Respostas indígenas à pandemia: Ação pública em contextos de emergência

Conteúdo do artigo principal

Teresa Harari
https://orcid.org/0000-0002-0272-2467
Paola de Angelis
Pedro Vianna Godinho Peria
https://orcid.org/0000-0003-2635-7959
Sophia Veronesi

Resumo

A política de saúde indígena no Brasil é composta de um ecossistema de organizações diversas que abarca desde órgãos governamentais até associações indígenas, indigenistas e religiosas. As diversidades regionais e étnicas, somadas às diferenças nas naturezas das parcerias, trazem desafios para a garantia dos direitos dos povos indígenas. O presente trabalho fundamenta-se em uma perspectiva multicêntrica da ação pública para compreender como essa rede de atores articulou respostas para os efeitos da pandemia de Covid-19 e do governo conservador de Jair Bolsonaro nas Terras Indígenas. Apresentamos dois estudos de caso baseados nas experiências de agentes e organizações voltados à saúde indígena nos municípios de São Paulo (SP) e São Gabriel da Cachoeira (AM). Os resultados apontam que as redes criadas entre agentes solidários às pautas indígenas foram o fator central para o enfrentamento das crises e funcionam como uma malha de proteção aos direitos das populações indígenas em contextos de retrocesso democrático. Ficaram patentes a importância e os desafios da manutenção de um diálogo intercultural com as comunidades indígenas e do comprometimento ético e político das organizações parceiras para a efetividade do modelo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
HARARI, T.; DE ANGELIS, P.; PERIA, P. V. G.; VERONESI, S. Respostas indígenas à pandemia: Ação pública em contextos de emergência. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, São Paulo, v. 28, p. e85060 , 2023. DOI: 10.12660/cgpc.v28.85060. Disponível em: https://periodicos.fgv.br/cgpc/article/view/85060. Acesso em: 14 abr. 2024.
Seção
Artigos

Referências

Abers, R., Serafim, L., & Tatagiba, L.. (2014). Repertórios de interação estado-sociedade em um estado heterogêneo: a experiência na Era Lula. Dados, 57(2), 325–357. https://doi.org/10.1590/0011-5258201411. DOI: https://doi.org/10.1590/0011-5258201411

Abreu, K. D. R. (2014). A implementação do PNAE em municípios de pequeno porte: implicações práticas e teóricas. [Dissertação de Mestrado em Administração Pública e Governo], Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getulio Vargas, São Paulo.

Abrucio, F. L., Grin, E. J., Franzese, C., Segatto, C. I., & Couto, C. G. (2020). Combate à Covid-19 sob o federalismo bolsonarista: um caso de descoordenação intergovernamental. Revista de Administração Pública, 54(4), 663-677. https://doi.org/10.1590/0034-761220200354 DOI: https://doi.org/10.1590/0034-761220200354

Alves, M. A., & Costa, M. (2020). Colaboração entre governos e organizações da sociedade civil em resposta a situações de emergência. Revista de Administração Pública, 54(4), 923-935. https://doi.org/10.1590/0034-761220200168 DOI: https://doi.org/10.1590/0034-761220200168

Alvesson, M., & Skoldberg, K. (2000). Reflexive methodology: new vistas for qualitative research. Sage.

Andion, C. (2020). Atuação da sociedade civil no enfrentamento dos efeitos da Covid-19 no Brasil. Revista de Administração Pública, 54(4), 936-951. https://doi.org/10.1590/0034-761220200199 DOI: https://doi.org/10.1590/0034-761220200199

Apinaje, S. B. P. C., Apinaje, J. K. R., Horta, A., Rocha, W. O., & Morais Neto, O. R. (2022). Metodologias de vida, pesquisa e luta: a experiência panhĩ. Saúde e Sociedade, 31(4), e220490pt. https://doi.org/10.1590/S0104-12902022220490pt DOI: https://doi.org/10.1590/s0104-12902022220490pt

Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) (2020). Nossa luta é pela vida: Covid-19 e povos indígenas – o enfrentamento das violências durante a pandemia. Apib. https://emergenciaindigena.apiboficial.org/files/2020/12/APIB_nossalutaepelavida_v7PT.pdf

Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) (2023). Dados Covid 19: Emergência Indígena. Apib. https://emergenciaindigena.apiboficial.org/dados_covid19/

Baniwa, G. L. (2007). Movimentos e políticas indígenas no Brasil contemporâneo. Tellus, 7(12), 127-146. https://doi.org/10.20435/tellus.v0i12.136 DOI: https://doi.org/10.20435/tellus.v0i12.136

Borges, Z. (2020). Formas emergentes de ação coletiva: limites e oportunidades de ação pública e democracia direta. In J. B. Torruella, S. Martins & C. Nebot (eds.), Uma nova democracia para o século XXI? (pp. 174-186). Martins. DOI: https://doi.org/10.2307/j.ctv1gm01b0.15

Brasil. Ministério da Saúde (2002). Política Nacional de Atenção à Saúde dos Povos Indígenas (2ª ed.). Ministério da Saúde. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_saude_indigena.pdf

Cardoso, A. M., Santos, R. V., & Coimbra Jr., C. E. (2007). Políticas públicas em saúde para os povos indígenas. In D. C. Barros, D. O. Silva & S. Â. Gugelmin (eds.), Vigilância alimentar e nutricional para a saúde Indígena (pp. 75-95). Fiocruz. https://doi.org/10.7476/9788575415870 DOI: https://doi.org/10.7476/9788575415870.005

Cardoso, M. D. (2015). Políticas de saúde indígena no Brasil: do modelo assistencial à representação política. In E. J. Langdon & M. D. Cardoso (eds.), Saúde indígena: políticas comparadas na América Latina (pp. 83-107). Editora da UFSC.

