Além da reforma administrativa A gestão de pessoas na prestação de serviços públicos de saúde no início de 2021

Conteúdo do artigo principal

Ana Maria Malik
https://orcid.org/0000-0002-0813-8886
Laura Schiesari
https://orcid.org/0000-0002-9190-8166
Mariana Carrera
https://orcid.org/0000-0002-8785-7730

Resumo

O presente trabalho visa a discutir características da gestão de pessoas no setor público da saúde no Brasil na terceira década do século XXI. Com base na literatura da área foi desenvolvido um roteiro para entrevistas de gestores de organizações da administração direta e da indireta da saúde e aplicado a profissionais de nível central e local que concordaram em participar da pesquisa. Os achados foram discutidos e analisados, embora não tenha sido realizada comparação de sua eficácia em função de resultados obtidos. A conclusão deste trabalho evidencia a relevância do tema gestão de pessoas na saúde e as diferenças de instrumentos disponíveis na gestão direta e nas organizações sociais de saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
MALIK, A. M.; SCHIESARI, L.; CARRERA, M. . Além da reforma administrativa: A gestão de pessoas na prestação de serviços públicos de saúde no início de 2021. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, São Paulo, v. 26, n. 84, 2021. DOI: 10.12660/cgpc.v26n84.83080. Disponível em: https://periodicos.fgv.br/cgpc/article/view/83080. Acesso em: 27 maio. 2024.
Seção
Fórum Além da Reforma Administrativa: o papel do Estado no século XXI
Biografia do Autor

Ana Maria Malik, FGV

Professora da EAESP FGV, coordenadora FGVSaúde

Laura Schiesari, FGV

Professora da EAESP FGV, pesquisadora FGVSaúde

Mariana Carrera, FGV

Pesquisadora FGVSaúde

Referências

Americo, J. (2019). Como criar empresas realmente diversas. VocêRH, Jun/Jul. 24-39.

Assembleia Legislativa de São Paulo (2020). CPI das OSS. Recuperado de https://www.al.sp.gov.br/comissao/cpi/?idLegislatura=18&idComissao=1000000225.

Bahia, L., & Scheffer, M. (2018). O SUS e o setor privado assistencial: Interpretações e fatos. Saúde Debate 42(3), 158-71. doi:10.1590/0103-11042018s312.

Baggenstoss, S., & Donadone, JC. (2014). A saúde pública intermediada por organizações sociais: Arranjos e configurações nas últimas duas décadas no Brasil. Latinoamérica. Revista de Estudios Latinoamericanos, (59), 69-98. doi:10.1016/S1665-8574(14)71726-0

Bourget, M (2020). Satisfação no trabalho e rotatividade dos médicos do Programa de Saúde da Família (Tese de doutorado - Faculdade de Medicina USP).

Brasil. (2020). Lei Nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8112cons.htm#:~:text=11.784%2C%20de%202008-Art.,Ministros%20do%20Supremo%20Tribunal%20Federal.

Brasil. Supremo Tribunal Federal. (2015). Ação Direta de Inconstitucionalidade n. 1923/DF. Tribunal Pleno, Relator para o acórdão Min. Luiz Fux. Diário de Justiça da União, 2015. Recuperado de http://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=TP&docID=10006961

Brasil. (2000). Lei de responsabilidade fiscal: Lei complementar nº 101, de 4 de maio de 2000.

Buckingham M., & Goodall A. (2019). A falácia do feedback. HBR Harvard Business Review, 97(3).

Campo, C.V. de A. (2005). Por que o médico não fica? Satisfação no trabalho e rotatividade dos médicos do Programa de Saúde da Família no Município de São Paulo. (Dissertação de Mestrado - FGV-EAESP).

Campos, C.V.de A., & Malik, A.M. (2008) Satisfação no trabalho e rotatividade dos médicos do Programa de Saúde da Família. RAP Revista de Administração Pública, 42(2), 347-68. doi:10.1590/S0034-76122008000200007.

Cappelli P., & Tavis A. (2018). O RH torna-se ágil. HBR Harvard Business Review, 96(4).

Cecílio, L.C., Rezende, M.F.B., Magalhães, M.G., & Pinto, S.A. (2002) O pagamento de incentivo financeiro para os funcionários como parte da política de qualificação da assistência de um hospital público, Volta Redonda, Rio de Janeiro, Brasil. Cadernos Saúde Pública; 18, 1655-63. doi:10.1590/S0102-311X2002000600020.

