A netnografia para produção e análise de contradições em uma atividade bancária

Conteúdo do artigo principal

Rafael Jonatas Vizentin
https://orcid.org/0000-0002-5911-1480
Marcio Pascoal Cassandre
https://orcid.org/0000-0001-9415-4315
Yára Lúcia Mazziotti Bulgacov
https://orcid.org/0000-0003-2661-7810

Resumo

Este trabalho apresenta a netnografia como método que permite realizar o levantamento de hipóteses de contradições presentes numa atividade bancária. A netnografia foi utilizada num dos canais de comunicação virtual do banco, aqui denominado Fórum Colaborativo, no qual os sujeitos trocam informações, problemas e sugestões em torno de suas atividades. Um tópico específico para fins desta investigação foi criado no referido canal, e, com base em trechos dos discursos, foi possível identificar tensões indicativas de contradições, categorizá-las e formular hipóteses de contradições. Essas informações subsidiaram a formação de um conjunto de “dados-espelho” que propiciou ao pesquisador um material empírico inicial para a estruturação de uma intervenção formativa. Destaca-se a netnografia como inovação em método nos estudos sobre intervenção formativa. Aliada aos fundamentos teórico-metodológicos da teoria da atividade, ela demonstrou ser uma ferramenta potencial para produzir dados-espelho, permitindo um levantamento preliminar de hipóteses que puderam auxiliar o pesquisador intervencionista a compreender melhor as contradições de uma atividade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
Vizentin, R. J., Cassandre, M. P., & Bulgacov, Y. L. M. (2022). A netnografia para produção e análise de contradições em uma atividade bancária. Cadernos EBAPE.BR, 20(5), 593–607. https://doi.org/10.1590/1679-395120210178
Seção
Artigos

Referências

Begnini, S., Santos, S. S. S. D., Sehnem, S., Carvalho, C. E., & Machado, H. P. V. (2019). Capitalismo consciente: uma análise netnográfica em grupos da rede social LinkedIn. Cadernos EBAPE.BR, 17(2), 277-293.

Bulgacov, Y. L. M., Camargo, D., Canopf, L., Matos, R. D., & Zdepski, F. B. (2014). Contribuições da teoria da atividade para o estudo das organizações. Cadernos EBAPE.BR, 12(3), 648-662.

Caregnato, R. C. A., & Mutti, R. (2006). Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto & Contexto Enfermagem, 15(4), 679 684.

Cassandre, M. P., & Godoi, C. K. (2013). Metodologias intervencionistas da teoria da atividade histórico-cultural: abrindo possibilidades para os estudos organizacionais. Revista Gestão Organizacional, 6(Especial), 11-23.

Cassandre, M. P., Querol, M. A. P., & Bulgacov, Y. L. M. (2012). Metodologias intervencionistas: contribuição teórico¬-metodológica dos princípios vigotskyanos para pesquisa em aprendizagem organizacional. In Anais do 26º Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Salvador, BA.

Cassandre, M. P., Querol, M. A. P., & Senger, C. M. (2018). Preparando uma intervenção do Laboratório de Mudança: a gestão dos resíduos de um hospital universitário. Revista de Administração, Contabilidade e Economia, 17(1), 9-28.

Cavalcanti, R. C. T., Souza-Leão, A. L. M. D., & Moura, B. M. (2021). Afirmação fânica: aleturgia em um fandom de música indie. Revista de Administração Contemporânea, 25(5), e190395.

Cole, M. & Engeström, Y. (2001). Cultural-Historical Approaches to Designing for Development. In J. Valsiner (Ed.), The Cambridge Handbook of Sociocultural Psychology. Cambridge, UK: Cambridge University Press.

Davydov, V. V. (1999). The content and unsolved problems of activity theory. Perspectives on Activity Theory, 16, 39-52.

Donatelli, S., Vilela, R. A. G., Querol, M. A. P., & Gemma, S. F. B. (2020). Contradições na produção de semijoias: uma perspectiva cultural. Revista Laborativa, 9(2), 83-108.

Engeström, Y. (1987). Learning by expanding: an activity-theoretical approach to developmental research. Helsinki, Finland: Orienta-Konsultit Oy.

