Movimento feminista e interseccionalidade: Repertórios de ação e de interação com o Estado

Conteúdo do artigo principal

Mônica Silva
https://orcid.org/0000-0001-8704-9779
Carla Bronzo
https://orcid.org/0000-0001-7585-3655
Flávia de Paula Duque Brasil
https://orcid.org/0000-0003-3070-7050

Resumo

O artigo teve como objetivos identificar e analisar os repertórios de ação e interação das mulheres negras com o poder público. O trabalho apoia-se em desenvolvimentos teóricos no campo de estudos dos movimentos sociais e na vertente dos feminismos negros, mobilizando a literatura clássica e contemporânea no campo das ciências sociais. O período de análise compreende de 2010, ano em que foi instituído o Estatuto da Igualdade Racial, até o ano de 2020 e tem como foco o Brasil. A metodologia baseia-se em fontes secundárias, por meio de uma revisão bibliográfica e documental sobre o tema. O trabalho identifica uma diversidade de repertórios de ação dos movimentos em foco e de sua interação com o Estado, na linha propositiva e dialógica, bem como na linha de resistência e ativismo, incidindo na proposição, para o poder público, de pautas e agendas centrais do feminismo negro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
SILVA, M.; BRONZO, C.; BRASIL, F. Movimento feminista e interseccionalidade: Repertórios de ação e de interação com o Estado. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, São Paulo, v. 29, p. e85812 , 2023. DOI: 10.12660/cgpc.v29.85812. Disponível em: https://periodicos.fgv.br/cgpc/article/view/85812. Acesso em: 16 abr. 2024.
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Carla Bronzo, Fundação João Pinheiro, Programa de Mestrado em Administração Pública, Belo Horizonte, MG, Brasil

PhD in Sociology and Politics from the Federal University of Minas Gerais, Brazil (2005) researcher and professor at the João Pinheiro Foundation, Brazil

 

Flávia de Paula Duque Brasil, Fundação João Pinheiro, Programa de Mestrado em Administração Pública, Belo Horizonte, MG, Brasil

PhD in Sociology from the Federal University of Minas Gerais Professor at the School of Government/Fundação João Pinheiro

Referências

Abers, R. N., Serafim, L. & Tatagiba, L. (2014). Repertórios de Interação Estado-Sociedade em um Estado Heterogêneo: A Experiência na Era Lula. Revista de Ciências Sociais, 57(2) 325-357. https://doi.org/10.1590/0011-5258201411

Abers, R. N., Silva, M. K., & Tatagiba, L. (2018). Movimentos sociais e políticas públicas: repensando atores e oportunidades políticas Lua Nova, 105, 15-46. https://www.scielo.br/j/ln/a/7Z3vLtvbrTykKtSfx39QSXs/?lang=pt&format=pdf

Abers, R. (2021). Ativismo institucional: criatividade e luta na burocracia brasileira. Editora Universidade de Brasília.

Acosta, A. (2016). O bem viver: uma oportunidade para imaginar outros mundos. Tradução: Breda Trad. Autonomia Literária, Elefante. https://rosalux.org.br/wp-content/uploads/2017/06/Bemviver.pdf

Akotirene, C. (2019). Interseccionalidade. Pólen.

Alencar, J., Cruxên, I., Fonseca, I., Pires, R., & Ribeiro, U. (2013). Participação social e desigualdades nos conselhos nacionais. Sociologias, 15(32), 112-146. https://doi.org/10.1590/S1517-45222013000100006

Alonso, A. (2009). As teorias dos movimentos sociais: um balanço do debate. Lua Nova, 76, 49-86. https://www.scielo.br/j/ln/a/HNDFYgPPP8sWZfPRqnWFXXz/?format=pdf&lang=pt

Alonso, A. (2012). Repertório, segundo Charles Tilly: História de um conceito. Sociologia & Antropologia, 2(3), 21-41. https://www.scielo.br/j/sant/a/vfhGhRrJCdbfGvvV3GG9wDJ/?lang=pt#

Articulação das Mulheres Negras Brasileiras (2020). Manifesto de cinco anos da Marcha das Mulheres Negras: pela ocupação, tomada de posse, destruição das estruturas racistas e sexistas e pelo Bem Viver! https://amnb.org.br/5-anos-da-marcha-das-mulheres-negras-a-construcao-de-um-novo-pacto-civilizatorio/

Avritzer, L., Kerche, F., & Marona, M. (2021). Governo Bolsonaro: retrocesso democrático e degradação política. Autêntica.

