O Letramento Racial como ferramenta para a erradicação do racismo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.12660/rm.v15n24.2023.89973

Palavras-chave:

Racialismo; Racismo estrutural; Pós-abolição., Identidade, Educação Antirracista, Letramento Racial

Resumo

Uma das bases da manutenção do racismo é tratar a desigualdade racial como algo natural da sociedade. As narrativas racistas hoje proferidas são herança de uma cultura brasileira em que o mito da democracia racial se tornou uma forte teoria utilizada como justificativa para a invisibilização do racismo e das identidades negras. Apresenta-se aqui uma forma de estratégia que pode auxiliar no combate ao racismo, o letramento racial. Essa prática pode ser entendida como um conjunto de estratégias associadas à prática de leitura que ajudam na compreensão social e racial do indivíduo. O letramento racial antirracista demanda adequação constante se configurando como um processo individual e coletivo que exige observação, conhecimento e escuta ativa para se tornar colaborativo à luta antirracista.

Biografia do Autor

Gimima Beatriz Melo da Silva, Universidade do Estado do Amazonas

Pós-Doutorado pelo Instituto de Sociologia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto (2020). Possui Doutorado em Antropologia pela Universidade Federal Fluminense (2013), mestrado em Sociedade e Cultura na Amazônia pela Universidade Federal do Amazonas (2003) e graduação em Ciências Sociais (Bacharelado e Licenciatura) pela Universidade Federal do Amazonas (2000). Atualmente é professor Adjunto do quadro permanente de docentes do Programa Interdisciplinar de Pós-Graduação em Ciências Humanas/Mestrado em Ciências Humanas da Universidade do Estado do Amazonas com vinculação à linha de pesquisa Espaços, Memórias e Configurações Sociais. Na pós-graduação, tem ministrado as disciplinas Cultura e Poder, Cultura e Natureza e Seminário de Orientação de Dissertação, sendo lotada na Escola Superior de Ciências Sociais da Universidade do Estado do Amazonas atuando nas disciplinas Ciência Política, Sociologia, Estado, Cultura e Sociedade. Tem experiência na área de Ciências Sociais e Antropologia Política com foco no estudo de processos sócio-culturais na Amazônia envolvendo dimensões simbólicas das relações de poder; perspectivas de análise da relação cidadania, cultura e poder; participação política da juventude; patrimônio cultural e relações institucionais de poder e modos de vida tradicionais e sua interação com o local e o global.

Referências

ALMEIDA, Neide A. de. Letramento racial: um desafio para todos nós. Portal Geledès, 2018. Disponível em: https://www.geledes.org.br/letramento-racial-um-desafio-para-todos-nos-por-neide-de-almeida/. Acesso em: 27/09/2023.

ALMEIDA, Silvio Luiz de. Racismo estrutural. São Paulo: Pólen, 2019. 264 p.

BARRETO, Raquel. Uma pensadora brasileira. Revista Cult, julho, 2019. Disponível em: https://revistacult.uol.com.br/home/lelia-gonzalez-perfil/. Acesso em: 13/07/2022.

BERTH, Joice. O que é empoderamento? São Paulo: Pólen, 2018.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed, 2007.

FERNANDES, Florestan. O negro no mundo dos brancos. São Paulo: Difusão Europeia, 1972.

FERNANDES, Viviane Barboza; SOUZA, Maria Cecilia Cortez Christiano de. Identidade Negra entre exclusão e liberdade. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 63, p. 103-120, 2016. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rieb/article/view/114868. Acesso em: 22/02/2021.

FERREIRA, Aparecida de Jesus. Letramento Racial Crítico Através de Narrativas Autobiográficas: Com atividades Reflexivas. Ponta Grossa: Editora Estúdio Texto, 2015.

FERREIRA, Aparecida de Jesus. Letramento Racial Crítico, Livro Didático e Interseccionalidades. Uniletras, Ponta Grossa, v. 41, n. 1, p. 123-127, jan/jun. 2019. Disponível em: http://www.revistas2.uepg.br/index.php/uniletras. Acesso em: 28/09/2023.

FONTANA, F. Técnicas de pesquisa. In: MAZUCATO, T. (org.). Metodologia da pesquisa e do trabalho científico. Penápolis: FUNEPE, 2018. p. 59-78.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. São Paulo: Global, 2006.

