Aproximações entre a metodologia da investigação temática e a abordagem decolonial: uma proposta para a área dos Estudos Organizacionais

Conteúdo do artigo principal

Vanessa Faria Silva
https://orcid.org/0000-0003-3398-2605
Sergio Wanderley
https://orcid.org/0000-0002-9248-5214

Resumo

As denúncias promovidas pela abordagem decolonial a respeito de práticas coloniais que permaneceram e permanecem ativas, mesmo depois do fim oficial do colonialismo, assim como a crítica que esta abordagem faz à universalidade do pensamento, contribuem para o avanço do conhecimento. Por outro lado, existe na abordagem decolonial uma lacuna sobre quais são as possibilidades metodológicas mais coerentes a serem utilizadas em pesquisas decoloniais. Diante disso, buscamos contribuir para a ampliação do processo de escolha de abordagens metodológicas em pesquisas da área dos Estudos Organizacionais (EOR), que sejam, epistemologicamente, alinhadas à abordagem decolonial, ou seja, que respeitem a pluriversalidade de seres, saberes e territórios. Para isso, apontamos a investigação temática1 como uma possibilidade de metodologia alinhada à abordagem decolonial. Por fim, apresentamos um exemplo de planejamento metodológico para uma pesquisa na perspectiva decolonial, da área dos EOR, que utilizará como metodologia a investigação temática. Concluímos apontando que a investigação temática é uma perspectiva muito alinhada à abordagem decolonial, uma vez que respeita o ser e o território, mas não deve ser adotada sem prévia reflexão crítica, ou seja, como uma fórmula.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
Silva, V. F., & Wanderley, S. (2022). Aproximações entre a metodologia da investigação temática e a abordagem decolonial: uma proposta para a área dos Estudos Organizacionais. Cadernos EBAPE.BR, 20(4), 514–526. https://doi.org/10.1590/1679-395120210156
Seção
Artigos

Referências

Abdalla, M. M., & Faria, A. (2017). Em defesa da opção decolonial em administração/gestão. Cadernos EBAPE.BR, 15(4), 914-929.

Ballestrin, L. (2013). América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, 11, 89-117.

Barros, A. N., & Carrieri, A. P. (2013). Ensino superior em Administração entre os anos 1940 e 1950: uma discussão a partir dos acordos de cooperação Brasil-Estados Unidos. Cadernos EBAPE.BR, 11(2), 256- 273.

Bosco Pinto, J. (2014). Da investigação temática à pesquisa-ação. In L. S. Duque-Arrazola, & M. J. M. Thiollent (Orgs.), João Bosco Guedes Pinto: Metodologia, teoria do conhecimento e pesquisa-ação: textos selecionados e apresentados. Belém, PA: UFPA.

Bosco Pinto, J., Angel, M. A., & Reyes, V. (2014). Metodologia da Investigação Temática: pressupostos teóricos e desenvolvimento. In: L. S. Duque-Arrazola, & M. J. M. Thiollent (Orgs.), João Bosco Guedes Pinto: Metodologia, teoria do conhecimento e pesquisa-ação: textos selecionados e apresentados (pp. 94-105). Belém, PA: UFPA.

Bringel, B., & Maldonado, E. (2016). Pensamento Crítico Latino- Americano e Pesquisa Militante em Orlando Fals Borda: práxis, subversão e libertação. Revista Direito e Práxis, 7(1), 389-413.

Dulci, T. M. S., & Malheiros, M. R. (2021, janeiro). Um giro decolonial à metodologia científica: apontamentos epistemológicos para metodologias desde e para a América Latina. Revista Espirales, Edição Especial, 174-193.

Duque-Arrazola, L. S. (2014). Apresentação. In L. D., Duque-Arrazola, & M. J. M. Thiollent (Orgs.), João Bosco Guedes Pinto: Metodologia, teoria do conhecimento e pesquisa-ação: textos selecionados e apresentados. Belém, PA: UFPA.

Dussel, E. (2005). Europa, Modernidade e Eurocentrismo. In E. Lander (Org.), A colonialidade do saber: Eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas (pp. 25-34). Buenos Aires, Argentina: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales.

Dussel, E. (2016). Transmodernidade e interculturalidade: interpretação a partir da filosofia da libertação. Sociedade e Estado, 31(1), 51-73.

Escobar, A. (2005). O lugar da natureza e a natureza do lugar: globalização ou pós-desenvolvimento? In E. Lander (Org.), A colonialidade do saber. Eurocentrismo e ciências sociais: perspectivas latino-americanas (pp. 133-168). Buenos Aires, Argentina: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales.

