As mulheres poetas no slam e a ocupação do espaço público: algumas reflexões

Autores

Palavras-chave:

gênero, performatividade, slam, espaço público, escrita de si

Resumo

Este artigo apresenta uma discussão teórica a respeito da participação de mulheres no slam. Os slams são campeonatos de poesia falada e performada, onde um júri popular, escolhido aleatoriamente pelo público, dá nota aos (às) poetas, levando em consideração principalmente o conteúdo da poesia e a performance. A princípio foram discutidos os aspectos da esfera pública e privada a partir de uma perspectiva de gênero; em seguida, foi construída uma reflexão sobre a performatividade na esfera pública, a dependência e vulnerabilidade do corpo vivo. Na última parte, foi apresentada a escrita de si como uma forma de resistência na tentativa de fraturar a valoração negativa que é imposta sobre os corpos femininos.

Biografia do Autor

Sthefanie Paiva, UFMG

Mestranda em Letras

Referências

ARENDT, Hanna. A condição Humana. 10. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2005.

BUTLER, Judith. Corpos em Aliança e a política das ruas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

BUTLER, Judith. Vida precária. Contemporânea – Revista de Sociologia da UFSCar. São Carlos, n. 1, p. 13-33, 2011.

D’ALVA, Roberta Estrela. Um microfone na mão e uma ideia na cabeça – o poetry slam entra em cena. Synergies Brésil. n. 9, p. 119-126, 2011.

EVARISTO, Conceição. Escritora Conceição Evaristo é convidada do Estação Plural: depoimento [jun. 2017]. Entrevistadores: Ellen Oléria, Fernando Oliveira e Mel Gonçalves. TVBRASIL, 2017a. YouTube. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=Xn2gj1hGsoo. Acesso em: 8 jul. 2023.

FLUP RJ. Rio Poetry Slam 2015 | Porsha O. - "Medo". Youtube, 2016. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=OTaqZvFB8jQ. Acesso em: 24 jul.2023.

FOUCAULT, Michel. O sujeito e o poder. In: MOTTA, Manoel Barros da (org.). Ditos e escritos, v. 9: Genealogia da ética, subjetividade e sexualidade. Rio de Janeiro: Forense Universitária, [1982], 2014.p.118-140.

IGNÁCIO, Ana. Roberta Estrela D’Alva, a voz pioneira nas batalhas de slam pelo Brasil. Portal Geledés, 22 out. 2018. Disponível em: https://www.geledes.org.br/roberta-estrela-dalva-voz-pioneira-nas-batalhas-de-slam-pelo-brasil/. Acesso em: 28 abr. 2023.

IONTA, Marilda. Das amizades femininas e feministas. In: RAGO, Margareth; GALLO, Silvio (orgs.). Michel Foucault e as insurreições: É inútil revoltar-se? São Paulo: Intermeios, 2017. p. 375-386.

MACÉ, Marielle. Siderar, considerar: migrantes, formas de vida. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2018.

McLAREN, Margareth A. Foucault, Feminismo e Subjetividade. São Paulo: Intermeios, 2016.

RAGO, Margareth. A aventura de contar-se: feminismos, escrita de si e invenções da subjetividade. Campinas: Unicamp, 2013.

RAGO, Luzia Margareth. A coragem feminina da verdade: mulheres na ditadura militar no Brasil. Caderno Espaço Feminino, Uberlândia-MG, v. 28, n. 2, jul./dez. 2015.

ROMÃO, Luíza. Relatos de um país fálico (Pau-Brasil). Youtube, 2018. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=XP_4_p-pKa8 Acesso em: 9 jul. 2023.

VELASCO, Clara; GRANDIN, Felipe; PINHONI, Marina; FARIAS, Victor. Brasil bate recorde de feminicídios em 2022, com uma mulher morta a cada 6 horas. G1, 08 mar. 2023. Disponível em: https://g1.globo.com/monitor-da-violencia/noticia/2023/03/08/brasil-bate-recorde-de-feminicidios-em-2022-com-uma-mulher-morta-a-cada-6-horas.ghtml. Acesso em: 22 abr. 2023.

Downloads

Publicado

21.12.2023

Edição

Seção

Jornada Discente 2022