Inserção de economistas no Campo de Públicas no Brasil: Trajetória acadêmica, ensino e pesquisa

Conteúdo do artigo principal

Agnaldo Valentin
https://orcid.org/0000-0001-7930-0249
André Gal Mountian
https://orcid.org/0000-0002-8554-9873
João Guilherme Rocha Machado
https://orcid.org/0000-0001-9627-9680

Resumo

O Campo de Públicas no Brasil tem caráter multidisciplinar e potencialmente interdisciplinar. A economia é citada como um de seus componentes, ao lado da administração pública, da ciência política e de outras áreas do conhecimento. O objetivo deste artigo é compreender a inserção de economistas no Campo de Públicas no Brasil. Para tanto, foi realizado um levantamento exaustivo da trajetória acadêmica de docentes economistas que atuam no campo, das disciplinas de Economia nas grades curriculares e dos artigos publicados em revistas classificadas no Qualis da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e em anais de congressos. Os resultados indicam que economistas têm participação relevante nas instituições de ensino superior e em nível superior ao mínimo necessário para o ensino das disciplinas de Economia. Além disso, o levantamento permitiu identificar que economistas com formação interdisciplinar possuem maior inserção no Campo de Públicas do que economistas com formação disciplinar, na medida em que publicam seus artigos em revistas e congressos com centralidade em políticas públicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
VALENTIN, A.; MOUNTIAN, A. G.; ROCHA MACHADO, J. G. Inserção de economistas no Campo de Públicas no Brasil: Trajetória acadêmica, ensino e pesquisa. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, São Paulo, v. 28, p. e86801, 2023. DOI: 10.12660/cgpc.v28.86801. Disponível em: https://periodicos.fgv.br/cgpc/article/view/86801. Acesso em: 14 abr. 2024.
Seção
Fórum: Campo de Públicas no Brasil: avanços e perspectivas no ensino, na pesquisa e na extensão

Referências

Amado, A. M., & Mollo, M. de L. R. (2004). Ortodoxia e heterodoxia na discussão sobre integração regional: a origem do pensamento da CEPAL e seus desenvolvimentos posteriores. Estudos Econômicos, 34(1), 129-156. https://doi.org/10.1590/s0101-41612004000100005 DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-41612004000100005

Bento Almeida, L. D. S., Rodrigues, M. I. A., & Silveira, R. M. D. C. (2018). Ensino no Campo de Públicas: o caso dos cursos da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e da Escola de Governo da Fundação João Pinheiro (EG/FJP). NAU Social, 9(17), 103-117. https://doi.org/10.9771/ns.v9i17.31441 DOI: https://doi.org/10.9771/ns.v9i17.31441

Brasil (2014). Ministério da Educação. Resolução nº 1, de 13 de janeiro de 2014. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Administração Pública, bacharelado, e dá outras providências. Brasil: Ministério da Educação.

Brasil, F. G., & Capella, A. C. N. (2016). Os estudos das políticas públicas no Brasil: passado, presente e caminhos futuros da pesquisa sobre análise de políticas. Revista Política Hoje, 25(1), 71-90. https://periodicos.ufpe.br/revistas/politicahoje/article/view/3710 DOI: https://doi.org/10.18829/rp3.v1i1.15903

Capella, A. C. N., Soares, A. G., & Brasil, F. G. (2014). Pesquisa em políticas públicas no Brasil: um mapeamento da aplicação de modelos internacionais recentes na literatura nacional. Associação Brasileira de Ciência Política. https://www.academia.edu/18235309/Pesquisa_em_Pol%C3%ADticas_P%C3%BAblicas_no_Brasil_Um_mapeamento_da_aplica%C3%A7%C3%A3o_de_modelos_internacionais_recentes_na_literatura_nacional

Coelho, F. de S. (2019). História do ensino de administração pública no Brasil (1854-2006): antecedentes, ciclos e a emergência do Campo de Públicas. Enap.

Coelho, F. de S., Almeida, L. de S. B., Midlej, S., Schommer, P. C., & Teixeira, M. A. C. (2020). O Campo de Públicas após a instituição das diretrizes curriculares nacionais (DCNs) de administração pública: trajetória e desafios correntes (2015-2020). Administração: Ensino e Pesquisa, 21(3), 488-529. https://doi.org/10.13058/raep.2020.v21n3.1897 DOI: https://doi.org/10.13058/raep.2020.v21n3.1897

Etulain, C. R., Serafim, M. P., & Horochovski, R. R. (2018). O desafio do Campo de Públicas frente ao contexto de crise do Estado brasileiro. NAU Social, 9(17), 46-58. https://doi.org/10.9771/ns.v9i17.31444 DOI: https://doi.org/10.9771/ns.v9i17.31444

Farah, M. F. S. (2016a). Análise de políticas públicas no Brasil: de uma prática não nomeada à institucionalização do “Campo de Públicas”. Revista de Administração Pública, 50(6), 959-979. https://doi.org/10.1590/0034-7612150981 DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7612150981

Farah, M. F. S. (2016b). Formação em política pública no Brasil. Das iniciativas pioneiras dos anos 60 à institucionalização do “Campo de Públicas”. Estudios Políticos, (49), 192-215. https://doi.org/10.17533/udea.espo.n49a11 DOI: https://doi.org/10.17533/udea.espo.n49a11

Farah, M. F. S. (2018). Abordagens teóricas no campo de política pública no Brasil e no exterior: do fato à complexidade. Revista do Serviço Público, 69, 53-84. https://doi.org/10.21874/rsp.v69i0.3583 DOI: https://doi.org/10.21874/rsp.v69i0.3583

