Soluções para problemas públicos em juízo: Uma prática interdisciplinar entre Campo de Públicas e Direito

Conteúdo do artigo principal

Raquel Maria da Costa Silveira
https://orcid.org/0000-0003-4560-1451
Gisele Maria da Silva Araújo Leite
Flávio Cavalcanti
https://orcid.org/0000-0002-7461-3139
Maísa de Oliveira Meira
https://orcid.org/0000-0002-3358-2399
Márcio Vinícius do Nascimento Inácio
https://orcid.org/0000-0003-0938-5923

Resumo

O presente artigo objetiva refletir sobre a experiência do Projeto de Extensão Construindo Soluções Colaborativas para Questões Públicas Judicializadas, tomando-a como base para destacar a potencialidade do Campo de Públicas no debate sobre conflitos públicos judicializados. Para tanto, fundamentou-se em pesquisas bibliográfica e documental. Além disso, foram coletadas informações sobre a percepção dos discentes participantes por meio de entrevistas, gerando resultados relativos aos aprendizados construídos e proporcionados pela participação nessa extensão, como também por aqueles próprios do Bacharelado em Gestão de Políticas Públicas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte e do Projeto, como atividade extensionista, na motivação para a busca de novas aprendizagens. Ao final, foram destacadas as potencialidades da iniciativa na participação de mediações para conflitos públicos judicializados e, igualmente, no fortalecimento do elo entre saberes e o ensino, a pesquisa e a extensão. Demonstrou-se que o Projeto vem gerando frutos concretos, ampliando a abertura ao diálogo entre diversas instituições.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
SILVEIRA, R. M. da C.; LEITE, G. M. da S. A.; CAVALCANTI, F.; MEIRA, M. de O.; INÁCIO, M. V. do N. Soluções para problemas públicos em juízo: Uma prática interdisciplinar entre Campo de Públicas e Direito. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, São Paulo, v. 28, p. e86370, 2023. DOI: 10.12660/cgpc.v28.86370. Disponível em: https://periodicos.fgv.br/cgpc/article/view/86370. Acesso em: 19 abr. 2024.
Seção
Fórum: Campo de Públicas no Brasil: avanços e perspectivas no ensino, na pesquisa e na extensão

Referências

Arend, C. A., Nemecek, C. A., & Frantz, A. (2016). Conflitos sociojurídicos: uma análise do projeto de extensão em mediação na Defensoria Pública de Santa Cruz do Sul, RS. Em T. Spengler Neto & F. M. Spengler (org.). As múltiplas portas do conflito e as políticas públicas para o seu tratamento (pp. 143-166). Multideia. https://www.cnj.jus.br/wp-content/uploads/2018/09/4829c262c13a2303bca51a3712d8b001.pdf

Bacellar, R. P. (2003). Juizados Especiais: a nova mediação paraprocessual. São Paulo: RT, 2003

Brasil (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

Brasil (2008). Decreto nº 6.495, de 30 de junho de 2008. Institui o Programa de Extensão Universitária – ProExt. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/decreto/d6495.htm

Brasil (2015a). Lei nº 13.105, de 16 de março de 2015. Código de Processo Civil. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13105.htm

Brasil (2015b). Lei nº 13.140, de 26 de junho de 2015. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13140.htm

Brunet, E. (2019). Sobre a abordagem Direito e Políticas Públicas (Dpp) em um curso de graduação em Direito: contribuição crítica para a construção de um programa. Revista Estudos Institucionais, 5(3), 878-903. https://doi.org/10.21783/rei.v5i3.433 DOI: https://doi.org/10.21783/rei.v5i3.433

Carta de Brasília (2013). IX Fórum de Coordenadores e Professores do Campo de Públicas. https://campodepublicas.files.wordpress.com/2013/04/carta-de-brasc3adlia-abril-de-2013-1.pdf

Carvalho, F., & Síveres, L. (2013). A dinâmica motivacional no processo de aprendizagem na extensão universitária. Em L. Síveres (org.). A extensão universitária como um princípio de aprendizagem (pp. 37-60). Líber Livro.

