Desigualdades de gênero e cor/raça entre os dirigentes municipais e estaduais no Brasil (2010 e 2019)

Conteúdo do artigo principal

Jose Mendes
https://orcid.org/0000-0002-9973-7373

Resumo

Este trabalho analisa as desigualdades nas remunerações e chances de progressão hierárquica entre os dirigentes municipais e estaduais no Brasil. Utilizando dados da Relação Anual de Informações Sociais adaptada pela equipe do Atlas do Estado Brasileiro, a análise aplica modelos lineares e ordinais, somados ao pré-tratamento dos dados com matching, para estimar os efeitos do gênero e da cor/raça nas remunerações dos dirigentes e em suas chances de progressão no funcionalismo. Os achados indicam que há, ainda, amplas discrepâncias entre os salários e a progressão explicadas pelo gênero e pela cor/raça, com mulheres e negros sendo desfavorecidos com relação a homens e brancos. Em termos interseccionais, a mulher negra ocupa a base da pirâmide dos dirigentes municipais e estaduais, enquanto o homem branco se encontra no topo, tanto em termos remuneratórios quanto hierárquicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
MENDES, J. Desigualdades de gênero e cor/raça entre os dirigentes municipais e estaduais no Brasil (2010 e 2019). Cadernos Gestão Pública e Cidadania, São Paulo, v. 29, p. e89163 , 2023. DOI: 10.12660/cgpc.v29.89163. Disponível em: https://periodicos.fgv.br/cgpc/article/view/89163. Acesso em: 20 jun. 2024.
Seção
Fórum: Funcionalismo Público nos Estados e Municípios: Capacidades, politização e desigualdades

Referências

Barbosa, A. L. N. de H., & Souza, P. H. G. F. de. (2012). Diferencial salarial público-privado e desigualdade dos rendimentos do trabalho no Brasil. Mercado de Trabalho: Conjuntura e Análise, 53, 29-36. https://doi.org/10.1590/S0101-41612013000100001 DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-41612013000100001

Barbosa, P. A. M., & Oliveira, M. F. (2021). O fenômeno do teto de vidro enfrentado pelas mulheres do Instituto Federal de Brasília. Revista Eixo, 10(3), 49-60. https://doi.org/10.19123/eixo.v10i3.891

D’Araújo, M. C. Introdução. (2018). In M. C. D’Araújo (Ed.), Técnicos, intelectuais e políticos na Nova República: Um perfil dos dirigentes públicos dos governos Fernando Henrique, Lula e Dilma (pp. 9-27). PUC-Rio.

D’Araújo, M. C., & Macedo, J. da C. (2018). Mulheres na política: estudo sobre cargos de confiança. In M. C. D’Araújo (Ed.), Técnicos, intelectuais e políticos na Nova República: Um perfil dos dirigentes públicos dos governos Fernando Henrique, Lula e Dilma (pp. 53-75). PUC-Rio.

Hirata, H., & Kergoat, D. (2008). Divisão sexual do trabalho profissional e doméstico: Brasil, França, Japão. In A. de O. Costa, B. Sorj, C. Bruschini, & H. Hirata (Eds.), Mercado de trabalho e gênero: Comparações internacionais (pp. 263-278). FGV.

Iacus, S. M., King, G., & Porro, G. (2012). Causal inference without balance checking: Coarsened exact matching, Political Analysis, 20(1), 1-24. https://doi.org/10.1093/pan/mpr013 DOI: https://doi.org/10.1093/pan/mpr013

Itaboraí, N. R. (2016). Trabalho feminino e mudanças nas famílias no Brasil (1976-2012): uma perspectiva de classe e gênero. Revista Gênero, 16(2), 173-199. https://doi.org/10.22409/rg.v16i2.31241 DOI: https://doi.org/10.22409/rg.v16i2.23680

Lima, I. F. M., & Vaz, D. V. (2020). O setor público é mais igualitário para o negro que o setor privado no Brasil? Revista Econômica do Nordeste, 51(1), 89-107. https://www.bnb.gov.br/revista/index.php/ren/article/view/1000 DOI: https://doi.org/10.61673/ren.2020.1000

Lombardi, M. R. (2006). Engenheiras brasileiras: inserção e limites de gênero no campo profissional. Cadernos de Pesquisa, 36(127), 173-202. https://doi.org/10.1590/S0100-15742006000100008 DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-15742006000100008

Lopez, F. G., & Guedes, E. P. (2020). Três décadas de evolução do funcionalismo público no Brasil (1986-2017). Texto para Discussão, 2579.

