A atuação dos tribunais de contas estaduais na definição dos gastos educacionais: Entre a mudança institucional e a produção de desigualdades regulatórias

Conteúdo do artigo principal

Gabriel Santana Machado
https://orcid.org/0000-0003-0997-6360
Ursula Dias Peres
https://orcid.org/0000-0002-7853-0576

Resumo

As previsões federais de vinculação de recursos para Manutenção e Desenvolvimento do Ensino (MDE) na Constituição Federal e a sua tipificação na Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) levaram à redução das desigualdades educacionais entre os entes federativos, contudo, os Tribunais de Contas podem produzir posicionamentos sobre as despesas com MDE que alteram normas federais. Os objetivos deste artigo são identificar o posicionamento dos tribunais acerca da definição dessas despesas, verificar se estas alteram as previsões da norma federal e identificar a natureza da mudança institucional que realizam, assim como as implicações para as desigualdades na regulamentação do financiamento da educação. Para isso, foram analisados os instrumentos normativos dos tribunais. Os resultados demonstram que os tribunais podem criar tipificações das normas federais sem suprimi-las, produzindo mudanças institucionais do tipo layering. Essas mudanças ampliam as desigualdades regulatórias do financiamento da educação, na medida em que cada governo estadual passa a dispor de novos parâmetros de gastos com MDE.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
MACHADO, G. S.; DIAS PERES, U. A atuação dos tribunais de contas estaduais na definição dos gastos educacionais: Entre a mudança institucional e a produção de desigualdades regulatórias. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, São Paulo, v. 28, p. e86179, 2023. DOI: 10.12660/cgpc.v28.86179. Disponível em: https://periodicos.fgv.br/cgpc/article/view/86179. Acesso em: 20 maio. 2024.
Seção
Artigos

Referências

Almeida Fernandes, G. A., & Teixeira, M. A. C. (2020). Accountability ou Prestação de Contas, CGU ou Tribunais de Contas: o exame de diferentes visões sobre a atuação dos órgãos de controle nos municípios brasileiros. BASE: Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 17(3), 456-482. https://doi.org/10.4013/base.2020.173.04 DOI: https://doi.org/10.4013/base.2020.173.04

Arretche, M. (2010). Federalismo e igualdade territorial: Uma contradição em termos? Dados, 53(3), 587-620. https://doi.org/10.1590/S0011-52582010000300003 DOI: https://doi.org/10.1590/S0011-52582010000300003

Arretche, M. (2012). Democracia, federalismo e centralização no Brasil. Editora Fiocruz e Editora FGV. DOI: https://doi.org/10.7476/9788575415665

Bichir, R. (2018). Governança multinível. Boletim de Análise Político-Institucional, 19, 49-55. Recuperado de https://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/8969/1/bapi_19_cap_07.pdf

Clune, W. H. (1987). Institutional choice as a theoretical framework for research on educational policy. Educational Evaluation and Policy Analysis, 9(2), 117-132. https://doi.org/10.2307/1163725 DOI: https://doi.org/10.3102/01623737009002117

Constituição Federal, de 05 de outubro de 1988. (1988). Constituição Federal da República Federativa do Brasil. Brasília, DF. Recuperado de https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

Da Rocha, D. G., Zuccolotto, R., & Teixeira, M. A. C. (2020). Insulated and undemocratic: the (im)possibility of social accountability in Brazilian courts of accounts. Revista de Administração Pública, 54(2), 201-219. https://doi.org/10.1590/0034-761220190294x DOI: https://doi.org/10.1590/0034-761220190294x

Davies, N. (2006). Os tribunais de contas de São Paulo e sua avaliação dos gastos governamentais em educação. EccoS – Revista Científica, 8(1), 173-192. https://doi.org/10.5585/eccos.v8i1.464 DOI: https://doi.org/10.5585/eccos.v8i1.464

Davies, N. (2009). O tribunal de contas da Paraíba e a verificação da aplicação dos recursos vinculados à educação. Raízes: Revista de Ciências Sociais e Econômicas, 27(1), 129-136. https://doi.org/10.37370/raizes.2008.v27.293 DOI: https://doi.org/10.37370/raizes.2008.v27.293