Coelho, F. de S., Almeida, L. de S. B., Midlej, S., Schommer, P. C., & Teixeira, M. A. C. (2020). O campo de públicas após a instituição das diretrizes curriculares nacionais (DCNs) de administração pública: trajetória e desafios correntes (2015-2020). Administração: Ensino e Pesquisa, 21(3), 488-529. https://doi.org/10.13058/raep.2020.v21n3.1897 DOI: https://doi.org/10.13058/raep.2020.v21n3.1897

Conselho da Justiça Federal (CJF). (2015). Manual de governança da Justiça Federal. https://www.cjf.jus.br/observatorio/arq/ManualGovJF.pdf

Conselho da Justiça Federal (CJF) (2016). Resolução nº CJF-RES-2016/00398, de 4 de maio de 2016. Dispõe sobre a Política Judiciário de solução consensual dos conflitos de interesses no âmbito da Justiça Federal dá outras providências. https://www.trf3.jus.br/documentos/gabco/resolucao_398-CJF.pdf

Conselho Nacional de Educação (CNE). (2014). Resolução nº 1, de 13 de janeiro de 2014. http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=14957-rces001-14&category_slug=janeiro-2014-pdf&Itemid=30192

Conselho Nacional de Justiça (CNJ). (2010). Resolução nº 125, de 29 de novembro de 2010. https://www.cnj.jus.br/wp-content/uploads/2014/04/resolucao_125_29112010_23042014190818.pdf

Costa, A., Baiotto, C., & Garces, S. (2013). Aprendizagem: o olhar da extensão. Em L. Síveres (org.). A extensão universitária como um princípio de aprendizagem (pp. 61-80). Líber Livro.

Costa, T. N. G. (2018). Mediação de conflitos e jurisdição compartilhada: caminho para uma justiça democrática, participativa e emancipatória. Lumen Juris.

Coutinho, D. R. (2013). O direito nas políticas públicas. Em E. Marques, & C. A. P. de Faria (orgs.). A política pública como campo multidisciplinar (pp. 181-200). Editora Unesp; Editora Fiocruz. DOI: https://doi.org/10.7476/9786557080825.0009

Cristofoletti, E. C., & Serafim, M. P. (2020). Dimensões metodológicas e analíticas da extensão universitária. Educação & Realidade, 45(1), e90670. https://doi.org/10.1590/2175-623690670 DOI: https://doi.org/10.1590/2175-623690670

Dias, R., & Matos, F. (2019). Políticas públicas: princípios, propósitos e processos. Atlas.

Didier Junior, F., Zaneti Junior, H., & Oliveira, R. A. de. (2020). Elementos para uma teoria do processo estrutural aplicada ao processo civil brasileiro. Revista do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, (75), 101-136. http://www.mprj.mp.br/documents/20184/1606558/Fredie_Didier_jr_%26_Hermes_Zaneti_Jr_%26_Rafael_Alexandria_de_Oliveira.pdf

I Encontro de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicas Brasileiras (1987). Conceito de extensão, institucionalização e financiamento. Universidade de Brasília. https://www.ufmg.br/proex/renex/images/documentos/1987-I-Encontro-Nacional-do-FORPROEX.pdf?msclkid=6bd53f9ccf9911ecb926ed95547a248b

Farah, M. (2013). A contribuição da Administração Pública para a constituição do campo de estudos de políticas públicas. Em M. Marques & C. Faria (orgs.). A política pública como campo multidisciplinar (pp. 91-126). Editora Unesp; Editora Fiocruz. DOI: https://doi.org/10.7476/9786557080825.0006

Faria, C. A. P. (2013). A multidisciplinaridade no estudo das políticas públicas. Em M. Marques & C. Faria (orgs.). A política pública como campo multidisciplinar (pp. 11-22). Editora Unesp; Editora Fiocruz. DOI: https://doi.org/10.7476/9786557080825.0002

