A nova Reforma Administrativa: O que sabemos e para onde vamos?

Conteúdo do artigo principal

Alketa Peci
https://orcid.org/0000-0002-0488-1744
Cibele Franzese
https://orcid.org/0000-0001-7441-2831
Felix Garcia Lopez
https://orcid.org/0000-0003-4725-4473
Leonardo Secchi
http://orcid.org/0000-0002-9073-0343
Thiago Ferreira Dias
http://orcid.org/0000-0002-0749-5654

Resumo

As ondas reformistas da administração pública brasileira não são fenômenos recentes. Ao contrário, esforços de modernização têm sido presentes desde a reforma burocrática do governo Vargas até os dias de hoje, com a proposta da PEC 32/2020. Neste artigo analisamos os contornos da PEC 32/2020, destacando sua ênfase nas políticas de gestão de pessoas, e focamos na questão da estabilidade, uma vez que a proposta busca revisar os vínculos trabalhistas no setor público, sem um diagnostico aprofundado das implicações sistêmicas desta mudança. Por fim, apresentamos as contribuições dos trabalhos reunidos neste número especial, que, vistas em seu conjunto, buscam compreender para qualificar os debates sobre a reforma administrativa. Espera-se que esta edição especial contribua para o debate empírico e teórico em torno das Reformas, para além da agenda do governo atual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
PECI , A. .; FRANZESE, C. .; GARCIA LOPEZ , F. .; SECCHI, L. .; DIAS, T. F. A nova Reforma Administrativa: O que sabemos e para onde vamos? . Cadernos Gestão Pública e Cidadania, São Paulo, v. 26, n. 84, 2021. DOI: 10.12660/cgpc.v26n84.83753. Disponível em: https://periodicos.fgv.br/cgpc/article/view/83753. Acesso em: 12 jun. 2024.
Seção
Fórum Além da Reforma Administrativa: o papel do Estado no século XXI
Biografia do Autor

Thiago Ferreira Dias, PPGP/UFRN

Possui Doutorado em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2011), Mestrado em Administração e Desenvolvimento Rural pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (2007) e graduação em Administração pela Universidade Federal de Pernambuco (2005). De 2010 a 2013 foi professor da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA). De 2012 a 2013 foi coordenador da Incubadora de Iniciativas Sociais e Solidárias do Oeste Potiguar (INCUBAOESTE). Desde janeiro de 2014 é professor adjunto da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Foi coordenador do Programa de Pós-Graduação em Gestão Pública da UFRN (2014-2017). Vice Líder do Núcleo de Inovação Pública da UFRN. Foi Vice-Presidente da Sociedade Brasileira de Administração Pública (SBAP) para o biênio 2016-2018. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Gestão Pública, atuando principalmente nos seguintes temas: gestão e avaliação de políticas públicas, gestão social, governo aberto, transparência, participação e desenvolvimento rural.

Referências

Boräng, Frida & Nistotskaya, Marina & Xezonakis, Georgios. (2017). The quality of government determinants of support for democracy. Journal of Public Affairs, 17 (1-2).

Bresser Pereira, L. C. (1998). A reforma do Estado dos anos 90: lógica e mecanismos de controle. Lua Nova: Revista de cultura e política, (45), 49-95.

Bresser-Pereira, L. C. (2000). A reforma gerencial do Estado de 1995. Revista de administração pública, 34(4), 7-26.

Dahlberg, Stefan & Holmberg, Sören (2014). Democracy and Bureaucracy: How Their Quality Matters for Popular Satisfaction. West European Politics, 37 (3).

Dahlström, C., & V. Lapuente (2017). Organizing the Leviathan: How the Relationship between Politicians and Bureaucrats Shapes Good Government. Cambridge: Cambridge University Press.

Evans, P., & J. E. Rauch (1999). Bureaucracy and Growth: A Cross-National Analysis of the Effects Of” Weberian” State Structures on Economic Growth. American Sociological Review, 64 (5): 748–765.

Fukuyama, F. (2013). What Is Governance? Governance, 26 (3): 347–368.

Gualmini, E. (2008). Restructuring Weberian Bureaucracy: Comparing Managerial Reforms in Europe and the United States. Public Administration, 86 (1): 75–94.

Hood, C., & Jackson, M. W. (1991). Administrative argument. USA: Dartmouth Publishing Group.

Ipea. (2020). Atlas do Estado Brasileiro. Disponível em https://www.ipea.gov.br/atlasestado/ consulta/139, Acesso em 01 de maio de 2021.

Lapuente, V., & Suzuki, K. (2020). Politicization, bureaucratic legalism, and innovative attitudes in the public sector. Public administration review, 80(3), 454-467.

Lægreid, P., & L. R. Wise (2015). Transitions in Civil Service Systems: Robustness and Flexibility in Human Resource Management, Comparative Civil Service Systems in the 21st Century, edited by T. Toonen, F. van der Meer, and J. Raadschelders, 203–222. New York, NY: Palgrave.

March, J. G. & Olsen, J. P. (1983). Organizing political life: What administrative reorganization tells us about government. American Political Science Review, 1983, 77, 281-296.

Nascimento, K. (1967). Reflexões sobre estratégia de reforma administrativa. Revista de Administração Pública, 1(1), 11-50.

Nistotskaya, M., N. Charron, & V. Lapuente (2015). The Wealth of Regions: Quality of Government and SMEs in 172 European Regions. Environment and Planning C: Government and Policy, 33 (5): 1125–1155.

Peci, A. (2007). Reforma regulatória brasileira dos anos 90 à luz do modelo de Kleber Nascimento. Revista de Administração Contemporânea, 11(1), 11-30.

Peci, A. (2016). Burocracia(s) e reforma(s) ou o inevitável incrementalismo reformista. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 11(3), 140-143.

Peci, A. (2020). O que esperar da nova proposta de reforma administrativa: uma análise da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 32/20. Revista de Administração Pública, 54(6).

Rauch, J. E., and P. B. Evans. 2000. Bureaucratic Structure and Bureaucratic Performance in Less Developed Countries. Journal of Public Economics, 75 (1): 49–71.

Rezende, F. D. C. (2002). Por que reformas administrativas falham? Revista Brasileira de Ciências Sociais, 17(50), 123-142.

Rothstein, B. (2009). Creating Political Legitimacy: Electoral Democracy Versus Quality of Government. American Behavioral Scientist, 53(3), 311–330.

Secchi, L., Farranha, A. C., Rodrigues, K. F., Bergue, S. T., Medeiros-Costa, C. C., (2021). Reformas administrativas no Brasil: passado, presente e perspectivas para o futuro frente à PEC 32/2020, Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 26(83), pp. 1-17.

Suzuki, K., & Demircioglu, M. A. (2020). Is impartiality enough? Government impartiality and citizens' perceptions of public service quality. Governance, 2020, 1-38

Suzuki, K., & Hur, H. (2019). Bureaucratic structures and organizational commitment: findings from a comparative study of 20 European countries. Public Management Review, 22(6), 877-907.

Toral, Guillermo. (2021). Turnover: how electoral accountability disrupts the bureaucracy and service delivery. Publicado em: https://www.guillermotoral.com/turnover.pdf . Acesso em: 05 de abril de 2021.