Trabalho e violência doméstica: uma investigação a partir de grupos de apoio às vítimas no Facebook

Conteúdo do artigo principal

Elaine Barbosa da Silva
https://orcid.org/0000-0001-8517-3178
Rejane Prevot Nascimento
https://orcid.org/0000-0002-5242-9509

Resumo

As estatísticas revelam que existe uma correlação entre ser mulher e estar em situação de violência. A violência doméstica é uma das manifestações dessa combinação e tem como agravante o fato de ser perpetrada por homens que mantêm relação de afeto com a mulher e de ser considerada restrita à esfera privada. Além disso, as pesquisas evidenciam que as mulheres trabalhadoras têm maior probabilidade de serem vitimadas do que aquelas que não possuem emprego. Considerando esses dados, o objetivo deste estudo é analisar as adversidades enfrentadas pelas mulheres trabalhadoras em situação de violência doméstica, especialmente a relacionada com sua condição laboral e as relações de trabalho. Para tanto, utilizou-se a metodologia qualitativa, por meio de entrevistas semiestruturadas. Os relatos das mulheres entrevistadas revelaram que os transtornos acarretados pela violência são tanto de ordem mais evidente (perda de performance no trabalho e de oportunidades de ascensão profissional, necessidade de se ausentar, adoecimento etc.) quanto menos aparente (externada pelo sentimento de perda). Destacamos, ainda, que o trabalho não é considerado por elas como pertencente à rede de apoio capaz de ajudá-las a se desvencilhar da violência sofrida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
Silva, E. B. da, & Nascimento, R. P. (2022). Trabalho e violência doméstica: uma investigação a partir de grupos de apoio às vítimas no Facebook. Cadernos EBAPE.BR, 20(5), 675–687. https://doi.org/10.1590/1679-395120210160
Seção
Artigos

Referências

Aboim, S. (2012). Do público e do privado: uma perspectiva de gênero sobre uma dicotomia moderna. Revista Estudos Feministas, 20(1), 95-117. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0104-026X2012000100006

Américo, J., & Meirelles, A. (2019, novembro 07). Só 25% das empresas atuam em casos de violência contra funcionárias. Exame. Recuperado de https://exame.abril.com.br/carreira/violencia-contra-funcionarias/

Banyard, V., Potter, S., & Turner, H. (2011). The impact of interpersonal violence in adulthood on womens job satisfaction and productivity: the mediating roles of mental and physical health. Psychology of Violence, 1(1), 16-28. Recuperado de https://doi.org/10.1037/a0021691

Bardin, L. (2006). Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70.

Biroli, F. (2018). Gênero e desigualdades: limites da democracia no Brasil. São Paulo, SP: Boitempo Editorial.

Campbell, J. C., Jones, A. S., Dienemann, J., Kub, J., Schollnberger, J., O’Campo, P., … Wynne, C. (2002). Intimate partner violence and physical health consequences. Arch Intern Med, 162(10), 1157-1163. Recuperado de https://doi.org/10.1001/archinte.162.10.1157

Carneiro, I. (2020). O processo de debate e a construção de direitos. In Fundação Demócrito Rocha (Eds.), Enfrentamento a violência doméstica e familiar contra a mulher (Fascículo 2). Fortaleza, CE: Autor. Recuperado de https://institutoressurgir.org/wp-content/uploads/2018/07/F2-Enfrentamento-a-violencia-domestica-e-familiar-contra-a-mulher-compressed.pdf

Carvalho, J. R., & Oliveira, V. H. (2017, agosto 20). Violência doméstica e seu impacto no mercado de trabalho e na produtividade das mulheres. Recuperado de http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2017/11/violencia_domestica_trabalho_ago_17.pdf

Cerqueira, D., Moura, R., & Pasinato, W. (2019) Participação no mercado de trabalho e violência doméstica contra as mulheres no Brasil (Texto para discussão, n. 2501). Recuperado de https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/arquivos/artigos/9705-td2501.pdf

Devries, K., Watts, C., Yoshihama, M., Kiss, L., Schraiber, L. B., Deyessa, N., ... Garcia-Moreno, C. (2011). Violence against women is strongly associated with suicide attempts: Evidence from the WHO multi-country study on women’s health and domestic violence against women. Social Science & Medicine, 73(1), 79-86. Recuperado de Recuperado de https://doi.org/10.1016/j.socscimed.2011.05.006

Echeverria, J. G. M., Oliveira, M. H. B., & Erthal, R. M. C. (2017). Violência doméstica e trabalho: percepções de mulheres assistidas em um Centro de Atendimento à Mulher. Saúde Debate, 41(Especial), 13-24. Recuperado de https://doi.org/10.1590/0103-11042017S202

Fórum Brasileiro de Segurança Pública. (2019). Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2019. Recuperado de https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2019/10/Anuario-2019-FINAL_21.10.19.pdf

Fórum Brasileiro de Segurança Pública. (2020). Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2020. Recuperado de https://forumseguranca.org.br/anuario-14/

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social (6a ed.). São Paulo, SP: Editora Atlas S. A.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2021). Estatísticas de gênero: indicadores sociais das mulheres no Brasil. Recuperado de https://www.ibge.gov.br/estatisticas/multidominio/genero/20163-estatisticas-de-genero-indicadores-sociais-das-mulheres-no-brasil.html?=&t=o-que-e

Kaysen, D., Dillworth, T. M., Simpson, T., Waldrop, A., Larimer, M. E., & Resick, P. A. (2007). Domestic violence and alcohol use: trauma-related symptoms and motives for drinking. Addictive Behaviors, 32(6), 1272-1283. Recuperado de https://doi.org/10.1016/j.addbeh.2006.09.007

Kergoat, D. (2009). Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo. In H. Hirata, F. Laborie, H. Le Doaré, & D. Senotier (Orgs.), Dicionário crítico do feminismo. São Paulo, SP: Ed. Unesp.

