Funcionalismo público brasileiro no século XXI Transformações ocupacionais nos diferentes níveis do poder executivo entre 2003 e 2018

Conteúdo do artigo principal

Leonardo Souza Silveira
Pedro Henrique Elgaly da Penha
Bruno Portes Costa de Castro

Resumo

O presente artigo tem como objetivo analisar a trajetória do perfil ocupacional do Poder Executivo nos níveis federal, estadual e municipal do Brasil entre 2003 e 2018. Em número de vínculos empregatícios, o executivo tornou-se 42% maior no intervalo, tendo, porém, heterogeneidades entre os níveis federativos e no grau de especialização dos servidores incorporados. Estudos prévios vêm se utilizando de análises temporais para demonstrar a transformação do Estado por meio do funcionalismo em aspectos políticos e sociológicos. Este trabalho busca contribuir na compreensão sobre o que faz o Estado, qual o perfil dos recursos humanos disponíveis para sua atuação, e como ele se tem transformado nos últimos anos. Para isso, foram analisados dados da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) sobre os grandes grupos ocupacionais e as categorias que mais cresceram e mais diminuíram nesse período. Os resultados sugerem um processo de variações ocupacionais do Estado que dialogam com as novas atribuições posteriores à Constituição de 1988, apesar de diferenças marcantes entre os níveis federativos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
SOUZA SILVEIRA, L.; HENRIQUE ELGALY DA PENHA, P.; PORTES COSTA DE CASTRO, B. Funcionalismo público brasileiro no século XXI: Transformações ocupacionais nos diferentes níveis do poder executivo entre 2003 e 2018. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, São Paulo, v. 26, n. 84, 2021. DOI: 10.12660/cgpc.v26n84.83076. Disponível em: https://periodicos.fgv.br/cgpc/article/view/83076. Acesso em: 27 maio. 2024.
Seção
Fórum Além da Reforma Administrativa: o papel do Estado no século XXI

Referências

Abbott, A. (1988). Transcending general linear reality. Sociological theory, 169-186.

Abrucio, F. L. (2007). Trajetória recente da gestão pública brasileira: um balanço crítico e a renovação da agenda de reformas. Revista de administração pública, 41(SPE), 67-86.

Albuquerque, P., Saavedra, C., de Morais, R., Alves, P., & Peng, Y. (2019). Na era das máquinas, o emprego é de quem? Estimação da probabilidade de automação de ocupações no Brasil.Texto para Discussão IPEA 2457.

Atlas do Estado Brasileiro. (2020a). Total de vínculos de trabalho e pessoas no setor público e privado. https://www.ipea.gov.br/atlasestado/consulta/64

Atlas do Estado Brasileiro. (2020b). Total de vínculos no setor público, por tipo de administração. https://www.ipea.gov.br/atlasestado/consulta/139

Atlas do Estado Brasileiro. (2020c). Metodologia. https://www.ipea.gov.br/atlasestado/quem/12/metodologia

Bresser-Pereira, L. (2001). Uma nova gestão para um novo Estado. Revista do Serviço Público, 52(1), 5-24.

Cardoso, F. (1993). O modelo político brasileiro e outros ensaios. 2ªed. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1973.

Cavalcante, P., & Carvalho, P. (2017). Profissionalização da burocracia federal brasileira (1995-2014): avanços e dilemas. Revista de Administração Pública, 51(1), 1-26.

Costa, J., Gaiger, F., Azevedo, B., Carvalho, S., Barbosa, A. (2020). Heterogeneidade do diferencial salarial público-privado. Mercado de Trabalho: Conjuntura e Análise, n. 68, 26, 3-17.

Filgueiras, F. (2018). “Indo além do Gerencial: A agenda da governança democrática e a mudança silenciada no Brasil”. Revista de Administração Pública, 52, 71-88.

Furtado, L. (2018). “Profissionalização da Administração Pública e o Poder Local: parâmetros e resultados”. In: Contemporâneos – Revista de artes e humanidades, 18.

Gonçalves, C. (2007). Análise sociológica das profissões: principais eixos de desenvolvimento. Sociologia, 17.

Kalleberg, A.; Mown, T. (2018) “Occupations, Organizations and Intragenerational Carrer Mobility”. Annual Review of Sociology, 44:283-303.

Lassance, A. (2017) O Serviço Público Federal Brasileiro e a Fábula do Ataque das Formigas Gigantes. Textos para Discussão IPEA 2287.

Lopez, F; Guedes, E. (2018). “Atlas do Estado Brasileiro: uma análise multidimensional da burocracia pública brasileira em duas décadas (1995-2016)”. http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/9492

Lopez, F; Silva, T. (2019). Filiações partidárias e nomeações para cargos da burocracia federal (1999-2018). Revista de Administração Pública, 53(4):711-731.

Mattos, F. (2011). Emprego Público no Brasil: Aspectos Históricos e Evolução Recente. CARDOSO, J (org.). Burocracia e Ocupação no Setor Público Brasileiro. Rio de Janeiro: IPEA.

MTE, 2021. CBO – Informações Gerais. http://www.mtecbo.gov.br/cbosite/pages/informacoesGerais.jsf#2

Nozoe, N., Bianchi, A., Rondet, A. (2003). A nova classificação brasileira de ocupações: anotações de uma pesquisa empírica. São Paulo em perspectiva, 17(3-4), 234-246.

Pessoa, E. (2002). Evolução do emprego público no Brasil nos anos 90. Campinas: Tese de Doutoramento, IE-Unicamp.

Pessoa, E. (2011a). O Aparelho Administrativo Brasileiro: Sua Gestão e Seus Servidores – De 1930 aos Dias Atuais. CARDOSO, J (org.). Burocracia e Ocupação no Setor Público Brasileiro. Rio de Janeiro: IPEA.

Pessoa, E. (2011b). Emprego público e ocupações no serviço público municipal nos anos 2000. CARDOSO, J (org.). Burocracia e Ocupação no Setor Público Brasileiro. Rio de Janeiro: IPEA.