Construção de agenda e desafios locais à valorização e ao desenvolvimento coletivo do negócio de artesanato no Alto do Moura-PE

Conteúdo do artigo principal

Jessica Rani Ferreira de Sousa
https://orcid.org/0000-0001-8672-9246
Marcio Sá
https://orcid.org/0000-0002-1001-8381
Myrna Suely Silva Lorêto
https://orcid.org/0000-0003-1603-6473
Denise Clementino de Souza
https://orcid.org/0000-0002-8292-5175

Resumo

Este trabalho teve como objetivo analisar os principais desafios à formação de uma agenda pública para valorização e desenvolvimento coletivo do artesanato no Alto do Moura, centro de artes figurativas em barro situado no município de Caruaru, Pernambuco. Por meio de pesquisa qualitativa, foram efetuadas entrevistas com artesãos e formadores de opinião, com grupos focais e elaboração de notas de campo. A técnica utilizada foi a análise temática de conteúdo do material empírico. Os principais desafios elencados corresponderam à complexidade e à multidimensionalidade das demandas relatadas; à necessidade de sensibilidade no olhar para as questões simbólicas referentes a traços culturais da atividade artesã; à dissonância entre a visão do negócio pelos artesãos e visão adotada pelo poder público e órgãos de fomento e, por fim, à gestão da transversalidade de questões que demandam políticas intersetoriais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
SOUSA, J. R. F. de; SÁ, M.; LORÊTO, M. S. S.; SOUZA, D. C. de. Construção de agenda e desafios locais à valorização e ao desenvolvimento coletivo do negócio de artesanato no Alto do Moura-PE. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, São Paulo, v. 27, n. 88, p. e82967, 2022. DOI: 10.12660/cgpc.v27n88.82967. Disponível em: https://periodicos.fgv.br/cgpc/article/view/82967. Acesso em: 12 jun. 2024.
Seção
Artigos

Referências

Alves-Mazzotti, A. J. & Gewandsnajder, F. (1998). O método nas ciências naturais e sociais: Pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Pioneira.

Baumgartner, F. R. & Jones, B. D. (1993). Agendas and instability in american politics. Chicago: University of Chicago Press.

Becker, M. R. (2017). Confluências entre Turismo, Cultura e Artesanato. Desafio Online 5(1), 68-81. Recuperado de https://desafioonline.ufms.br/index.php/deson/article/view/3238

Birkland, T. A. (2005). An introduction to the policy process. Nova York: M. E. Sharpe. DOI: https://doi.org/10.1201/9781420068047.ch40

Birkland, T. (2007). Agenda Setting in public policy. In.: F., Fischer, G., Miller, & M., Sidney (Eds.), Handbook of public policy analysis: Theory, politics and methods. (pp. 63-78). Flórida: CRC Press. DOI: https://doi.org/10.1201/9781420017007.ch5

Bardin, L. (2000). Análise de conteúdo(1. ed). São Paulo: Edições 70.

Capella, A. C. N. (2016). Agenda-setting policy: Strategies and agenda denial mechanisms. Organizações & Sociedade, 23(79), 675-691, doi: 10.1590/1984-9230713 DOI: https://doi.org/10.1590/1984-9230713

Capella, A. C. (2018). Formulação de políticas públicas. Brasília: Enap.

Capella, A. C. N. (2020). Estudos sobre formação da agenda de políticas públicas: Um panorama das pesquisas no Brasil. Revista de Administração Pública, 54(6), 1498-1512. Epub December 16, 2020. doi: 10.1590/0034-761220200689 DOI: https://doi.org/10.1590/0034-761220200689

Capella, A. C. N. & Gonçalves Brasil, F. (2015). A trajetória dos estudos sobre a agenda de políticas públicas. Teoria & Pesquisa: Revista de Ciência Política. 24(2), 4-17, doi: 10.4322/tp.24211 DOI: https://doi.org/10.4322/tp.24211

Cobb, R. W. & Elder, C. D. (1971). The politics of agenda-building: An alternative perspective for Modern Democratic Theory. Journal of Politics, 33(4), 892-915. doi: 10.2307/2128415 DOI: https://doi.org/10.2307/2128415

Cobb, R. W. & Elder, C. D. [1972] 1983. Participation in American Politics: The Dynamics of Agenda Building (2nd ed.). Maryland: Johns Hopkins University Press

Costa, B. L. D. & Bronzo, C. (2012). Intersetorialidade no enfrentamento da pobreza: O papel da implementação e da gestão. In.: C.A.P., Faria (Org.), Implementação de políticas públicas: Teoria e prática (pp. 50-81). Belo Horizonte: PUC Minas

Costa, R. E., & Medeiros, A. K. (2019). Cooperação e Intersetorialidade na Política sobre Drogas no Brasil. Revista de Administração, Sociedade e Inovação, 5(1), 21-40, doi: 10.20401/rasi.5.1.255 DOI: https://doi.org/10.20401/rasi.5.1.255

Dearing, J. W. & Rogers, E. M. (1996). Agenda-setting. Reino Unido: Sage DOI: https://doi.org/10.4135/9781452243283

Dunn, W. N. (1981). Public policy analysis. New Jersey: Prentice-Hall

Farah, M. S. (2011). Administração Pública e políticas públicas, Revista de Administração Pública, 45(3), 813-36. Recuperado de http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/7016 DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-76122011000300011

Gontijo, J G. L. (2012). Coordenação, cooperação e políticas públicas: Organizando percepções e conceitos sobre um tema caro à implementação. In.: C.A.P., Faria (Org.). Implementação de Políticas Públicas: Teoria e prática (pp. 82-122). Belo Horizonte: PUC Minas.