Davies, N. (2010a). A fiscalização pelos Tribunais de Contas de Goiás das receitas e despesas vinculadas à educação. Revista Inter. Ação, 35(2), 437-460. https://doi.org/10.5216/ia.v35i2.13123 DOI: https://doi.org/10.5216/ia.v35i2.12676

Davies, N. (2010b). Os procedimentos adotados pelo Tribunal de Contas do Piauí para a verificação das receitas e despesas vinculadas à educação. Educação e Sociedade, 31(110), 93-111. https://doi.org/10.1590/S0101-73302010000100006 DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302010000100006

Davies, N. (2010c). Os procedimentos adotados pelos Tribunais de Contas da Bahia para a verificação das receitas e despesas vinculadas à educação. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas Em Educação, 18(66), 139–156. https://doi.org/10.1590/s0104-40362010000100008 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-40362010000100008

Davies, N. (2011). A frágil confiabilidade do tribunal de contas de Santa Catarina na fiscalização dos recursos da educação: governo estadual deixou de aplicar mais de R$ 2,1 bilhões em educação de 1998 a 2008 mas TC aprovou as contas estaduais. Perspectiva, 29(1), 193-226. https://doi.org/10.5007/2175-795x.2011v29n1p193 DOI: https://doi.org/10.5007/2175-795X.2011v29n1p193

Davies, N. (2012). Os Tribunais de Contas do Acre, Amapá, Amazonas, Rondônia, Roraima e Tocantins e seus procedimentos de contabilização da receita e despesa em educação. Revista HISTEDBR On-Line, 12(45), 200-222. https://doi.org/10.20396/rho.v12i45.8640145 DOI: https://doi.org/10.20396/rho.v12i45.8640145

Davies, N. (2013). A fiscalização das receitas e despesas do ensino em minas gerais. Cadernos de Pesquisa, 43(149), 518-541. https://doi.org/10.1590/S0100-15742013000200008 DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-15742013000200008

Davies, N. (2015). A fiscalização das contas da educação pelos Tribunais de Contas do Ceará. Revista de Educação Pública, 24(55), 153-175. Recuperado de https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/educacaopublica/article/view/1569

Fernandes, G. A. A. L., Fernandes, I. F. L. A., & Teixeira, M. C. (2018). Estrutura de funcionamento e mecanismos de interação social nos tribunais de contas estaduais. Revista do Serviço Público, 69, 123-150. https://doi.org/10.21874/rsp.v69i0.3585 DOI: https://doi.org/10.21874/rsp.v69i0.3585

Hall, P. A., & Taylor, R. C. R. (2003). As três versões do neo-institucionalismo. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, (58), 193-223. https://doi.org/10.1590/S0102-64452003000100010 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-64452003000100010

Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF. Recuperado de https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

Mahoney, J., & Thelen, K. (2009). A theory of gradual institutional change. In J. Mahoney & K. Thelen (Eds.), Explaining institutional change: ambiguity, agency, and power (pp. 1-37). Cambridge: Cambridge University Press. https://doi.org/10.1017/CBO9780511806414.003 DOI: https://doi.org/10.1017/CBO9780511806414

Peres, U. D., & Machado, G. S. (2020). Quando dissenso cria desigualdade: a ação dos Tribunais de Contas no gasto em educação. Nexo Políticas Públicas. Recuperado de https://pp.nexojornal.com.br/opiniao/2020/Quando-dissenso-cria-desigualdade-a-ação-dos-Tribunais-de-Contas-no-gasto-em-educação

Peres, U. D., Capuchinho, C. B., Tibúrcio, R. M. L. (2021). Efeitos da complementação da União no Fundeb na desigualdade interestadual de receitas da educação básica: uma análise de 2009 a 2020. Anais do 45º Encontro Anual da Anpocs.

