Mulheres em situação de refúgio: as mais vulneráveis dentre as vulneráveis, segundo a teoria da reprodução social

Conteúdo do artigo principal

Janaina de Mendonça Fernandes
https://orcid.org/0000-0002-9768-348X
Fernanda Mitsue Soares Onuma
https://orcid.org/0000-0002-7392-2191

Resumo

Mulheres refugiadas compõem a maioria do contingente de pessoas mundialmente deslocadas, abarcam múltiplas dimensões. Sofrem discriminações que nem sempre são consideradas pelas instituições responsáveis em países de acolhida como violências de ordem sexual, cultural e psíquica. Neste artigo, mediante levantamento bibliográfico não sistemático, análise de estatísticas, dados descritivos e levantamento documental, buscamos identificar as múltiplas dimensões e formas de violência que devem ser consideradas, segundo a literatura acadêmica e dados oficiais, para a elaboração de políticas públicas voltadas a mulheres em busca de refúgio no Brasil. A análise dos resultados com base na teoria da reprodução social permitiu explicar o fenômeno da feminização das migrações forçadas, bem como indicar as variáveis como dimensões que podem embasar elaborações futuras em termos de políticas públicas para mulheres refugiadas no Brasil: vulnerabilidades socioeconômicas e fragilidades psicoemocionais, violências sexuais, maternidade e territorialidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Detalhes do artigo

Como Citar
Fernandes, J. de M., & Onuma, F. M. S. (2024). Mulheres em situação de refúgio: as mais vulneráveis dentre as vulneráveis, segundo a teoria da reprodução social. Cadernos EBAPE.BR, 22(2), e2023–0124. https://doi.org/10.1590/1679-395120230124
Seção
Artigos

Referências

Aching, M. C., & Granato, T. M. M. (2018). Role of a support network for refugee mothers. Estudos de Psicologia, Campinas, 35(2), 137-147. https://doi.org/10.1590/1982-02752018000200003

Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados. (1951). Convenção das Nações Unidas de 1951. https://www.acnur.org/fileadmin/Documentos/portugues/BDL/Convencao_relativa_ao_Estatuto_dos_Refugiados.pdf

Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados. (1967). Protocolo de 1967 Relativo ao Estatuto dos Refugiados. https://www.acnur.org/fileadmin/Documentos/portugues/BDL/Protocolo_de_1967_Relativo_ao_Estatuto_dos_Refugiados.pdf

Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados. (2011a). Ação contra a violência sexual e de gênero: uma estratégia atualizada. http://www.acnur.org/fileadmin/scripts/doc.php?file=fileadmin/Documentos/portugues/Publicacoes/2012/Acao_contra_a_violencia_sexual_e_de_genero

Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados. (2011b). Manual de procedimentos e critérios para a determinação da condição de refugiado: de acordo com a convenção de 1951 e o protocolo de 1967 relativos ao estatuto dos refugiados. https://www.acnur.org/fileadmin/Documentos/portugues/Publicacoes/2013/Manual_de_procedimentos_e_criterios_para_a_determinacao_da_condicao_de_refugiado.pdf

Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados. (2011c). ACNUR apoia 16 Dias de Ativismo contra a Violência de Gênero nas Américas. https://www.acnur.org/portugues/2011/11/25/acnur-apoia-16-dias-de-ativismo-contra-a-violencia-de-genero-nas-americas/

Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados. (2016). Mulheres refugiadas que se deslocam pela Europa estão correndo riscos, afirma a ONU. http://www.acnur.org/portugues/noticias/noticia/mulheres-refugiadas-que-se-deslocam-pela-europa-estao-correndo-riscos-afirma-a-onu/

Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados. (2017). Uma em cada cinco refugiadas é vítima de violência sexual no mundo. https://www.acnur.org/portugues/2017/06/23/uma-em-cada-cinco-refugiadas-e-vitima-de-violencia-sexual-no-mundo/

Arruzza, C. (2018). Funcionalista, determinista e reducionista: o feminismo da reprodução social e seus críticos. Cadernos Cemarx, 10, 39-60. https://doi.org/10.20396/cemarx.v0i10.10920

Balestro, A. C., & Pereira, T. (2019). Língua e cultura na feminização das migrações no Brasil. Trabalhos em Linguística Aplicada, 58(2), 779-794. https://doi.org/10.1590/010318138654049455422

Butler, J., & Spivak, G., C. (2018) Quem canta o Estado-nação? Língua, política, pertencimento. Editora da Universidade de Brasília.

Chesnais, F. (1996). Decifrar palavras carregadas de ideologia. In F. Chesnais (Org.), A mundialização do capital (pp. 21-44). Xamã.

Dornelas, P. D., & Ribeiro, R. G. N. (2018). Mulheres Migrantes: invisibilidade, direito à nacionalidade e a interseccionalidade nas políticas públicas. O Social em Questão, 21(41), 247-264. http://osocialemquestao.ser.puc-rio.br/media/OSQ_41_art_11_Dornelas_Ribeiro.pdf

Falquet, J. (2008). Repensar as relações sociais de sexo, classe e “raça” na globalização neoliberal. Mediações – Revista de Ciências Sociais, 13(1/2), 121. https://doi.org/10.5433/2176-6665.2008v13n1/2p121

Faria, J. H. (2012). Dimensões da Matriz Epistemológica em Estudos em Administração: uma proposição. In Anais do 36º Encontro da ANPAD, Rio de Janeiro, RJ.

