Incentivos à transição de carreira dos burocratas de médio escalão

Conteúdo do artigo principal

Rosangela Dalla Vecchia
https://orcid.org/0000-0002-9781-3264
Diego de Faveri
https://orcid.org/0000-0003-4016-0992
Vanessa Brulon
https://orcid.org/0000-0002-0118-4089

Resumo

Nesta pesquisa, buscamos responder ao seguinte problema: quais são os incentivos que podem atrair advogados públicos da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) para cargos de gestão e como eles se mostram presentes nesta organização? A coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas semiestruturadas com 14 procuradores em 2019. A análise de conteúdo de grade mista resultou nas seguintes categorias: capacitação, incentivo financeiro, suporte organizacional, natureza da atividade e flexibilização das regras de trabalho. Os resultados indicam que os fatores relevantes nem sempre estão presentes na PGFN, o que diminui o interesse pelo cargo. Uma contribuição importante refere-se às especificidades do Burocrata de Médio Escalão (BME) no setor público brasileiro: as particularidades da administração pública brasileira atravessam as atividades do BME e afetam negativamente incentivos como capacitação e natureza da atividade; a permanência do ideal burocrático também impõe desafios à incorporação da flexibilização dos arranjos de trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Detalhes do artigo

Como Citar
DALLA VECCHIA, R.; DE FAVERI , D.; BRULON, V. Incentivos à transição de carreira dos burocratas de médio escalão. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, São Paulo, v. 29, p. e89025 , 2023. DOI: 10.12660/cgpc.v29.89025. Disponível em: https://periodicos.fgv.br/cgpc/article/view/89025. Acesso em: 16 abr. 2024.
Seção
Artigos

Referências

Abrucio, F. L., Pedroti, P., & Pó, M. V. (2010). A formação da burocracia brasileira: A trajetória e o significado das reformas administrativas. In F. L. Abrucio, M. R. Loureiro, & R. S. Pacheco (Orgs.), Burocracia e política no Brasil: Desafios para a ordem democrática no século XXI (pp. 73-108). Editora FGV.

Adique, H. A. V., Arapoc, J. A., & Valientes, R. M. (2017). An experimental investigation on performance under individual, team, and mix incentive schemes. Journal of Global Business and Trade, 13(1), 1-12. https://ssrn.com/abstract=2996474sol3/papers.cfm?abstract_id=2996474

Allen, D. G., Bryant, P. C., & Vardaman, J. M. (2010). Retaining talent: Replacing isconceptions with evidence-based strategies. Academy of Management Perscpectives, 24(2), 48-64. https://doi.org/10.5465/AMP.2010.51827775

Ashforth, B. E. (2001). Role transitions in organizational life: An identity-based perspective. Lawrence Erlbaum Associates, Inc.

Bajzikova, L., Sajgalikova, H., Wojcak, E., & Polakova, M. (2013). Are flexible work arrangements attractive enough for knowledge-intensive businesses? Procedia – Social and Behavioral Sciences, 99, 771-783. https://doi.org/10.1016/j.sbspro.2013.10.549

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. Edições 70.

Bó, E. Dal, Finan, F., & Rossi, M. A. (2013). Strengthening state capabilities: The role of financial incentives in the call to public service. The Quarterly Journal of Economics, 128(3), 1169-218. https://doi.org/10.1093/qje/qjt008

Bowman, J. S. (2010). The success of failure: The paradox of performance pay. Review of Public Personnel Administration, 30(1), 70-88. https://doi.org/10.1177/0734371X09351824

Braun, A. C., Vierheller, B., & Oliveira, M. Z. De. (2016). Conflito trabalho-família em executivos: Uma revisão sistemática de 2009 a 2014. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 17(1), 19-30. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1679-33902016000100004

Bresnen, M., Hodgson, D., Bailey, S., Hassard, J., & Hyde, P. (2019). Hybrid managers, career narratives and identity work: A contextual analysis of UK healthcare organizations. Human Relations, 72(8), 1341-1368. https://doi.org/10.1177/0018726718807280

Bresser-Pereira, L. C. (2001). Do Estado patrimonial ao gerencial. In P. S. Pinheiro, J. Wilheim, & I. Sachs. (Orgs.), Brasil: Um Século de Transformações (pp. 222-259). Cia. das Letras.

Cavalcante, P., & Lotta, G. (2015). Burocracia de médio escalão: Perfil, trajetória e atuação. ENAP.

Ceribeli, H. B., & Ferreira, F. J. R. (2016). Uma análise da relação entre flexibilização do trabalho, comprometimento organizacional e intenção de permanência na organização. Journal Globalization, Competitiveness and Governability, 10(3), 37-56. https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=511854477004

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: Métodos qualitativo, quantitativo e misto (3a ed.). Armed.

Cruz, R. (2010). Carreiras burocráticas e suas transformações: O caso dos gestores governamentais no Brasil. In F. L. Abrucio, M. R. Loureiro, & R. S. Pacheco (Orgs.), Burocracia e política no Brasil: Desafios para a ordem democrática no século XXI (pp. 73-108). Editora FGV.

