Consciência crítica e resistência: reflexões Freirianas sobre a formação do movimento agroecológico em Araponga, Minas Gerais, Brasil

Conteúdo do artigo principal

Flávia Naves
https://orcid.org/0000-0003-2501-8904
Yuna Fontoura
https://orcid.org/0000-0003-2908-7448

Resumo

O movimento agroecológico tornou-se a resistência mais relevante ao agronegócio no Brasil nas últimas décadas. Alicerçados nas teorias da educação libertadora e da consciência crítica de Paulo Freire pretendemos contribuir para os Estudos Organizacionais dos movimentos sociais rurais, desvelando o caso do movimento agroecológico de Araponga, em Minas Gerais, Brasil em fase de formação. Nós, portanto, questionamos: como o início da trajetória do movimento agroecológico em Araponga, Minas Gerais, nos ajuda a refletir sobre a construção do protagonismo do oprimido? Por meio desse caso, destacamos que para a superação das relações de opressão, a pequena agricultura familiar e os camponeses/ trabalhadores rurais tiveram primeiro que se identificar sob um sistema opressor a que historicamente foram submetidos. Além disso, reconhecer sua autenticidade e mecanismos autônomos de acesso à terra foram fundamentais para o desenvolvimento de novas formas de produção e redefinição de suas identidades. Desse modo, o segundo momento importante passa a ser a pedagogia de mulheres e homens em um processo contínuo e permanente de libertação. Assim, a construção da identidade coletiva e da resistência no movimento agroecológico de Araponga surge a partir da luta dos agricultores e trabalhadores rurais e de seu autorreconhecimento como um povo humanizado, crítico, livre e autônomo. Isso reflete o processo de ‘ação-reflexão-ação’ de aprendizagem coletiva e horizontal, onde todos são educadores e alunos ao mesmo tempo. A partir deste artigo, encorajamos mais reflexões nos Estudos Organizacionais em movimentos rurais por meio do uso da abordagem Freiriana'.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
Naves, F., & Fontoura, Y. (2022). Consciência crítica e resistência: reflexões Freirianas sobre a formação do movimento agroecológico em Araponga, Minas Gerais, Brasil. Cadernos EBAPE.BR, 20(2), 289–301. https://doi.org/10.1590/1679-395120210081
Seção
Artigos

Referências

Altieri, M. A., & Nicholls, C. I. (2020). Agroecology and the reconstruction of a post-COVID-19 agriculture. The Journal of Peasant Studies, 47(5), 881-898.

Alves, M. A. (2006, outubro). A “conquista da terra”: (re)produção social e (re)construção histórica entre agricultores familiares do município de Araponga - MG. Mana, 12(2), 269-283.

Andrade, L. F. S., Alcântara, V. C., & Pereira, J. R. (2019). Comunicação que constitui e transforma os sujeitos: agir comunicativo em Jürgen Habermas, ação dialógica em Paulo Freire e os estudos organizacionais. Cadernos EBAPE.BR, 17(1), 12-24.

Baldo, A. M., & Garcia, E. E. B. (2021). Pedagogia do MST: uma construção com a presença de Paulo Freire. Revista Estudos Aplicados em Educação, 6(11), 153-167.

Banerjee, B., Maher, R., & Krämer, R. (2021, maio). Resistance is fertile: Toward a political ecology of translocal. Organization. Recuperado de https://doi.org/10.1177/1350508421995742

Brandão, C. (2017). Paulo Freire: uma vida entre aprender e ensinar. São Paulo, SP: Ideias & Letras.

Campos, A. P. T., & Ferrari, E. (2008). A conquista de terras em conjunto: autonomia, qualidade de vida e Agroecologia. Agriculturas, 5(4), 8-12.

Corry, O., & Reiner, D. (2021). Protests and Policies: How Radical Social Movement Activists Engage with Climate Policy Dilemmas. Sociology, 55(1), 197-217.

Daskalaki, M., & Kokkinidis, G. (2017). Organizing Solidarity Initiatives: A Socio-spatial Conceptualization of Resistance. Organization Studies, 38(9), 1303-1325.

Denzin, N. K., & Lincoln, Y. S. (2011). Introduction: The Discipline and Practice of Qualitative Research. In N. K. Denzin, & Y. S. Lincoln (Orgs.), The SAGE Handbook of Qualitative Research. Thousand Oaks, CA: SAGE Publications.

Ergene, S., Banerjee, S. B., & Hoffman, A. J. (2021). (Un)Sustainability and Organization Studies: Towards a Radical Engagement. Organization Studies, 42(8), 1319-1335.

