Intersetorialidade e políticas públicas para as juventudes: contribuições de produções acadêmicas

Conteúdo do artigo principal

Erica Teruel Guerra
https://orcid.org/0000-0003-1864-1626
Maria do Carmo Meirelles Todelo Cruz
https://orcid.org/0000-0003-4375-5270

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar como a literatura tem abordado a intersetorialidade nas políticas públicas para as juventudes no Brasil. Na legislação brasileira e em documentos governamentais e de organismos internacionais, é recorrente a recomendação a projetos e políticas intersetoriais como uma estratégia para o atendimento integral ao jovem. Com base nessa constatação, cabe questionar: a abordagem intersetorial tem sido estudada na produção acadêmica sobre juventude? Por meio de pesquisa bibliográfica exploratória em três plataformas – Biblioteca Eletrônica Científica Online (SciELO), Redalyc e Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) –, foram levantados e analisados 43 trabalhos. A análise aponta que o tema é pouco explorado e a intersetorialidade continua sendo recomendada, mas apenas alguns textos investigam sua viabilidade e formas de implementação. Os desafios encontrados são, em grande parte, aqueles já apontados pela literatura sobre o tema, mas há outros específicos das políticas para jovens, de maneira especial relacionados à legitimidade dos órgãos de juventude.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
TERUEL GUERRA, E.; MEIRELLES TODELO CRUZ, M. do C. Intersetorialidade e políticas públicas para as juventudes: contribuições de produções acadêmicas. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, São Paulo, v. 28, p. e84619, 2022. DOI: 10.12660/cgpc.v28.84619. Disponível em: https://periodicos.fgv.br/cgpc/article/view/84619. Acesso em: 14 abr. 2024.
Seção
Artigos

Referências

Abramo, H. W. (1997). Considerações sobre a tematização social da juventude no Brasil. Juventude e contemporaneidade. Revista Brasileira de Educação, (5-6), 25-36. Recuperado de: https://www.anped.org.br/site/rbe/rbe

Abramo, H. W. (2005). O uso das noções de adolescência e juventude no contexto brasileiro. In M. V. Freitas (Ed.), Juventude e adolescência no Brasil: referências conceituais (pp. 19-39). São Paulo: Ação Educativa.

Abramovay, M., Andrade, E., & Esteves, L. C. (2007). Juventudes: outros olhares sobre a diversidade. Brasília: Ministério da Educação; Unesco.

Akerman, M., Franco de Sá, R., Moyses, S., Rezende, R., Rocha, D. (2014). Intersetorialidade? Intersetorialidades! Ciência e Saúde Coletiva, 19(11), 4291-4300. https://doi.org/10.1590/1413-812320141911.10692014 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320141911.10692014

Bichir, R. M., & Canato, P. (2019). Solucionando problemas complexos? Desafios da implementação de políticas intersetoriais. In: Pires, R. R. (Ed). Implementando desigualdades: Reprodução de desigualdades na implementação de políticas públicas (pp. 243-265). Rio de Janeiro: Ipea.

Bichir, R. M., Haddad, A. E., Lotta, G. S., Hoyler, T., Canato, P., Marques, E. C. L. (2019). A primeira infância na cidade de São Paulo: o caso da implementação da São Paulo Carinhosa no Glicério. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 24(77), 1-23. https://doi.org/10.12660/cgpc.v24n77.72695 DOI: https://doi.org/10.12660/cgpc.v24n77.72695

Brasil. Presidência da República (2013a). Lei nº 12.852, de 5 de agosto de 2013. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12852.htm

Brasil. Presidência da República. Secretaria-Geral (2015). Índice de vulnerabilidade juvenil à violência e desigualdade racial 2014. Recuperado de: https://bibliotecadigital.mdh.gov.br/jspui/handle/192/58

Brasil. Presidência da República. Secretaria Nacional de Juventude (2013b). Agenda juventude Brasil: pesquisa nacional sobre perfil e opinião dos jovens brasileiros. Recuperado de: https://bibliotecadigital.mdh.gov.br/jspui/handle/192/91