Farah, M. F. S., Diniz, A. P. R., Marcondes, M. M., Youssef, L. M., & Silva, M. C. F. da. (2018). Gender and public policy: an overview of academic research in Brazil (1983- 2015). Cadernos EBAPE.BR, 18(3), 428-443. https://doi.org/10.1590/1679-395164868 DOI: https://doi.org/10.1590/1679-395164868

Federação Nacional dos Estudantes dos Cursos do Campo de Públicas (Feneap). (2010). Carta de Balneário Camboriú. Encontro Nacional dos Estudantes de Administração Pública, Balneário Camboriú. https://campodepublicas.files.wordpress.com/2012/11/acarta-de-bal_-camboriufimagostovpf.pdf

Haas, P. M. (1992). Introduction: epistemic communities and international policy coordination. International Organization, 46(1), 1-35. https://doi.org/10.1017/S0020818300001442 DOI: https://doi.org/10.1017/S0020818300001442

Hall, P. A. (1993). Policy paradigms, social learning, and the state: the case of economic policymaking in Britain. Comparative Politics, 25(3), 275-296. https://doi.org/10.2307/422246 DOI: https://doi.org/10.2307/422246

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) (2020). Resumo Técnico do Censo da Educação Superior 2018: Informação da Publicação. http://portal.inep.gov.br/informacao-da-publicacao/-/asset_publisher/6JYIsGMAMkW1/document/id/6960488

Machado, J. G. R. (2022). The recent industrial policies in Brazil and their conditionalities: a public policy perspective (tese de doutorado). São Paulo: Fundação Getulio Vargas, Escola de Administração de Empresas de São Paulo. https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/32160

Marques, E., & Faria, C. A. P. de (2018). A política pública como campo multidisciplinar. 2ª ed. Editora Unesp; Editora Fiocruz. DOI: https://doi.org/10.7476/9786557080825

Melo, M. A. (1999). Estado, governo e politicas publicas. In S. Miceli (Ed.), O que ler na ciência social brasileira (1970-1995): ciência política (v. 3, pp. 59–99). Sumaré; Anpocs/Capes.

Oliveira, V. E. de. (2016). Public health and public policies: similar but different fields. Saúde e Sociedade, 25(4), 880-894. https://doi.org/10.1590/S0104-12902016172321 DOI: https://doi.org/10.1590/s0104-12902016172321

Pires, V., Silva, S. de A. M., Fonseca, S. A., Vendramini, P., & Coelho, F. de S. (2014). Campo de Públicas no Brasil: definição, movimento constitutivo e desafios atuais. Administração Pública e Gestão Social, 6(3), 110-126. https://doi.org/10.21118/apgs.v6i3.4650 DOI: https://doi.org/10.21118/apgs.v6i3.719

Rizzi, E. G., & Bambini, G. (2019). A tarefa de ensinar direito no campo das políticas públicas: o desafio de integrar uma comunidade epistêmica interdisciplinar. Revistas de Estudos Internacionais, 5(3), 904-925. https://doi.org/10.21783/rei.v5i3.434 DOI: https://doi.org/10.21783/rei.v5i3.434

Rodrigues, M. I. A., Almeida, L. de S. B., & Silveira, R. M. da C. (2020). Ensino, pesquisa e extensão no Campo de Públicas (EG/FJP) e de gestão de políticas públicas (UFRN) na identificação de uma identidade coletiva para os cursos do Campo de Públicas. In L. de S. B. Almeida, M. I. A. Rodrigues, R. M. da C. Silveira, & C. M. O. Melo (Eds.), Contribuições do Campo de Públicas: um olhar sobre democracia no século XXI e os desafios para a gestão pública (pp. 76–100). Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro.

Santos, G. dos, Coelho, M. T. Á. D., & Fernandes, S. A. F. (2020). A produção científica sobre a interdisciplinaridade: uma revisão integrativa. Educação em Revista, 36(1), 1-29. https://doi.org/10.1590/0102-4698226532 DOI: https://doi.org/10.1590/0102-4698226532

Santos, M. S. dos. (2007). Integração e diferença em encontros disciplinares. Revista Brasileira de Ciencias Sociais, 22(65), 51-60. https://doi.org/10.1590/S0102-69092007000300005 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-69092007000300005

Souza, C. (2003). “Estado do campo” da pesquisa em políticas públicas no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 18(51), 15-20. https://doi.org/10.1590/s0102-69092003000100003 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-69092003000100003

Sudano, A. D. C. G. P., Soares, A. G., & Vergili, G. E. (2015). O debate sobre a pesquisa em políticas públicas no Brasil a partir da análise dos trabalhos apresentados na ANPOCS: evolução e desafios. XXXIX Encontro Anual da ANPOCS, 1-28. Caxambu.

Trottmann, P., Corrêa, V., Coelho, F. de S., & Sarti, F. M. (2017). A produção científica em políticas públicas no Brasil: descrição e análise de alguns resultados de uma investigação sobre a primeira década dos anos 2000. Revista de Discentes de Ciência Política da UfSCar, 1(2), 223-253. https://doi.org/10.31990/10.31990/agenda.2017.1.2 DOI: https://doi.org/10.31990/agenda.2017.2.9

Valentin, A., Machado, J. G. R., & Mountian, A. G. (2020). Políticas públicas em contextos de crise: uma análise comparada da formulação das políticas econômicas no Brasil em 2008 e 2020. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, 16(4), 19-34. https://doi.org/10.54399/rbgdr.v16i4.5976

Vendramini, P., & Almeida, L. de S. B. (2017a). Apresentação. In P. Vendramini & L. de S. B. Almeida (Eds.), Pioneirismo, renovação e desafios: experiências do Campo de Públicas no Brasil (p. 11). Udesc.

Vendramini, P., & Almeida, L. de S. B. (2017b). Pioneirismo, renovação e desafios: experiências do Campo de Públicas no Brasil. Udesc.