Kingdon, J. (1984, 2003). Agendas, alternatives, and public policies.(3. ed). Nova Iorque: Harper Collins.

Lorêto, M. (2016). Políticas Públicas de Artesanato na Reprodução da Força de Trabalho dos Artesãos em Barro no Alto do Moura, Caruaru – PE. (Tese de Doutorado, Universidade Federal de Pernambuco). Recuperado de https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/29495

Marcondes, M. M., Sandim, T. L. & Diniz, A. P. R. (2018). Transversalidade e Intersetorialidade: Mapeamento do debate conceitual no cenário brasileiro. Administração Pública e Gestão Social, 10(1), 22-33. doi: 10.21118/apgs.v10i1.1527 DOI: https://doi.org/10.21118/apgs.v10i1.1527

Mdic (Ministério da Indústria, Comércio Exterior). Diário Oficial da União (2018). Portaria nº 1.007-SEI, de 11 de junho de 2018. Publicado em: 01/08/2018. Edição: 147. Seção: Página: 34. Órgão: Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços/Secretaria Especial da Micro e Pequena Empresa. Institui o Programa do Artesanato Brasileiro, cria a Comissão Nacional do Artesanato e dispõe sobre a base conceitual do artesanato brasileiro. Recuperado de: http://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/34932949/ do1-2018-08-01-portaria-n-1-007-sei-de-11-de-junho-de-2018-34932930

Merriam, S. B. & Tisdell, E. J. (2016). Qualitative research: A guide to design and implementation (4. ed.). Reino Unido: Jossey-Bass.

Parada, E. L. (2007). Política y políticas públicas. In.: E., Saravia, & E., Ferrarezi, (Eds.) Políticas Públicas (pp. 67-95). Brasília: Enap.

Rocha, D. N. (2014). “A arte é para todos”: Patrimônio cultural, tradição de conhecimento, processos sociotécnicos e organização social do trabalho entre os artesãos do Alto do Moura (Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco). Recuperado dehttps://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/123456789/13265?locale=pt_BR

Rochefort, D. & Cobb, R. (1994). Problem definition: An Emerging perspective. In: D.A., Rochefort& R.W., Cobb (Eds.). The Politics of Problem Definition: Shaping the Policy Agenda (pp. 1-31). Kansas: University of Kansas Press.

Rogers, E. M. & Dearing, J. W. (1988). Agenda-setting research: Where has it been? Where is it going? Reino Unido: Sage. DOI: https://doi.org/10.1080/23808985.1988.11678708

Rodrigues Neto, D. D., & Barcelos, M. (2020). Histórias na agenda: Uma aplicação do “Narrative Policy Framework”. Revista de Administração Pública, 54(6), 1632-1653. Epub December 16, 2020. doi: 10.1590/0034-761220190395 DOI: https://doi.org/10.1590/0034-761220190395

Rua, M. G. Análise de políticas públicas: Conceitos básicos. In: M.G., Rua, & M.I.V., Carvalho, M. I. V. (Orgs.). (1998). O estudo da política: Tópicos selecionados. (pp. 231-260). Brasília: Paralelo 15.

Schattschneider, E.E. (1960). The Semi-Sovereign People. Carolina do Norte: Winston.

Sá, M., Souza, D., Sousa, J., & Leal, B. (2020). A comunidade artesã do Alto do Moura no século 21: Tensões emergentes em um espaço social local em transformação. Política & Trabalho, 52, 178-195. doi: 10.22478/ufpb.1517-5901.2020v1n52.51187 DOI: https://doi.org/10.22478/ufpb.1517-5901.2020v1n52.51187

Sousa, J. R. F., Sá, M., Souza, D. C., & Silva, S. K. (2020). Novos modos de fazer artesanato e desafios à manutenção econômica no Alto do Moura do Século XXI. READ - Revista de Administração da EA/UFRGS, 26(3), 557-585. doi: 10.1590/1413-2311.295.98565 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-2311.295.98565

Secchi, L. (2012). Formação da agenda: Método de policy advocacy para ensino de políticas públicas. Administração Pública e Gestão Social, 4(1), 32-47. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/apgs/article/view/4046

Sempe (Secretaria Especial da Micro e Pequena Empresa), Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. (2018). PAB – Programa do Artesanato Brasileiro. Recuperado de http://www.sempe.mdic.gov.br/index.php/editoria-b/pab-programa-do-artesanato-brasileiro

Silva, A. J. (2016). Mulheres vestidas de barro e os sentidos da produção de mestras artesãs da comunidade do Alto do Moura em Caruaru/PE (Dissertação de Mestrado Universidade Federal de Pernambuco). Recuperado de https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/20334

Silva, E. F. (2011). Processos aprendentes e ensinantes dos/as artesãos/ãs do Alto do Moura: Tessitura de vida e formação. (Tese de Doutorado, Universidade Federal de Pernambuco). Recuperado de https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/4161

Subirats, J. (2007). Definición del problema: Relevancia pública y formación de la agenda de actuación de los poderes públicos. In.: E., Saravia & E., Ferrarezi (Eds.). Políticas Públicas (pp. 199-218). Brasília: Enap.