Brasil. Presidência da República. Secretaria Nacional de Juventude (2014). Estação juventude: conceitos fundamentais. Recuperado de: https://bibliotecadigital.mdh.gov.br/jspui/handle/192/69

Canato, P. C. (2017). Intersetorialidade e redes sociais: uma análise da implementação de projetos para população de rua em São Paulo [Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo]. Recuperado de: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/100/100138/tde-05112017-141201/publico/pamellacanato.pdf

Castro, J. A., Aquino, L. M. C., & Andrade, C. C. (2009). Juventude e políticas sociais no Brasil. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). Recuperado de: https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=5641

Corrochano, M. C., & Guilherme, M. L. C. (2019). Jovens e políticas públicas: balanço da produção acadêmica na educação, ciências sociais e serviço social (2007-2017). XXVI Congresso de Iniciação Científica e XI Congresso de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação. São Carlos, Sorocaba, Araras e Lagoa do Sino: Universidade Federal de São Carlos.

Cunha, S. R. (2020). Juventude e o mundo do trabalho: atuação do Estado e a crítica ao empreendedorismo [Dissertação de Mestrado]. Recuperado de: https://catalogodeteses.capes.gov.br/catalogo-teses/#!/

Cunill-Grau, N. (2016). A intersetorialidade nas novas políticas sociais: uma abordagem analítico-conceitual. Cadernos de Estudos: Desenvolvimento Social em Debate, 26, 35-66. Recuperado de: https://aplicacoes.mds.gov.br/sagirmps/ferramentas/docs/Caderno%20de%20Estudos%2026.pdf

Cruz, M. C. M. T. (2017). Implementação da política de creches nos municípios brasileiros após 1988: avanços e desafios nas relações intergovernamentais e intersetoriais [Tese de Doutorado]. Recuperado de: https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/19039

Cruz, M. C. M. T. & Farah, M. F. S. (2016). Intersetorialidade na atenção à primeira infância em políticas de enfrentamento da pobreza: do Comunidade Solidária ao Brasil Carinhoso. In L. A. P. Junqueira & M. A. J. Corá (Eds.). Redes sociais e intersetorialidade (pp. 235-262). São Paulo: Tiki Books.

Cruz, M. C. M. T., Merchán, C. T., & Farah, M. F. S. (2021). Conselhos de políticas públicas e intersetorialidade: o caso Brasil carinhoso. Cadernos de Gestão Pública e Cidadania, 26(83), e-81032. https://doi.org/10.12660/cgpc.v26n83.81032 DOI: https://doi.org/10.12660/cgpc.v26n83.81032

Dávila León, O. (2008), Da agregação programática à visão construtiva de políticas de juventude. In M. V. Freitas & F. C. Papa (Eds.). Políticas públicas: juventude em pauta (pp. 77-96). São Paulo: Cortez / Ação Educativa / Friederich Ebert.

Dayrell, J. (2007). O jovem como sujeito social. In Brasil. Presidência da República. Juventude e contemporaneidade (pp. 155-176). Brasília: Unesco, MEC, Anped.

Farah, M. F. S. (2006). Temas emergentes em gestão e políticas públicas: tendências gerais. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 11(48), 43-65. https://doi.org/10.12660/cgpc.v11n48.44053 DOI: https://doi.org/10.12660/cgpc.v11n48.44053

Farah, M. F. S. (2018). Abordagens teóricas no campo de política pública no Brasil e no exterior: do fato à complexidade. Revista do Servidor Público, 69, 53-84. https://doi.org/10.21874/rsp.v69i0.3583 DOI: https://doi.org/10.21874/rsp.v69i0.3583

Farah, M. F. S. (2021). Teorias de política pública. Revista @mbienteeducação, 14(3), 631-665. https://doi.org/10.26843/v14.n3.2021.1103.p631-665 DOI: https://doi.org/10.26843/v14.n3.2021.1103.p631-665

Franco, M. K. (2020). Burocracia de nível de rua e as políticas públicas para juventude: dilemas e desafios da implementação em um município de pequeno porte do interior paulista [Dissertação de Mestrado]. Recuperado de: https://catalogodeteses.capes.gov.br/catalogo-teses/#!/

