Discriminação de gênero e políticas públicas e corporativas de combate ao assédio sexual nas relações de emprego

Conteúdo do artigo principal

Jorge Cavalcanti Boucinhas Filho
https://orcid.org/0000-0002-7568-4000
Lorena de Mello Rezende Colnago
https://orcid.org/0000-0002-8216-8856

Resumo

O assédio sexual constitui uma discriminação de gênero. A maioria de suas ocorrências envolve agressor homem e vítima mulher. Na maioria delas a solicitação de participação em uma atividade sexual decorre da condição feminina, que motivou desejos sexuais em seu superior ou colega. O fato de a leis penais e trabalhistas não fazerem nenhum recorte de gênero para a prática do assédio sexual permite que em situações concretas assediadoras mulheres sejam punidas criminalmente, dispensadas por justa causa e condenadas a reparar a vítima, seja ela homem ou mulher. Permite também que assediadores homens sejam punidos nessas três esferas ao assediarem outro homem. No entanto, uma política eficaz de combate ao assédio sexual pressupõe que se reconheça que o assédio sexual é uma forma de discriminação de gênero e, portanto, de violência de gênero. Sem essa consciência, as políticas públicas e corporativas destinadas a erradicar essa chaga jamais terão êxito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
CAVALCANTI BOUCINHAS FILHO, J.; DE MELLO REZENDE COLNAGO, L. Discriminação de gênero e políticas públicas e corporativas de combate ao assédio sexual nas relações de emprego. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, São Paulo, v. 27, n. 88, p. e88392, 2022. DOI: 10.12660/cgpc.v27n88.88392. Disponível em: https://periodicos.fgv.br/cgpc/article/view/88392. Acesso em: 12 jun. 2024.
Seção
Brasil Contemporâneo

Referências

ÁFRICA DO SUL. julgamento J. v M. (1989) 10 ILJ 755 (IC).

Alves, G. (2008). Assédio sexual: um novo paradigma para o Direito do Trabalho. São Paulo: LTr.

Barros, A. M. (1998). O assédio sexual no Direito do Trabalho Comparado. Genesis – Revista de Direito do Trabalho, 12(70), 493-514. Recuperado de http://as1.trt3.jus.br/bd-trt3/handle/11103/27075

Brasil. (2017). Justiça do Trabalho. Assédio sexual (TRT-17 - RO: 00736006820135170012, Relator: Ana Paula Tauceda Branco, Data de Julgamento: 28/08/2017, Data de Publicação: 04/09/2017).

Brasil. (2019a). Justiça do Trabalho. Processo: RO - 0000069-56.2016.5.06.0009, Redator: Maria das Graças de Arruda Franca, Data de julgamento: 09/07/2019, Terceira Turma, Data da assinatura: 09/07/2019. (TRT-6 - RO: 00000695620165060009, Data de Julgamento: 09/07/2019, Terceira Turma).

Brasil (2018). Justiça do Trabalho. TRT-3 - RO: 00101458320185030129 0010145-83.2018.5.03.0129, Relator: Maria Stela Alvares da S. Campos, Nona Turma.

Carvalho, A. C. L. (2016). Direito do trabalho: curso e discurso. São Paulo: LTr.

Castello, A. (2015). Despido especial por acoso sexual. In J. Raso Delgue (Dir.), A. Castello (Coord.). Derecho del trabajo: reglamentación del trabajo; terminación de las relaciones de trabalho (2ª ed., v. 2). Fundación de Cultura Universitária.

Dias, I. (2008). Violência contra as mulheres no trabalho: o caso do assédio sexual. Sociologia, Problemas e Práticas, (57), 11-23. Recuperado de https://repositorio.iscte-iul.pt/bitstream/10071/1201/1/Soc57IDias.pdf

Du Toi, D., Godfrey, S., Cooper, C., Giles, G., Cohen, T., Conradie, B., & Steenkamp, A. (2015). Labour Relations Law: A Comprehensive Guide (6ª ed.). Johannesburgo: Editora LexisNexis.

Fonseca, T. S., Portela, A. V. M., Freire, S. E. A., & Negreiros, F. (2018). Assédio sexual no trabalho: uma revisão sistemática da literatura. Ciências Psicológicas, 12(1), 25-34. https://doi.org/10.22235/cp.v12i1.1592 DOI: https://doi.org/10.22235/cp.v12i1.1592

Mangarelli, C. (2007). Acoso laboral. Concepto y prevención. Derecho Laboral, 50(225). Recuperado de http://revistaderecho.um.edu.uy/wp-content/uploads/2012/12/Mangarelli-Acoso-Laboral-concepto-y-protecciones.pdf

Martínez Vivot, J. J. (1995). Acoso sexual en las relaciones laborales. Buenos Aires: Editorial Astrea de Alfredo y Ricardo Depalma.

Pamplona Filho, R. (2001). O assédio sexual na relação de emprego. São Paulo: LTr.

Pastore, J., & Robortella, L. C. A. (1998). Assédio sexual no trabalho: o que fazer? São Paulo: Makron Books.

Rioja, D. F. (1995). Prólogo. In J. J. Martínez Vivot (1995). Acoso sexual en las relaciones laborales (pp. I-IX). Buenos Aires: Editorial Astrea de Alfredo y Ricardo Depalma.

Santos, A. (1999). Assédio sexual nas relações trabalhistas e estatutárias. Rio de Janeiro: Forense.