Federici, S. (2019). O ponto zero da revolução: trabalho doméstico, reprodução e luta feminista. Elefante.

Federici, S. (2021). O patriarcado do salário. Boitempo.

Fernandes, J. M. (2021). Coordenação e desafios do processo administrativo de refúgio no Brasil. Revista do Serviço Público, 72(3), 505-528. https://revista.enap.gov.br/index.php/RSP/article/view/5707

Fritz, J. M. (2022). Mulheres, Resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas 1325 e a necessidade de planos nacionais. Sociologias, 12(23), 340-353. https://doi.org/10.1590/S1517-45222010000100012

Hirata, H. (2002). Globalização e divisão sexual do trabalho. Cadernos Pagu, (17-18), 139-156. https://doi.org/10.1590/S0104-83332002000100006

Lei nº 9.474, de 22 de julho de 1997. (1997). Define mecanismos para a implementação do Estatuto dos Refugiados de 1951, e determina outras providências. https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9474.htm

Lei nº 13.445, de 24 de maio de 2017. (2017). Institui a Lei de Migração. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/L13445.htm

Marques, E. M., & Souza, T. M. C. (2022). Desigualdades Socioeconômicas Enfrentadas por Mulheres Migrantes e Refugiadas Venezuelanas no Brasil. Pretextos – Revista da Graduação em Psicologia da PUC Minas, 6(12), 52-67. https://periodicos.pucminas.br/index.php/pretextos/article/view/28317

Ministério da Justiça. (2021). Como solicitar refúgio no Brasil? http:// pensando.mj.gov.br/refugiados/informacoes/

Ministério da Justiça. (2021a). Justiça e segurança pública – perguntas frequentes. Recuperado de https://www.justica.gov.br/seus-direitos/refugio/perguntas-frequentes.

Morais, R. J. (2019). Mulheres em refúgio: a marginalização de refugiadas em um sistema internacional hierarquizado. Monções: Revista de Relações Internacionais da UFGD, 8(16), 72-99. https://doi.org/10.30612/rmufgd.v8i16.8692

Oliveira, M. (2020). Sírios e congoleses homens e mulheres refugiados no Brasil: perfil socioeconômico, integração e perspectivas futuras. Plural, 27(1), 62-89. https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2020.171528

ONU Mulheres. (2013). Resoluções do Conselho de Segurança: Mulheres, Paz e Segurança. https://www.unwomen.org/sites/default/files/Headquarters/Attachments/Sections/Library/Publications/2017/WPS-Resolutions-Poster-PT.pdf

Onuma, F. M. S., & Oliveira, A. L. (2023). “Cortina de fumaça” ou misoginia? Desvelando a relação intrínseca entre avanço do conservadorismo moral e da austeridade econômica no Brasil. Revista Brasileira de Estudos Organizacionais, 10(1), 131-159. https://doi.org/10.21583/2447-4851.rbeo.2023.v10n1.522

Romano, A. Q. T., & Pizzinato, A. (2021). Trajetória de migração de mulheres haitianas em porto alegre: um estudo qualitativo. Psicologia em Estudo, 26, e47781. https://doi.org/10.4025/psicolestud.v26i0.47781

Souza, F. B. (2021). Mulheres refugiadas: Reflexões sobre o processo de envelhecimento e o acesso as políticas públicas no Brasil. Trayectorias Humanas Trascontinentales, 10, 1-12. https://www.unilim.fr/trahs/3815

Vosgerau, D. S. R., & Romanowski, J. P. (2014). Estudos de revisão: implicações conceituais e metodológicas. Revista Diálogo Educacional, 14(41), 165-190. https://doi.org/10.7213/dialogo.educ.14.041.DS08

Santos, M. (1997). Da política dos Estados à política das empresas. Cadernos da Escola do Legislativo, 3(6), 9-24. https://dspace.almg.gov.br/handle/11037/983

Schwinn, S. A., & Costa, M. M. M. (2016). Mulheres refugiadas e vulnerabilidade: A dimensão da violência de gênero em situações de refúgio e as estratégias do ACNUR no combate a essa violência. Revista Signos, 37(2). 216-233. https://doi.org/10.22410/issn.1983-0378.v37i2a2016.1100

Serpa, P. F., & Felix, Y. S. (2018). Mulheres Refugiadas na Realidade Brasileira: a situação de refúgio em razão do gênero e a construção de um arcabouço jurídico para proteção de seus direitos. Revista Direitos Humanos Fundamentais, 18(1), 49-61. https://doi.org/10.36751/rdh.v18i1.1237

Silva, G. J., Cavalcanti, L., Oliveira, T., Costa, L. F. L., & Macedo, M. (2021). Refúgio em Números (6a ed.). Observatório das Migrações Internacionais.

Taheri, M., Fitzpatrick, S., & Mccormack, L. (2022). The impacts of gender-specific traumatic events on refugee women’s psychological wellbeing: a scoping review protocol. Millenium – Journal of Education, Technologies, and Health, 2(18), 75-82, 2022. https://doi.org/10.29352/mill0218.26621