Faria, A. (2013). Border Thinking in Action: Should Critical Management Studies Get Anything Done? In V. Malin, J. Murphy, & M. Siltaoja (Eds.), Dialogues in Critical Management Studies (Getting Things Done, Vol. 2, pp. 277-300). Bingley, UK: Emerald Publishing.

Gajardo, M. (1986). Pesquisa participante na América Latina. São Paulo, SP: Brasiliense.

Gajardo, M. (2021). Procurando Paulo Freire no Chile, algumas observações sobre a origem e a evolução de suas ideias pedagógicas. Revista Ideação, 23(1), 72-104.

Grosfoguel, R. (2008, julho). Transmodernity, border thinking and global coloniality. Revista Crítica de Ciências Sociais, 80, 1-24.

Guerreiro Ramos, A. (1981). A Nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. Rio de Janeiro, RJ: FGV.

Guerreiro Ramos, A. (1996). A redução sociológica. Rio de Janeiro, RJ: Ed. UFRJ.

International Critical Management Studies. (2021, março 26). Call for Submissions: The 12th International Conference in Critical Management Studies. Recuperado de https://internationalcms.org/2021/03/26/call-for-submissions-12th-icms-conference

Lander, E. (2005). Ciências sociais: saberes coloniais e eurocêntricos. In E. Lander (Org.), A colonialidade do saber, eurocentrismo e ciências sociais: perspectivas latino-americanas. Buenos Aires, Argentina: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales.

Mignolo, W. D. (2003). Historias locales/diseños globales: colonialidad, conocimientos subalternos y pensamiento fronterizo. Madrid, España: Akal.

Mignolo, W. D. (2010). Desobediencia epistémica: retórica de la modernidad, lógica de la colonialidad y gramática de la descolonialidad. Buenos Aires, Argentina: Ediciones del signo.

Mignolo, W. D., & Tlostanova, M. V. (2006). Theorizing from the Borders: Shifting to Geo- and Body-Politics of Knowledge. European Journal of Social Theory, 9(2), 205-221.

Neves, S. L. S., Neves, L. V. R. F., Santos, L. M., & Figueiredo, L. R. (2019). É possível reivindicar uma cartografia decolonial? Revista Desenvolvimento Social, 25(1), 125-138.

Ocaña, A. O., & López, M. I. A. (2019). Hacer decolonial: desobedecer a la metodología de investigación. Hallazgos, 16(31), 147-166.

Pinto, J. R. S., & Mignolo, W. D. (2015) A modernidade é de fato universal? Reemergência, desocidentalização e opção decolonial. Civitas - Revista de Ciências Sociais, 15(3), 381-402.

Ribeiro, D. (2020). Contramapeamento indígena: aproximações entre a cartografia crítica e o decolonialismo. Logos, 27(3), 17-36.

Rodrigues, L., & Hemais, M. W. (2020). Influências eurocêntricas no Sistema Brasileiro de Autorregulamentação Publicitária: pesquisa histórica sob uma perspectiva decolonial. Cadernos EBAPE.BR, 18(Especial), 794-806.

Sauerbronn, F. F., Ayres, R. M., Silva, C. M., & Lourenço, R. L. (2021, janeiro). Decolonial studies in accounting? Emerging contributions from Latin America. Critical Perspectives on Accounting, 102281. Recuperado de https://doi.org/10.1016/j.cpa.2020.102281

Silva, R. C. (1998). A falsa dicotomia qualitativo-quantitativo: paradigmas que informam nossas práticas de pesquisa. In G., Romanelli, & Z. M. M., Biasoli-Alves (Eds.), Diálogos metodológicos sobre práticas de pesquisa (pp. 159-174). Ribeirão Preto, SP: Legis Summa.

Thiollent, M. J. M. (2014). Preservar a memória da obra de João Bosco Guedes Pinto: resgate de uma obra. In L. D., Duque-Arrazola & M. J. M. Thiollent (Orgs.). João Bosco Guedes Pinto: Metodologia, teoria do conhecimento e pesquisa-ação: textos selecionados e apresentados. Belém, PA: UFPA.

Thiollent, M. J. M., & Colette, M. M. (2013). Pesquisa-Ação, Universidade e Sociedade. In Anales del 13° Coloquio Internacional de Gestión Universitaria en América del Sur, Universidad Tecnológica Nacional, Buenos Aires, Argentina.

Wanderley, S. (2015). Estudos organizacionais, (des)colonialidade e estudos da dependência: as contribuições da Cepal. Cadernos EBAPE.BR, 13(2), 237-255.

Wanderley, S., & Barros, A. (2020). The Alliance for Progress, modernization theory, and the history of management education: The case of CEPAL in Brazil. Management Learning, 51(1), 55-72.