O papel das relações raciais no mercado de trabalho brasileiro: processos de recrutamento e seleção em foco

Conteúdo do artigo principal

Cláudia Aparecida Avelar Ferreira
https://orcid.org/0000-0002-8802-1716
Simone Costa Nunes
https://orcid.org/0000-0002-7573-7985
Jair Nascimento Santos
https://orcid.org/0000-0001-9590-7120

Resumo

O objetivo é analisar como as relações raciais presentes na sociedade brasileira interseccionam gênero e classe social, e têm influência na inserção no mercado de trabalho formal de mulheres negras e brancas, por meio dos discursos de estudantes e de recrutadores brasileiros que atuam para suas próprias empresas ou para outras nacionais e internacionais. O estudo adota abordagem qualitativa e utiliza o corpus de 26 discursos que englobam os fatores linguístico-textual-discursivos imbricados no processo de referência e na construção de significados, emprestados do dialogismo Bakhtiniano e do Círculo. As metanarrativas dos responsáveis das empresas enfatizam as relações raciais no mercado de trabalho, em consonância com o mito da democracia racial, da meritocracia e da baixa escolaridade das mulheres. As alunas destacam o racismo, o sexismo e a classe social como barreira para conseguir um emprego no mercado privado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
Ferreira, C. A. A., Nunes, S. C., & Santos, J. N. (2023). O papel das relações raciais no mercado de trabalho brasileiro: processos de recrutamento e seleção em foco. Cadernos EBAPE.BR, 21(1), e2022–0039. https://doi.org/10.1590/1679-395120220039
Seção
Artigos

Referências

Acker, J. (2006). Inequality regimes: gender, class, and race in organizations. Gender & Society, 20(4),441-464. Recuperado de https://doi.org/10.1177/0891243206289499

Alves, M. A., & Galeão-Silva, L. G. (2004). A crítica da gestão da diversidade nas organizações. RAE-Revista de Administração Eletrônica, 44(3), 20-29. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0034-75902004000300003

Amossy, R. (2011). Argumentação e análise do discurso perspectivas teóricas e recortes disciplinares. Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação, 1(1), 129-144.

Avery, D. R., Volpone, S. D., & Holmes, I. V. O. (2018). Racial discrimination in organizations. In A. J. Colella, & E. B. King (Eds.), Oxford handbook of workplace discrimination (pp. 1-26). New York, NY: Oxford University Press.

Bakhtin, M. M. (2000). Os gêneros do Discurso. In M. M. Bakhtin (Ed.), Estética da criação verbal (3a ed., pp. 277-326), São Paulo, SP: Martins Fontes.

Bakhtin, M. M., & Volochinov, V. N. (1995). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da linguagem (7a ed.). São Paulo, SP: Hucitec.

Bakhtin, M. M., & Volochinov, V. N. (2006). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da linguagem (12a ed). São Paulo, SP: Hucitec.

Bauer, M. W., & Aarts, B. (2002). A construção do corpus: um princípio para a coleta de dados qualitativos. In M. W. Bauer, & G. Gaskell (Eds.), Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático (pp. 39-63), Petrópolis, RJ: Vozes.

Benveniste, E. (1989). Problemas de Linguística geral ll. Campinas, SP: Pontes.

Berg, B. (2009). Qualitative Research Methods for the Social Sciences. Boston, MA: Allyn & Bacon.

Bourdieu, P. (2002a). A dominação masculina (2a ed.). Rio de Janeiro, RJ: Bertrand Brasil.

Bourdieu, P. (2002b). Espaço social e gênese das classes. In P. Bourdieu (Ed.), O poder simbólico (pp.107-120). Rio de Janeiro, RJ: Bertrand Brasil.

Bourdieu, P. (2005). Condição de classe e posição de classe. In P. Bourdieu (Ed.), A economia das trocas simbólicas (pp.27-78). São Paulo, SP: Perspectiva.

Bronckart, J. P. (1997). Activité langagière, textes et discours. Pour un interactionisme socio-discurs. Paris, France: Delachaux et Niestlé.

Bronckart, J. P. (1999). Atividade de linguagem, textos e discursos. In Bronckart, J. P. (Ed.), Atividade de linguagem, textos e discursos – por um interacionismo sócio-discursivo (pp. 31-49). São Paulo, SP: EDUC.

Brown, G., & Yule, G. (1983). Discourse analysis. Cambridge, UK: Cambridge University Press.

