O papel do Supremo Tribunal Federal na intermediação dos conflitos federativos no contexto da Covid-19

Conteúdo do artigo principal

Fernanda Leoni
https://orcid.org/0000-0002-6371-7637

Resumo

O presente artigo avalia as tendências decisórias manifestadas pelo Supremo Tribunal Federal com relação aos conflitos entre entes federativos ocasionados ou majorados pelo contexto da pandemia do Covid-19. O objetivo é avaliar se esse novo cenário impactou a jurisprudência do tribunal, considerada centralista na análise desses conflitos, no sentido de privilegiar a União em eventuais embates com outros entes federativos. Para tanto, foi realizada uma breve revisão de literatura sobre o modelo federalista nacional e o papel do Supremo Tribunal Federal nesse panorama, seguida da análise de ações de controle concentrado envolvendo o tema, distribuídas no período de um ano de pandemia. Os dados analisados revelam que apesar de algumas decisões privilegiando o papel das demais unidades federativas, não se visualizou uma mudança efetiva de tendência decisória por parte do Supremo Tribunal Federal no período de pandemia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
LEONI, F. O papel do Supremo Tribunal Federal na intermediação dos conflitos federativos no contexto da Covid-19. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, São Paulo, v. 27, n. 87, p. 1–17, 2022. DOI: 10.12660/cgpc.v27n87.83851. Disponível em: https://periodicos.fgv.br/cgpc/article/view/83851. Acesso em: 21 jul. 2024.
Seção
Fórum A pandemia e o futuro do Federalismo Brasileiro

Referências

Abrucio, F. L. (2005). A coordenação federativa no Brasil: A experiência do período FHC e os desafios do governo Lula. Revista de Sociologia e Política. 24, 41-67. doi: 10.1590/S0104-44782005000100005 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-44782005000100005

Abrucio, F. L., & Franzese, C. (2010). Federalismo e políticas públicas: O impacto das relações intergovernamentais no Brasil. Burocracia e política no Brasil. 27-71. Recuperado de: https://www.researchgate.net/publication/242213262_Federalismo_e_politicas_publicas_o_impacto_das_relacoes_intergovernamentais_no_Brasil/citations

Abrucio F. L., Grin, E. J., Franzese, C., Segatto, C. I., & Couto, C. G. (2020). Combate à COVID-19 sob o federalismo bolsonarista: Um caso de descoordenação intergovernamental. Revista de Administração Pública. 54(4) 663-667. doi: 10.1590/0034-761220200354 DOI: https://doi.org/10.1590/0034-761220200354

Almeida, M. H. T. (2005). Recentralizando a Federação? Revista de Sociologia e Política. 24, 29-40. doi: 10.1590/S0104-44782005000100004 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-44782005000100004

Anselmo, J. R. (2006). O papel do Supremo Tribunal Federal na concretização do federalismo brasileiro. (Tese de Doutorado). Recuperado de https://tede2.pucsp.br/handle/handle/7343.=

Arantes, R. B. (1997). Judiciário e política no Brasil. IDESP.

Arretche, M. (1996). Mitos da descentralização: Mais democracia e eficiência nas políticas públicas? Revista Brasileira de Ciências Sociais. 11(31). Recuperado de: http://www.anpocs.com/images/stories/RBCS/rbcs31_03.pdf

Arretche M. (2012). Democracia, federalismo e centralização no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV. DOI: https://doi.org/10.7476/9788575415665

Arlota, C., & Garoupa, N. (2014). Addressing federal conflicts: An empirical analysis of the Brazilian Supreme Court, 1988-2010. Review of Law and Economics. 10(2)137-168. doi: 10.1515/rle-2013-0037 DOI: https://doi.org/10.1515/rle-2013-0037

Aroney, N. & Kincaid, J. (2017). Courts in federal countries: Federalists or Unitarists? University of Toronto Press. DOI: https://doi.org/10.26530/OAPEN_627652

Barbosa, L. V. (2014). Guerra fiscal e o ativismo judicial negativo: Mapeando o conflito federativo no Supremo Tribunal Federal. Revista Política Hoje. 23(2), 43-63. Recuperado de https://periodicos.ufpe.br/revistas/politicahoje/article/view/3741

Bercovici, G. (2008). O federalismo no Brasil e os limites da competência legislativa e administrativa: Memórias da pesquisa. Revista Jurídica da Presidência. 10(90). 01-18. Recuperado de: https://revistajuridica.presidencia.gov.br/index.php/saj/article/view/253 DOI: https://doi.org/10.20499/2236-3645.RJP2008v10e90-253

Bobbio, N. (1998). Dicionário de política. UNB.

