Coalizões de governo: uma medida de concentração alternativa

Conteúdo do artigo principal

Joice Garcia

Resumo

Nos últimos 30 anos, nenhum presidente do Brasil teve uma maioria de congressistas do partido pelo qual foi eleito. Para ter apoio no Legislativo, a estratégia utilizada pelos presidentes foi formar uma coalizão de governo com outros partidos. A literatura aponta que a principal moeda de troca formal é a distribuição de ministérios e que a partilha é proporcional à quantidade de congressistas de cada partido da coalizão. O pressuposto que envolve esse tema é o de que parlamentos proporcionais estariam mais satisfeitos e agiriam de modo mais regrado por causa do sentido de justiça. A principal medida utilizada para medir a distribuição das pastas é a Taxa de Coalescência. Este trabalho aponta que esse índice não tem consistência estatística e sugere uma medida de concentração alternativa: o Índice G.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
GARCIA, J. Coalizões de governo: uma medida de concentração alternativa. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, São Paulo, v. 22, n. 72, 2017. DOI: 10.12660/cgpc.v22n72.65099. Disponível em: https://periodicos.fgv.br/cgpc/article/view/65099. Acesso em: 19 maio. 2024.
Seção
Artigos