Crescimento e estagnação do Brasil: Contribuições do professor Bresser-Pereira

Conteúdo do artigo principal

Roberto Alexandre Zanchetta Borghi
https://orcid.org/0000-0001-5471-9705

Resumo

Este artigo busca discutir a problemática do baixo crescimento brasileiro à luz das contribuições do professor Luiz Carlos Bresser-Pereira. Essa preocupação sobre trajetórias sustentadas de crescimento e a armadilha da renda média tem sido fonte de importantes e originais reflexões do autor para o debate econômico, ampliando o alcance das ideias heterodoxas e desenvolvimentistas nos cenários doméstico e internacional. As reflexões, que combinam aspectos teóricos e normativos, estão assentadas, em grande
medida, na coordenação entre fomento à indústria e políticas macroeconômicas para promoção do crescimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
BORGHI, R. A. Z. Crescimento e estagnação do Brasil: Contribuições do professor Bresser-Pereira. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, São Paulo, v. 29, p. e90177 , 2024. DOI: 10.12660/cgpc.v29.90177. Disponível em: https://periodicos.fgv.br/cgpc/article/view/90177. Acesso em: 16 abr. 2024.
Seção
Fórum: Res-publica/Gestão Pública, Nação e Desenvolvimento Econômico na Vida e Obra de Luiz Carlos Bresser-Pereira

Referências

Banco Mundial. (2023). World development indicators. https://databank.worldbank.org/source/world-development-indicators

Belluzzo, L. G., & Almeida, J. G. (2002). Depois da queda: A economia brasileira da crise da dívida aos impasses do real. Civilização Brasileira.

Bresser-Pereira, L. C. (1977). Estado e subdesenvolvimento industrializado. Editora Brasiliense.

Bresser-Pereira, L. C. (2006). O novo desenvolvimentismo e a ortodoxia convencional. São Paulo em Perspectiva, 20(3), 5-24.

Bresser-Pereira, L. C. (2007). Macroeconomia da estagnação: Crítica da ortodoxia convencional no Brasil pós-1994. Editora 34.

Bresser-Pereira, L. C. (2008). The Dutch disease and its neutralization: A Ricardian approach. Revista de Economia Política, 28(1), 47-71. https://doi.org/10.1590/S0101-31572008000100003

Bresser-Pereira. L. C. (2009). A tendência à sobreapreciação da taxa de câmbio. Econômica, 11(1), 7-30. https://doi.org/10.22409/reuff.v11i1.34870

Bresser-Pereira, L. C. (2010). A tendência à sobreapreciação da taxa de câmbio no Brasil. In L. C. Bresser-Pereira (Org.), Crise global e o Brasil (pp. 127-151). Editora da Fundação Getulio Vargas.

Bresser-Pereira, L. C. (2012a). Do antigo ao novo desenvolvimentismo na América Latina. In L. C. D. Prado & R. F. D’Aguiar (Eds.), Desenvolvimento econômico e crise (pp. 27-66). Contraponto Editora.

Bresser-Pereira, L. C. (2012b). A taxa de câmbio no centro da teoria do desenvolvimento. Estudos Avançados, 26(75), 7-28. https://doi.org/10.1590/S0103-40142012000200002

Bresser-Pereira, L. C. (2016a). Teoria novo-desenvolvimentista: Uma síntese. Cadernos do Desenvolvimento, 11(19), 145-165.

Bresser-Pereira, L. C. (2016b). Reflecting on new developmentalism and classical developmentalism. Review of Keynesian Economics, 4(3), 331-352. https://doi.org/10.4337/roke.2016.03.07

Bresser-Pereira, L. C. (2018). Em busca do desenvolvimento perdido: Um projeto novo-desenvolvimentista para o Brasil. FGV Editora.

Bresser-Pereira, L. C. (2019). Secular stagnation, low growth, and financial instability. International Journal of Political Economy, 48(1), 21-40. https://doi.org/10.1080/08911916.2018.1550949

Bresser-Pereira, L. C. (2020). Neutralizing the Dutch disease. Journal of Post Keynesian Economics, 43(2), 298-316. https://doi.org/10.1080/01603477.2020.1713004

Bresser-Pereira, L. C., Araújo, E. C., & Peres, S. C. (2020). An alternative to the middle-income trap. Structural Change and Economic Dynamics, 52, 294-312. https://doi.org/10.1016/j.strueco.2019.11.007

Bresser-Pereira, L. C., & Marconi, N. (2008). Existe doença holandesa no Brasil? In L. C. Bresser-Pereira (Org.), Doença holandesa e indústria (pp. 207-230). Editora da Fundação Getulio Vargas.

