Campo de Públicas no Brasil: Diagnóstico exploratório realizado pela rede de pesquisado Campo de Públicas

Conteúdo do artigo principal

Carolina Andion
https://orcid.org/0000-0003-4723-3437
Fernanda Natasha Bravo Cruz
https://orcid.org/0000-0002-0614-203X
Suylan Midlej
https://orcid.org/0000-0002-9395-3657
Matheus Arcelo Fernandes Silva
https://orcid.org/0000-0001-8905-3739
Erika Caracho Ribeiro
https://orcid.org/0000-0003-4245-8688

Resumo

Este artigo apresenta o percurso da constituição da Rede de Pesquisa do Campo de Públicas no âmbito da Associação Nacional de Ensino, Pesquisa e Extensão do Campo de Públicas e também o desenho, os aprendizados e os resultados de uma primeira etapa da pesquisa de diagnóstico exploratório de cursos do Campo de Públicas no Brasil, mediante a análise das dimensões de ensino,
pesquisa, extensão, estágio e perfil de egressos em 51 projetos pedagógicos. Tem como objetivos sistematizar e apresentar essa experiência e fomentar o diálogo e o engajamento dos participantes do campo (coordenadores de curso, professores, pesquisadores, estudantes, egressos e profissionais) no esforço coletivo de compreender o campo, sua configuração e características.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
ANDION, C.; CRUZ, F. N. B.; MIDLEJ, S.; SILVA, M. . A. F.; RIBEIRO , E. C. Campo de Públicas no Brasil: Diagnóstico exploratório realizado pela rede de pesquisado Campo de Públicas. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, São Paulo, v. 28, p. e86839, 2023. DOI: 10.12660/cgpc.v28.86839. Disponível em: https://periodicos.fgv.br/cgpc/article/view/86839. Acesso em: 14 abr. 2024.
Seção
Fórum: Campo de Públicas no Brasil: avanços e perspectivas no ensino, na pesquisa e na extensão

Referências

Almeida, L. D. S. B., Rodrigues, M. I. A., & Silveira, R. M. C. (2018). Ensino no campo de públicas: o caso dos cursos da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e da Escola de Governo da Fundação João Pinheiro (EG/FJP). Revista NAU Social, 9(17), 103-117. https://doi.org/10.9771/ns.v9i17.31441 DOI: https://doi.org/10.9771/ns.v9i17.31441

Araújo, C. L. de. (2016). Campo de públicas: o papel do movimento estudantil em sua criação e fortalecimento (Monografia de Conclusão de Curso em Gestão de Políticas Públicas). Universidade de Brasília, Brasília, Brasil.

Araújo, E. T. de. (2012) (In)consistências da gestão social e seus processos de formação: um campo em construção (Tese de Doutorado em Serviço Social). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Brasil (2014). Resolução CNE/CES nº 1, de 13 de janeiro de 2014. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Administração Pública, bacharelado, e dá outras providências. http://portal.mec.gov.br/docman/janeiro-2014-pdf/14957-rces001-14

Coelho, F. S. (2019). História do ensino de administração pública no Brasil (1854-2006): antecedentes, ciclos e a emergência do campo de públicas. Brasília: Enap. http://repositorio.enap.gov.br/handle/1/4285

Coelho, F. S., Almeida, L. S. B., Midlej, S., Schommer, P. C. & Teixeira, M. A. C. (2020). O campo de públicas após a instituição das diretrizes curriculares nacionais (DCNs) de administração pública: trajetória e desafios correntes 2015-2020). Administração: Ensino e Pesquisa, 21(3), 488-529. https://doi.org/10.13058/raep.2020.v21n3.1897 DOI: https://doi.org/10.13058/raep.2020.v21n3.1897

Etulain, C. R., Serafim, M. P., & Horochovski, R. R. (2018). O desafio do campo de públicas frente ao contexto de crise do Estado brasileiro. NAU Social, 9(17), 46-58. https://doi.org/10.9771/ns.v9i17.31444 DOI: https://doi.org/10.9771/ns.v9i17.31444

Farah, M. F. S. (2018). Institucionalização do campo de administração pública no Brasil: reflexões sobre o passado e desafios do futuro. NAU Social, 9(17), 76-91. https://doi.org/10.9771/ns.v9i17.31431 DOI: https://doi.org/10.9771/ns.v9i17.31431

Filgueiras, B. S. C., & Lobato, L. V. C. (2015). O “campo de públicas” e as políticas sociais no ensino superior brasileiro: um debate acerca do papel do Estado, do desenvolvimento e da formação em/para a gestão pública. Agenda Política, 3(2), 100-130. https://doi.org/10.31990/10.31990/agenda.ano.volume.numero