Bairros, L. (1995). Nossos Feminismos Revisitados. Revista Estudos Feministas, 3(2) 458-463. https://doi.org/10.1590/%25x

Bezerra, C. P. (2014). Do poder popular ao modo petista de governar: mudanças no significado da participação para o Partido dos Trabalhadores (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo. http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8131/tde-06102014-105726

Bezerra, C. P. (2020). Ideologia e governabilidade: as políticas participativas nos governos do PT [Tese de Doutorado]. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. https://doi.org/10.11606/T.8.2020.tde-05112020-200447

Carlos, E. (2020). Movimentos sociais e instituições participativas: efeitos do engajamento institucional no contexto pós-transição. Fino Traço.

Carneiro, S. (2019a). Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. In Hollanda, H. B. (ed.). Pensamento feminista: conceitos fundamentais (pp. 323-333). Bazar do Tempo.

Carneiro, S. (2019b). Mulheres em movimento: contribuições do feminismo negro. In Hollanda, H. B. (ed.). Pensamento feminista brasileiro: formação e contexto (3ª ed., pp. 217-289). Bazar do Tempo.

Collins, P. H., & Bilge, S. (2021). Interseccionalidade. Tradução: Rane Souza. Boitempo.

Crenshaw, K. (2002). Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, 10(1). http://www.scielo.br/pdf/ref/v10n1/11636.pdf

Diani, M., & Bison, I. (2012). Organizações, coalizões e movimentos. Revista Brasileira de Ciência Política, (3), 219-250. https://periodicos.unb.br/index.php/rbcp/article/view/1681

Domingues, P. (2007). Movimento Negro Brasileiro: alguns apontamentos históricos. Tempo, 12(23), 100-122. https://doi.org/10.1590/S1413-77042007000200007

Geledés (2015). Carta das Mulheres Negras. https://www.geledes.org.br/cartadasmulheresnegras2015/2015/.

Gitirana, J. H. S., & Kreuz, L. R. C. (2020). Ministras de Estado: uma análise prosopográfica das mulheres nos cargos máximos da República de 1985 a 2019. Revista da Faculdade de Direito, 43, 245-266. https://www.seer.ufrgs.br/revfacdir/article/view/94386/58246

Gohn, M. G. (2014). Novas Teorias dos Movimentos Sociais (5ª ed.). Loyola.

Gomide et al.(2023 ) Desmonte e reconfiguração de políticas públicas (2016/2022). IPEA/PPED.

Gonzalez, L. (2020a). Mulher negra. In Rios, F., & Lima, M. (eds.). Por um feminismo afrolatinoamericano (pp. 75-93). Zahar.

Gonzalez, L. (2020b). Racismo e sexismo na cultura brasileira. In Rios, F., & Lima, M. (eds). Por um feminismo afrolatinoamericano (pp. 94-111). Zahar.

Lemos, R. O. (2016). Do Estatuto da Igualdade Racial à Marcha das Mulheres Negras 2015: uma análise das feministas negras brasileiras sobre políticas públicas (Tese de Doutorado). Escola de Serviço Social da Universidade Federal Fluminense.

Libardoni, M. (2000). Fundamentos teóricos e visão estratégica da advocacy. Revista Estudos Feministas, 8(2). https://doi.org/10.1590/%25x

Malachias, R. (2017). A interface comunicação, educação e advocacy nas práticas dos movimentos negros no Brasil. Revista do Programa de Pós-Graduação em Humanidades, Culturas e Artes, 1(15), 364-382. http://publicacoes.unigranrio.edu.br/index.php/magistro/article/view/4534

Melo, H. P., Thomé, D. (2019). Mulheres e Poder: Histórias, Idéias e Indicadores. FGV Editora.

