Bresser-Pereira: a reconstrução política do Brasil à luz das teses centrais do novo-desenvolvimentismo

Conteúdo do artigo principal

André Nassif
https://orcid.org/0000-0001-9456-0372

Resumo

Neste ensaio, sintetizo as proposições do novo-desenvolvimentismo, corrente de pensamento econômico da qual o economista brasileiro Luiz Carlos Bresser-Pereira se destaca como o principal formulador. O argumento central do novo-desenvolvimentismo é que, nos países em desenvolvimento,  trajetórias bem-sucedidas de alcance de renda per capita e de padrões de bem-estar para níveis médios prevalecentes nos países desenvolvidos (ou seja, a efetivação do catching-up) dependem da harmonização das políticas públicas (particularmente, as políticas industrial e tecnológica lato sensu e o regime macroeconômico), destinadas a sustentar o crescimento econômico e a promover a diversificação da estrutura produtiva e da pauta exportadora. Arranjos inadequados de política econômica podem fazer com que a rota inicialmente exitosa de catching up nos países em desenvolvimento seja desviada para longos períodos de estagnação, como tem sido o caso do Brasil e de diversos outros países em desenvolvimento nas últimas décadas. O artigo mostra que o principal avanço do novo-desenvolvimentismo em relação ao desenvolvimentismo clássico e cepalino é o esforço de integrar a macroeconomia à teoria do desenvolvimento econômico. Neste estudo, analiso as teses principais do novo-desenvolvimentismo, especialmente sua crítica à estratégia de crescimento com poupança externa e à não-neutralização da doença holandesa, “políticas habituais” observadas no Brasil e em outros países em desenvolvimento que, ao sobrevalorizar a moeda doméstica em relação às moedas dos parceiros comerciais, leva à desindustrialização e à estagnação econômica. No final, os comentários críticos a pontos que, a meu juízo, merecem aprimoramento na teoria novo-desenvolvimentista em nada afetam a validade e robustez de suas principais teses analisadas neste ensaio. 


 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
NASSIF, A. Bresser-Pereira: a reconstrução política do Brasil à luz das teses centrais do novo-desenvolvimentismo. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, São Paulo, v. 29, p. e90276 , 2024. DOI: 10.12660/cgpc.v29.90276. Disponível em: https://periodicos.fgv.br/cgpc/article/view/90276. Acesso em: 19 jul. 2024.
Seção
Fórum: Res-publica/Gestão Pública, Nação e Desenvolvimento Econômico na Vida e Obra de Luiz Carlos Bresser-Pereira

Referências

Berg, A., Miao, Y. (2010). “The real exchange rate and growth revisited: the Washington Consensus strikes back?” IMF Working Paper 10/58. Washington: International Monetary Fund.

Bresser-Pereira, L.C. (2007). Macroeconomia da Estagnação: Crítica da Ortodoxia Convencional no Brasil pós-1994. São Paulo: Editora 34.

Bresser-Pereira, L.C. (2008). “The Dutch disease and its neutralization: a Ricardian approach”. Brazilian Journal of Political Economy, vol. 28, nº 1 (109), January-March: 47-71.

Bresser-Pereira, L.C. (2009). “Globalização e Competição: Por que alguns Países Emergentes têm Sucesso e outros não”. Rio de Janeiro: Elsevier.

Bresser-Pereira, L.C. (2012) “A taxa de câmbio no centro da teoria do desenvolvimento” Estudos Avançados, 26(75): 7-28.

Bresser-Pereira, L.C. (2015) “The access to demand”, Keynesian Brazilian Review 1(1) 1o. semestre: 35-43. https://doi.org/10.33834/bkr.v1i1.14.

Bresser-Pereira, L.C. (2019). “From Classical Developmentalism and Post-Keynesian Macroeconomics to New Developmentalism. Brazilian Journal of Political Economy, vol.39, no.2 (155): 187-210.

Bresser-Pereira, L.C. (2020). “New Developmentalism: development macroeconomics for middle-income countries”. Cambridge Journal of Economics, Vol. 44: 629-646.

Bresser-Pereira, L.C. (2020a) "Neutralizing the Dutch disease”, Journal of Post Keynesian Economics 43:2: 298-316. https://doi.org/10.1080/01603477.2020.1713004.

Bresser-Pereira, L.C., Gala, P (2007) “Por que a poupança externa não promove o crescimento?”, Revista de Economia Política 27 (1): janeiro: 3-19. http://www.rep.org.br/PDF /105-1.

Bresser-Pereira, L.C., Nakano, Y. (2003). “Crescimento econômico com poupança externa?”. Brazilian Journal of Political Economy, vol. 23, nº 2 (90), April-June: 3-27.

Bresser-Pereira, L.C., Oreiro, J. L., Marconi, N. (2014). “Developmental Macroeconomics: New Developmentalism as a Growth Strategy”. New York: Routledge.

Bresser-Pereira, L.C., Oreiro, J. L., Marconi, N. (2016). “Macroeconomia Desenvolvimentista: Teoria e Política Econômica do Novo-Desenvolvimentismo”. Rio de Janeiro: Elsevier.

Dollar, D., Kraay, A. (2003). “Institutions, trade and growth”. Journal of Monetary Economics. Elsevier, vol. 50, nº 1:133-162. January.

Feldstein, M., Horioka, C. (1980). “Domestic savings and international capital flows”. Economic Journal, vol.90 (358), June: 314-329.