Brasil (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm.

Brasil (1990). Lei Federal nº 8.080 de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm.

Conci, L. G. A. (2020). Impacto da pandemia da Covid-19 na federação brasileira: Descentralizando a disfuncionalidade. Opinión Jurídica. 19(40). p. 225-242. doi: 10.22395/ojum.v19n40a11 DOI: https://doi.org/10.22395/ojum.v19n40a11

Dantas, A. Q. (2020). O STF como árbitro da federação: Uma análise empírica dos conflitos federativos em sede de ACO. Revista Direito GV. 16(2). doi: 10.1590/2317-6172201964 DOI: https://doi.org/10.1590/2317-6172201964

Dantas, A. Q., Pedrosa, M. H. M. R., & Pereira, A. L. S. (2020). A pandemia de COVID-19 e os precedentes do STF sobre as competências constitucionais dos entes federativos: Uma guinada jurisprudencial ou mera continuidade da função integrativa da Corte? Dossiê Especial COVID-19. RDP, 17(96)37-64. Recuperado de: https://www.portaldeperiodicos.idp.edu.br/direitopublico/article/view/4511 DOI: https://doi.org/10.11117/rdp.v17i96.4511

Elazar, D. (1991). Exploring Federalism. University of Alabama.

Gomes, J. M. W., Carvalho, E., & Barbosa, L. F. A. (2020). Políticas públicas de saúde e lealdade federativa: STF afirma protagonismo dos governadores no enfrentamento à COVID-19. Dossiê Especial COVID-19. RDP, 17(94)193-217. Recuperado de: https://www.portaldeperiodicos.idp.edu.br/direitopublico/article/view/4395

Oliveira, V. E. (2009). Poder Judiciário: Árbitro dos conflitos constitucionais entre Estados e União. Lua Nova, 78, 223-250. doi: 10.1590/S0102-64452009000300011 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-64452009000300011

Oliveira, V. E., & Madeira, L. M. (2021). Judicialização da política no enfrentamento à Covid-19: Um novo padrão decisório do STF? Revista Brasileira de Ciência Política, 35, e247055. doi: 10.1590/0103-3352.2021.35.247055 DOI: https://doi.org/10.1590/0103-3352.2021.35.247055

Pereira, A. K., Oliveira, M. S., & Sampaio, T. S. (2020). Heterogeneidades das políticas estaduais de distanciamento social diante da COVID-19: Aspectos políticos e técnico-administrativos. Revista de Administração Pública. 54(4), 678-696. doi: 10.1590/0034-761220200323 DOI: https://doi.org/10.1590/0034-761220200323

Pierson, P. (1995). Fragmented Welfare States: Federal Institutions and the Development of Social Policy. Governance, 8(4), 448-478. doi: 10.1111/j.1468-0491.1995.tb00223.x. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1468-0491.1995.tb00223.x

Rangel, H., Fadel, A., Neri, B., & Bolonha, C. (2016). Judicialização do federalismo e federalismo formal. Revista Direito GV, 12(1), 217-250. doi: 10.1590/ 2317-6172201609 DOI: https://doi.org/10.1590/2317-6172201609

Stepan, A. (1999). Para uma nova análise comparativa do federalismo e da democracia: Federações que restringem ou ampliam o poder do Demos. Dados, 42(2). doi: 10.1590/s0011-52581999000200001 DOI: https://doi.org/10.1590/S0011-52581999000200001

Vieira, O. V. (2008). Supremocracia. Revista Direito GV, 4(2), 441-464. doi: 10.1590/S1808-24322008000200005 DOI: https://doi.org/10.1590/S1808-24322008000200005