Castro, E. B. V. (2018). A autodeterminação indígena como valor. Anuário Antropológico, 6(1), 233-242. https://periodicos.unb.br/index.php/anuarioantropologico/article/view/6216

Cefaï, D. (2017). Público, problemas públicos, arenas públicas…: o que nos ensina o pragmatismo (parte 1). Novos Estudos Cebrap, 36(1), 187-213. https://doi.org/10.25091/S0101-3300201700010009 DOI: https://doi.org/10.25091/S0101-3300201700010009

Desmond, M. (2012). Eviction and the reproduction of urban poverty. American Journal of Sociology, 118(1), 88-133. https://doi.org/10.1086/666082 DOI: https://doi.org/10.1086/666082

Fernandes, A. S. A. (2002). Path dependency e os estudos históricos comparados. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, (53), 79-102. https://bibanpocs.emnuvens.com.br/revista/article/view/246

Ferreira, L. O. (2015). Interculturalidade e saúde indígena no contexto das políticas públicas brasileiras. In E. J. Langdon & M. D. Cardoso (eds.), Saúde Indígena: políticas comparadas na América Latina (pp. 217-247). Editora da UFSC.

Foller, M. A. J. (2004). Intermedicalidade: a zona de contato criada por povos indígenas e profissionais de saúde. In: E. J. Langdon & L. Garnelo (eds.), Saúde dos povos indígenas: reflexões sobre antropologia participativa (pp. 129-148). Contracapa; ABA.

Fróes Couto, F., Farias Alves Correia, G., & Carrieri, A. P. (2022). O Anti Líder: Da liderança discursiva presidencial à descoordenação federativa para o combate à Covid-19. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 27(87), 1-19. https://doi.org/10.12660/cgpc.v27n87.83879 DOI: https://doi.org/10.12660/cgpc.v27n87.83879

Garnelo, L. (2012). Política de saúde indígena no Brasil: notas sobre as tendências atuais do processo de implantação do subsistema de atenção à saúde. In L. Garnelo & A. L. Pontes (eds.), Saúde Indígena: uma introdução ao tema (pp. 18-58). MEC-Secadi.

Garnelo, L., & Sampaio, S. (2003). Bases sócio-culturais do controle social em saúde indígena: problemas e questões na Região Norte do Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 19(1), 311-317. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2003000100035 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2003000100035

Gersem dos Santos, L. (2006). O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; Nacional, Laced/Museu. Coleção Educação para Todos.

Instituto Socioambiental (ISA) (2021). Terra Indígena Jaraguá. Terra indígenas no Brasil. ISA. https://terrasindigenas.org.br/pt-br/terras-indigenas/3707

Instituto Socioambiental (ISA) (2023). Covid-19 e os povos indígenas. ISA. https://covid19.socioambiental.org/

Lima-Silva, F., Sandim, T. L., Magri, G. M., & Lotta, G. (2020). Street-level bureaucracy in the pandemic: the perception of frontline social workers on policy implementation. Revista de Administração Pública, 54(5), 1458-1471. https://doi.org/10.1590/0034-761220200529x DOI: https://doi.org/10.1590/0034-761220200529x

Mahoney, J. (2003). Long-run development and the legacy of colonialism in Spanish America. American Journal of Sociology, 109(1), 50-106. https://doi.org/10.1086/378454 DOI: https://doi.org/10.1086/378454

Martuscelli, P. N. (2020). How are refugees affected by Brazilian responses to COVID-19? Revista de Administração Pública, 54(5), 1446-1457. https://doi.org/10.1590/0034-761220200516x DOI: https://doi.org/10.1590/0034-761220200516x

Olivar, J. M. N., Costa, E., Morais, D. M., Fontes, F. B., & Marques, B. (2022). Tecer outro Cesto de Conhecimentos? Pesquisa colaborativa e remota na pandemia de Covid-19. Saúde e Sociedade, 31(4), e220452pt. https://doi.org/10.1590/S0104-12902022220452pt DOI: https://doi.org/10.1590/s0104-12902022220452pt

Oliveira, J. A. P., Barabashev, A. G., Tapscott, C., Thompson, L. I., & Qian, H. (2021). The role of intergovernmental relations in response to a wicked problem: an analysis of the COVID-19 crisis in the BRICS countries. Revista de Administração Pública, 55(1), 243-260. https://doi.org/10.1590/0034-761220200501 DOI: https://doi.org/10.1590/0034-761220200501