Furtado, C. (1952). “Formação de capital e desenvolvimento econômico”. Revista Brasileira de Economia, Vol.6, no 3, setembro.

Furtado, C. (1959). Formação Econômica do Brasil. 18ª edição. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Furtado, C. (1961). Desenvolvimento e Subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Editora Contraponto, 2009.

Gala, P. (2008). “Real exchange rate levels and economic development: theoretical analysis and econometric evidence”. Cambridge Journal of Economics 32:273-288.

Hirschman, A. (1958). The Strategy of Economic Development. New Haven: Yale University Press.

Kalecki, M. (1954). Teoria da Dinâmica Econômica. Ensaios sobre as Mudanças Cíclicas e a Longo Prazo da Economia Capitalista. São Paulo: Editora Abril, 1977.

Keynes, J. M. (1936). The General Theory of Employment, Interest, and Money. San Diego: Harcourt Brace Jovanovich, Publishers (edição de 1964).

Lewis, W. A. (1954). "Economic Development with Unlimited Supplies of Labor". The Manchester School, Vol. 22 (2): 139–91.

Lin, J. (2009). “Answer to Chang” In: J. Lin, H.J. Chang. “Should industrial policy in developing countries conform to comparative advantage or defy it? A debate between Justin Lin and Ha-Joon Chang”. Development Policy Review, nº 27.

Linder, S. (1961). An Essay on Trade and Transformation. New York: Wiley.

Medeiros, C.A. (2020). “A Structuralist and Institutionalist developmental assessment of and reaction to New Developmentalism”. Review of Keynesian Economics, vol.8, no.2, Summer: 147-167.

Myrdal, G. (1957). Teoria Económica y Regiones Subdesarrolladas. México: Fondo de Cultura Económica (ed. 1959).

Nassif, A. (2003). Liberalização Comercial e Eficiência Econômica: A Experiência Brasileira. Tese de doutoramento. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Nassif, A., Morceiro, P. C. (2021). “Industrial policy for prematurely deindustrialized economies after the Covid-19 pandemic crisis: Integrating economic, social and environmental goals with policy proposals for Brazil”. Texto para Discussão 351. Niterói: Faculdade de Economia, Universidade Federal Fluminense, novembro. http://economia.uff.br/wp-content/uploads/sites/584/2021/11/TD-351.pdf.

Nassif, A., Bresser-Pereira, L.C., Feijó, C. (2018). “The case for reindustrialisation in developing countries: towards the connection between the macroeconomic regime and the industrial policy in Brazil”. Cambridge Journal of Economics, vol.42:385-381.

Nassif, A., Feijo, C., Araújo, E. (2011). ‘The Long-Term “Optimal” Real Exchange Rate and the Currency Overvaluation Trend in Open Emerging Economies: The Case of Brazil’, UNCTAD Discussion Papers no. 206, Geneva, United Nations Conference on Trade and Development

Nassif, A., Feijó, C., Araújo, E. (2017). A structuralist-Keynesian model for determining the “optimum” real exchange rate for Brazil’s economic development process (1999–2015), CEPAL Review, no. 123, December, Santiago, Chile, Economic Comission for Latin America and the Caribbean (ECLAC), available at https://repositorio.cepal.org/bitstream/handle/11362/43447/4/RVI123_en.pdf.

Palma, G. (2005). “Four sources of de-industrialisation and a new concept of the Dutch disease”. In J. A. Ocampo (ed.), Beyond Reforms. Palo Alto: Stanford University Press: 71–116.

Posner, M. (1961). “International trade and technical change”. Oxford Economic Papers, Vol. 13: 323-341.

Prasad, E., Rajan, R., Subramaniam, A. (2006). “Foreign Capital and Economic Growth”. Washington: IMF Research Department.

Prebisch, R. (1949). “El desarrollo económico de la América Latina y algunos de sus principales problemas”. Santiago de Chile: Naciones Unidas-Cepal.

Prebisch, R. (1951). Problemas Teóricos y Prácticos del Crecimiento Económico. Santiago de Chile: Naciones Unidas/Cepal (edição de 1973).

Razin, O., Collins, S. M. (1999). “Real exchange rate misalignments and growth”. In: A. Razin, and E. Sadka (ed.). The Economics of Globalization: Policy Perspectives from Public Economics. Cambridge: Cambridge University Press.

Rodrik, D. (2008). “The real exchange rate and economic growth”. Brookings Papers on Economic Activity, 2:365-412.

Rosenstein-Rodan, P. N. (1943). “Problemas de industrialização da Europa do Leste e do Sudeste”. In: A.N. Agarwala e S.P. Singh (org.). A Economia do Subdesenvolvimento. 2ª edição. Rio de Janeiro: Editora Contraponto, 2010.

Schumpeter, J. (1911). A Teoria do Desenvolvimento Econômico: uma Investigação sobre Lucros, Capital, Crédito, Juro e o Ciclo Econômico. São Paulo: Editora Abril Cultural (edição de 1982; tradução de Theorie der wirtschaftlichen. Berlin: Duncker & Humblot, 1964).

Williamson, J. (1995). “Estimates of FEERs”. In J. Williamson (ed.). Estimating Equilibrium Exchange Rates. Washington, DC: Institute of International Economics.

Williamson, J. (2008), “Exchange rate economics”. Working paper n° 08-3, Washington, DC.: Peterson Institute for International Economics.