A política e a economia do governo Bolsonaro: uma análise sobre a captura do orçamento

Conteúdo do artigo principal

Marcos Fernandes Gonçalves da Silva
https://orcid.org/0000-0003-4350-9918
Marco Antonio Carvalho Teixeira

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar o final do governo Bolsonaro do ponto de vista da capacidade de arbitrar o conflito distributivo e de governar. Para tanto, analisa-se o processo orçamentário 2021/2022. A análise é de economia política e de política. Parte-se do suposto de que o orçamento é a expressão dos conflitos distributivos inerentes à sociedade e de que tais conflitos devem ser arbitrados. Do contrário, haverá perda  de agenda e  descontrole da política fiscal. O artigo descreve como elementos institucionais e estruturais estão por detrás da construção de orçamentos críveis, sustentáveis e efetivos e de seus contrários. Em primeiro lugar, faz-se uma análise de economia política e, por fim, de ciência política. A conclusão é que o processo orçamentário de 2021/2022 é um sintoma da crise de governabilidade, pois há evidências de que não houve arbitragem do conflito distributivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
SILVA, M. F. G. da; TEIXEIRA, M. A. C. A política e a economia do governo Bolsonaro: uma análise sobre a captura do orçamento . Cadernos Gestão Pública e Cidadania, São Paulo, v. 27, n. 86, p. 1–13, 2022. DOI: 10.12660/cgpc.v27n86.85574. Disponível em: https://periodicos.fgv.br/cgpc/article/view/85574. Acesso em: 20 jun. 2024.
Seção
Brasil Contemporâneo

Referências

Adolph, C., Breunig, C., & Koski, C. J. (2012). The Political Economy of Budget Trade-Offs. Journal of Public Policy, 40(1), 1-26. doi:10.1017/s0143814x18000326 DOI: https://doi.org/10.1017/S0143814X18000326

Abranches, S. (1998). Presidencialismo de coalizão: O dilema institucional brasileiro. Dados - Revista de Ciências Sociais, 31(1),5-38. Recuperado de http://dados.iesp.uerj.br/artigos/?id=348

Alesina, A. (1995). The Political Economy of Budget Deficits. IMF Staff Papers, 42(1)1-31. doi: 10.2307/3867338 DOI: https://doi.org/10.2307/3867338

Avritzer, L. (2018). O pêndulo da democracia no Brasil: Uma análise da crise 2013-2018. Novos estudos CEBRAP, 37(2), doi: 10.25091/S01013300201800020006 DOI: https://doi.org/10.25091/S01013300201800020006

Bonfiglioli, A. & Gancia, G. (2013). Uncertainty, Electoral Incentives and Political Myopia. Economic Journal, 123(568), 373-400. Recuperado de https://www.jstor.org/stable/23470592 DOI: https://doi.org/10.1111/ecoj.12029

Borges, A. (2021). The Illusion of Electoral Stability: From Party System Erosion to Right-Wing Populism in Brazil. Journal of Politics in Latin America, 13(2)166–191, doi: 10.1177/1866802X211005164 DOI: https://doi.org/10.1177/1866802X211005164

Couto, L., Soares, A., & Livramento, B. (2021). Presidencialismo de coalizão: Conceito e aplicação. Revista Brasileira de Ciência Política, (34), 2021, doi: 10.1590/0103-3352.2021.34.241841 DOI: https://doi.org/10.1590/0103-3352.2021.34.241841

Couto, C. & Silva, M. G. S.. (2017). A Economia Política do Conflito Distributivo. Recuperado de https://www.jota.info/opiniao-e-analise/colunas/cepesp/economia-e-politica-do-conflito-distributivo-20122017

Dahl, R. (2001). Sobre a democracia. Brasília, DF: Editora UnB.

Eslava, M. (2012). The Political Economy of Public Spending and Fiscal Deficits: Lessons for Latin America. Oxford, UK: Oxford University Press. DOI: https://doi.org/10.1093/oxfordhb/9780199747504.013.0019

Folha de S. Paulo (2015, 20 de maio). Bancada de FHC no Congresso sofre retração. Recuperado de https://www1.folha.uol.com.br/fsp/brasil/fc2005200105.htm.

Graeber, D. & Wengrow, D. (2021). The Dawn of Everything: A New History of Humanity. New York: Farrar, Straus and Giroux.

Stein, E. H., Hallerberg, M., & Scartascini, C., (Eds.) (2009). Who Decides the Budget? A Political Economy Analysis of the Budget Process in Latin America. Washington, D.C: Inter-American Development Bank.

Mendes, M. (2014). Por que o Brasil Cresce Pouco?. Rio de Janeiro, RJ: Elsevier; Campus.

Olson, M. (2009). The Logic of Collective Action. Cambridge, MA: Harvard University Press. DOI: https://doi.org/10.2307/j.ctvjsf3ts

Scott, J. C.. (2017). Against the Grain: A Deep History of the Earliest States. Connecticut: Yale University Press. DOI: https://doi.org/10.2307/j.ctv1bvnfk9

Teixeira, M. A C. (2021a). Em defesa da democracia. GV Executivo, 20(3), doi: 10.12660/gvexec.v20n3.2021.84618 DOI: https://doi.org/10.12660/gvexec.v20n3.2021.84618

Teixeira, M. A. C. (2021b). Emendas parlamentares, orçamento secreto e desequilíbrio da democracia. GV Executivo, 20(4). doi: 10.12660/gvexec.v20n4.2021.85087 DOI: https://doi.org/10.12660/gvexec.v20n4.2021.85087

Tenorio, F. G, & Teixeira, M. A. C. (2021). O conceito de gestão social e a democracia regressiva no Brasil após 2016. Administração Pública e Gestão Social, 13(2), doi: 10.21118/apgs.v13i2.10767 DOI: https://doi.org/10.21118/apgs.v13i2.10767

Urbinati, N. (2006). O que torna a representação democrática? Lua Nova (67), doi: 10.1590/S0102-64452006000200007 DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-64452006000200007

Weffort, F. C. (Org.) (2001). Os clássicos da política: Maquiavel, Hobbes, Locke, Montesquieu, Rousseau, “o Federalista”. São Paulo, SP: Ática.

Wildavsky, A., & Caiden, N. (2003). The New Politics of the Budgetary Process. Longman Classics Series, Londres, Uk: Pearson.