Currie, G., & Procter, S. J. (2005). The Antecedents of Middle Managers’ Strategic Contribution: The Case of a Professional Bureaucracy. Journal of Management Studies, 42(7), 1325–1356. https://doi.org/10.1111/j.1467-6486.2005.00546.x

Dias, D. M. (2016). Avaliação do impacto da capacitação profissional do servidor público municipal (Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Engenharia da Produção da Universidade Federal do Amazonas).

Eisenberger, R., Huntington, R., Hutchison, S., & Sowa, D. (1986). Perceived organizational support. Journal of Applied Psychology, 71(3), 500-507. https://doi.org/10.1037/0021-9010.71.3.500

Feldman, D. C., & Ng, T. W. H. (2007). Careers: Mobility, embeddedness, and success. Journal of Management, 33(3), 350-377. https://doi.org/10.1177/0149206307300815

Forrier, A., Sels, L., & Stynen, D. (2009). Career mobility at the intersection between agent and structure: A conceptual model. Journal of Occupational and Organizational Psychology, 82(4), 739-759. https://doi.org/10.1348/096317909X470933

Graneheim, U. H., Lindgren, B.-M., & Lundman, B. (2017). Methodological challenges in qualitative content analysis: A discussion paper. Nurse Education Today, 56, 29-34. https://doi.org/10.1016/j.nedt.2017.06.002

Greenhaus, J. H., Callanan, G. A., & Direnzo, M. A (2008). Boundaryless perspective on careers. In Handbook of organizational behavior (Vol. I, pp. 277-299). Sage.

Guimarães, S. C., & Marconi, N. (2017). O impacto da remuneração variável no desempenho do servidor público. Administração Pública e Gestão Social, 9(1), 43-53. https://doi.org/10.21118/apgs.v1i1.4991

Gunz, H., Peiperl, M., & Tzabbar, D. (2007). Boundaries in the study of careers. In H. Gunz & M. Peiperl (Eds.), Hanbook of career studies (pp. 471-494). Sage.

Holmström, B., & Milgrom, P. (1994). The Firm as an Incentive System. The American Economic Review, 84(4), pp. 972–991. https://doi.org/10.2307/2118041

Howlett, M. (2011). Public Managers as the Missing Variable in Policy Studies: An Empirical Investigation Using Canadian Data. Review of Policy Research, 28(3), 247–263. https://doi.org/10.1111/j.1541-1338.2011.00494.x

Jakobsen, M., Jacobsen, C. B., & Serritzlew, S. (2019). Managing the behavior of public frontline employees through change-oriented training: Evidence from a randomized field experiment. Journal of Public Administration Research and Theory, 29(4), 556-571. https://doi.org/10.1093/jopart/muy080

Joseph, D., Boh, W. F., Ang, S., & Slaughter, S. A. (2012). The career paths less (or more) traveled: A sequence analysis of IT career histories, mobility patterns, and career success. MIS Quarterly: Management Information Systems, 36(2), 427-452. https://doi.org/10.2307/41703462

Kahn, C. M., Silva, E. C. D., & Ziliak, J. P. (2001). Performance‐based wages in tax collection: The brazilian tax collection reform and its effects. The Economic Journal, 111(468), 188-205. http://www.jstor.org/stable/2667848

Klein, F. A., & Mascarenhas, A. O. (2016). Motivação, satisfação profissional e evasão no serviço público: O caso da carreira de especialistas em políticas públicas e gestão governamental. Revista de Administração Pública, 50(1), 17-39. https://periodicos.fgv.br/rap/article/view/58592

Lei Complementar n. 73, de 10 de fevereiro de 1993. (1993). Institui a lei orgânica da Advocacia-Geral da União e dá outras providências. Brasília, DF. https://legislacao.presidencia.gov.br/atos/?tipo=LCP&numero=73&ano=1993&ato=b27UzY61ENFpWT8fd

Lotta, G. S., Pires, R. R. C., & Oliveira, V. E. (2014). Burocratas de médio escalão: Novos olhares sobre velhos atores da produção de políticas públicas. Revista do Serviço Público, 65(4), 463-492. https://doi.org/10.21874/rsp.v65i4.562

Loureiro, M. R., Olivieri, C., & Martes, A. C. B. (2010). Burocratas, partidos e grupos de interesse: O debate sobre política e burocracia no Brasil. In F. L. Abrucio, M. R. Loureiro, & R. S. Pacheco (Orgs.), Burocracia e política no Brasil: Desafios para a ordem democrática no século XXI (pp. 73-108). Editora FGV.