Burgard, S., Castiglione, D. P., Lin, K. Y., Nobre, A. A., Aquino, E. M. L., Pereira, A. C., ... Chor, D. (2017). Differential reporting of discriminatory experiences in Brazil and the United States. Cadernos de Saúde Pública, 33(1),1-14. Recuperado de https://doi.org/10.1590/0102-311x00110516

Carroll, T. W. (2017). Intersectionality and identity politics: cross-identity coalitions for progressive social change. Signs: Journal of Women in Culture and Society, 42(3), 600-607. Recuperado de https://doi.org/10.1086/689625

Castro, J. M., & Rezende, S. F. L. (2018). Validade e confiabilidade de estudos de casos qualitativos em gestão publicados em periódicos nacionais. Organizações em contexto, 14(28), 29-42. Recuperado de https://doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v14n28p29-52

Cho, S., Crenshaw, K. W., & McCall, L. (2013). Intersectionality: Theorizing power, empowering theory. Signs: Journal of Women in Culture and Society, 38(4),785-810. Recuperado de https://doi.org/10.1086/669608

Costa, R. G. (2009). Mestiçagem, racialização e gênero. Sociologias, 11(21), 94-120. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S1517-45222009000100006

Crenshaw, K. W. (1991, julho). Mapping the margins: intersectionality, identity politics and violence against women of color. Stanford Law Review, 46(6),1241-1299. Recuperado de https://doi.org/10.2307/1229039

Crenshaw, K. W. (2002). Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista de Estudos Feministas, 10(1),171-188. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0104-026X2002000100011

Dar, S. (2018). The masque of blackness: Or, performing assimilation in the white academe. Organization, 26(3), 432-446. Recuperado de https://doi.org/10.1177/1350508418805280

Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. (2021). Publicações. Gráficos da População negra. Recuperado de https://www.dieese.org.br/outraspublicacoes/2021/graficosPopulacaoNegra2021.pdf

Dias, E., & Pinto, F. C. F. (2019). Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação. Educação e Sociedade, 27(104), 449-454. Recuperado de https://doi.org/10.1590/s0104-40362019002801080001

Ducrot, O. (1984). Referente. In Imprensa Nacional, & Casa da Moeda (Eds.), Enciclopédia Einaudi: linguagem e enunciação (pp. 418-438). Lisboa, Portugal: Autor.

Fávero, L. L. (2003). O tópico discursivo. In D. Preti (Orgs), Análises de Textos Orais (pp. 40-63). São Paulo, SP: USP.

Fernandes, A. D. (2016). The black genre: notes on gender, feminism and negritude. Revista Estudos Feministas, 24(3), 691-713. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1806-9584-2016v24n3p691

Ferreira, C. A. A., Oliveira, I. L., Nunes, S. C., & Castro, G. A. Q. (2020). Diversidade e gestão: análise na perspectiva de gênero e raça no Brasil. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 10(1), 54-66. Recuperado de https://doi.org/10.21714/2236-417X2020v10n1p54.

Ferreira. C. A. A., & Nunes, S. C. (2020). Mulheres negras: um marcador da desigualdade racial. Revista da Associação Brasileira de pesquisadores/As Negros/As, 12(33), 508-534. Recuperado de https://doi.org/10.31418/2177-2770.2020.v12.n.33.p508-534

Fleury, M. T. L. (2000). Gerenciando a diversidade cultural: experiências de empresas brasileiras. Revista de Administração de Empresas, 40(3), 18-25. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0034-75902000000300003

Frio, G. S., & Fontes, L. F. C. (2018). Diferenças salariais devido à raça entre 2002 e 2014 no Brasil: evidências de uma decomposição quantílica. Organizações & Sociedade, 25(87), 568-588. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1984-9250872

Gaertner, S., & McLaughlin, J. (1983). Racial stereotypes: associations and ascriptions of positive and negative characteristics. Social Psychology Quarterly, 46(1), 23-30. Recuperado de https://doi.org/10.2307/3033657

Gill, R. (2003). Análise de Discurso. In M. W. Bauer, & G. Gaskell (Eds.), Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático (3a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Goffman, E. (2004). Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. São Paulo, SP: LTC.

Gomes, C., & Duque-Arrazola, L. (2019). Consumo e identidade: o cabelo afro como símbolo de resistência. Revista da Associação Brasileira de pesquisadores/As Negros/As, 11(27), 184-205. Recuperado de https://doi.org/10.31418/2177-2770.2019.v11.n.27.p184-205

Gonzalez, L. (1984). Racismo e sexismo na cultura brasileira. In L. A. Silva (Org.), Movimentos sociais, urbanos, memórias étnicas e outros estudos (Revista Ciência Sociais Hoje, n. 2, pp. 223-244). Brasília, DF: Anpocs.

