Análise socioclínica do contexto do trabalho e sua relação com o adoecimento mental de policiais militares do Distrito Federal

Conteúdo do artigo principal

Cledinaldo Aparecido Dias
https://orcid.org/0000-0002-7707-9664
Marcus Vinicius Soares Siqueira
https://orcid.org/0000-0002-4787-7016
Leonardo Borges Ferreira
https://orcid.org/0000-0003-2183-3944

Resumo

Transtornos mentais e comportamentais apresentam-se como a terceira maior causa de incapacidade para o trabalho policial. Esta pesquisa objetiva analisar, por meio da Sociologia Clínica e da Análise de Discurso Crítica, o contexto do trabalho da Polícia Militar do Distrito Federal e sua relação com o adoecimento mental dos policiais. Esta investigação foi realizada por intermédio do estudo etnográfico. Notas de observação participante e entrevistas contribuíram para a coleta de dados e a formação do corpus. A análise explorou o significado representacional dos discursos, utilizando as categorias transitividade, representação de atores sociais e seleção lexical. Os resultados apontam a organização do trabalho; os conflitos interpessoais; a fragilização dos laços sociais e os abusos de poder como os principais desencadeadores do adoecimento psíquico. Atentar para os cuidados com a saúde mental do policial deve ser ação contínua da corporação, bem como compor a pauta da agenda do Distrito Federal com o fomento de iniciativas de proteção dos profissionais e, consequentemente, da sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
Dias, C. A., Siqueira, M. V. S., & Ferreira, L. B. (2023). Análise socioclínica do contexto do trabalho e sua relação com o adoecimento mental de policiais militares do Distrito Federal. Cadernos EBAPE.BR, 21(1), e2022–0095. https://doi.org/10.1590/1679-395120220095
Seção
Artigos

Referências

Antunes, E. J. F. (2019). A hierarquia na Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro: uma análise crítica de seus impactos na saúde (Dissertação de mestrado). Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, RJ.

Barreto, C. R., Kusterer, L. L., & Carvalho, F. M. (2019). Work ability of military police officers. Rev. Saúde Pública, 53(30), 1-9. Recuperado de https://doi.org/10.11606/s1518-8787.2019053001014

Bezerra, C. M., Minayo, M. C. S., & Constantino, P. (2013). Estresse ocupacional em mulheres policiais. Ciência & Saúde Coletiva, 18(3), 657-66. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000300011

Bhatia, K. M., & Pandit, N. (2017). Prevalence of chronic morbidity and sociodemographic profile of police personnel – a study from Gujarat. Journal of Clinical and Diagnostic Research: JCDR, 11(9), LC06-LC09. Recuperado de https://doi.org/10.7860/JCDR/2017/27435.10586

Chouliaraki, L., & Fairclough, N. (1999). Discourse in late modernity: rethinking Critical Discourse Analisy. Edinburgh, UK: Edinburgh University Press.

Crespin, R., Lhuilier, D., & Lutz, G. (2017). Se doper pour travailler? Toulouse, France: Eres.

Davey, J. D., Obst, P. L., & Sheehan, M. C. (2000). Work demographics and officers perceptions of the work environment which add to the prediction of at risk alcohol consumption within an Australian police sample. Policing: An International Journal of Police Strategies& Management, 23(1), 69-81. Recuperado de https://doi.org/10.1108/13639510010314625

Dombroski, M. (2017). Changing police culture: raising awareness of the importance of mental health (Dissertação de mestrado). University of Alaska Fairbanks. University of Alaska, Fairbanks, Alaska.

Edwards, A., & Kotera, Y. (2021). Mental health in the UK Police Force: a qualitative investigation into the stigma with mental illness. International Journal of Mental Health and Addiction, 19, 1116-34. Recuperado de https://doi.org/10.1007/s11469-019-00214-x

Enriquez, E. (1991). Da horda ao estado: psicanálise do vínculo social. Rio de Janeiro, RJ: Zahar.

Enriquez, E. (1997). A organização em análise. Petrópolis, RJ: Vozes.