Magalhães, E. M., Oliveira, A. R., Cunha, N. R. S., Lima, A. A. T. F. C, & Campos, D. C. S. (2010). A política de treinamento dos servidores técnico-administrativos da Universidade Federal de Viçosa (UFV) na percepção dos treinados e dos dirigentes da instituição. Revista de Administração Pública, 44(1), 55-86. https://doi.org/10.1590/S0034-76122010000100004

Mangia, U. B., & Joia, L. A. (2015). Antecedentes à transição de carreira dos profissionais de Tecnologia da Informação. Revista de Administração, 50(4), 541–560. https://doi.org/10.5700/rausp1218

Marques, A. L. (2011). Gerentes em organizações públicas: Características do trabalho e contexto profissional. Revista Interinstitucional de Psicologia, 4(1), 93-103. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-82202011000100010&lng=pt&nrm=iso

Masuda, A.D., Poelmans, S.A.Y., Allen, T.D., Spector, P.E., Lapierre, L.M., Cooper, C.L., Abarca, N., Brough, P., Ferreiro, P., Fraile, G., Lu, L., Lu, C.-Q., Siu, O.L., O'Driscoll, M.P., Simoni, A.S., Shima, S. and Moreno-Velazquez, I. (2012). Flexible work arrangements availability and their relationship with work‐to‐family conflict, job satisfaction, and turnover intentions: A comparison of three country clusters. Applied Psychology, 61(1), 1-29. https://doi.org/10.1111/j.1464-0597.2011.00453.x

Novato, V. de O. L., Najberg, E., & Lotta, G. S. (2020). O burocrata de médio escalão na implementação de políticas públicas. Revista de Administração Pública, 54, 416-32. https://doi.org/10.1590/0034-761220190228

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. (2019). Revisão das competências de inovação e liderança na alta administração pública do Brasil. [s.n.].

Oltramari, A. P., & Grisci, C. L. I. (2014). Carreira e família na sociedade líquido-moderna. RAM. Revista de Administração Mackenzie, 15(1), 15-48. https://doi.org/10.1590/S1678-69712014000100002

Paula, A. P. P. de. (2005). Por uma nova gestão pública: Limites e potencialidades da experiência contemporânea. FGV Editora.

Perry, J. L. (2014). The motivational bases of public service: Foundations for a third wave of research. Asia Pacific Journal of Public Administration, 36(1), 34-47. https://doi.org/10.1080/23276665.2014.892272

Pires, R. (2018). O trabalho na burocracia de médio escalão e sua influência nas políticas públicas. In Burocracia e políticas públicas no Brasil: Intersecções analíticas (pp. 185-206). [s. n.].

Possenriede, D., Hassink, W. H. J., & Plantenga, J. (2016). Does temporal and locational flexibility of work increase the supply of working hours? Evidence from the Netherlands. IZA Journal of Labor Policy, 5(1), 16. https://doi.org/10.1186/s40173-016-0072-y

Pouliakas, K. (2010). Pay enough, don’t pay too much or don’t pay at all ? The impact of bonus intensity on job satisfaction. Kyklos, 63(4), 597-626. https://doi.org/10.1111/j.1467-6435.2010.00490.x

Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional. (2019). Relatório – processo seletivo PGFN – maio/2017 a maio/2019. Documento interno não publicado.

Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional. (2020). PGFN em números 2020. Brasília, DF. https://www.gov.br/pgfn/pt-br/acesso-a-informacao/institucional/pgfn-em-numeros/pgfn-em-numeros-2020/view

Ramos, E. A. de A., & Joia, L. A. (2014). Uma investigação acerca do fenômeno do turn-away entre os profissionais de tecnologia da informação. RAM - Revista de Administração Mackenzie, 15(4), 75-109. https://doi.org/10.1590/1678-69712014/administracao.v15n4p75-109

Santos, G. M., Filho, & Mourão, L. (2011). A relação entre comprometimento organizacional e impacto do treinamento no trabalho. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 11(1), 75-89. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1984-66572011000100007&lng=pt&nrm=iso

Silva, L. (2015). A burocracia de médio escalão da Secretaria da Receita Federal do Brasil: Insulamento seletivo e construção de capacidades burocráticas. In G. Lotta, Burocracia de médio escalão: Perfil, trajetória e atuação (pp. 223-251). ENAP.

Tasca, J. E., Ensslin, L., & Ensslin, S. R. (2012). A avaliação de programas de capacitação: Um estudo de caso na administração pública. Revista de Administração Pública, 46(3), 647-675 https://doi.org/10.1590/S0034-76122012000300002

Vasconcelos, F. (2004). Racionalidade, autoridade e burocracia: As bases da definição de um tipo organizacional pós-burocrático. Revista de Administração Pública, 38(2), 199-220. https://periodicos.fgv.br/rap/article/view/6534

Vergara, S. C. (2015). Métodos de pesquisa em administração. Atlas.

War, P. (2007). Work, happines, and unhappines. Lawrence Erlbaum Associates, Inc.

Weber, M. (1967). Ciência e política: Duas vocações. Editora Cultrix.

Weibel, A., Rost, K., & Osterloh, M. (2010). Pay for Performance in the Public Sector-Benefits and (Hidden) Costs. Journal of Public Administration Research and Theory, 20(2), 387–412. https://doi.org/10.1093/jopart/mup009

Wheatley, D. (2017). Employee satisfaction and use of flexible working arrangements. Work, Employment and Society, 31(4), 567-585. https://doi.org/10.1177/0950017016631447