O silêncio, o silenciamento e o silêncio cúmplice como mecanismos de perpetuação do racismo nas organizações

Conteúdo do artigo principal

Mário Menezes
Luciano Mendes

Resumo

O presente ensaio tem como objetivo interpretar os processos de silêncio, silenciamento e silêncio cúmplice como fatores que contribuem para a perpetuação do racismo, das desigualdades e exclusões que ocorrem nas organizações. Por meio de referenciais teóricos sobre silêncio, silenciamento e silêncio cúmplice, pretende-se apresentar uma forma complementar de se demonstrar como os ecos de processos históricos de racismo contra pessoas negras podem ainda ser responsáveis pela estruturação de práticas nas organizações. Adicionalmente, busca-se indicar como os estudos sobre silêncio, silenciamento e silêncio cúmplice podem oferecer alternativas de práxis para administradores e acadêmicos de estudos organizacionais, visando à mudança de práticas estruturais, de modo a quebrar o ciclo de racismo estrutural nas organizações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
Menezes, M., & Mendes, L. (2023). O silêncio, o silenciamento e o silêncio cúmplice como mecanismos de perpetuação do racismo nas organizações. Cadernos EBAPE.BR, 21(6), e2022–0233. https://doi.org/10.1590/1679-395120220233
Seção
Artigos

Referências

Adamson, M., Kelan, E., Lewis, P., Śliwa, M., & Rumens, N. (2021). Introduction: Critically interrogating inclusion in organisations. Organization, 28(2), 211-227. Recuperado de https://doi.org/10.1177/1350508420973307

Aliança Bike. (2019). Perfil dos entregadores ciclistas de aplicativo. Recuperado de http://aliancabike.org.br/pagina.php

Almeida, S. (2019). Racismo estrutural. São Paulo, SP: Pólen Produção Editorial LTDA.

Alves, M. A., & Galeão-Silva, L. G. (2004). A crítica da gestão da diversidade nas organizações. Revista de Administração de Empresas, 44(3), 20-29. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0034-75902004000300003

Arciniega, L. C. (2021). Selling diversity to white men: how disentangling economics from morality is a racial and gendered performance. Organization, 28(2), 228-246. Recuperado de https://doi.org/10.1177/1350508420930341

Batinga-Georgiana, G. L., Saraiva, L. A. S., & Pinto, M. R. (2019). A análise crítica do discurso para além de procedimentos metodológicos. In Anais do 43º Encontro da ANPAD, São Paulo, SP.

Bento, M. A. S. (2002). Pactos narcísicos no racismo: branquitude e poder nas organizações empresariais e no poder público (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

Campos, L. A. (2017). Racismo em três dimensões: uma abordagem realista-crítica. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 32(95), e329507. Recuperado de https://doi.org/10.17666/329507/2017

Chrispal, S., Bapuji, H., & Zietsma, C. (2020). Caste and organization studies: our silence makes us complicit. Organization Studies, 42(9), 1501-1515. Recuperado de https://doi.org/10.1177/0170840620964038

Coracini, M. J. R. F. (2005). Ler Pêcheux hoje: no limiar das dúvidas e (in)certezas. Estudos Da Língua(Gem), 1(1), 31-40. Recuperado de https://doi.org/10.22481/el.v1i1.976

Cox, O. C. (1948). Caste, class and race: a study in social dynamics. New York, NY: Monthly Review Press.

Departamento Intersidical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. (2021, novembro). Gráficos – Inserção da população negra no mercado de trabalho (Brasil e regiões). Recuperado de https://www.dieese.org.br/outraspublicacoes/2021/graficosPopulacaoNegra2021.html

Ducrot, O. (1972). Princípios de semântica lingüística: (dizer e não dizer). São Paulo, SP: Cultrix.

Ephratt, M. (2008). The functions of silence. Journal of pragmatics, 40(11), 1909-1938. Recuperado de https://doi.org/10.1016/j.pragma.2008.03.009

Fairclough, N. (2001). Discurso e mudança social. Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília.

Faustino, D. M., & Oliveira, L. M. (2022). Xeno-racismo ou xenofobia racializada? Problematizando a hospitalidade seletiva aos estrangeiros no Brasil. REMHU: Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana, 29(63), 193-210. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1980-85852503880006312

Fernandes, F. (2017). Significado do Protesto Negro. São Paulo, SP: Expressão Popular.

Ferreira, R. F. (2002). O brasileiro, o racismo silencioso e a emancipação do afro-descendente. Psicologia & Sociedade, 14(1), 69-86. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0102-71822002000100005

Fischer, B. M. (2020). A ética do silêncio racial no contexto urbano: políticas públicas e desigualdade social no Recife, 1900-1940. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, 28, d1e15. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1982-02672020v28d1e15

Freire, P. (2011). Pedagogia do oprimido. São Paulo, SP: Paz e Terra.

Freyre, G. (1981). Casa-grande & Senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal (21a ed.). Rio de Janeiro, RJ: José Olympio.

Gill, R. (2002) Análise de discurso. In M. W. Bauer, & G. Gaskell (Eds.), Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático (7a ed., pp. 244-270). Petrópolis, RJ: Vozes.

