Controle Judicial da Reforma Administrativa A jurisprudência do Tribunal Constitucional português durante a troika

Conteúdo do artigo principal

Clara Meneses

Resumo

O artigo aborda o papel do Poder Judiciário no contexto da reforma administrativa e de políticas fiscais tomadas em tempos de crise. Busca-se testar a aplicabilidade da Teoria do Equilíbrio Pontuado e contribuir para a compreensão da judicialização da política pública durante a crise das dívidas soberanas, especificamente as medidas administrativas de corte remuneratório aos trabalhadores do setor público. A metodologia adotada foi pesquisa qualitativa, bibliográfica e documental, através de um estudo do caso que visa compreender a atuação do Tribunal Constitucional português de 2010 a 2014, no controle de constitucionalidade dessas políticas. Tais medidas foram tomadas durante o acordo de resgate financeiro, Programa de Assistência Económica e Financeira - PAEF que emprestou €78 mil milhões de euros, com a Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional. A jurisprudência de crise foi desenvolvida em graus de permissibilidade com o legislador e culmina com a pontuação e mudança da política inicialmente estabelecida. No seu conteúdo, os julgamentos adotaram a técnica da ponderação de princípios, cuja inerente subjetividade deixa espaço para uma mudança de política. Conclui-se que a Teoria do Equilíbrio Pontuado demonstra poder explicativo para a compreensão da participação do Judiciário na política pública, e sua aplicação deve ser testada por pesquisas futuras, considerando outros momentos de ruptura.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
MENESES, C. Controle Judicial da Reforma Administrativa: A jurisprudência do Tribunal Constitucional português durante a troika. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, São Paulo, v. 26, n. 84, 2021. DOI: 10.12660/cgpc.v26n84.83052. Disponível em: https://periodicos.fgv.br/cgpc/article/view/83052. Acesso em: 27 maio. 2024.
Seção
Fórum Além da Reforma Administrativa: o papel do Estado no século XXI

Referências

REFERÊNCIAS

Acórdão 187. (2013). Acórdão do Tribunal Constitucional n°187/2013. Processo n° 2/2013, 5/2013, 8/2013 e 11/2013, Relator: Conselheiro Carlos Fernandes Cadiha. Diário da República, 1.a série-N.° 78, 22 de abril de 2013, 2328-2423.

Acórdão 353. (2012). Acórdão do Tribunal Constitucional n°353/2012. Processo n° 40/2012, Relator: Conselheiro João Cura Mariano. Recuperado de: https://www.tribunalconstitucional.pt/tc/acordaos/20120353.html

Acórdão 396. (2011). Acórdão do Tribunal Constitucional n°396/2011. Processo n° 72/2011, Relator: Conselheiro Joaquim de Sousa Ribeiro. Recuperado de: https://www.tribunalconstitucional.pt/tc/acordaos/20110396.html

Alexy, R. (2003). Direitos Constitucionais, balanceamento e racionalidade. Ratio Juris, 16(2), 131-140.

Alvarenga, L. C. (2008). Discurso de justificação versus discurso de aplicação: em busca de uma interpretação coerente do Direito. Direito e Política, 3(3), 479-493.

Andrade, J. C, V. de. (2009). Os Direitos Fundamentais na Constituição Portuguesa de 1976 (4ª ed.). Coimbra: Almedina.

Araújo, L., & Rodrigues, M. L. (2017). Modelo de análise das políticas públicas. Sociologia, Problemas e Práticas, (83), 11-35. doi:10.7458/SPP2017839969.

Azevedo, D. A. de. (2012). Ao encontro dos princípios: crítica à proporcionalidade como solução aos casos de conflito aparente de normas jurídicas. (Especialização em Direito Público). Universidade de Brasília (UnB), Brasília, DF, Brasil.

Bache, I., & Flinders, M. (2004). Multi-Level Governance and the Study of the British State. Public Policy and Administration, 19(1), 31–51. doi: 10.1177/095207670401900103.

Barroso, L. R. (2008). Judicialização, ativismo judicial e legitimidade democrática. Revista de Direito do Estado, (13), 17-32.

Baumgartner, F. R., & Jones, B. D. (1993). Agendas and instability in American politics. Chicago: University of Chicago Press.

Bilhim, J. (2013). Ciência da Administração. Lisboa: ISCSP.

Cairney, P. A. (2007). ‘Multiple Lenses’ Approach to Policy Change: The Case of Tobacco Policy in the UK. Br Polit, 2(1), 45–68. doi: 10.1057/palgrave.bp.420003.

Canotilho, J. J. G. (1993). Direito constitucional. (6ª ed). Coimbra: Almedina, D.L.

Carvalhal, A. P. (2012). Crise econômica e redução dos salários em Portugal. Observatório Constitucional. Recuperado de: https://www.conjur.com.br/2012-nov-03/observatorio-constitucional-crise-reducao-salarios-portugal.

Carvalho, O. (2013). O Estado de Necessidade Econômico-Financeiro e Direitos Fundamentais. Revista InterSciencePlace, 27(1), 163-213.

Coelho, C. C. B. P. (2017). O “Novo” Constitucionalismo em tempos de austeridade fiscal e o papel das cortes constitucionais no Brasil e em Portugal. Revista de Direito Internacional Econômico e Tributário, 12(2), 32-75. doi: 10.18838/2318

Dolowitz, D. P., & Marsh, D. (2000). Learning from abroad: the role of policy transfer in contemporary policy-making. Governance, 13(1), 5-24. doi: 10.1111/0952-1895.00121

Dworkin, R. (2005). Uma Questão de Princípio. (2ª ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Dye, T. R. (1998). Understanding Public Policy. (9ª ed.). Englewood Cliffs, Prentice Hall.Furtado, M. (2019). O princípio fundamental da separação e interdependência de poderes e a crise económico-financeira: o Tribunal Constitucional Português. Revista Lusófona de Economia e Gestão das Organizações. Recuperado de: http://hdl.handle.net/10437/9966

Günther, K. (1995) Legal adjudication and democracy: some remarks on Dworkin and Habermas. European Journal of Philosophy, 3(1), 33-54.