Fontoura, Y., & Naves, F. (2016). Movimento agroecológico no Brasil: a construção da resistência à luz da abordagem neogramsciana. Organizações & Sociedade, 23(77), 329-347.

Freire, A. M. A. (2017). Paulo Freire: uma história de vida. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Freire, P. (1967). Educação como prática de liberdade. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Freire, P. (1970). Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Freire, P. (1981). Ação cultural para a liberdade e outros escritos. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Freire, P. (1992). Pedagogia da Esperança: um encontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Freire, P. (1996). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo, SP: Paz e Terra.

Freire, P. (2000). Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo, SP: Editora Unesp.

Freire, P. (2001). Política e educação: ensaios. São Paulo, SP: Cortez.

Gadotti, M. (1996). Paulo Freire: uma biobliografia. São Paulo, SP: Cortez.

Gadotti, M., Freire, P., & Guimarães, S. (1995). Pedagogia: diálogo e conflito (4a ed.). São Paulo, SP: Cortez.

Gomes, A. F., & Santana, W. G. P. (2010). A história oral na análise organizacional: a possível e promissora conversa entre a história e a administração. Cadernos EBAPE.BR, 8(1), 2-18.

Guzmán, G. C., Molina, M. G., & Sevilla, E. G. (2000). Introducción a la Agroecología como desarrollo rural sostenible. Madrid, España: Mundi-Prensa.

Haug, C. (2013). Organizing Spaces: Meeting Arenas as a Social Movement Infrastructure between Organization, Network, and Institution. Organization Studies, 34(5-6), 705-732.

Hernandez, A. (2020). The emergence of agroecology as a political tool in the Brazilian Landless Movement. Local Environment, 25(3), 205-227.

Holt-Giménez, E., Shattuck, A., & Van Lammeren, I. (2021). Thresholds of resistance: agroecology, resilience and the agrarian question. The Journal of Peasant Studies, 48(4), 715-733.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (1996). Contagem da população 1996. Recuperado de http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/contagem/conceitos.shtm

Loureiro, C. W., & Moretti, C. Z. (2021, May). Paulo Freire em Abya Yala: denúncias e anúncios de uma epistemologia decolonial. Práxis Educativa, 16, 1-19.

Misoczky, M. C. A., Moraes, J., & Flores, R. K. (2009). Bloch, Gramsci e Paulo Freire: referências fundamentais para os atos da denúncia e do anúncio”. Cadernos EBAPE.BR, 7(3), 447-471.

Mota, J. C., Neto. (2018). Paulo Freire e Orlando Fals Borda na genealogia da pedagogia decolonial latino-americana. Folios, 48, 3-13.

Motta, S. C. (2017). Emancipation in Latin America: On the Pedagogical Turn. Bulletin of Latin American Research, 36(1), 5-20.

Naves, F., & Fontoura, Y. (2021, novembro). Feminist resistance building in the Brazilian agroecology movement: A gender decoloniality study. Gender, Work & Organization. Recuperado de https://doi.org/10.1111/gwao.12767

Queiroz, M. I. P. (1991). Variações sobre a técnica do gravador no registro da informação viva. São Paulo, SP: T. A. Queiroz.

Rosset, P., Val, V., Barbosa, L. P., & McCune, N. (2019) Agroecology and La Via Campesina II. Peasant agroecology schools and the formation of a sociohistorical and political subject, Agroecology and Sustainable Food Systems, 43(7-8), 895-914.

Santos, A. D., & Florisbelo, G. R. (2004). Desarrollo Territorial, Cambio Institucional y Productividad: Sistematización de Tres Experiencias en el Estado de Minas Gerais, Brasil. Viçosa, MG: Centro de Tecnologías Alternativas.

Schwendler, S. F., & Thompson, L. A. (2017). An education in gender and agroecology in Brazil’s Landless Rural Workers’ Movement. Gender and Education, 29(1), 100-114.

Stênico, J. A. G., & Paes, M. S. P. (2017). Paulo Freire e os movimentos sociais: uma análise da cojuntura brasileira. Educación, 26(50), 47-61.

Streck, D. R., Loureiro, C. W., & Rosa, C. S. (2021). “Pensando com Paulo Freire”: uma andarilhagem australiana da Pedagogia da libertação. Estudos Universitários, 38(1), 123-152.

Sutherland, N., Land, C, & Böhm, S. (2014). Anti-leaders(hip) in Social Movement Organizations: The case of autonomous grassroots groups. Organization, 21(6), 759-781.

Wezel, A., Herren, B. G., Kerr, R. B., Barrios, E., Gonçalves, A. L. R., & Sinclair, F. (2020). Agroecological principles and elements and their implications for transitioning to sustainable food systems. A review. Agronomy for Sustainable Development, 40(40), 1-13.