Fairclough, N. (2003). Analysing discourse: textual analysis for social research. London, UK: Routledge.

Ferreira, L. B., Santos, M. A. F., Paula, K. M., Mendonça, J. M. B., & Carneiro, A. F. (2017). Riscos de adoecimento no trabalho entre policiais militares de um batalhão de Brasília. Gestão e Sociedade, 11(29), 1804-1829. Recuperado de https://doi.org/10.21171/ges.v11i29.2150

Flick, U. (2009). Qualidade na pesquisa qualitativa. Porto Alegre, RS: Artmed.

Franco, T., Druck, G., & Seligmann-Silva, E. (2010). As novas relações de trabalho, o desgaste mental do trabalhador e os transtornos mentais no trabalho precarizado. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 35(122), 229-248. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0303-76572010000200006

Gaulejac, V. (2006). As origens da vergonha. São Paulo, SP: Via Lettera.

Gaulejac, V. (2007). Gestão como doença social. Aparecida, SP: Ideias e Letras.

Gaulejac, V. (2011). Travail, les raisons de la colère. Paris, Le Seuil: Économie humaine.

Gershon, R. R. M., Lin, S., & Li, X. (2002). Work stress in aging police officers. Journal of Occupational and Environmental Medicine, 44(2), 160-167. Recuperado de https://doi.org/10.1097/00043764-200202000-00011

Grasseli, F., & Salomone, M. J. (2012, dezembro). La perspectiva teórico-metodológica de la sociología clínica: aportes para debate. Prisma Social: Revista de Investigación Social, 9, 83-109.

Hanique, F. (2009). Enjeux théoriques et méthodologiques de la sociologie clinique. Informations Sociales, 156(6), 32-40.

Jenkins, E. N., Allison, P., Innes, K., Violanti, J. M., & Andrew, M. E. (2018). Depressive Symptoms Among Police Officers: Associations with Personality and Psychosocial Factors. J Police Crim Psychol., 34(1), 66-77. Recuperado de https://doi.org/10.1007/s11896-018-9281-1

Lhuilier, D. (2006). Cliniques du travail. Nouvelle Revue de Psychosociologie, 1(1), 179-193. Recuperado de https://doi.org/10.3917/nrp.001.0179

Lhuilier, D. (2013). Trabalho. Psicologia & Sociedade, 25(3), 483-92. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0102-71822013000300002

Magalhães, I. (2016). Crítica social e discurso. In R. Ferreira, & K. Rajagopalan (Eds.), Um mapa da crítica nos estudos da linguagem e do discurso (Vol. 1, pp. 225-253). Campinas, SP: Pontes.

Magalhães, I, Martins, A. R., & Resende, V. M. (2017). Análise de discurso crítica: um método de pesquisa qualitativa. Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília.

Mattos, M. J. S. (2012). Reconhecimento, identidade e trabalho sujo na PMDF (Dissertação de Mestrado). Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Minayo, M. C. S., Souza, E. R., & Constantino, P. (2008). Missão prevenir e proteger: condições de vida, trabalho e saúde dos policiais militares do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, RJ: Fiocruz.

Minayo, M. C. S., Souza, J. R. A, Cavalcante, F. G., & Mangas, R. M. N. (2012). Autópsias psicológicas sobre suicídio de idosos no Rio de Janeiro. Ciência & Saúde Coletiva, 10(17), 2773-81. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S1413-81232012001000025

Miranda, D., & Guimarães, T. (2016). O suicídio policial: o que sabemos? Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, 9(1), 1-18.