Gurgel, L. L., & Colaço, V. F. R. (2020). Sistema de cotas para entrada no Ensino Superior: perspectivas de jovens negros de Fortaleza. Psico, 51(1),1-13. Recuperado de https://doi.org/10.15448/1980-8623.2020.1.29823

Hendricks, K., Deal, N., Mills, A. J., & Mills, J. H. (2021). Interseccionality as a matter of time. Management decision, 59(11), 2567-2582. Recuperado de https://doi.org/10.1108/MD-02-2019-0264

Hill-Collins, P. H. (2000), Black feminist thought. Knowledge, consciousness, and the politics of empowerment (2a ed.). New York, NY: Routledge.

Hill-Collins, P. H. (2016). Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Sociedade e Estado, 31(1), 99-127. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0102-69922016000100006

Hooks, B. (2000). Feminism is for everybody. Cambridge, UK: South End Press.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2018). Desigualdades sociais por cor e raça no Brasil. Recuperado de https://ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/25844-desigualdades-sociais-por-cor-ou-raca.html?=&t=resultados

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2019, novembro 06). Pretos ou pardos representam dois terços dos subocupados em 2018. Agência IBGE Notícias. Recuperado de https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/25879-pretos-ou-pardos-representam-dois-tercos-dos-subocupados-em-2018

Kang, S. K., & Kaplan, S. (2019). Working toward gender diversity and inclusion in medicine: myths and solutions. The Lancet, 393(10171), 579-586. Recuperado de https://doi.org./10.1016/S0140-6736(18)33138-6

Lage, M. L. C., & Souza, E. M. (2017). Da Cabeça aos pés: racismo e sexismo no Ambiente Organizacional. Revista de Gestão Social e Ambiental, 11(Especial), 55-72. Recuperado de https://doi.org/10.24857/rgsa.v0i0.1378

Lemos, A. H. C., & Fraga, A. M. (2021). Sidinei Rocha-de-Oliveira: densidade, ternura e entusiasmo no labor científico. Cadernos EBAPE.BR, 19(4), 824-828. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1679-395120210214

Lewis, J. A. (2018). From modern sexism to gender microaggressions: Understanding contemporary forms of sexism and their influence on diverse women. In C. B. Travis, J. W. White, A. Rutherford, W. S. Williams, S. L. Cook, & K. F. Wyche (Eds.), APA Handbook of the psychology of women: History, theory, and battlegrounds (pp. 381-397). Washington, DC: American Psychological Association. Recuperado de https://doi.org/10.1037/0000059-019

Liu, H. (2017). Undoing whiteness: the Dao of anti-racist diversity practice. Gender, Work and Organization, 24(5), 457-471. Recuperado de https://doi.org/10.1111/gwao.12142

Lopes, M. A. P. T. (2004). Referenciação e gênero textual – atividades sócio - discursivas em interação. In I. L. Machado, & R. Mello (Orgs.), Gêneros: reflexão em análise do discurso (pp. 205-219), Belo Horizonte, MG: UFMG.

Lugar, C. W., Garrett-Scott, S., Novicevic, M. M., Popoola, I. T., Humphreys, J. H, & Mills, A. J. (2020). The historic emergence of intersectional leadership: Maggie Lena Walker and the independent order of St. Luke. Leadership, 16(2), 220-240. Recuperado de https://doi.org/10.1177/1742715019870375

Machado, C., Jr., Bazanini, R., & Mantovani, D. M. N. (2018). O mito da democracia racial no mercado de trabalho: análise crítica da participação dos afrodescendentes nas empresas brasileiras. Organizações & Sociedade, 25(87), 632-655. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1984-9250875

Marcuschi, L. A. (2004). O léxico: lista, rede ou cognição social? In M. J. Foltran (Org.), Sentido e significação: em torno da obra de Rodolfo Ilari (pp. 263-284), São Paulo, SP: Contexto.

Mariano, S. A., & Carloto, C. M. (2009). Gênero e combate à pobreza: programa bolsa família. Revista de Estudos Feministas, 17(3), 901-908. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0104-026X2009000300018

Mason-John, V. (1995) Talking black: Lesbians of African and Asian descent speak out. New York, NY: Cassell.

Merriam, S. B. A. (2002), Qualitative research in practice: Examples for discussion and analysis. San Francisco, CA: Jossey-Bass.

Mirza, H. S. (2018). Decolonizing higher education: black feminism and the intersectionality of race and gender. Journal of Feminist Scholarship, 7(Fall), 1-12. Recuperado de https://digitalcommons.uri.edu/jfs/vol7/iss7/3

Nardi, P. M. (2018). Doing Survey Research: A Guide to Quantitative Methods (4a ed.). New York, NY: Routledge.