Engeström, Y. (1999). Activity theory and individual and social transformation. In Y. Engeström, R. Miettinen, & R. L. Punamäki (Orgs.), Perspectives on activity theory. Cambridge, UK: University Press.

Engeström, Y. (2000). From individual action to collective activity and back: developmental work research as an interventionist methodology. In P. Luff, J. Hindmarsh, & C. Heath (Eds.), Workplace studies (pp. 150-166). Cambridge, UK: Cambridge University Press.

Engeström, Y. (2001). Expansive learning at work: toward an activity theoretical reconceptualization. Journal of Education and Work, 14(1), 133-156.

Engeström, Y. (2007). Putting Vygotsky to work: the change laboratory as an application of double stimulation. In H. Daniels, M. Cole, & J. M. Wertsch (Orgs.), The Cambridge companion to Vygotsky. Cambridge, UK: Cambridge University Press.

Engeström, Y. (2008). From teams to knots: activity-theoretical studies of collaboration and learning at work. Cambridge, UK: Cambridge University Press.

Engeström, Y. (2010). Activity theory and learning at work. In M. Malloch (Org.), The Sage Handbook of Workplace Learning. London, UK: Sage.

Engeström, Y. (2011). From design experiments to formative interventions. Teor & Psychology, 21(5), 598-628.

Engeström, Y. (2020). Ascending from the abstract to the concrete as a principle of expansive learning. Psychological Science and Education, 25(5), 31-43.

Engeström, Y., Miettinen, R., & Punamäki, R. (1999). Perspectives on activity theory. Cambridge, UK: Cambridge University Press.

Engeström, Y., & Pyörälä, E. (2021). Using activity theory to transform medical work and learning. Medical Teacher, 43(1), 7-13.

Engeström, Y., & Sannino, A. (2010). Studies of expansive learning: foundations, findings and future challenges. Educational Research Review, 5(1), 1-24.

Engeström, Y., Virkkunen, J., Helle, M., Pihlaja, J., & Poikela, R. (1996). The change laboratory as a tool for transforming work. Lifelong Learning in Europe, 1(2), 10-17.

Fernandes, O. L. D. C., Fernandes, N. C. M., Paiva, F. G., Jr., Leão, A. L. M. S., & Costa, M. F. (2019). Consumo simbólico e representação do self: um estudo de interações em uma comunidade virtual de usuários Ubuntu-Br. Cadernos EBAPE.BR, 17(Especial), 717-731.

Fonseca, W. C. F., Jr. (2009). Análise de conteúdo. In J. Duarte, & A. Barros (Orgs.), Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação (2a ed., pp. 280-303). São Paulo, SP: Atlas.

Hine, C. (2000). Virtual ethography. London, UK: Sage.

Kozinets, R. V. (1998). On netnography: initial reflections on consumer research investigations of cyberculture. In J. Alba, & W. Hutchinson (Eds.), Advances in consumer research. Duluth, MN: Association for Consumer Research.

Kozinets, R. V. (2002). The Field Behind the Screen: Using Netnography For Marketing Research in Online Communities. Journal of Marketing Research, 39, 61-72.

Kozinets, R. V. (2010). Netnography: doing ethnographic research online. Toronto, Canada: Sage Publications.

Kozinets, R. V. (2015). Netnography: redefined (2a ed.). London, UK: Sage.

Lemos, M., Querol, M. A. P., & Almeida, I. M. (2013). A teoria da atividade histórico-cultural e suas contribuições à educação, saúde e comunicação: entrevista com Yrjö Engeström. Interface – Comunicação Saúde Educação, 17(46), 715-727.

Leontiev, A. N. (1978). Activity, consciousness, and personality. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall.

Mariani, M. A. P., Arruda, D. O., Silva, M. B. D. O., & Moreira, M. C. S. (2019). La percepción del turista sobre los atributos de los hospedajes en Brasil: un análisis en base a los comentarios online. Estudios y perspectivas en turismo, 28(4), 882-902.