Peres, U. D., Pereira, L. S., & Capuchinho, C. (2021). Comparação das despesas estaduais por etapa de ensino e os desafios para avançar no novo Fundeb. Boletim de Análise Político-Institucional, 5. DOI: https://doi.org/10.38116/bapi30art5

Souza, F. A. (2019). Inativos da educação: despesa da educação? Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, 35(3), 1018. https://doi.org/10.21573/vol35n32019.95884 DOI: https://doi.org/10.21573/vol35n32019.95884

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais (TCEMG). (2003). Aviso 01/2003. Recuperado de https://tclegis.tce.mg.gov.br/Home/Detalhe/978805

Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais (TCEMG). (2008). Instrução Normativa 13/2008. Recuperado de: https://tclegis.tce.mg.gov.br/Home/Detalhe/978166

Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco (TCEPE). (2011). Resolução nº 05/2011. Dispõe sobre despesas que não constituem manutenção e desenvolvimento do ensino para fins do artigo 212 da Constituição Federal e dá outras providências.

Tribunal de Contas do Estado de Rondônia (TCERO). (2007). Instrução Normativa nº 22/2007. Dispõe sobre as informações e documentos a serem encaminhados pelos gestores estaduais e municipais responsáveis pelas áreas de Educação e Saúde, e dá outras providências.

Tribunal de Contas do Estado de Roraima (TCERR). (2014). Instrução Normativa nº 02/2014. Recuperado de https://www2.tce.rr.leg.br/arquivos/2014/06/a7b023c1f36f78c2085a2755b1281c69.pf

Tribunal de Contas do Estado de Sergipe (TCESE). (2007). Resolução nº 243/2007. Recuperado de http://antigo.tce.se.gov.br/sgw/resolucao.ler.php?r=243/2007

Tribunal de Contas do Estado do Amapá (TCEAP). (2000). Resolução Normativa nº 102/2000. Recuperado de https://www.tce.ap.gov.br/uploads/resolucao/Resolucao_Normativa_102_2000.pdfTribunal de Contas do Estado do Espírito Santo (TCEES). (2012). Resolução nº 238/2012. Institui novos mecanismos adequados à fiscalização quanto ao pleno cumprimento do disposto no artigo 212 da Constituição Federal e art. 60 do seu ADCT, bem como nos artigos 26, inciso II, e 27 da Lei Federal nº 11.494/07

Tribunal de Contas do Estado do Maranhão (TCEMA). (2007). Instrução Normativa nº 14/2007. Dispõe sobre a fiscalização dos recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (FUNDEB) e dos demais recursos destinados ao ensino, nos âmbitos estadual e municipal, e dá outras providências.

Tribunal de Contas do Estado do Mato Grosso (TCEMT). (s.d.). Súmula 16. Recuperado de https://www.tce.mt.gov.br/conteudo/download/sumula-no-16-processo-no-2193042016/75750

Tribunal de Contas do Estado do Pará (TCEPA). Resolução nº 17.977. Recuperado de http://www.tce.pa.gov.br/busca/Forms/FileViewResolucao.aspx?NumeroResolucao=7

Tribunal de Contas do Estado do Pernambuco (TCEPE). (2001). Resolução T.C. nº 0005/2011. Dispõe sobre despesas que não constituem manutenção e desenvolvimento do ensino para fins do artigo 212 da Constituição Federal e dá outras providências. Recuperado de https://atosoficiais.com.br/tcepe/resolucao-n-5-2001-dispoe-sobre-despesas-que-nao-constituem-manutencao-e-desenvolvimento-do-ensino-para-fins-do-artigo-212-da-constituicao-federal-e-da-outras-providencias-2021-07-19-versao-compilada?origin=instituicao

Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul (TCERS). (2019). Instrução Normativa nº 02/2019. Recuperado de https://atosoficiais.com.br/tcers/instrucao-normativa-n-2-2019-altera-os-anexos-i-a-v-da-instrucao-normativa-no-4-de-23-de-maio-de-2018-que-dispoe-sobre-as-condicoes-necessarias-a-emissao-e-a-disponibilizacao-das-certidoes-de-que-trata-a-resolucao-no-1089-de-25-de-abril-de-2018?origin=instituicao&q=02