Fernandes, M. C., Silva, L. M. S. da, Machado, A. L. G., & Moreira, T. M. M. (2012). Universidade e a extensão universitária: a visão dos moradores das comunidades circunvizinhas. Educação em Revista, 28(4), 169-194. https://doi.org/10.1590/S0102-46982012000400007 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-46982012000400007

Frigotto, G (2008). A interdisciplinaridade como necessidade e como problema nas ciências sociais. Ideação, 10(1), 41-62. https://e-revista.unioeste.br/index.php/ideacao/article/view/4143/3188

Gimenez, C. P. C., Spengler, F. M., & Brunet, K. S. (2015). O papel do terceiro e as interrrogações do conflito social. Essere nel Mondo. https://www.esserenelmondo.com/pt/direito-o-papel-do-terceiro-e-as-interrogaCOes-do-conflito-social-ebook68.php

Incrocci, L. M. & Andrade, T. (2018). O fortalecimento da extensão no campo científico: uma análise dos editais ProExt/MEC. Sociedade e Estado, 33(1), 187-212. https://doi.org/10.1590/s0102-699220183301008 DOI: https://doi.org/10.1590/s0102-699220183301008

Japiassu, H. (1994). A questão da interdisciplinaridade (mimeo.). Seminário Internacional de Reestruturação Curricular. Secretaria Municipal de Educação. http://smeduquedecaxias.rj.gov.br/nead/Biblioteca/Formação%20Continuada/Artigos%20Diversos/interdisciplinaridade-japiassu.pdf

Rodrigues, M. I., Almeida, L., & Silveira, R. (2020). Ensino, pesquisa e extensão no campo de públicas: a contribuição dos cursos de Administração Pública (EG/FJP) e de Gestão de Políticas Públicas (UFRN) na identificação de uma identidade coletiva para os cursos do Campo de Públicas. Em L. Almeida, M. I. Rodrigues, R. Silveira, & C. Melo (orgs.). Contribuições do campo de públicas: um olhar sobre a democracia no século XXI e os desafios para a gestão pública (pp. 76-100). Fundação João Pinheiro. http://novosite.fjp.mg.gov.br/wp-content/uploads/2020/09/23.10_Contribuicoes-do-Campo-de-Publicas.pdf

Sales, L. M. de M. (2003). Justiça e mediação de conflitos. Belo Horizonte: Del Rey

Schulze, C. J. (2015). A judicialização é o remédio para a saúde? Empório do Direito. https://emporiododireito.com.br/leitura/a-judicializacao-e-o-remedio-para-a-saude-por-clenio-jair-schulze

Silveira, R. M. da C.; Clementino, M. do L. M.; Almeida, L. de S. B. (2020). Governança judicial: uma análise dos desafios para a prestação do serviço jurisdicional. Revista do Serviço Público, (71), 315-344. https://doi.org/10.21874/rsp.v71ic.4569 DOI: https://doi.org/10.21874/rsp.v71ic.4569

Síveres, L. (2013). O princípio da aprendizagem na extensão universitária. Em L. Síveres (org.). A extensão universitária como um princípio de aprendizagem (pp. 19-36). Líber Livro.

Spengler, F. M. (2016). Mediação de conflitos: da teoria à prática. Livraria do Advogado.

Theodoro Júnior, H., Nunes, D., Bahia, A. M. F., & Pedron, F. (2015). Novo Código de Processo Civil: fundamentos e sistematização. 2. ed. Forense.

Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5). (2016). Resolução nº 8, de 19 de maio de 2016. Dispõe sobre os Centros Judiciários de Solução Consensual de Conflitos e Cidadania (Centros de Conciliação) no âmbito das seções judiciárias da 5ª Região. https://arquivos.trf5.jus.br/TRF5/Legislacao%20Resolucoes/2016/06/29/20160629RESOLUCAON082016.PDF