O ensino de administração pública: Elementos preliminares de uma história intelectual interdisciplinar

Conteúdo do artigo principal

Bruno Dias Magalhaes
https://orcid.org/0000-0001-6759-6249

Resumo

A afirmação de que o estudo da administração pública é multidisciplinar se tornou consenso nas análises de especialistas brasileiros. Se por um lado tal característica é ponto de partida fundamental para construir uma scholarship transdisciplinar, por outro é preciso ir além do diagnóstico inicial e compreender mais detalhadamente as tradições intelectuais que se interpenetram nesse emaranhado de conhecimento e prática profissional que constitui o Campo de Públicas. O presente trabalho parte dessa premissa e visa contribuir para duas dimensões problemáticas do campo: a ausência de um mapa conceitual consolidado e o raso enraizamento histórico de sua genealogia intelectual. Nosso foco de estudo é o ensino da administração pública conduzido no âmbito dos cursos de graduação e de mestrado da Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho, da Fundação João
Pinheiro, em Minas Gerais. Por meio da análise das monografias e dissertações produzidas em um periodo de 22 anos, o trabalho busca compreender as distintas tradições intelectuais da escola de governo. De maneira geral, encontra-se uma ênfase científica (wissenschaftliche) que incorpora focos mais específicos de conhecimento e experiência prática, notadamente nas áreas de políticas
públicas, administração pública e gestão pública. Ainda que limitado a uma escola, espera-se que o trabalho apresente elementos preliminares para uma agenda mais ampla, cuja tarefa é escrever a história intelectual do Campo de Públicas no Brasil, assumindo que sua interdisciplinaridade passa pelo (re)conhecimento da identidade de suas áreas disciplinares. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
DIAS MAGALHAES, B. O ensino de administração pública: Elementos preliminares de uma história intelectual interdisciplinar . Cadernos Gestão Pública e Cidadania, São Paulo, v. 28, p. e87961, 2023. DOI: 10.12660/cgpc.v28.87961. Disponível em: https://periodicos.fgv.br/cgpc/article/view/87961. Acesso em: 14 abr. 2024.
Seção
Fórum: Campo de Públicas no Brasil: avanços e perspectivas no ensino, na pesquisa e na extensão

Referências

Anastasia, A. A. J. (2014). Entrevista de Antonio Anastasia por Evaristo Caixeta Pimenta. Núcleo de Referência da Memória do Professor Paulo Neves de Carvalho, Fundação João Pinheiro. http://repositorio.fjp.mg.gov.br/handle/123456789/2318

Araújo, A. L. G., Bonfim, L. P., Leite, M. R. S. D. T., Nascimento, M. L., & Pfeffer, R. S. (2017). Paulo Neves de Carvalho e o Dasp. 2º Encontro Nacional de Ensino e Pesquisa do Campo de Públicas (pp. 1421-1436). Brasília.

Barzelay, M. (2019). Public management as a design-oriented professional discipline. Edward Elgar. DOI: https://doi.org/10.4337/9781788119108

Barzelay, M. (2022). Public management as a design-oriented professional discipline. In K. Schedler (Ed.), Elgar Encyclopedia of Public Management (pp. xx-xx). Edward Elgar. DOI: https://doi.org/10.4337/9781800375499.public.management.design

Bronzo, C., & Costa, B. L. D. (2012). Intersetorialidade no enfrentamento da pobreza: o papel da implementação e da gestão. In C. A. P. de Faria (Ed.), Implementação de políticas públicas: teoria e prática (pp. 50-81). PUC Minas.

Carneiro, R. (2004). Planejamento na esfera pública: fundamentos teóricos, possibilidades e limites operacionais. In C. B. C. Ladeira & B. L. D. Costa (Eds.), Gestão social: o que há de novo? (v. 2, pp. 47-68). Fundação João Pinheiro.

Carneiro, R. (2022). O planejamento na esfera pública revisitado: lições, avanços e retrocessos desde a Constituição Federal de 1988 (CF/88). Campo de Públicas: Conexões e Experiências, 1(1), 30-50. http://fjp.mg.gov.br/wp-content/uploads/2022/01/30.03_Revista-5.-O-planejamento-na-esfera-publica-revisitado.pdf

Clemente, A. J., Oliveira, M. F. R., Horochovski, R. R., Junckes, I. J., & Azevedo, N. T. (2022). Campo de públicas: uma cientometria a partir de projetos pedagógicos de curso. Revista de Sociologia e Política, 30(6), e006. https://doi.org/10.1590/1678-98732230e006 DOI: https://doi.org/10.1590/1678-98732230e006

Coelho, F. S. (2019). História do ensino de administração pública no Brasil (1854-2006): antecedentes, ciclos e a emergência do campo de públicas. Escola Nacional de Administração Pública. http://repositorio.enap.gov.br/handle/1/4285

Coelho, F. S., Almeida, L. S. B., Midlej, S., Schommer, P. C., & Teixeira, M. A. C. (2020). O campo de públicas após a instituição das diretrizes curriculares nacionais (DCNs) de administração pública: trajetória e desafios correntes (2015-2020). Administração: Ensino e Pesquisa, 21(3), 488-529. https://doi.org/10.13058/raep.2020.v21n3.1897 DOI: https://doi.org/10.13058/raep.2020.v21n3.1897