Gontijo, J. G. (2010). Gestão pública, desarticulação e concertação: Um estudo empírico sobre coordenação e cooperação no âmbito das políticas para juventude em Belo Horizonte. Administração Pública e Gestão Social, 2(4), 377-402. https://doi.org/10.21118/apgs.v2i4.4033

Hora Góis, J. B. (2013). A (difícil) produção da intersetorialidade: Comentários a partir de ações públicas para a juventude. Textos & Contextos, 12(1), 128-141. Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fass/article/view/13212

Hora Góis, J. B. & Mendes Duarte, F. J. (2014). Do limbo ao gueto; do gueto ao limbo: a (difícil) institucionalização da política de juventude de Niterói. O Social em Questão, 18(31), 93-116. Recuperado de http://osocialemquestao.ser.puc-rio.br/media/OSQ_31_5_Gois_Duarte.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2018). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua: Educação 2017. Recuperado de: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101576_informativo.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2019a). Desigualdades sociais por cor ou raça no Brasil. Estudos e pesquisas. Informação Demográfica e Socioeconômica, 41. Recuperado de: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/populacao/25844-desigualdades-sociais-por-cor-ou-raca.html

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2019b). Fora da escola e longe do mercado de trabalho. Retratos, 18, 22-25. Recuperado de: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/media/com_mediaibge/arquivos/47ad07161ac72b90ad0b2387ab2dda34.pdf

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) (2009). Brasil em desenvolvimento: Estado, planejamento e políticas públicas, 3. IPEA. Recuperado de: https://www.ipea.gov.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=5598

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) (2021). Carta de Conjuntura 30, 52, 12. IPEA. Recuperado de: https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/conjuntura/210927_cc_52_nota_30_mercado_de_trabalho_set21.pdf

Junqueira, L. A. P. (1998). Descentralização e intersetorialidade: a construção de um modelo de gestão municipal. Revista de Administração Pública, 32(2), 11-22. Recuperado de http://www.spell.org.br/documentos/ver/12980/descentralizacao-e-intersetorialidade--a-construcao-de-um-modelo-de-gestao-municipal/i/pt-br

Junqueira, L. A. P. (2000). Intersetorialidade, transetorialidade e redes sociais na saúde. Revista de Administração Pública, 34(6), 35-45. Recuperado de http://www.spell.org.br/documentos/ver/12786/intersetorialidade--transetorialidade-e-redes-sociais-na-saude/i/pt-br

Junqueira, L. A. P., & Inojosa, R. M. (1997). Desenvolvimento social e intersetorialidade: a cidade solidária. São Paulo: Fundap.

Junqueira, L. A. P., Inojosa, R. M., & Komatsu, S. (1997). Descentralização e intersetorialidade na gestão pública municipal no Brasil: a experiência de Fortaleza. XI Concurso de Ensayos del Clad “El Tránsito de la Cultura Burocrática al Modelo de la Gerencia Pública: Perspectivas, Posibilidades y Limitaciones”. Caracas.

Krauskopf, D. (2003). La construcción de políticas de juventud en Centroamérica. In O. Dávila León (Ed.). Políticas públicas de juventud en América Latina: políticas nacionales. Viña del Mar: Cidpa.

Lyra, M. B. (2019). Política pública de juventude: avanços, desafios e limites de seu desenvolvimento no território [Dissertação de Mestrado]. Recuperado de: https://catalogodeteses.capes.gov.br/catalogo-teses/#!/

Marcondes, M. M., Sandim, T. L., & Diniz, A. P. R. (2018). Transversalidade e intersetorialidade: Mapeamento do debate conceitual no cenário brasileiro. Revista de Administração Pública e Gestão Social, 10(1), 22-33. https://doi.org/10.21118/apgs.v0i0.5289 DOI: https://doi.org/10.21118/apgs.v10i1.1527

Marques, E. (2013). As políticas públicas na ciência política. In E. Marques & C. Faria (Eds.). A política pública como campo multidisciplinar. São Paulo: Editora Unesp.