Bresser-Pereira, L. C., & Nakano, Y. (2003). Crescimento econômico com poupança externa? Revista de Economia Política, 23(2), 163-188. https://doi.org/10.1590/0101-31572004-0699

Bresser-Pereira, L. C., Nassif, A., & Feijó, C. (2016). A reconstrução da indústria brasileira: A conexão entre o regime macroeconômico e a política industrial. Revista de Economia Política, 36(3), 493-513. https://doi.org/10.1590/0101-31572015v36n03a03

Bresser-Pereira, L. C., Oreiro, J. L., & Marconi, N. (2014). Developmental macroeconomics: New developmentalism as a growth strategy. Routledge.

Bresser-Pereira, L. C., Oreiro, J. L., & Marconi, N. (2016). Macroeconomia desenvolvimentista: Teoria e política econômica do novo-desenvolvimentismo. Elsevier.

Bresser-Pereira, L. C., & Varela, C. A. (2004). The second Washington consensus and Latin America’s quasi-stagnation. Journal of Post Keynesian Economics, 27(2), 231-250. https://doi.org/10.1080/01603477.2004.11051436

Carneiro, R. M. (2002). Desenvolvimento em crise: A economia brasileira no último quarto do século XX. Editora da Unesp.

Carneiro, R. M. (2012). Velhos e novos desenvolvimentismos. Economia e Sociedade, 21(número especial), 749-778. https://doi.org/10.1590/S0104-06182012000400003

ComexVis Brasil. (2023). Base de dados de comércio exterior. Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC). http://comexstat.mdic.gov.br/pt/comex-vis

Fonseca, P. C. D. (2014). Desenvolvimentismo: A construção do conceito. In A. B. Calixtre, A. M. Biancarelli, & M. A. M. Cintra (Eds.), Presente e futuro do desenvolvimento brasileiro (pp. 29-78). Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Furtado, C. (1961). Desenvolvimento e subdesenvolvimento. Fundo de Cultura.

Hirschman, A. O. (1958). The strategy of economic development. Yale University Press.

Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial. (2014). As exportações cadentes da indústria [Carta IEDI n. 650]. Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial.

Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial. (2015). Manufaturas: O Brasil está se tornando um exportador marginal [Carta IEDI n. 706]. Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial.

Kaldor, N. (1966). Causes of the slow rate of economic growth of the United Kingdom. Cambridge University Press.

Keynes, J. M. (1936). The general theory of employment, interest and money. Cambridge University Press.

Morceiro, P. C., & Guilhoto, J. J. M. (2023). Sectoral deindustrialization and long-run stagnation of Brazilian manufacturing. Revista de Economia Política, 43(2), 418-441. https://doi.org/10.1590/0101-31572023-3340

Prates, D., Fritz, B., & Paula, L. F. (2017). Uma avaliação das políticas desenvolvimentistas nos governos do PT. Cadernos do Desenvolvimento, 12(21), 187-215.

Prebisch, R. (1950). The economic development of Latin America and its principal problems. United Nations.

Rosenstein-Rodan, P. N. (1943). Problems of industrialization of Eastern and South-Eastern Europe. Economic Journal, 53(210/211), 202-211. https://doi.org/10.2307/2226317

Rossi, P. (2014). Regime macroeconômico e o projeto social-desenvolvimentista. In A. B. Calixtre, A. M. Biancarelli, & M. A. M. Cintra (Ed.), Presente e futuro do desenvolvimento brasileiro (pp. 195-225). Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Tavares, M. C. (1998). Acumulação de capital e industrialização no Brasil (3a ed.). IE/Unicamp. (Original publicado em 1974)

Ten theses on new developmentalism. (2012). Revista de Economia Política, 32(2), 336-339.

UnctadStat. (2023). Base de dados estatísticos da Unctad. https://unctadstat.unctad.org/EN/Index.html

Williamson, J. (1990). What Washington means by policy reform. In J. Williamson (Ed.), Latin America adjustment: How much has happened? (pp. 7-20). Institute for International Economics.