Marry, C., & Pochic, S. (2017). O “teto de vidro” na França: O setor público é mais igualitário que o setor privado? Cadernos de Pesquisa, 47(163), 148-167. https://doi.org/10.1590/198053144299 DOI: https://doi.org/10.1590/198053144299

Morgan, S. L., & Winship, C. (2015). Counterfactuals and Causal Inference. Cambridge University Press. DOI: https://doi.org/10.1017/CBO9781107587991

Nakamura, L. M., & Vaz, D. V. (2020). Quão heterogêneo é o setor público no Brasil? Uma análise das diferenças salariais entre os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. Administração Pública e Gestão Social, 12(4), 1-24. https://doi.org/10.21118/apgs.v12i4.5809 DOI: https://doi.org/10.21118/apgs.v12i4.5809

Ñopo, H. (2008). Matching as a tool to decompose wage gaps. The Review of Economics and Statistics, 90(2), 290-299. https://www.jstor.org/stable/40043147 DOI: https://doi.org/10.1162/rest.90.2.290

Osório, R. G. (2006). Desigualdades raciais e de gênero no serviço público civil. OIT.

Pinheiro, L. (2023). Quando o teto de vidro se torna de concreto: a sub-representação de mulheres negras nos postos diretivos do Executivo federal entre 1999 e 2020. In F. G. Lopez, & J. C. C. Cardoso Junior (Eds.), Trajetórias da burocracia na Nova República: Heterogeneidades, desigualdades e perspectivas (1985-2020) (pp. 371-404). Ipea. DOI: https://doi.org/10.38116/978-65-5635-047-9/capitulo12

Severi, F. C., & Jesus Filho, J. de (2022). Há diferenças remuneratórias por gênero na magistratura brasileira? Revista de Administração Pública, 56(2), 208-225. https://doi.org/10.1590/0034-761220210163 DOI: https://doi.org/10.1590/0034-761220210163

Silva, T. D. (2023). Ingressantes no Executivo civil federal: uma análise no contexto da Lei de Cotas no serviço público. In F. G. Lopez, & J. C. Cardoso Junior (Eds.), Trajetórias da burocracia na Nova República: Heterogeneidades, desigualdades e perspectivas (1985-2020) (pp. 351-370). Brasília: Ipea. DOI: https://doi.org/10.38116/978-65-5635-047-9/capitulo11

Silva, T. D., & Lopez, F. (2021). Perfil racial do serviço civil ativo do executivo federal (1999-2020). Nota Técnica Diest, 49. https://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/10673

Silveira, L. (2022). Imputação da informação de raça/cor na Rais para o setor público brasileiro. Nota Técnica Diest, 59. https://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/11580 DOI: https://doi.org/10.38116/ntdiretoria59

Silveira, L. (2023). A definição salarial no poder público brasileiro: diferencial e composição nos vínculos empregatícios nos Poderes e nas esferas entre 2004 e 2019. In F. G. Lopez, & J. C. Cardoso Junior (Eds.), Trajetórias da burocracia na Nova República: Heterogeneidades, desigualdades e perspectivas (1985-2020) (pp. 263-290). Ipea. DOI: https://doi.org/10.38116/978-65-5635-047-9/capitulo8

Silveira, L. S., & Almeida, L. A. D. (2021). Segregação ocupacional e desigualdade salarial por raça e gênero no setor público brasileiro. Boletim de Análise Político-Institucional, 31, 13-20. DOI: https://doi.org/10.38116/bapi31art1

Soares, S. S. D. (2000). Mercado de trabalho: Homens negros, mulheres brancas e mulheres negras. Texto para Discussão, 2579.

Teles, J. (2023). Desigualdades de remunerações no serviço público de 2000 a 2019: trajetória recente e estágio atual. In F. G. Lopez, & J. C. Cardoso Junior (Eds.), Trajetórias da burocracia na Nova República: Heterogeneidades, desigualdades e perspectivas (1985-2020) (pp. 323-350). Ipea. DOI: https://doi.org/10.38116/978-65-5635-047-9/capitulo10

Tenoury, G. N., & Menezes-Filho, N. (2017). A evolução do diferencial salarial público-privado no Brasil. Policy Paper, (29), 1-41. https://shorturl.at/cyEKO

Vaz, D. V. (2013). O teto de vidro nas organizações públicas: Evidências para o Brasil. Economia e Sociedade, 22(3), 765-790. https://doi.org/10.1590/S0104-06182013000300007 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-06182013000300007

Vaz, D. V. (2018). Diferenças salariais por gênero no setor público brasileiro no período 2002-2015: Magnitude, evolução e determinantes. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences, 40(2), e41507. https://doi.org/10.4025/actascihumansoc.v40i2.41507 DOI: https://doi.org/10.4025/actascihumansoc.v40i2.41507