Habermas, J. (2012). Direito e democracia: entre facticidade e validade (vol I, 2ª ed.). Rio de Janeiro: Tempo brasileiro.

Knill, C., & Tosun, J. (2012). Public policy: A new introduction. Londres: Palgrave Macmilla.

Leite, I. C., & Bastos, P. R. H. de O. (2018). Judicialização da saúde: aspectos legais e impactos orçamentários. Argumentum, 10(1), 102-117. doi:10.18315/argumentum.v10i1.18659.

Maduro, M. P., Frada, A., & Pierdominici, L. (2017). A Crisis between Crises: Placing the Portuguese Constitutional Jurisprudence of Crisis in Context.. e-Pública: Revista Eletrónica de Direito Público, 4(1), 05-42.

Martins, A. M. G. (2015). Constitutional Judge, Social Rights and Public Debt Crisis: The Portuguese Constitutional Case Law. Maastricht Journal of European and Comparative Law, 22(5), 678–705. doi:10.1177/1023263X1502200503

Mello, C. A. B. (1993). Conteúdo jurídico do princípio da igualdade. São Paulo: Malheiros.

Memorandum of Economic and Financial Policies – MEFP. (2011). Recuperado de: https://aventar.eu/2011/05/04/memorando-da-troika-em-portugues/.

Memorandum of understanding on specific economic policy conditionality – MoU. (2011). Recuperado de: https://infoeuropa.eurocid.pt/opac/?func=service&doc_library=CIE01&doc_number=000046743&line_number=0001&func_code=WEB-FULL&service_type=MEDIA.

Pereira, M. A. L. (2019). Crise económica e financeira: o enquadramento da sétima avaliação da troika ao programa de ajustamento português no Jornal de Negócios. Revista Académica By: Estudos em Comunicação, 1(28), 1-30.

Pipa, C. M. de A. S. R. (2015). Diferenciação de salários entre sector público e privado - realidade ou ficção? O caso português (Dissertação de Mestrado). Universidade de Lisboa, Instituto Superior de Economia e Gestão, Lisboa, Portugal.

Pivetta, S. L. (2014). Direito Fundamental à Saúde: regime jurídico, políticas públicas

e controle judicial. São Paulo: Revista dos Tribunais.

Ribeiro, G. A. (2014). O Constitucionalismo dos Princípios. In: G. A. Ribeiro & L. P. Coutinho (Eds.), O Tribunal Constitucional e a Crise: Ensaios Críticos (pp. 69-104). Coimbra: Almedina.

Rodrigues, M. L., & Silva, P. A. (2016). A constituição e as políticas públicas em Portugal. Sociologia, Problemas e Práticas, (ESP1), 13-22.

Sarmento, D. (2009). Filosofia e Teoria Constitucional Contemporânea. Rio de Janeiro: Lumen Juris.

Silva, A. B., & Schulman, G. (2017). (Des)judicialização da saúde: mediação e diálogos interinstitucionais. Revista Bioética, 25(2), 290-300. doi:10.1590/1983-80422017252189

Soares, H. (2013). Políticas públicas sociais e controle de constitucionalidade: diálogos luso-brasileiros. Revista Jurídica, 2(31), 149-177. doi:10.21902/revistajur.2316-753X.v2i31.594

Starke, J. (2016). Generating Policy Change in Situations of Equilibrium: Shifting Discourse Networks in the Case of Wild Circus Animals in Germany, Master Thesis Sustainable Development, M.Sc. Track: Environmental Governance Academic Year 2015/16, Universidade de Utrecht.

Thoenig, J. (2011). Institutional Theories and Public Institutions: New Agendas and Appropriateness. In B. Peters & J. Pierre (Eds.), The Handbook of Public Administration (pp. 185-101). New York: Sage.

Urbano, M. B. (2013). Estado de Crise Económico-Financeira e o papel do Tribunal Constitucional. Anais do VI Encontro de Professores Portugueses de Direito Público, Instituto de Ciências Jurídico-Políticas da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Velano, E. M. (2011). Modulação dos efeitos da declaração de inconstitucionalidade de lei tributária. Curitiba: Juruá.

SÍTIOS ELETRÔNICOS

Assembleia Constituinte. (1976). Constituição da República Portuguesa – V Revisão Constitucional. Recuperado de:

http://www.parlamento.pt/const_leg/crp_port/index.html.

Aventar. (2011). Memorando da Troika. Recuperado de: https://aventar.eu/2011/05/04/memorando-da-troika-em-portugues/.

Carvalhal, A. P. (2012). Crise econômica e redução dos salários em Portugal. Observatório Constitucional. Recuperado de: https://www.conjur.com.br/2012-nov-03/observatorio-constitucional-crise-reducao-salarios-portugal.

Infoeuropa Biblioteca (s.d.). Tradução do Conteúdo do Memorando de Entendimento sobre as condicionalidades de Política Económica. Recuperado de: https://infoeuropa.eurocid.pt/opac/?func=service&doc_library=CIE01&doc_number=000046743&line_number=0001&func_code=WEB-FULL&service_type=MEDIA.

Publico. (s.d.). Memorando Troika Anotado. Recuperado de: https://acervo.publico.pt/ economia/memorando-da-troika-anotado.

Tribunal Constitucional. (2020). Tribunal Constitucional Portugal. Recuperado de: https://www.tribunalconstitucional.pt/tc/home.html.