Mesquita, R. F., Matos, F. R. N., Machado, D. Q., Sena, A. M. C., & Baptista, M. M. R. T. (2018). Do espaço ao ciberespaço: sobre etnografia e netnografia. Perspectivas em Ciência da Informação, 23(2), 134-153.

Miettinen, R. (2000). Ascending from the abstract to the concrete and constructing a working hypothesis for new practices: Evald Ilyenkov’s philosophy revisited (pp. 111-129). Helsinki, Finland: Kikimora Publications.

Moraes, T. A. D., & Abreu, N. R. D. (2017). Tribos de consumo: representações sociais em uma comunidade virtual de marca. Organizações & Sociedade, 24(81), 325-342.

Moreira, S. V. (2005). Análise documental como método e como técnica. In J. Duarte, & A. Barros (Orgs.), Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação (pp. 269-279). São Paulo, SP: Atlas.

Moura, B. M., & Souza-Leão, A. L. (2020). Identidade cultural no consumo de fãs brasileiros da National Football League. Cadernos EBAPE.BR, 18(3), 595-608.

Paniza, M. D. R., Cassandre, M. P., & Senger, C. M. (2018). Os conflitos sob a mediação do Laboratório de Mudança: uma aprendizagem expansiva. Revista de Administração Contemporânea, 22(2), 271-290.

Picheth, S. F., Cassandre, M. P., & Thiollent, M. J. M. (2016). Analisando a pesquisa-ação à luz dos princípios intervencionistas: um olhar comparativo. Educação, 39(Especial), s3-s13.

Pinto, V. B., Silva, C., Neto, Costa, M. F., Bezerra, F. M. P., Cavati, H., Sobrinho, & Cysne, M. R. F. (2007). Netnografia: uma abordagem para estudos de usuários no ciberespaço. In Anais dos 9º do Congresso Nacional de Bibliotecários, Ponta Delgada, Portugal.

Ploettner, J., & Tresseras, E. (2016). An interview with Yrjö Engeström and Annalisa Sannino on activity theory. Bellaterra Journal of Teaching & Learning Language & Literature, 9(4), 87-98.

Querol, M. A. P., Cassandre, M. P., & Bulgacov, Y. L. M. (2014). Teoria da atividade: contribuições conceituais e metodológicas para o estudo da aprendizagem organizacional. Gestão & Produção, 21(2), 405-416.

Querol, M. A. P., Jackson-Filho, L. M., & Cassandre, M. P. (2011). Change laboratory: uma proposta metodológica para pesquisa e desenvolvimento da aprendizagem organizacional. Administração – Ensino e Pesquisa, 12(4), 609-640.

Rocha, A. L. C., & Eckert, C. (1998). A interioridade da experiência temporal do antropólogo como condição da produção etnografia. Revista de Antropologia, 41(2), 107-136.

Sannino, A. (2011). Activity theory as an activist and interventionist theory. Theory & Psychology, 21(5), 571-597.

Sannino, A., & Engeström, Y. (2018). Cultural-historical activity theory: founding insights and new challenges. Cultural-Historical Psychology, 14(3), 43-56.

Vänninen, I., Querol, M. P., & Engeström, Y. (2021). Double stimulation for collaborative transformation of agricultural systems: the role of models for building agency. Learning, Culture and Social Interaction, 30, 100541.

Virkkunen, J. (2004). Developmental interventions in work activities: an activity theoretical interpretation. In T. Kontinen (Ed.), Development intervention. Actor and activity perspectives (pp. 37-66). Helsinki, Finland: University of Helsinki.

Virkkunen, J. (2009). Two theories of organizational knowledge creation. In A. Sannino, H. Daniels, & K. D. Gutiérrez (Eds.), Learning and Expanding with Activity Theory (pp. 144-159). Cambridge, UK: Cambridge University Press.

Virkkunen, J., & Newnham, D. S. (2015). O Laboratório de Mudança: uma ferramenta de desenvolvimento colaborativo para o trabalho e a educação. Belo Horizonte, MG: Fabrefactum.

Vygotsky, L. S. (2007). A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores (7a ed.). São Paulo, SP: Martins Fontes.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)