Matsumota, L. (2015). Políticas públicas de/para/com a juventude no município de Santos/SP [Dissertação de Mestrado]. Recuperado de: https://catalogodeteses.capes.gov.br/catalogo-teses/#!/

Moura, B. C. (2019). Políticas de trabalho e juventude: uma análise da experiência latino-americana, focada na comparação entre Brasil e México [Dissertação de Mestrado]. Recuperado de: https://catalogodeteses.capes.gov.br/catalogo-teses/#!/

Nico, M. L. (2014). Life is cross-sectoral: why shouldn’t youth policy be? França: Partnership between the European Commission and the Council of Europe in the Field of Youth.

Nonato, A. A. M. P. L. (2018). Desafios às políticas públicas na perspectiva do envelhecimento bem-sucedido. Revista de Pesquisa em Políticas Públicas. https://doi.org/10.18829/rp3.v0i12.27043

Nunes, M. B. A. (2015). Juventude e trabalho: uma análise da implementação do programa Projovem trabalhador no município de Manaus [Dissertação de Mestrado]. Recuperado de: https://catalogodeteses.capes.gov.br/catalogo-teses/#!/

Oliveira, M. F. S. (2018). Repercussões do projeto Restaurante Escola - Santos como oportunidade de carreira e mudança de vida para jovens em situação de vulnerabilidade social [Dissertação de Mestrado]. Recuperado de: https://tede.unisantos.br/handle/tede/4641

Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) (1999). Evaluation of Unesco’s youth activities 1994-1997 and proposals for a new Unesco strategy on youth. Paris: Unesco.

Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) (2007). Meeting the learning needs of all young people and adults: an exploration of successful policies and strategies in non-formal education. Estocolmo: Unesco.

Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) (2014). Developing an education sector response to early unintended pregnancy. Paris: Unesco.

Organização Mundial da Saúde (WHO) (2017). Global accelerated action for the health of adolescents (AA-HA!): Guidance to support country implementation. Genebra: WHO.

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL), & Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF) (2016). Perspectivas económicas de América Latina 2017: juventud, competencias y emprendimiento. Paris: OECD, 2016.

Organización Panamericana de la Salud (OPS) (2018). La salud de los adolescentes y jóvenes en la región de las Américas: la aplicación de la estrategia y el plan de acción regionales sobre la salud de los adolescentes y jóvenes (2010-2018). Washington, D.C.: OPS.

Papa, F. (2012). Transversalidade e políticas públicas para mulheres no Brasil: percursos de uma pré-política [Dissertação de Mestrado]. Recuperado de: https://catalogodeteses.capes.gov.br/catalogo-teses/#!/

Serra, A. (2005). La gestión transversal: expectativas y resultados. Revista del CLAD Reforma y Democracia, (32), 1-17. Recuperado de: https://www.redalyc.org/pdf/3575/357533664002.pdf

Souza, C. (2006). Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, 8(16), 20-45. https://doi.org/10.1590/S1517-45222006000200003 DOI: https://doi.org/10.1590/S1517-45222006000200003

Souza, W. F. (2016). Jovens, políticas públicas e estratégias administrativas: o papel das ideias e dos discursos na constituição do campo e na trajetória das políticas de juventude no Brasil [Dissertação de Mestrado]. Recuperado de https://catalogodeteses.capes.gov.br/catalogo-teses/#!/

Sposito, M. P. (2009). Estado da arte sobre juventude na pós-graduação brasileira: educação, ciências sociais e serviço social (1999-2006). Belo Horizonte: Argvmentvm.

Sposito, M. P., & Carrano, P. C. R. (2003). Juventude e políticas públicas no Brasil. In O. Dávila León (Ed.). Políticas públicas de juventud en América Latina: políticas nacionales. Viña del Mar: Cidpa. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782003000300003

Zanella, A. V., Groff, A. R., Silva, D. O. B., Mattos, L. K., Furtado, J. R., & Assis, N. (2013). Jovens, juventude e políticas públicas: Produção acadêmica em periódicos científicos brasileiros (2002 a 2011). Estudos de Psicologia, 18(2), 327-333. https://doi.org/10.1590/S1413-294X2013000200019 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-294X2013000200019