Monagreda, J. K. (2018). Mulheres negras na institucionalização de políticas contra o racismo e o sexismo: trajetórias e desafios de uma agenda em aberto. In Matos, M., & Alvarez, S. (eds.). Quem são as mulheres das políticas para as mulheres: expressões feministas nas Conferências Nacionais de Políticas para as Mulheres (v. 2, pp. 171-211). Zouk.

Paiva, B., & Souza, L. F. (2021). Interseccionalidade e movimento feminista: uma análise entre os conceitos de gênero, raça e classe. Revista Ilustração, 2(1), 15-27. https://doi.org/10.46550/ilustracao.v2i1.47

Piscitelli, A. (2008). Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Sociedade e Cultura, 11(2). https://doi.org/10.5216/sec.v11i2.5247

Ribeiro, M. (1995). Mulheres Negras Brasileiras de Bertioga a Beijing. Revista Estudos Feministas, 3(2), 446 https://doi.org/10.1590/%25x

Ribeiro, P. F., & Cirino, S. M. (2018). Análise crítica das cotas eleitorais de gênero para o alcance da paridade participativa de mulheres negras na política institucional. Anais do V Simpósio Gênero e Políticas Públicas, Londrina. http://anais.uel.br/portal/index.php/SGPP/article/view/1126

Rios, F., Perez, O., & Ricoldi, A. (2018). Interseccionalidade nas mobilizações do Brasil contemporâneo. Lutas Sociais, 22(40), 36-51. https://doi.org/10.23925/ls.v22i40.46648

Rodrigues, C., & Freitas, V. G. (2021). Ativismo Feminista Negro no Brasil: do movimento de mulheres negras ao feminismo interseccional. Revista Brasileira de Ciência Política, 34, 1-54. https://www.scielo.br/j/rbcpol/a/NFdhTdVVLSRPHzdDzVpBYMq/?lang=pt

Rodrigues, C., & Prado, M. A. M. (2010). Movimento de mulheres negras: Trajetória política, práticas mobilizatórias e articulações com o Estado brasileiro. Revista Psicologia & Sociedade, 22(3), 445-456. https://www.scielo.br/j/psoc/a/GYt9tjpSqnHgy6tV7JF8D6c/?lang=pt

Sarti, C. A. (2004). O feminismo brasileiro desde os anos 1970: revisitando uma trajetória. Estudos Feministas, 12(2), 264. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2004000200003

Serafim, L. (2019). Sobre resistências, medo e esperança: os desafios para os movimentos sociais em tempos de crise da democracia. Argumentum, 11(1), 33-41. https://doi.org/10.18315/argumentum.v11i1.24324

Silva, A. F. L. (2019). “Marielle virou semente”: representatividade e os novos modos de interação política da mulher negra nos espaços institucionais de poder. Revista Sociologias Plurais, 5(1), 52-75. http://dx.doi.org/10.5380/sclplr.v5i1.68214

Silva, A. L., & Priori, A. (2021). História política, movimento negro e feminismo negro: “#Marielle Semente”, as mulheres negras na política. Revista de Ciências Humanas e Sociais. https://revistas.ufob.edu.br/index.php/revistasul-sul/article/view/836/1039

Silva, T. L. N. (2018). Participação social: a necessidade de uma perspectiva interseccional. https://www.geledes.org.br/participacao-social-necessidade-de-uma-perspectiva-interseccional/

Teles, M. A. A. (2017). Breve história do feminismo no Brasil e outros ensaios. Alameda.

Zimmermann, C. R., & Cruz, D. U. (eds.). (2022). Políticas sociais no Governo Bolsonaro: entre descasos, retrocessos e desmontes. CLACSO; Pinaúna.