Fadul, E., Coelho, F. S., Costa, F. L., & Gomes, R. C. (2014). Administração Pública no Brasil: reflexões sobre o campo de saber a partir da Divisão Acadêmica da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração (2009-2013). Revista de Administração Pública, 48(5), 1329-1354. https://doi.org/10.1590/0034-76122012 DOI: https://doi.org/10.1590/0034-76122012

Farah, M. (2013). A contribuição da administração pública para a constituição do campo de estudos de políticas públicas. In E. Marques, & C. A. P. de Faria (Eds.), A política pública como campo multidisciplinar (pp. 91-126). Unesp; Fiocruz. DOI: https://doi.org/10.7476/9786557080825.0006

Gomes, S., Almeida, L. S., & Lucio, M. L. (2019). A new agenda for teaching public administration and public policy in Brazil: Institutional opportunities and educational reasons. Teaching Public Administration, 34(2), 159-177. https://doi.org/10.1177/0144739415615663 DOI: https://doi.org/10.1177/0144739415615663

Keinert, T. M. M. (2007). Administração pública no Brasil: crises e mudanças de paradigmas. 2ª ed. Annablume, Fapesp.

Lasswell, H. D. (1951). The policy orientation. In D. Lerner, & H. D. Lasswell (Eds.), The policy sciences: recent developments in scope and method (pp. 3-15). Stanford: Stanford University Press.

Lasswell, H. D. (1970). The emerging conception of the policy sciences. Policy Sciences, 1(1), 3-14. https://www.jstor.org/stable/4531369 DOI: https://doi.org/10.1007/BF00145189

Lucio, M. L., Almeida, L. S. B., & Silveira, R. M. C. (2018). The public field in Brazil: toward a multidisciplinary educational approach for the professional with multiple roles. Teaching Public Administration, 36(1), 50-62. https://doi.org/10.1177/0144739417708836 DOI: https://doi.org/10.1177/0144739417708836

Lynn Jr., L. E. (1996). Public management as art, science, and profession. Londres: Cathan House.

Marques, E., & Faria, C. A. P. (Eds.). (2013). A política pública como campo multidisciplinar. Editora Unesp, Editora Fiocruz.

Mendes, V. P. (2014). Entrevista de Vicente de Paula Mendes por Evaristo Caixeta Pimenta. Núcleo de Referência da Memória do Professor Paulo Neves de Carvalho, Fundação João Pinheiro. http://repositorio.fjp.mg.gov.br/handle/123456789/2324

Menon, I. O., & Coelho, F. S (2019). Gestão social como campo do saber no Brasil: uma investigação de sua produção científica pela modelagem de redes sociais (2005-2015). Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 24(79), 1-27. https://doi.org/10.12660/cgpc.v24n79.79851 DOI: https://doi.org/10.12660/cgpc.v24n79.79851

Morin, E. (2007). Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios. 4ª ed. São Paulo: Cortez.

Peters, B. G., & Zittoun, P. (2016). Introduction. In B. G. Peters, & P. Zittoun (Eds.). Contemporary approaches to public policy: theories, controversies and perspectives (pp. 1-14). Palgrave MacMillan. DOI: https://doi.org/10.1057/978-1-137-50494-4_1

Pires, V. A., Silva, S. A. M., Fonseca, S. A., Vendramini, P., & Coelho, F. S. (2014). Campo de públicas no Brasil: definição, movimento constitutivo e desafios atuais. Administração Pública e Gestão Social, 6(3), 110-126. https://doi.org/10.21118/apgs.v6i3.4650 DOI: https://doi.org/10.21118/apgs.v6i3.719

Raadschelders, J. C. (2008). Understanding government: four intellectual traditions in the study of public administration. Public Administration, 86(4), 925-949. https://doi.org/10.1111/j.1467-9299.2008.00742.x DOI: https://doi.org/10.1111/j.1467-9299.2008.00742.x

Roberts, A. (2010). What's wrong with the intellectual history of public administration. Public Voices, 11(2), 10-14. https://doi.org/10.2139/ssrn.1522463 DOI: https://doi.org/10.22140/pv.487

Roberts, A. (2018). The aims of public administration: reviving the classical view. Perspectives on Public Management and Governance, 1(1), 73-85. https://doi.org/10.1093/ppmgov/gvx003 DOI: https://doi.org/10.1093/ppmgov/gvx003

Simon, H. A. (1946). The proverbs of administration. Public Administration Review, 6(1), 53-67. https://doi.org/10.2307/973030 DOI: https://doi.org/10.2307/973030

Simon, H. A. (1996). Sciences of the artificial. 3ª ed. MIT Press.

Spink, P. (2016). The public action language approach to public affairs. Cadernos de Gestão Pública e Cidadania, 21(70), 160-175. https://doi.org/10.12660/cgpc.v21n70.64366 DOI: https://doi.org/10.12660/cgpc.v21n70.64366

Waldo, D. (1984). The administrative state: a study of the political theory of american public administration. 2ª ed. Holmes & Meier.

Wilson, W. (1887). The study of administration. Political Science Quarterly, 2(2), 197-222. https://doi.org/10.2307/2139277 DOI: https://doi.org/10.2307/2139277