GOMES, Nilma Lino. A Contribuição dos Negros para o Pensamento Educacional Brasileiro. In: BARBOSA, Lúcia Maria de Assunção; SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves e. (organizadoras). O Pensamento Negro em Educação no Brasil. São Carlos: UFSCAR, 1997.

GOMES, Nilma Lino. Educação cidadã, etnia e raça: o trato pedagógico da diversidade. In: CAVALLEIRO, Eliane (Organizadora). Racismo e anti-racismo na educação: repensando nossa escola. São Paulo: Selo Negro, 2001.

GOULD, Stephen Jay. A falsa medida do homem. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

GUIMARÃES, Antonio Alfredo. Preconceito e discriminação: queixas de ofensas e tratamento desigual dos negros no Brasil. São Paulo: Editora 34, 2004.

HALL, Stuart. Identidade cultural e diáspora. In: Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Rio de Janeiro: Iphan, 1996.

hooks, bell. Olhares negros: raça e representação. São Paulo, 2019.

hooks, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: Editora Martins Fontes. 2017. 283p.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Características étnico-raciais da população: classificações e identidades. Rio de Janeiro: IBGE, 2021.

MAZUI, Guilherme. 'No Brasil, não existe racismo', diz Mourão sobre assassinato de homem negro em supermercado. Portal G1 Notícias. Brasilia, 20/11/2020. Disponível em: https://g1.globo.com/politica/noticia/2020/11/20/mourao-lamenta-assassinato-de-homem-negro-em-mercado-mas-diz-que-no-brasil-nao-existe-racismo.ghtml. Acesso em: 12/08/2022.

MINAYO, M. C. S. (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

MUNANGA, Kabengele. Teoria social e relações raciais no Brasil contemporâneo. Cadernos Penesb, Niterói, n. 12, p. 169-203, 2010.

MUNANGA, Kabengele. Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia. Seminário Nacional Relações Raciais e Educação. Novembro de 2003. PENESB, Rio de Janeiro - RJ, Brasil. Disponível em: https://www.geledes.org.br/wp-content/uploads/2014/04/Uma-abordagem-conceitual-das-nocoes-de-raca-racismo-dentidade-e-etnia.pdf. Acesso em: 02/12/2022.

MUNANGA, Kabengele. Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia. In: Programa de educação sobre o negro na sociedade brasileira [s.n.], 2004. Disponível em: https://www.geledes.org.br/wp-content/uploads/2014/04/Uma-abordagem-conceitual-das-nocoes-de-raca-racismo-dentidade-e-etnia.pdf. Acesso em: 07/09/2020.

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

QUEVEDO-CAMARGO, G.; SCARAMUCCI, M. V. R. O conceito de letramento em avaliação de línguas: origem de relevância para o contexto brasileiro. Linguagem: Estudos e Pesquisas, Goiânia, v. 22, n. 1, 2018. DOI: 10.5216/lep.v22i1.54474. Disponível em: https://periodicos.ufcat.edu.br/lep/article/view/54474. Acesso em: 14/08/2023.

RIBEIRO, Djamila. Pequeno Manual Antirracista. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

ROSCOE, Beatriz. 79% acham que há racismo no Brasil, mas só 39% se consideram preconceituosos. PoderData, 2021. Disponível em: https://www.poder360.com.br/brasil/79-acham-que-ha-racismo-no-brasil-mas-so-39-se-consideram-preconceituosos/. Acesso em: 31/10/2022.

SCHUCMAN, Lia Vainer. O Branco e a Branquitude: Letramento Racial e Formas de Desconstrução do Racismo. In: Portuguese Literary and Cultural Studies, 2022, 171-189.

SOUZA, Neusa Santos. Tornar-se negro: ou as vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social. Rio de Janeiro: Graal, 1990.

TAVARES, Julio. Masterclass: Roteiro, com Prof. Dr. Julio Tavares – Cinema e Pensamento: Narrativas Negras. Facebook, 17/07/2020. Disponível em: https://www.facebook.com/watch/?v=649246055675486 – Acesso em 25.09.2023

VIEIRA, Bárbara Danielle Morais. Letramento racial. Revista Espaço Acadêmico, v. 21, p. 53-64, 2022.

Downloads

Publicado

21.12.2023

Edição

Seção

Artigo Livre