionais: do dominante às ausências. Pensamento Contemporâneo em Administração, 7(1), 1-16.

Barcellos, R. M. R., Dellagnelo, E. H. L., & Salles, H. K. (2014). A teoria política do discurso como abordagem para o estudo das organizações de resistência: reflexões sobre o caso do circuito fora do eixo. Organizações & Sociedade, 21(70), 405-424.

Barcellos, R. M. R, Dellagnelo, E. H. L., & Salles, H. K. (2017). Reposicionando conceitos: a organização fora dos eixos. Revista de Administração de Empresas, 57(1), 10-21.

Bauer, M. (2002). Análise de conteúdo clássica: uma revisão. In M. Bauer, & G. Gaskell (Eds.), Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Petrópolis, RJ: Vozes.

Bauman, Z. (2008). Vida para o consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro, RJ: Zahar.

Boff, L. (2012). Sustentabilidade: o que é, o que não é. São Paulo, SP: Vozes.

Carrieri, A. P., Perdigão, D. A., Martins, P. G., & Aguiar, A. R. C. (2018). A gestão ordinária e suas práticas: o caso da Cafeteria Will Coffee. Revista de Contabilidade e Organizações, 12(1), 1-13.

Costa, P. A., Seifert, R. E., Meira, F. B., & Hocayen-da-Silva, A. J. (2018). Provocações epistemológicas, teóricas e metodológicas a partir de experiências empíricas de organizações alternativas e contra hegemônicas. Farol – Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 5(13), 477-495.

Dejours, C. (2012). Uma nova visão do sofrimento humano nas organizações. In J. F. Chanlat (Coord.), O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. São Paulo, SP: Atlas.

Ellul, J. (1968). A técnica e o desafio do século. São Paulo, SP: Paz e Terra.

Faria, J. H., & Meneghetti, F. K. (2007). A instituição da violência nas relações de trabalho. In J. H. Faria., J. H. (Coord.), Análise crítica das teorias e práticas organizacionais. São Paulo, SP: Atlas.

Faria, J. H., & Meneghetti, F. K. (2011). Burocracia como organização, poder e controle. Revista de Administração de Empresas, 51(5), 424-439.

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa (3a ed.). Porto Alegre, RS: Artmed.

Gaulejac, V. (2007). Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. São Paulo, SP: Ideias & Letras.

Illich, I. A. (1976). Convivencialidade: sociedade industrial. Lisboa, Portugal: Gráfica Telles da Silva.

Izurieta, R. (2020). Plagues, epidemics and pandemics. In A. Masys, R. Izurieta, & M. R. Ortiz (Eds.), Global health security: advanced sciences and technologies for security applications. Cham, Switzerland: Springer.

Latouche, S. (2009). Pequeno tratado do decrescimento sereno. São Paulo, SP: Martins Fontes.

Meadows, D. H., Rander, J., & Meadows, D. (2007). Limites do crescimento: a atualização de 30 anos. Rio de Janeiro, RJ: Qualitymark.

Meneghetti, F. K. (2018). Organizações totalitárias: modus operandi e fundamento. Revista de Administração Contemporânea, 22(6), 841-858.

Miles, M., & Huberman, A. (1994). Qualitative data analysis: an expanded sourcebook. Thousand Oaks, CA: Sage Publications.

Misoczky, M. C. (2010). Das práticas não gerenciais de organizar à organização para a práxis da libertação. In M. C. Misoczky, R. K. Flores & J. Moraes (Orgs.), Organização e práxis libertadora. Porto Alegre, RS: Dacasa Editora.

Misoczky, M. C., Flores, R. K., & Bohm, S. (2008). A práxis da resistência e a hegemonia da organização. Organizações & Sociedade, 15(45), 181-194.

Paula, A. P. P. (2002). Tragtenberg revisitado: as inexoráveis harmonias administrativas e as burocracias flexíveis. Revista de Administração Pública, 36(1), 127-144.

Ramos, A. G. (1989). A nova ciência das organizações. Rio de Janeiro, RJ: FGV.

Raworth, K. (2019). Doughnut economics: seven ways to think like a 21st-century economist. London, UK: Random House Business Books.

Rothschild-Whitt, J. (1979). The collectivist organization: an alternative to rational-bureaucratic models. Revista Americana de Sociologia, 44(4), 509-527.

Schumacher, E. F. (1983). O negócio é ser pequeno: um estudo de economia que leva em conta as pessoas. Rio de Janeiro, RJ: Zahar.

Seifert, R. E., & Vizeu, F. (2015). Crescimento organizacional: uma ideologia gerencial? Revista de Administração Contemporânea, 19(1), 127-141.

Serva, M. (1993). O fenômeno das organizações substantivas. Revista de Administração de Empresa, 33(2), 36-43.

Serva, M. (1997a). Abordagem substantiva e ação comunicativa: uma complementaridade proveitosa para a teoria das organizações. Revista de Administração Pública, 31(2), 108-134.

Serva, M. (1997b). Racionalidade substantiva demonstrada na prática administrativa. Revista de Administração de Empresas, 37(2), 18-30.

Silva, A. O., & Abdalla, M. M. (2020). Desenvolvimento? Para quem? Relações estratégicas entre empresa e sociedade: o lado obscuro da privatização da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN). Revista Eletrônica de Administração, 26(1), 83-114.

Souza, R. R., & Seifert, R. E. (2018). Understanding the alternative of not growing for small mature business. Management Revue, 29(4), 333-348.88-88

Sullivan, S., Spicer, A., & Bohm, S. (2011). Becoming global (un)civil society: counter-hegemonic struggle and the Indymedia network. Globalizations, 8(5), 707-717.

Trivinos, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo, SP: Atlas.

Yin, R. (2005). Estudo de caso. Porto Alegre, RS: Bookman.