Gonzalez, L., & Hasenbalg, C. (2022). Lugar de negro. Rio de Janeiro, RJ: Editora Zahar.

Gouvêa, J. B. (2017). O que há por trás do discurso da harmonia racial no país da miscigenação? Farol – Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 4(10), 915-955. Recuperado de https://revistas.face.ufmg.br/index.php/farol/article/view/3230

Guimarães, A. S. A. (2004). Preconceito de cor e racismo no Brasil. Revista de antropologia, 47(1), 9-43. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0034-77012004000100001

Gurevitch, Z. D. (1989). Distance and conversation. Symbolic Interaction, 12(2), 251-263. Recuperado de https://doi.org/10.1525/si.1989.12.2.251

Kurzon, D. (1998). Discourse of silence (Vol. 49). Amsterdan, The Netherlands: John Benjamins Publishing.

Lage, M. L. C., & Souza, E. M. (2016, outubro). Da cabeça aos pés: racismo e sexismo no ambiente organizacional. In Anais do 4º Congresso Brasileiro de Estudos Organizacionais, Porto Alegre, RS.

Lopes, E. (1999). Fundamentos da lingüística contemporânea. São Paulo, SP: Editora Cultrix.

Moura, C. (1988). Sociologia do negro brasileiro. São Paulo, SP: Editora Ática.

Orlandi, E. P. (2011). As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. Campinas, SP: Editora da UNICAMP.

Orlandi, E. P. (2012). Análise de discurso: princípios & procedimentos. Campinas, SP: Pontes.

Ortlieb, R., Glauninger, E., & Weiss, S. (2021). Organizational inclusion and identity regulation: how inclusive organizations form ‘Good’, ‘Glorious’ and ‘Grateful’ refugees. Organization, 28(2), 266-288. Recuperado de https://doi.org/10.1177/1350508420973319

Pauli, J., Comin, L. C., Ruffatto, J., & Oltramari, A. P. (2021). Relação entre trabalho precário e racismo para migrantes no Brasil. Cadernos EBAPE.BR, 19(2), 234-251. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1679-395120200019

Pêcheux, M. (2006). Discurso: estrutura ou acontecimento (4a ed.). Campinas, SP: Pontes.

Ribeiro, D. (2019a). Lugar de fala. São Paulo, SP: Pólen Produção Editorial LTDA.

Ribeiro, D. (2019b). Pequeno manual antirracista. São Paulo, SP: Companhia das Letras.

Roda Viva. (2020, junho 22). “Sem os brancos, não é possível superar o racismo”, afirma Silvio Almeida no Roda Viva. Recuperado de https://www.youtube.com/watch?v=cqPduxB7woE

Rosa, A. R. (2014). Relações raciais e estudos organizacionais no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, 18(3), 240-260. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1982-7849rac20141085

Sales, R., Jr. (2006). Democracia racial: o não-dito racista. Tempo social, 18(2), 229-258. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0103-20702006000200012

Silva, E. J. F. (2019). Racismo nas empresas: até quando? Farol-Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, 6(15), 399-415. Recuperado de https://doi.org/10.25113/farol.v6i15.5430

Silva, M. A. F., & Saraiva, L. A. S. (2020). Relações raciais e histórias de vida: trabalhadores industriais negros em foco. Organizações & Sociedade, 27(94), 532-555. Recuperado de https://doi.org/10.1590/1984-9270947

Silva, M. C. P. S., & Koch, I. G. V. (1994). Linguística aplicada ao português: morfologia (7a ed.). São Paulo, SP: Cortez.

Silveira, J. I., Nascimento, S. L., & Zalembessa, S. (2021). Colonialidade e decolonialidade na crítica ao racismo e às violações: para refletir sobre os desafios educação em direitos humanos. Educar em Revista, 37, e71306. Recuperado de https://doi.org/10.1590/0104-4060.71306

Teixeira, J. C., Oliveira, J. S., Diniz, A., & Marcondes, M. M. (2021). Inclusão e diversidade na administração: Manifesta para o futuro-presente. Revista de Administração de Empresas, 61(3), e0000-0016. Recuperado de https://doi.org/10.1590/S0034-759020210308

Teixeira, J. C., Oliveira, J. S., & Carrieri, A. P. (2020). Por que falar sobre raça nos estudos organizacionais no Brasil? Da discussão biológica à dimensão política. Perspectivas Contemporâneas, 15(1), 46-70. Recuperado de https://revista2.grupointegrado.br/revista/index.php/perspectivascontemporaneas/article/view/2958

Tyler, M., & Vachhani, S. (2021). Chasing rainbows? A recognition-based critique of Primark’s precarious commitment to inclusion. Organization, 28(2), 247-265. Recuperado de https://doi.org/10.1177/1350508420961530

van Eck, D., Dobusch, L., & van den Brink, M. (2021). The organizational inclusion turn and its exclusion of low-wage labor. Organization, 28(2), 289-310. Recuperado de https://doi.org/10.1177/1350508420966743

Yuka, M., Seu Jorge, & Cappelletti, U. (1998). A carne. Recuperado de https://www.youtube.com/watch?v=cjYsrcoMoAk