Nascimento, A. (1978). O Genocídio do Negro Brasileiro: processo de um racismo mascarado. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra.

Nkomo, S. M., & Al Ariss, A. (2014). The historical origins of ethnic (white) privilege in US organizations. Journal of Managerial Psychology, 29(4), 389-404. Recuperado de https://doi.org/10.1108/JMP-06-2012-0178

Oliveira, K. C., & Pimenta, S. M. O. (2016). O racismo nos anúncios de emprego do século XX”, Linguagem em (Dis)curso, 16(3), 381-399. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1982-4017-160301-4615

Paes de Paula, A. P. (2016). Para além dos paradigmas nos Estudos Organizacionais: o Círculo das Matrizes Epistêmicas. Cadernos EBAPE.BR, 14(1), 24-46. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1679-395131419

Paim, A. S., & Pereira, M. E. (2011). Aparência física, estereótipos e discriminação racial. Ciências & Cognição, 16(1), 002-018.

Paim, A. S., &Pereira, M. E. (2018). O julgamento da boa aparência em seleção de pessoal. Organizações & Sociedade, 25(87), 656-675. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1984-9250876

Palmer, L. A. (2020). Diane Abbott, misogynoir and the politics of Black British feminism’s anticolonial imperatives: ‘In Britain too, it’s as if we don’t exist’. The Sociological Review, 68(3) 508-523. Recuperado de https://doi.org10.1177/0038026119892404

Plaut, V. C., Thomas, K. M., Hurd, K., & Romano, C. A. (2018). Do color blindness and multiculturalism remedy or foster discrimination and racism? Current Directions in Psychological Science, 27(3), 200-206. Recuperado de https://doi.org/10.1177/0963721418766068

Possenti, S. (1993). Discurso, Estilo e Subjetividade, São Paulo, SP: Martins Fontes.

Rosa, A. R. (2014). Relações raciais e estudos organizacionais no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, 18(3), 240-260. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1982-7849rac20141085

Rotondano, R. (2019). Brazilian apartheid: racism and segregation in Salvador, Brazil. International Journal of Sociology and Social Policy, 39(11/12), 950-961. Recuperado de https://doi.org/10.1108/IJSSP-12-2018-0228

Sales, R., Jr. (2006). Democracia racial: o não-dito racista. Tempo social, 18(2), 229-258. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0103-20702006000200012

Santos, E. F., & Scopinho, R. A. (2011). Fora do jogo? Jovens negros no mercado de trabalho. Arquivos Brasileiro de Psicologia, 63(spe), 26-37.

Saussure, F. (1972). A natureza do signo linguístico. In F. Saussure (Ed.), Curso de linguística geral (pp. 79-84). São Paulo, SP: Cultrix.

Silva, T. D. (2018). Ação afirmativa para ingresso de negros no ensino superior: formação multinível da agenda governamental. Revista do Serviço Público, 69(2), 07-34. Recuperado de https://doi.org/10.21874/rsp.v69i2.1771

Souza, A. A., & Dias, R. C. P. (2018). Mérito não é para qualquer um: a percepção de gerentes negros sobre o seu processo de ascensão profissional. Organizações & Sociedade, 25(87), 551-567. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1984-9250871

Souza, E. M. (2019a). Ações afirmativas e estereótipos sociais: Desconstruindo o mito da inferioridade cotista. Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, 27(75),1-27. Recuperado de https://doi.org/10.14507/epaa.27.3615

Souza, E. M. (2019b). Intersections between race and class: a postcolonial analysis and implications for organizational leaders. BAR − Brazilian Administration Review, 16(1), 1-27. Recuperado de https://doi.10.1590/1807-7692bar2019180062

Spivak, G. (2010). Pode o subalterno falar? Belo Horizonte, MG: Editora UFMG.

Teixeira, J. C., Oliveira, J. S., & Carrieri, A. P. (2020). Por que falar sobre Raça nos Estudos Organizacionais no Brasil? Da discussão biológica à dimensão política. Perspectivas Contemporâneas, 15(1), 46-70.

Teixeira, J. C., Oliveira, J. S., Diniz, A., & Marcondes, M. M. (2021). Inclusão e diversidade na administração: manifesta para o futuro-presente. RAE-Revista de Administração de Empresas, 61(3), 1-11. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0034-759020210308

Volóchinov, V. (2017). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais dos métodos sociológicos na ciência da linguagem. São Paulo, SP: Editora 34.

Yancy, G. (2018). Backlash: what happens when we talk honestly about racism in America. Lanham, MD: Rowman & Littlefield Publishers.