Fórum de Professores e Coordenadores dos Cursos do Campo de Públicas (FP3CP) (2013). Carta de Brasília. Brasília: IX Fórum de Coordenadores e professores do campo de públicas. https://campodepublicas.files.wordpress.com/2013/04/carta-de-brasc3adlia-abril-de-2013-1.pdf

Gomes, S., Almeida, L. S., & Lucio, M. L. (2016). A new agenda for teaching public administration and public policy in Brazil: Institutional opportunities and educational reasons. Teaching Public Administration, 34(2), 159-177. https://doi.org/10.1177/014473941561566 DOI: https://doi.org/10.1177/0144739415615663

Gonçalves, S. F. C., & Oliveira, V. C. S. A. (2016). A constituição do movimento campo de públicas a partir da percepção de integrantes graduados em Administração. Administração Pública e Gestão Social, 8(4), 202-211. https://doi.org/10.21118/apgs.v8i4.4910 DOI: https://doi.org/10.21118/apgs.v1i4.1038

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) (2022). Censo da Educação Superior 2019: notas estatísticas. Brasília: Inep. www.gov.br/inep/pt-br/areas-de-atuacao/pesquisas-estatisticas-e-indicadores/censo-da-educacao-superior

Japiassu, H. (1994). A questão da interdisciplinaridade. Seminário Internacional sobre Reestruturação Curricular. Porto Alegre: Secretaria Municipal de Educação de Porto Alegre.

Keinert, T. M. (2014). O movimento “campo de públicas”: construindo uma comunidade científica dedicada ao interesse público e aos valores republicanos. Administração Pública e Gestão Social, 6(4), 169-176. https://doi.org/10.21118/apgs.v6i4.4681 DOI: https://doi.org/10.21118/apgs.v6i4.753

Lima, L. L., & Rodrigues, M. I. A. (eds.). (2017). Campo de públicas em ação: coletânea em teoria e gestão de políticas públicas. Editora da UFRGS.

Ministério da Educação (MEC) (2016). Catálogo Nacional dos Cursos Superiores de Tecnologia. Brasil: MEC. http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=98211-cncst-2016-a&category_slug=outubro-2018-pdf-1&Itemid=30192

Ministério da Educação (MEC) (2018). Resolução nº 7, de 18 de dezembro de 2018. Estabelece as Diretrizes para a Extensão na Educação Superior Brasileira e regimenta o disposto na Meta 12.7 da Lei nº 13.005/2014, que aprova o Plano Nacional de Educação – PNE 2014-2024 e dá outras providências. Brasil: MEC. https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/55877808

Ministério da Educação (MEC) (2022). Cadastro Nacional de Cursos e Instituições de Educação Superior: Cadastro e-MEC. Brasil: MEC. https://emec.mec.gov.br/emec/nova

Pires, V., Silva, S. M., Fonseca, S. A., Vendramini, P., & Coelho, F. S. (2014). Campo de públicas no Brasil: definição, movimento constitutivo e desafios atuais. Administração Pública e Gestão Social, 6(3), 110-126. https://doi.org/10.21118/apgs.v6i3.4650 DOI: https://doi.org/10.21118/apgs.v6i3.719

Pires, V., Vainer, C., & Fonseca, S. A. (2012). Uma definição do “campo de públicas”. campodepublicas.files.wordpress.com/2012/11/defincampodepc3bablicas.pdf

Salviati, M.E. (2017). Manual do Aplicativo Iramuteq: versão 0.7 Alpha 2 e R Versão 3.2.3. http://www.iramuteq.org/documentation/fichiers/anexo-manual-do-aplicativo-iramuteq-par-maria-elisabeth-salviati

Schommer, P. C., & França Filho, G. C. (2010). A metodologia da residência social e a aprendizagem em comunidade de prática. NAU Social, 1(1), 203-226. https://doi.org/10.9771/ns.v1i1.31087

Silva, S. D. A. M., Teixeira, G. D., Barbosa, S. C. T., & Araújo, S. M. V. G. D. (2015). Residência em políticas públicas: uma experiência inovadora de formação. Cadernos de Pesquisa, 45(157), 588-611. https://doi.org/10.1590/198053143056 DOI: https://doi.org/10.1590/198053143056

Vendramini, P., & Almeida, L. S. B. (eds.). (2017). Pionerisimo, renovação e desafios: experiências do campo de públicas no Brasil. Editora Udesc.