Moreau, D. B. (2014). Pour une sociologie utile: la sociologie d’intervention. Annales des Mines - Gérer et comprendre, 115(1), 64-73. Recuperado de https://doi.org/10.3917/geco.115.0064

Morse, J. M. (2015). “Data were saturated…”. Qualitative Health Research, 25(5), 587-588. Recuperado de https://doi.org/10.1177/1049732315576699

Motta, F. C. P. (1981). O poder disciplinar das organizações formais. Revista de Administração de Empresas, 21(4), 33-41. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0034-75901981000400003

Nunes, C. G. F., & Silva, P. H. I. (2018). A sociologia clínica no Brasil. Revista Brasileira de Sociologia, 6(12), 181-99. Recuperado de https://doi.org/10.20336/rbs.239

Owen, O. (2016). Government properties: the Nigeria Police Force as total institution? Africa, 86 (1), 37-58. Recuperado de https://doi.org/10.1017/S0001972015000790

Pagès, M., Bonetti, M., Gaulejac, V., & Descendre, D. (2006). O poder das organizações: a dominação das multinacionais sobre indivíduos. São Paulo, SP: Atlas.

Portela, A., & Bughay, A., Filho. (2007). Nível de estresse de policiais militares: comparativo entre sedentários e praticantes de atividade física. Lecturas: Educación Física y Deportes, 11(106), 13.

Priberam. (2020). Pressão. Recuperado de https://dicionario.priberam.org/press%C3%A3o

Ramos, A. G. (2006). A sociologia de Max Weber: sua importância para a teoria e a prática da administração. Revista do Serviço Público, 57(2), 267-82.

Resende, V. M., & Ramalho, V. C. V. S. (2004). Análise de discurso crítica, do modelo tridimensional à articulação entre práticas: implicações teórico-metodológicas. Linguagem em (Dis)curso, 5(1), 185-207.

Rhéaume, J. (2009). La sociologie clinique comme pratique de recherche en institution. Le cas d’un centre de santé et services sociaux. Sociologie et Sociétés, 41(1), 195-215. Recuperado de https://doi.org/10.7202/037913ar

Richardson, R. J., Peres, J. A. S., Wanderley, J. C. V., Correia, L. M., & Peres, M. H. M. (2015). Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo, SP: Atlas.

Santos, R. O. B., Hauer, R. D., & Furtado, T. M. G. (2019). O sofrimento psíquico de policiais militares em decorrência de sua profissão: revisão de literatura. Revista Gestão & Saúde, 20(2), 14-27.

Silva, J. H. R. (2009). Estudo sobre o trabalho do policial e suas implicações na saúde mental (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

Silva, M. A., & Bueno, H. P. V. (2017). O suicídio entre policiais militares na Polícia Militar do Paraná: esforços para prevenção. Revista de Ciências Policiais da APMG, 1(1), 5-23.

Simpson, G. W., Byrne, P., Gabbay, M. B., & Rannard, A. (2015). Understanding illness experiences of employees with common mental health disorders. Occupational Medicine, 65(5), 367-72. Recuperado de https://doi.org/10.1093/occmed/kqv047

Siqueira, M. V. S. (2009). Gestão de pessoas e discurso organizacional. Curitiba, PR: Juruá.

Souza, E. R., Minayo, M. C. S., Silva, J. G., & Pires, T. O. (2012). Fatores associados ao sofrimento psíquico de policiais militares da cidade do Rio de Janeiro. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 28(7), 1297-311. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0102-311X2012000700008

Spode, C. B., & Merlo, & A. R. C. (2006). Trabalho policial e saúde mental: uma pesquisa junto aos capitães da Polícia Militar. Psicologia: Reflexão e Crítica, 19(3), 362-70. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0102-79722006000300004

Tragtenberg, M. (2006). Burocracia e ideologia. São Paulo, SP: Ática.

Violanti, J. M., Owens, S. L., McCanlies, E., Fekedulegn, D., & Andrew, M. E. (2019), Law enforcement suicide: a review. Policing: an International Journal, 42(2), 141-164. Recuperado de https://doi.org/10.1108/PIJPSM-05-2017-0061

Winter, L. E., & Alf, A. M. (2019). A profissão do policial militar: vivências de prazer e sofrimento no trabalho. Rev. Psicologia Organizações e Trabalho, 19(3), 671-678. Recuperado de http://dx.doi.org/10.17652/rpot/2019.3.13214

Wodak, R. (2009). What CDA is about: a summary of its history, important concepts and its developments. In R. Wodak, & M. Meyer (Orgs.), Methods of Critical Discourse Analysis. Londres, UK: Sage.