Oliveira, R. G., Cunha, A. P., Gadelha, A. G. S., Carpio, C. G., Oliveira, R. B., Corrêa, R. M. (2020). Desigualdades raciais e a morte como horizonte: considerações sobre a Covid-19 e o racismo estrutural. Cadernos de Saúde Pública, 36(9), e00150120. https://doi.org/10.1590/0102-311X00150120 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00150120

Paiva, C. C., Torrezan, R. G. A., & Paiva, S. C. F. (2022). O federalismo cooperativo em obstrução: fissuras intergovernamentais da pandemia. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 27(87), 1-18. https://doi.org/10.12660/cgpc.v27n87.83857 DOI: https://doi.org/10.12660/cgpc.v27n87.83857

Pimentel, S. K., Gomes, A. O., Pavelic, N. L. B., Andrade, L. E. A., Julião, C. G., Lima, P. C., Santos, R. R., & Gomes, T. D. (2022). Do monitoramento autônomo à pesquisa colaborativa virtual: parceria com o movimento indígena do Nordeste durante a pandemia da covid-19 como apoio ao controle social. Saúde e Sociedade, 31(4), e220437pt. https://doi.org/10.1590/S0104-12902022220437pt DOI: https://doi.org/10.1590/s0104-12902022220437en

Pontes, A. L. M., Rego, S., & Garnelo, L. (2015). O modelo de atenção diferenciada nos Distritos sanitários especiais indígenas: reflexões a partir do Alto Rio Negro/AM, Brasil. Ciência e Saúde Coletiva, 20(10), 3199-3210. https://doi.org/10.1590/1413-812320152010.18292014 DOI: https://doi.org/10.1590/1413-812320152010.18292014

Rodrigues, D., Albertoni, L., & Mendonça, S. B. M. (2020). Antes sós do que mal acompanhados: contato e contágio com povos indígenas isolados e de recente contato no Brasil e desafios para sua proteção e assistência à saúde. Saúde e Sociedade, 29(3), e200348. https://doi.org/10.1590/S0104-12902020200348 DOI: https://doi.org/10.1590/s0104-12902020200348

Rodrigues, V. P., Oliveira, I. C., Chaves, G. L. D., Aquino, E. L. C., & Viegas, C. V. (2020). Pandemic responses in vulnerable communities: a simulation-oriented approach. Revista de Administração Pública, 54(4), 1111-1122. https://doi.org/10.1590/0034-761220200250x DOI: https://doi.org/10.1590/0034-761220200250x

Santos, R. V., Pontes, A. L., & Coimbra Jr., C. E. A. (2020). A “total social fact”: COVID-19 and indigenous people in Brazil. Cadernos de Saúde Pública, 36(10), e00268220. https://doi.org/10.1590/0102-311X00268220 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311x00268220

Secchi, L. (2017). Políticas públicas: conceitos, esquemas de análise, casos práticos (2. ed.). Cengage Learning. DOI: https://doi.org/10.22478/ufpb.2525-5584.2017v2n2.35985

Simoni Junior, S., Lazzari, E., & Fimiani, H. (2022). Federalismo fiscal na pandemia da Covid-19: do federalismo cooperativo ao bolsonarista. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 27(87), 1-20. https://doi.org/10.12660/cgpc.v27n87.83872 DOI: https://doi.org/10.12660/cgpc.v27n87.83872

Souza, J. B., Castro-Silva, C. R. (2022). Pandemia da Covid-19 e o aumento da violência doméstica em território vulnerável: uma resposta de base comunitária. Saúde e Sociedade, 31(4), e220227pt. https://doi.org/10.1590/S0104-12902022220227pt DOI: https://doi.org/10.1590/s0104-12902022220227pt

Souza Lima, A. C. (2015). Sobre tutela e participação: povos indígenas e formas de governo no Brasil, séculos XX/XXI. Mana: Estudos de Antropologia Social, 21(2), 425-457. https://doi.org/10.1590/0104-93132015v21n2p425 DOI: https://doi.org/10.1590/0104-93132015v21n2p425

Spink, P. K. (2016). Assuntos públicos e a abordagem das linguagens de ação pública. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 21(70), 160-175. https://doi.org/10.12660/cgpc.v21n70.64366 DOI: https://doi.org/10.12660/cgpc.v21n70.64253

Spink, P. K., & Burgos, F. (2019). Os limites da abordagem de implementação: vulnerabilidade urbana a partir do outro lado da rua. In G. Lotta (ed.), Teoria e análises sobre implementação de políticas públicas no Brasil (pp. 99-126). Enap.

Stake, R. E. (2005). Qualitative Case Studies. In N. K. Denzin & Y. S. Lincoln (Eds.), The Sage handbook of qualitative research (pp. 443–466). Sage Publications Ltd.

Villaça, A. (2020). Morte na floresta. Todavia.

Yanomami, D. K., & Albert, B. (2019). A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. Companhia das Letras.