Chandra A. Employee evaluation strategies for healthcare organizations: A general guide. Heldref Publications. In Context: Healthcare and Public Policy, 2006. doi:10.3200/HTPS.84.2.34-38

Correa, D. S. R. C (2020). Comparação da eficiência dos modelos de gestão dos hospitais públicos brasileiros utilizando análise envoltória de dados. (Dissertação de Mestrado –- Universidade do Porto).

Ditterich, R.G., Moysés, S.T, & Moysés, S.J. (2012). O uso de contratos de gestão e incentivos profissionais no setor público de saúde. Cadernos de Saúde Pública 28(4), 615-27. doi:10.1590/S0102-311X2012000400002

Favaretto, R.B. (2020). Governança corporativa: Uma perspectiva na saúde pública. (Trabalho Aplicado Mestrado Profissional – FGV EAESP).

Gomes, F.R. (2002). Clima Organizacional: Um estudo em uma empresa de telecomunicações. RAE Revista de Administração de Empresas, 42(2),95-103. doi:10.1590/S0034-75902002000200009

Guillory W.A., & Guillory D. (2004) The Roadmap to Diversity, Inclusion and High Performance. Healthcare Executive, July /August, 24-30.

Gupy Tecnologia em Recrutamento. (2018). Descrição de cargo: O arsenal completo com 33 modelos para você ganhar a guerra de talentos. E-book Descrição de Cargo.

Hegwer, L.R. (2016). Building High-Performing, Highly Diverse Teams and Organizations. Healthcare Executive, Nov/Dec, 10-19.

Koerich, C.; Erdmann, A.L; Lanzoni, G.M. de M. (2020). Interação profissional na gestão da tríade: Educação permanente em saúde, segurança do paciente e qualidade. Rev. Latino-Am. Enfermagem, vol.28. doi:10.1590/1518-8345.4154.3379

Lacombe, B.M.B, & Chu, R.A. (2008). Políticas e práticas de gestão de pessoas: As abordagens estratégica e institucional. RAE Revista de Administração de Empresas, 48(1) 25-35. doi:10.1590/S0034-75902008000100003

Mânica, F. B (2019). Repasse a organizações sociais não integra limite de gastos com pessoal da LRF. Revista Consultor Jurídico.(conjur.com.br)

Martins, J.M., Isouard, G., & Freshman, B. (2019). Human dimension of health service management. Aust Health Ver, 43(1)103-110. doi:org/10.1071/AH17063

Martins, J.M., Isouard, G., Malik, A.M., & Freshman, B. (2019). Senior Manager Perceptions, Curriculum Content and Use of Information Technology in Australia and Brazil: The Human Dimension. AUPHA Global Symposium.

Nassif, V.M.J. (2008). Gerindo o Desempenho In: Hanashiro, Teixeira e Zaccarelli (Eds). Gestão do Fator Humano: Uma visão baseada em stakeholders. (289-327). São Paulo: Editora Saraiva.

Radnor, Z.J., Holweg, M., & Waring, J. (2012). Lean in healthcare: The unfilled promise? Social Science & Medicine,74(3),364-371. doi:10.1016/j.socscimed.2011.02.011

Radnor, Z.J, & Osborne, S.P. (2013). Lean: A failed theory for public services. Public Management Review. DOI:10.1080/14719037.2012.748820

Regis, T.K.O., Gohr, C.F., & Santos, L.C. (2018). Implementação do Lean Healthcare: Experiências e lições aprendidas em hospitais brasileiros. RAE Revista Administração de Empresas, 58(1). doi:10.1590/s0034-759020180104

Romanelli J. (2020). Clima organizacional como ponto de partida para a melhoria de processos corporativos. (Trabalho Aplicado Mestrado Profissional – FGV EAESP).

Silva, V.M. da, Lima, S.M.L., & Teixeira, M. (2015). Organizações Sociais e Fundações Estatais de Direito Privado no Sistema Único de Saúde: Relação entre o público e o privado e mecanismos de controle social. Saúde Debate 39 (spe, 145-59. doi:10.5935/0103-1104.2015S005396.

Terra, V (2000). Mudança Organizacional e Implantação de um Programa de Qualidade em Hospital no Município de São Paulo - Estudo de Caso. (Dissertação Mestrado em Administração de Empresas – FGV EAESP)