Krug, E. G., Mercy, J. A., Dahlberg, L. L., & Zwi, A. B. (2002). The world report on violence and health. The Lancet, 360(9339), 1083-1088. Recuperado de https://doi.org/10.1016/S0140-6736(02)11133-0

LaVan, H., Lopez, Y. P., Katz, M., & Martin, W. M. (2012). The impact of domestic violence in the workplace. Employment Relations Today, 39(3), 51-63. Recuperado de https://doi.org/10.1002/ert.21377

Leal, S. M. C. (2015). Conflitos entre parceiros íntimos. In E. Fleury-Teixeira & S. N. Meneghel (Org.), Dicionário feminino da infâmia: acolhimento e diagnóstico de mulheres em situação de violência (pp. 63-64). Rio de Janeiro, RJ: Fiocruz.

Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. (2006). Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8º do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. Brasília, DF. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm

Lloyd, S. (1997). The effects of domestic violence on women’s employment. Law & Policy, 19(2), 139-167. Recuperado de https://doi.org/10.1111/1467-9930.00025

Locomotiva/Instituto Patrícia Galvão (2020). Percepções sobre a violência e o assédio contra mulheres no trabalho. Recuperado de https://assets-institucional-ipg.sfo2.cdn.digitaloceanspaces.com/2021/06/LOCOMOTIVAIPG_PesquisaViolenciaeAssediocontraMulheresnoTrabalhoVF.pdf

Meneghel, S. N., Barbiani, R., Steffen, H., Wunder, A. N., Roza, M. D., Rotermund, J., ... Korndorfer, C. (2003). Impacto de grupos de mulheres em situação de vulnerabilidade de gênero. Cadernos de Saúde Pública, 19(4), 955-963. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0102-311X2003000400018

Minayo, M. C. S., Deslandes, S. F., & Gomes, R. (2011). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Editora Vozes Limitada.

ONU Mulheres. (2020, abril 07). Violência contra as mulheres e meninas é pandemia invisível, afirma diretora executiva da ONU Mulheres. Recuperado de https://www.onumulheres.org.br/noticias/violencia-contra-as-mulheres-e-meninas-e-pandemia-invisivel-afirma-diretora-executiva-da-onu-mulheres/

Organização Mundial da Saúde. (2021). Violence against women. Recuperado de https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/violence-against-women

Paiva, L. & Souza, L. R. (2020). Direitos humanos das mulheres. In Fundação Demócrito Rocha (Eds.), Enfrentamento a violência doméstica e familiar contra a mulher (Fascículo 1). Fortaleza, CE: Autor. Recuperado de https://cursos.fdr.org.br/course/view.php?id=50

Parizotto, N. R. (2019). Menino veste azul, menina veste rosa? Violência e divisão sexual do trabalho. Revista Em Pauta: Teoria Social e Realidade Contemporânea, 17(43), 203-218. Recuperado de https://doi.org/10.12957/rep.2019.42544

Piosiadlo, L. C. M., Fonseca, R. M. G. S. D., & Gessner, R. (2014). Subalternidade de gênero: refletindo sobre a vulnerabilidade para violência doméstica contra a mulher. Escola Anna Nery, 18(4), 728-733. Recuperado de https://doi.org/10.5935/1414-8145.20140104

Saffioti, H. (1987). Mulher brasileira: opressão e exploração. São Paulo, SP: Ed. Achiamé.

Saffioti, H. (2015). Gênero, violência e patriarcado. São Paulo, SP: Fundação Perseu A.

Standing, G (2013). O precariado: a nova classe perigosa. São Paulo, SP: Autêntica.

Swanberg, J. E., Logan, T. K., & Macke, C. (2005). Intimate partner violence, employment, and the workplace: consequences and future directions. Trauma, Violence, & Abuse, 6(4), 286-312. Recuperado de https://doi.org/10.1177/1524838005280506

Teixeira, A. B. (2016). Violência contra as mulheres. Recife, PE: SOS Corpo.

Waiselfisz, J. J. (2015). Mapa da violência 2015: homicídio de mulheres no Brasil. Recuperado de http://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2016/04/MapaViolencia_2015_mulheres.pdf

White, M.E. & Satyen, L. (2015). Cross-cultural differences in intimate partner violence and depression: a systematic review. Aggression and Violent Behavior, 24,120-30. Recuperado de https://doi.org/10.1016/j.avb.2015.05.005

Woodrow, N., Gyorki, L., Llewelyn, F., & Dunlop, L. (2015). Domestic violence and its impact in the workplace. O&G magazine, 17(3), 37-40. Recuperado de https://www.ogmagazine.org.au/17/3-17/domestic-violence-impact-workplace/